1. Spirit Fanfics >
  2. Doces travessuras >
  3. Um novo pretendente

História Doces travessuras - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Perdão pela demora ,meu celular foi levado:(, mas aqui um novo capítulo para vocês finalmente :D

Um pretendente para a única moça que não quer se casar e um flagra comprometedor, a mansão Solo estará movimentada.

Capítulo 6 - Um novo pretendente


Fanfic / Fanfiction Doces travessuras - Capítulo 6 - Um novo pretendente

Reynabel tomava o chá da tarde ao lado da prima Rose. Qualquer um dos outros da casa as via como mocinhas e inocentes, mas a verdade é que a escola de damas ensina um pouco mais do que Leia e Han acreditavam. Nada que fosse além do permitido para a época é claro. O fato é que Rey ainda não havia aprendido sobre o que aconteceu entre ela e o homem que a vê como irmã. A Lady Holdo ensinou sobre a noite de núpcias, as moças devem obedecer ao esposo, ele ficaria rígido e a penetraria, seria doloroso e sangue mancharia os lençóis. Mas pelos corredores do colégio muito se falava, praticamente todas eram virgens, no entanto muitas tinham livros proibidos escondidos debaixo dos colchões.  

Uma vez Rose mostrou a Rey um livro emprestado que mostrava um desenho realista dos órgãos masculinos, o pênis parecia estranho nos olhos da menina de treze anos. Era anormal mulheres se depilarem, mas nos livros também haviam imagens das regiões púbicas depiladas com cera (algo assustador para elas). Muitos segredos foram revelados as meninas que agora moças não eram tão inocentes, ou pelo menos se achavam não inocentes.  

 

Mas o ocorrido naquela manhã ensolarada a inquietava: 

-Rey, você... me perdoe... - Bem se afastou como se algo o tivesse queimado. 

-Isso me sentir tão bem, Ben.  

-Isso foi errado, Rey! - Ele sabia que era, era virgem, mas não inocente. - Eu estava...  

Excitado. 

Rey não sabia que aquelas sensações no corpo dele o deixou duro, rígido e louco de desejo. Ele nunca se sentiu assim antes, claro teve momentos de hormônios adolescentes, mas a voracidade do sentimento dele por ela era devastador. Apenas ela o deixou assim, o cheiro e a maciez dela. 

O Solo a encarou. Um homem jamais pode tocar em uma dama solteira, no máximo beijar a mão enluvada. Mas e os irmãos? Podem abraçar, beijar? Será que ele estava misturando as emoções e confundindo o amor de irmãos com amor de homem e mulher?  

Confuso. 

-Vamos voltar, irmã. 

 

Rose a despertou das lembranças comentando algo como Arm está muito bonito.  

-  Eu gosto dele. - Rose terminou o comentário sorrindo de forma boba.  

-  Mas vocês são primos! - Rey falou corada e assustada com o paralelo entre as duas.  

-  Apenas no papel, somos de sangue diferentes. - A moça asiática falou bebericando a xícara. - Então gostou de algum pretendente ontem? 

Ah! Havia isso. 

-  Eu não quero me envolver com nenhum deles.  

-  Tudo bem, somos jovens e temos muitos cavaleiros loucos para casar conosco. 

Nesse momento Ben e Arm adentram a sala de chá, e Ben acaba ouvindo a última parte.  

-  É isso que moças de quinze anos pensam o tempo inteiro? - Arm falou irritado e não sendo o único mal-humorado, Ben franziu o cenho. 

-  Vocês não pensam em se casar? - Rose perguntou desafiando-os. 

O moreno pálido fitou Rey que tremeu os olhos diante da perturbação de sua zona de paz. Arm puxou uma cadeira e não respondeu, apenas sentou-se e começou a comer. 

-  Eu vou me casar com alguém que me faça feliz. - O Solo sentou também. 

-  Joane eu acredito que esteja fora da sua lista? - Paige se juntou a eles assim como Poe. 

-  Estamos falando de casório? - Poe pensou em fugir. 

-  Poe, nós sabemos sobre você, aqui é seguro, pode ser quem você é! - Paige o desafiou e ele ficou vermelho de raiva. 

-  Você não tem esse direito! - Ele apontou o dedo na cara dela. 

-  Ele prefere homens? - Rose perguntou curiosa. 

-  Não é isso. - Paige tentou responder. - Compreender quem ele é, está à frente do nosso tempo. Ele não gosta de homens ou mulheres, não está pronto para isso e talvez nunca vá está. - Poe não conseguiu dizer sequer uma palavra de defesa, mas aliviou-se em ser aceito pelos irmãos e primas. 

-  Você é como ele? - Rey indagou.  

-  Não. Eu sei bem o que eu quero. - Ela encerrou comendo um biscoito.  

Ben Solo percebeu que a família deles estava longe de ser convencional. Ele nutria sentimentos confusos pela irmã (ainda que adotiva), o irmão Poe era quem ele era, Arm era muito tímido e só falava com as mulheres da família, Paige gostava de usar calças e era provável que ela gostasse de mulheres, Rose e Rey eram as únicas que escapavam das loucuras familiares. Não que ele achasse tudo isso errado, na verdade ele amava muito eles e tinha medo do que as pessoas poderiam fazer se descobrissem sobre eles.  

Leia invadiu a sala com uma cara feliz e ansiosa. 

- Paige minha querida! Finalmente eu consegui um noivo que a aceitasse mesmo após todos os outros eventos que você estragou. 

Paige sentiu a espinha arrepiar e uma careta chocada dominou sua face. 

-  O que? - Rose perguntou. - Que outros eventos? 

A asiática mais velha relembrou de momentos tensos em que Josh seu primeiro pretendente tentou roubar um beijo descaradamente em um passeio pelos jardins da mansão, ela sem pensar duas vezes socou o nariz arrebitado dele o quebrando. A segunda vez foi a de William o herdeiro de importadoras de tecidos, ele era muito fútil e machista, Paige o jogou no esterco de cavalo e riu durante dias relembrando os chiliques dele. O terceiro e último era o Dan, muito bem vestido, e a jugou no momento que viu o vestido surrado que Leia a vestiu impecavelmente muito antes dela se aventurar pelas matas. Esse Leia mesma mandou embora quando ele criticou a criação dela com Paige. 

-  Isso não vem ao caso florzinha. - Leia sorriu para ela e puxou Paige. - O senhor Kenobi virá para o jantar.  

-  Mais um pirralho, tia Leia? - Paige bufou. 

- O senhor Kenobi tem 35. 

Paige já estava assustada, mas ao ouvir a idade do pretendente ficou tonta e a raiva ferveu seu sangue. Antes dela explodir um sorriso diabólico surgiu em seus lábios sem que ninguém percebesse, ela tinha um plano para mandar o velhote embora.  

 

 

A noite escureceu todos arredores da mansão e o convidado especial de Leia chegou. Como sempre Han Solo estava viajando à negócios, todos os Solo-Skywalker o aguardavam na sala de jantar. Paige era a única atrasada, Leia havia mandando-a trocar as calças por um vestido que Luke mandou de presente a ela uma vez. Tudo fazia parte do plano dela de sabotar o jantar dele. 

Rey sentou-se em frente ao irmão Solo e ele fingiu não se interessar pela presença dela. Quando o Sr. Kenobi adentrou o recinto todos lançaram olhares na direção do homem e depararam-se com uma figura carismática e atraente, muito atraente.  

Paige desceu as escadas desviando a atenção do convidado para ela, com um vestido vermelho oriental a moça se aproximou da mesa e estendeu a mão para o Sr. Kenobi que a beijou encantado. Paige abriu um largo sorriso um pouco assustador e forçado, os irmãos se entreolharam desconfiados. 

-  É um prazer conhecê-la Srta. Paige.  

-  O prazer é meu.  

Eles se sentaram e esperaram a comida ser servida. Inesperadamente a porta principal foi abruptamente aberta e Han Solo entrou apressado. 

-   Oh, Sr. Kenobi o Han Solo veio antes do esperado.  - Leia falou surpresa.

-  Por favor senhor Solo, sente-se na cadeira principal. - O Kenobi ofereceu a cadeira em que ele ia se sentar, Paige tossiu ao se engasgar e Rose a olhou desconfiada. 

-  Não, o senhor Kenobi é nosso convidado, por favor sente-se aqui. - Paige apontou para a cadeira principal.  

-  Não, eu gosto da hospitalidade que uma casa tem quando seu patriarca assume esta posição. - Dito isso ele sentou em outro lugar e Han Solo ocupou o lugar dele. 

Poe e Arm se entreolharam agoniados como se fizessem parte de um plano que estava prestes a dar errado. 

A comida foi servida e Han Solo deu a primeira colherada no caldo de cordeiro. Uma gota de suor escorreu pela testa de Paige e ela estava prestes a impedir o tio de continuar a comer quando ele arregalou os olhos e as bochechas ficaram vermelhas. 

-  Água! - Ele gritou desesperado e Leia deu um copo assustada, mas ele agarrou a jarra da mesa e praticamente jogou sobre a própria face.  

Paige olhou para Leia que a fitava repreendendo-a, ela já sabia de tudo: Paige armou uma comida apimentada para o pretendente se assustar e ir embora. Kenobi parecia confuso a princípio, mas ao ver Han rir feito louco ele achou tudo divertido. 

-  Desculpe-nos, Sr. Kenobi. Não somos a família convencional que todos procuram. - Han falou acalmando-se. 

-  Talvez eu não esteja procurando uma família convencional. - Eles riram. 

Paige encarou o Sr. Kenobi que sorria com o ocorrido, ele era ruivo e tinha os olhos azuis como o céu. Idiota, como pode estar tão feliz com um relacionamento arranjado? Por isso deve estar solteiro com essa idade. Ele de repente a encarou e ela ficou vermelho por ser pega o encarando. Por que um homem a estava deixando tão nervosa? O jantar seguiu tranquilamente e o Sr. Kenobi foi convidado a passar a noite.  

Rey resolveu ir para o jardim observar as flores noturnas. Quando Reynabel atravessou a pequena porta ela imaginou o encontrar vazio, (e por isso estava de camisola), mas uma figura negra estava jogada sobre a grama encarando o céu. Era Ben. Ela se aproximou sentando-se ao lado dele e depois deitando.  

-  Vamos fazer isso juntos. - Rey falou observando as estrelas.  

-  O que?  

-  Olhar o céu até a lua e o sol se encontrarem. - Ele virou-se para encará-la.  

Ben estava satisfeito em apenas tê-la ao seu lado. O vazio dos últimos quatro anos parecia ter se preenchido novamente, algumas coisas mudaram, como o cheiro dela, agora mais atrativo para os instintos dele, ou como os fios longos e castanhos que se espalhavam na grama. Mas os olhos eram os mesmos, o jeito de sempre estar aberta a presença dele era o mesmo. Apesar da satisfação momentânea ele sabia que o corpo dele doía para estar mais próximo dela, a sensação de não poder tocá-la como desejava o remoía os nervos e ele temia que as mãos movessem sozinhas como da última vez. Ele então prometeu-se que não a tocaria mais, não como o animal selvagem dentro dele o obrigava a fazer. Afinal ela o via como um irmão, não tinha esses mesmos desejos. 

Mas Rey não estava lutando contra esses instintos, quando ela se virou para encontrar os olhos deles sentiu o coração palpitar e as mãos formigarem para tocá-lo. Então ela o fez, entrelaçou as mãos sem luvas nas dele que aceitou o toque sem muita relutância. Ela o queria, queria beijá-lo, mas foi ensinada que uma moça fazer isso no casamento e Ben não nunca se casaria com ela, pois Joane era quem ele desejava e a elogiou alguns anos atrás, porque Joane tinha mais seios e fios loiros, porque ela não era a irmãzinha dele. Uma lágrima escorreu pela bochecha gelada dela, a outra mão de Ben foi rápida e correu para secar a gota salgada. 

-  Por que choras? 

-  Por que eu não quero perder você. - Ele ficou confuso. 

-  Eu sempre estarei aqui, Rey. 

-  Não! - Outra lágrima escorreu. - Um dia vai se casar com Joane e ... 

Ela não completou a frase, pois sentiu um tronco enorme sobre si, Ben estava abraçando-a com seus braços fortes e enormes a envolvendo calorosamente. Ela ficava tão pequena debaixo dele que ele temeu quebrá-la. 

-  Esqueça-a. - Ele sussurrou. - Você tem um abismo de diferença de qualquer outra mulher para mim. 

Como uma fera com sua presa em seus braços Ben Solo a apertou contra si, o cheiro amadeirado dele a embriagou e ela abriu as pernas abraçando-o, procurando o máximo de contato com ele, os braços finos e delicados ficaram subiram para o rosto dele trazendo-o para perto do dela, seus lábios estavam tão próximos que ela sentiu o calor da respiração dele pairando sobre a boca dela. 

Um grunhindo os impediu de continuar sabe-se lá o que estavam fazendo e eles se viraram para encontrar o Sr. Kenobi os encarando com a expressão chocada e olhos arregalados. 

Oh não... 


Notas Finais


Parece que o Sr. Kenobi quer uma família peculiar, mas isso seria muito peculiar? :o


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...