História Doctor (Imagine Jungkook - BTS) - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook)
Tags Bangtan Boys (BTS), Fanfic Jungkook, Imagine Jungkook, Jungkook, Jungkook Imagine
Visualizações 171
Palavras 1.007
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


TA AÍ O CAPITULOOOOO

Capítulo 17 - Capítulo 16


Fanfic / Fanfiction Doctor (Imagine Jungkook - BTS) - Capítulo 17 - Capítulo 16

- Então, sabem o que significa?  - Você perguntou para Hanna e Spencer, suas amigas da faculdade que acabaram de chegar em Seul. – Eu não consegui entender.

- Que língua é essa escrita na mensagem? Podemos usar o tradutor. – Spencer deu a ideia de usar a ajuda do tradutor para ler o que estava escrito na mensagem de K.

- Sei lá, língua satânica? – Hanna pronunciou fazendo vocês rirem. Hanna sempre foi a mais desconcentrada do grupo da faculdade. Sempre fazia piadas sem graça que acabaram tendo graça de tão ruim que era.

- Credo, Hanna. Concentra! – Já Spencer, sempre foi a mais focada de todas. Sempre tirava notas boas nas matérias e sempre foi a certinha, quer dizer, sempre certinha quando estavam olhando. – Talvez seja... grego?

- Vamos ver. – Nicolas abriu o Google Tradutor e colou o texto da mensagem. Era grego, de fato. O que havia escrito era ‘’ não há lentes, nem visão. Eu sou apenas um objeto desprotegido. Ela me usou, mas não havia razão.’’

- O que pode ser isso? Uma lente de contato? – Perguntou você sem entender o que havia escrito. Quem havia usado o tal objeto ou o que ele era?

- Um óculos, pode ser isso. – Spencer disse, por fim. Talvez fosse mesmo um óculos, mas não tinham certeza. Por que o óculos não teria lente, nem visão?

- A Kris não usava um óculos? – Hanna perguntou jogando uma possibilidade de ser um óculos, o óculos da Kris.

- Sim, mas o óculos dela não tinha grau, então... É ISSO! – Surpreendeu seus amigos, já que havia gritado. Era mesmo o óculos da Kris. – O óculos da Kris não tinha lentes, praticamente, nem visão, já que não tinha grau. Lembram que a Aria quebrou o óculos? Por isso ele ficou desprotegido. A Kris o usou sem razão, entenderam?

- Isso! Pode ser isso mesmo! – Hanna exclamou. Acabaram de desvendar a segunda pista. Ótimo, já estavam progredindo, mas uma coisa que não entendiam era a reação inexistente entre a primeira e a segunda pista.

- E agora, o que fazemos? – Nicolas perguntou. – Ah, espera. Acho que é uma mensagem de K. – Falou ao toque de seu celular, indicando uma mensagem.

 

‘’Ótimo, estão indo mais rápido do que eu pensei, meus parabéns. Agora só falta encontrar o óculos para passarem para a próxima pista. Quando encontrarem o objeto, passarei a próxima pista, mas sugiro que esperem a Emilly e a Aria.’’

 

A ideia de saber que K está vigiando vocês, mesmo estando em seu escritório no hospital, que era um lugar fechado, lhe perturbava muito. Odiava essa sensação, e o pior era que não podia fazer nada.

- Ainda não acabou, ele ou ela mandou mais uma mensagem. – Nicolas levou o celular até o meio de todos para que pudessem visualizar melhor a mensagem.

 

 

‘’__________, olhe para a porta.

- K’’

 

 

 

Assustados, olharam todos para a porta de seu escritório.

- Jungkook... – Proferiu seu nome quase num sussurro ao ver o namorado parado na porta. A quanto tempo ele estava lá? Merda... – Jungkook, espera! – Exclamou seu nome, correndo atrás do mesmo se se virou andando apressadamente pelo corredor, aparentemente com raiva.

- Me solta. – Disse quase descontrolado ao sentir suas mãos puxarem seu braço. – Você mentiu pra mim. Disse que K não havia mais mandado mensagens!

- Deixa eu explicar...!

- Eu perguntei pra você e você olhou nos meus olhos e disse que não estava mais comprometida com o assunto de K, muito menos que ainda estava fazendo isso com... – Procurou palavras para descrever e objetar seus amigos. – um bando de crianças!

- Eles são meus amigos! – Exclamou. – E eu menti para te proteger, Jungkook! K estava ameaçando todos nós, eu estava com medo de acontecer algo com você.

- Escondendo isso de mim? É esse o seu jeito de me proteger? – Perguntou furioso. Jungkook não gostava de mentiras, mesmo sendo algo tão inconveniente como isso.

- Sim, é exatamente isso!

- ________... – Nicolas chamou por você, vindo em sua direção.

- Falamos mais tarde. – Jungkook disse ríspido. Era melhor sair de lá antes que esmurrasse a cara de Nicolas. A presença dele deixava Jungkook desconfortável de um mdo que nem ele compreendia. Podia ser ciúmes, mas eles não se gostavam mesmo.

Jungkook deu meia volta e usou o elevador para descer para o andar de baixo. Ele tinha uma cirurgia agora, cirurgia essa que você não estava incluída já que voltou para a equipe do doutor Han.

- É melhor deixa-lo ir. Deixe-o pensar, e enquanto isso, vamos até a casa da Kris. – Spencer proferiu com rigidez, puxando todos até a saída do hospital.

- Pra que vamos até lá? – Hanna perguntou. Você também não entendia por que teriam que ir até a casa da falecida amiga.

- Vamos procurar o óculos, ué!

Sem esperar darem suas opiniões sobre a decisão, Spencer jogou vocês dentro do carro e deu partida. O caminho não era tão longo assim, mas parecia estar sendo uma eternidade, isso por que você queria chegar logo em casa para poder conversar com Jungkook. Estava se sentindo mal por ele. Era difícil passar por tudo o que estava passando e ainda ter que proteger o namorado. Não queria brigar com ele, queria fazer as pazes. Talvez ele fosse embora mesmo e deixaria você para trás, então não queria que ele fosse estando brigados. Era seu último desejo.

Continuaram o trajeto, mas logo chegaram na casa da amiga. Era uma casa não muito grande. Não havia ninguém morando lá, estava abandonada. Os pais de Kris se mudaram do país quando ela morreu, então ninguém ficava por ali.

Estacionaram o carro em frente a casa e desceram do mesmo. Você, sem esperar, abriu o portão da casa, entrando e andando pelo quintal até chegarem na porta, onde simplesmente abriu, mas logo se arrependeu. O cheiro de carne podre veio à tona. Quase vomitou ali mesmo no quintal.

- AH, QUE NOJO! – Hanna berrou se afastando da entrada da casa. – Que cheiro de carne podre é esse?


Notas Finais


O que será o cehiro de carne podre em viadax? uashuasas
ah sou so eu q nn tomei banho msm u.u


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...