1. Spirit Fanfics >
  2. Doces ou Travessuras? - Imagine EXO >
  3. Park Chanyeol - O Bruxo

História Doces ou Travessuras? - Imagine EXO - Capítulo 7


Escrita por: e Red--


Notas do Autor


Oioioi pacotinhos! Suave? De boa na lagoa, SEUS LINDOS

Aproveitando a quarentena? Eu sei que não, então estou aqui com um capítulo do D&T! Espero que gostem do nosso Chany Potter

⚠️ terá um pouco de anal KKK caso não goste, não leia, depois não diga que não avisei.

Desculpa os erros, tentei corrigir, mas eu corrijo mal, mazokei.

BOA LEITURA!

Capítulo 7 - Park Chanyeol - O Bruxo


Fanfic / Fanfiction Doces ou Travessuras? - Imagine EXO - Capítulo 7 - Park Chanyeol - O Bruxo

— Park Chanyeol —

~ O bruxo ~

Eu olhei pela janela, minha amiga indo embora. Nós tínhamos acabado de fazer uma maratona de filmes de terror. Todos foram incríveis. Alguns me fizeram lembrar dos meninos das chaves misteriosas.

Ah!

Hoje completa uma semana que eu não usei nenhuma dessas chaves, por alguns motivos, mas, agora eu estou inspirada! Vou ter que usar uma hoje. O que será que está me aguardando trás da porta?

Eu dou uma corridinha até o meu quarto, pegando a caixa onde continha as chaves. Peguei uma roxa cintilante, era linda e bem convidativa. Olhei para a porta e caminhei até a mesma, colocando a chave na maçaneta e girando.

Alguns segundos de passaram e a porta se abriu aos poucos mostrando uma passagem completamente preta. Parecia que não havia nada ali.

— Ah, o que será que- Ah!

Eu piso em falso e acabo caindo. Começo a despencar numa velocidade absurda e a única coisa que eu fazia era gritar. Parecia um buraco sem fundo, ao meu redor não tinha nada, apenas o escuro. Toquei em meu rosto, fechando os olhos com força. Parecia que eu ia me estraçalhar no chão a qualquer momento.

Repentinamente, paro de despencar. Tirei a mão de meu rosto aos poucos e olhei para baixo. Havia uma vassoura ali, uma vassoura voadora ofuscante.

— Mas ué.

Meu corpo reage sem minha autorização, fazendo-me agarrar a vassoura no exato momento que ela começa a voar rapidamente na direção de alguma coisa.

— Misericórdia senhor! — apertei meus olhos, por conta da velocidade que a tal vassoura voava.

Ah pronto, tô no filme do Harry Potter.

Aos poucos, a vassoura vai perdendo velocidade, até parar em frente a uma sala enorme. Olhei ao redor e vi que era tipo uma biblioteca antiga, com vários livros e frascos que pareciam ser de poções. Eu desci da vassoura com as pernas bambas, engolindo a seco.

— Tem alguém aí? — vociferei, não escutando nada.

Dei alguns passos tímidos até uma grande mesa, na qual tinha várias coisas bagunçadas. Curiosa, eu estendo minha mão para pegar um frasco roxo que estava ali em cima. Sua cor cintilante estava me chamando.

— Se eu fosse você não pegaria isso. — uma voz surgiu atrás de mim do nada, fazendo assustar-me e dar um gritinho.

Olhei para trás, olhando um homem alto para um cassete, com os cabelos platinados. Ele usava uma rouba formal, típica de um professor dos anos 90. O mesmo também estava usando um óculos redondo.

Que homem lindo, gente.

— Ah, são seus? — coloquei a mão na nuca, vendo o mesmo passar por mim e pegar o frasco.

— De quem mais séria?

— Sei lá, Harry Potter? — falei dando uma risadinha.

O mesmo deu um sorrisinho de canto. Ele passou a mão em seus cabelos, fazendo alguns fios caírem em seu rosto. Ele olhou-me de cima a baixo e se aproximou de mim rapidamente. O mesmo ficou numa distância perigosa de mim, fazendo-me ficar com as bochechas ruborizadas pela movimentação repentina.

Sua expressão séria estava me deixando extremamente vermelha.

— Sou Park Chanyeol, é um prazer. — proferiu sem desgrudar os olhos da minha boca.

— Eu sou a-

— Eu sei. — me cortou, dando um sorrisinho de canto. Ele se inclinou, me deixando encurralada entre a mesa e ele. — S/n... S/n... Estava ansioso com a sua chegada. Preparei umas coisinhas para você, espero que goste.

Após falar isso, ele se afastou de mim e caminhou até uma prateleira com algumas poções. Pegou algumas e as colocou numa mesinha. Eu apenas o observava, curiosa como sempre.

Ele não era tão atrevido quanto os outros, mas, estou gostando dele.

— Vem cá. — chamou-me, balançando a mão. Vou até o mesmo e ele me estende um frasco verde. — Beba.

— O que é isso?

— Beba e você verá.

Peguei o frasco de sua mão com um pouco de medo e o olho, cerrando meus olhos levemente. Tomei o um pouco do líquido do frasco, sentindo meu corpo todo ficar gelado em segundos. O gosto era doce, bem doce.

— O que isso faz? — olhei para Chanyeol que nada respondeu, apenas deu um sorrisinho.

Do nada, sinto como tivesse sendo fodida por alguém. Parecia que alguém estava entrando e saindo de mim de uma maneira selvagem.

— P-puta que p-pariu, o que é i-isso A-ahn...

Eu me apoio na mesinha, fechando meus olhos, gemendo e respirando fundo. Porra, aquilo estava bom demais, mas era muito estranho.

— Huh, poção mágica. Gostou né? Eu sei. — Chanyeol riu baixinho, me observando gemer feito uma atriz pornô.

Mordi o lábio inferior, aquilo não parava uma vez se quer. Jesus.

— Vai, beba isso aqui. — Chanyeol me deu um frasco vermelho.

Bebi o líquido rapidamente, sentindo um gosto amargo, horrível em meus lábios.

Aquela sensação simplesmente parou e uma angústia toma conta do meu corpo. Me sinto mal e eu gemi baixinho, olhando Chanyeol, desconhecendo aquela sensação.

— Isso... O que é isso?

— Huh, bem. Essa poção que lhe dei, lhe faz sentir a sensação de um orgasmo interrompido, só que mil vezes mais forte. Legal né? — ele põe o frasco num canto e me olha.

— Seu.... Seu.... Isso é horrível! — choraminguei.

— Eu sei. — gargalhou. — Beba isso, lhe fará sentir-se melhor. Prometo.

Bebi um pouco daquilo com um pouco de receio de ser mais uma brincadeira dele, mas não era, eu realmente me senti melhor.

Mas a sensação de não ter gozado ainda tomava conta do meu corpo.

— Sabe por que lhe dei isso? — se aproximou de mim.

— Por que?

— Porque você não pode gozar apenas por causa de uma simples poção. Eu quero que você goze comigo dentro de você, lhe dando sensações incríveis. — sua mão subiu e tocou meu rosto. Mordi o lábio inferior e ele me puxou para perto de si, fazendo-me colidir contra seu peito.

Nossos lábios se chocam em um beijo que de começo, estava calmo, mas logo ele começa a tomar forma e ficar cada vez mais intenso e afoito. Senti as mãos de Chanyeol ficarem em meu quadril, me puxando e me fazendo esfregar-se em si.

Sou empurrada contra a mesa, ficando um pouco sentada, de um jeito desengonçado, por ter muita coisa em cima daquela mesa.

— Chany... — mordi o lábio inferior, quando nos separamos do beijo. — A mesa... Está cheia. — informei, fazendo um pequeno bico.

Chanyeol olhou para a mesa e estalou os dedos, fazendo tudo aquilo desaparecer em questão de segundos. Sorrio de um jeito sapeca e com a ajuda do maior, me deitei na mesa gelada de madeira. Olhei para o teto escuro, apenas esperando a próxima movimentação de Chanyeol.

Não tardou muito para eu sentir beijos sendo depositados em minhas coxas, juntamente com mordidas e lambidas quentes, me deixando arrepiada. Olhei para baixo e vi Chanyeol sorrindo de canto enquanto me olhava.

Chanyeol passou a ponta dos dedos em minhas vestes, que começaram a se desfazer aos poucos, virando cinzas; me deixando completamente nua em frente ao mago que mordeu o lábio inferior ao passar suas íris por meu corpo, lentamente. Dei um gemidinho intencional, fazendo a atenção do mago voltar-se a meu rosto.

— Você é linda, puta que pariu. — xingou entredentes, dando um gemido rouco no final.

— Digo o mesmo ao senhor. — respondi ao elogio do mesmo no mesmo tom.

Num piscar de olhos, Chanyeol sumiu com suas vestes. Olhei seu corpo, engolindo a seco por admirar tal coisa.

Esse homem não tem defeitos.

Chanyeol passou os dedos por seu cabelo e voltou a se inclinar sobre mim. Sua língua áspera passou por minha coxa vagarosamente, até chegar em minha intimidade que estava pulsando de excitação, esperando pelo mesmo. Fechei meus olhos com força ao sentir a ponta da língua de Chanyeol encostar em meu íntimo, fazendo pequenos movimentos tortuosos.

— Ah...

— Já está gemendo? Olha que eu nem te toquei direito. — ele se levantou e olhou para mim, com um sorriso sugestivo delineado em seus lábios.

Fiz bico e gemi manhosa. Eu queria muito que ele continuasse, mas parece que o mesmo ama um suspense.

— Que tal a gente deixar as coisas ainda mais divertidas? — sugeriu ele, balançando as mãos.

Franzo o cenho e eu solto um gritinho quando sou girada naquela mesa, ficando de bruços. Cordas surgem e amarram meu corpo com força; cordas que provavelmente irão deixar marcas em meu corpo.

Povinho que ama amarrar os outros.

Viro meu rosto e fico olhando para lado, gemendo baixinho por ter meu corpo sendo apertado por aquelas cordas. Vejo Chanyeol caminhar e ficar perto de mim, ele puxou a cadeira e se sentou ali, me olhando com um sorrisinho sapeca.

— 'Tá vendo essa caixa? — apontou para uma caixa de madeira vermelha que havia surgido ali de uma hora, para a outra. — Tem algumas coisinhas aqui dentro que eu quero testar em você. — falou, passando a ponta dos dedos na tampa da caixa.

Vejo ele abrir a caixa aos poucos, tirando dali, um Dildo de bolas, com esferas que iam do menor, para o maior. Ele me olhou com uma das sobrancelhas arqueadas, nunca se desfazendo daquele sorriso.

Engoli a seco e ele se levanta novamente, voltando a ficar atrás de mim. Tento olhar para trás, mas foi inútil. Então apenas respirei fundo e esperei ele fazer o que queria fazer.

Senti algo gelado passar por minhas coxas — provavelmente o Dildo —, ele vai deslizando o brinquedo sobre meu corpo até alcançar minha segunda entradinha. Meu corpo entrou em pânico por alguns segundos e eu começo a respirar rapidamente, nervosa. Chanyeol parece ter notado meu nervosismo, então parou.

— Algum problema bruxinha? — indagou com a voz rouca, me deixando arrepiada, por mais que eu ainda esteja nervosa. — Nunca sentiu nada entrando aqui? — neguei com a cabeça, arrancando uma risadinha gostosa dele. — Huh, sempre tem uma primeira vez para tudo, né?

— E-eu não acho uma boa idéia. — gaguejei, apertando meus dedos na palma da minha mão.

— Vamos pelo tentar, se doer muito, você apenas fala que eu paro, tudo bem? Não quero te machucar, mas, quero que você experimente. — falou e eu assenti levemente.

Não estava confiante naquilo, mas, também estava um pouco curiosa, nunca havia tentado, acho que a hora é agora.

Mordi o lábio e senti Chanyeol afastar o Dildo de mim, depois ele volta a encostar o brinquedo em mim, desta vez, lubrificado. Aos poucos, senti ele me penetrando com o Dildo. Começou a doer, era uma dor suportável, mas não deixava de ser uma dor.

— Está tudo bem bruxinha? — indagou ele, preocupado. — Se quiser, eu tiro...

— N-não... — grunhi baixinho, apertando meus olhos. — Pode continuar...

Chanyeol apenas respondeu-me com um “Okay” baixinho, antes de enfiar o Dildo ainda mais fundo em mim.

Agora a dor era tênue, passei a sentir prazer aos poucos. Chanyeol passou a mover o brinquedo em meu interior vagarosamente, arrancando gemidos manhosos dos meus lábios, que a essa altura, estão vermelhos e inchados por conta das mordidas que desviri na mesma.

— A-ah... C-chany... — gemi, relaxando meus ombros aos poucos.

— Está gostando bruxinha? Eu sabia que você iria amar a sensação. — disse, pousando a mão em minha cintura, puxando-me para trás.

Fico empinada para o mesmo, com o Dildo ainda dentro de mim. A destra de Chanyeol desliza pela minha epiderme, dando apertos e beliscões que era até que bons. Sua mão chegou ao meu pescoço e ele levantou meu rosto, me fazendo olhar para frente, encarando um espelho que havia ali. Pude finalmente ver a expressão endiabrada desse mago que mandou um beijo para mim.

— bruxinha, me diga, qual é a primeira letra do alfabeto? — perguntou com um pequeno bico nos lábios.

— É o A-ahnn.... — dei um puta gemido quando senti Chanyeol me penetrar com seu membro, em minha bucetinha, que literalmente, não estava esperando por isso. — Porra!

— Own, te assustei? Não foi minha intenção... — ele ri baixinho. — Mas agora que já estou aqui, vamos brincar bruxinha. Aperta meu pau bem gostosinho Okay?

Ele passou a se mover com força em meu interior, movendo o Dildo na mesma velocidade. Eu já não sabia pronunciar uma palavra coerente, os sons que saiam da minha boca eram apenas gemidos altos e palavrões entrecortados.

Aquilo 'tava bom pra caramba. Puta merda.

— A-ah, que bucetinha apertadinha... — ele aumentou a velocidade do Dildo. — rebola vai...

Obedeci, começando a rebolar em seu membro devagar, por estar amarrada, meus movimentos eram sempre limitados e isso é horrível.

— Quer que eu te solte? Huh? — ele afastou seu membro de minha entradinha e as cordas somem do meu corpo.

Me senti muito melhor sem aquelas cordas todas e sorrio, olhando para o espelho de um jeito malicioso.

— Chany, eu quero te beijar, Huh!

Pedi manhosa. Chanyeol me virou num piscar de olhos, me fazendo ficar sentada naquela mesa. O Dildo ainda estava em meu interior e essa movimentação repentina fez o mesmo se mover fundo; Okay, aquilo doeu.

— T-tira? Quero sentir só você. — pedi manhosa e ele assentiu, retirando o Dildo de mim.

Sorrio aliviada e entrelacei as pernas na cintura de Chanyeol, puxando o mesmo para mim. Busquei seus lábios com urgência, para iniciar um beijo lascivo e necessitado.

As mãos de Chanyeol percorriam meu corpo, me fazendo sentir um misto de sensações incríveis. Seus dedos que estavam levemente gelados, se afundavam em minha cintura, puxando a mesma para si cada vez mais, causando um atrito entre nossos íntimos.

— Huh, bruxinha... — separou-se do beijo, puxando meu lábio inferior entre os dentes. — Olha o que eu tenho aqui.

O mesmo balançou as mãos e eu olho para mesma, vendo um par de dados ali, com escritas, provavelmente seria de um dado erótico e olha só, era mesma.

— Hum! Gostei. — mordi o canto dos lábios, entusiasmada com o nosso joguinho. — Posso começar?

— Claro bruxinha. — ele colocou os dados em minha mão e ficou apenas me dando selinhos no ombro, enquanto eu me virava levemente, para poder jogar os dados sobre a mesa.

Joguei e os mesmos rolaram até parar do outro lado da mesa. Um dizia “Pescoço” e o outro, “Morder”

Chanyeol sorriu e puxou meu cabelo para o lado, seu jeitinho bruto estava me deixando louca. Sem condições.

Ele se aproximou do meu pescoço e antes de começar a morder, ele passou a língua naquele local, me trazendo arrepios maravilhosos. Fechei os olhos e senti seus dentes começarem a dar pequenas mordidas ali, algumas fracas e outras nem tanto. Antes de se afastar, ele deixou um pequeno beijo abaixo da minha orelha.

— Minha vez. — ele pegou os dados e balançou os mesmos em sua mão, jogou eles na mesa.

Uma parou em “Boca” e a outra caiu no coringa.

— Huh, deixa eu pensar... — Chanyeol tombou a cabeça para o lado, pensando, com um pequeno bico em seus lábios. Ele voltou a me olhar e apontou para seu membro.

Dou um sorrisinho antes de sair da mesa e me ajoelhar na frente do mesmo. Passei a mão em meu cabelo e peguei o membro de Chanyeol delicadamente. Apertei sua grossura e comecei a masturbar seu pau lentamente, escutando um barulhinho indecente que saia dos lábios de Chanyeol. Olhei para cima e vi o mesmo prendendo o lábio inferior entre os dentes, com um olhar carregado de luxúria.

— Está escrito boca, não mãos. — informou ele, dando uma pequena risada.

Revirei meus olhos e coloquei a língua para fora, passando a mesma pela extensão de seu pau rosado, lentamente. Chanyeol grunhiu, tombando sua cabeça para trás logo em seguida. Paro de enrolar e logo enfio seu pau quase que inteiro na minha boca, passando a chupa-lo com rapidez.

Esse homem era gostoso em todos os sentidos, misericórdia.

— Own! B-bruxin-.... Bruxinha! — Chanyeol gemeu alto, ficando inteiramente arrepiado. Senti seus dedos se enroscarem em meus cabelos, ajudando-me com os movimentos. — Isso.... Chupa... Own... Enfia tudinho na boca, vou te dar bastante leitinho!

Sorri internamente e continuo fazendo os movimentos rápidos, desta vez, enfiando seu pau até onde eu conseguia. Queria escutá-lo gemer cada vez mais alto, aquela voz dele era maravilhosa, tenho certeza que esses gemidos dele vão ficar em minha mente por dias.

Enquanto minha boca trabalhava em seu membro, minhas mãos massageavam suas bolas. Não tardou muito e sinto o mesmo pulsar em meus lábios, anunciando que está próximo de seu orgasmo. Chanyeol apertou meus cabelos em seus dedos e passou a mover seu quadril em direção a minha boca, passando a fode-la sem dó alguma.

— A-ahn.... Céus... — senti seu líquido quente preencher minha boca e escorrer em meu queixo, deixando alguns respingos caírem em meu colo. — Você é tão boa bruxinha, como pode?

— Bastante treino. — me levantei e pisquei para Chanyeol, que fez cara de tédio. — Que foi bruxinho?

— Não fale dos 'outros' quando está comigo, eu tenho ciúme.

— Mas eu não falei eu-

— Não importa, eu sei bem o que você quis dizer com “treino”. — fez aspas com as mãos.

Chanyeol fez um bico fofo nos lábios e eu ri baixinho pelo seu jeitinho manhoso. Me aproximo do mesmo e abraço seu pescoço, ficando na ponta do pé, para lhe dar um selinho.

— Não vou dizer mais e agora, para de manha e me fode. Bem gostosinho.

Sorrio largo e Chanyeol retribuiu o sorriso, me empurrando para trás. Gritei por pensar que não havia nada atrás de mim, mas eu caio em uma cama. Olho para a mesma sem entender de como ela surgiu ali.

— Esqueceu que tudo aqui é mágico, bruxinha? — sussurrou ele, subindo na cama, ficando em cima de mim.

— Por um pequeno instante. — sorri levemente.

— Huh, então vou te fazer nunca se esquecer, nem que seja por um instante. — verbalizou baixo.

O mesmo atacou meus lábios em um beijo afoito, com direito a uma batalha de línguas e sucções fracas. A destra de Chanyeol pegou minha perna e a empurrou para o lado, me deixando de pernas abertas para ele que, não perdeu tempo e se meteu no meio das mesmas.

Gemi abafado, ao sentir ele me penetrar fundo, sem aviso prévio. Ele adora fazer esse tipo de coisa e não posso negar que também gosto das suas surpresas.

Chanyeol passou a mover seu quadril contra o meu numa velocidade rápida, fazendo nossos corpos se chocarem e um barulho alto ecoar pelo local. Seu pau entrava por inteiro em minha bucetinha que o acolhia de bom grado. Minhas mãos arranhavam as costas de Chanyeol com força, na intenção de descontar o prazer que eu estava sentindo naquele momento.

Separamos do beijo apenas para gemer e xingar um ao outro com palavrões explícitos e excitantes.

— Own.... Isso Chany.... Mete... Mete! — gemi alto, deixando meus lábios entreabertos.

— Bruxinha... A-ah... — Chanyeol se apoiou na cabeceira da cama e começou a meter de uma forma bruta. — Gosta assim, Huh?

— S-sim... Puta que pariu!

Gritei alto e Chanyeol apenas riu baixinho. Ele sabia muito bem o efeito que estava causando em minha sanidade que eu acho que não tenho mais. Sinceramente.

Chanyeol passou a dar beijos em meu colo enquanto seus movimentos se intensificavam, logo seus lábios chegaram ao meu seio direito que foi sugado com força pelos lábios famintos de Chanyeol. Curvei meu corpo e me permiti gritar ainda mais de prazer.

Xvideos me contrate.

— Own, como minha bruxinha é escandalosa. — Chanyeol disse, após largar meu seio e me olhar. — gosto disso. Gosto muito.

— G-gosta? Huh? Por que?

— Porque eles me deixam cada vez mais duro. 'Tá sentindo? — ele aperta minha coxa e me dá um tapa forte na mesma. — Ahn?

— S-sim! Own! Porra! Eu vou gozar, C-chany... Eu vou gozar! — apertei seus braços e ele sorriu.

Um grito agudo saiu de minha garganta quando eu atingi meu orgasmo, esguichando meu liquido no pau de Chanyeol que acabou escorregando para fora. Chanyeol se ajeitou e voltou a me penetrar, se movendo rápido em busca do seu próprio orgasmo que, não demorou muito para chegar.

Eu estava me sentindo cheia e cansada, muito cansada. Chanyeol me abraçou e ficou acariciando meu corpo por um tempo.

— Foi o melhor dia da minha vida inteira. — confessou ele, apertando meu corpo em si. — Sinceramente.

— Você é um fofo. Agora sai de cima de mim que você é pesado. — ri.

[...]

Dei vários selinhos em Chanyeol e tento fazer ele me soltar.

— Chany, eu preciso ir embora. — sussurro.

— Por que você não fica? Não quer ser minha Hermione? Fica, por favor! Eu fico tão sozinho. Eu não gosto dos outros meninos, eles são chatos e conversar com eles é a mesma coisa que conversar com o nada. — pediu manhoso, colocando a cabeça e meu pescoço.

— Você sabe que não posso ficar aqui. — acaricio seus cabelos e ele suspira.

— É... Enfim... — ele suspira e me entrega a chave. — Espero vê-la novamente, bruxinha.

— Também espero vê-lo de novo, bruxinho. — lhe dou um selinho e eu subo na vassoura que estava ali. — Tchau.

— Tchau... — ele dá um pequeno sorriso e logo a vassoura começa a voar.

Desta vez ela estava mais calma, então não me preocupei muito. Logo cheguei em minha casa e eu suspirei baixo, sorrindo ao fitar a chave e colocá-la junto com as outras.

Acho que vou assistir Harry Potter.



Notas Finais


Gostaram? Comentem oq acharo!
Mais um apelido pra listinha: bruxinha!

Quem será o próximo a dar um mar de sensações para nossa amada S/n? Huh façam suas apostas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...