1. Spirit Fanfics >
  2. Dois coxões e 1 Jeon Jungkook >
  3. A realização de um sonho

História Dois coxões e 1 Jeon Jungkook - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Bom chegamos ao fim.
Obrigada a quem me acompanhou até aqui.

Desculpem se o capítulo não estiver tão bom quando esperavam, mas dei meu melhor.

Capítulo 31 - A realização de um sonho


Fanfic / Fanfiction Dois coxões e 1 Jeon Jungkook - Capítulo 31 - A realização de um sonho

JIMIN ON



O tão esperado dia finalmente chegou, meus nervos estão especialmente a flor da pele hoje. A insegurança, nem bateu na porta, ela simplesmente invadiu minha alma, me fazendo passar praticamente a noite toda em claro, ocasionando olheiras terríveis.


ㅡ Eu não posso me casar parecendo um panda Tae, acho melhor adiar o casamento.


ㅡ Pelo amor né, isso dá pra esconder com maquiagem. Para de neura, vai dar tudo certo. ㅡ Tae diz tentando me acalmar.


ㅡ Mas o Kookie não vai querer casar com a noiva cadáver, olha para mim, pelo amor de Deus, eu tô horrível.


ㅡ Ah não, ataque de pelanca agora não, o Jungkook é louco por você. ㅡ  Tae diz me empurrando para fora do quarto ㅡ E vamos logo lá pra sala porque o maquiador já chegou e eu também tenho que ir me arrumar, ou você quer que eu faça feio ao lado da sua mãe no altar?


Faltam apenas três horas para que eu finalmente esteja no altar, ainda preciso fazer um reboco muito bem feito nessa minha cara de zumbi doente, bom eu sei que zumbi não fica doente porque já é morto, mas se eu fosse um zumbi com certeza estaria doente, minha cara não nega.


"Desculpem sei que não estou falando coisa com coisa, mas é que estou muito nervoso."


(...)


Agora falta apenas meia hora, meu coração espanca meu peito sem piedade, enquanto olho através das cortinas da tenda onde estou. Meus olhos já estão marejados, estou suando igual a um porco e minhas pernas tremem mais que vara verde, até ver meu homem me esperando no altar, o que me trouxe uma paz imensa.


Seu smoking totalmente branco, o colete e a gravata vermelha, contrastando com uma flor de crisântemo vermelho em seu bolso e seu sapato também branco. Seus cabelos repartidos ao meio, a boca levemente avermelhada.


É chegada a hora, minha mãe já está com Tae me esperando no altar, Yoongi e Hoseok ao lado de Kookie, afinal são seus padrinhos. Jin e Namjoon que são meus padrinhos também já estão em suas posições. 


A música começa a tocar, e meu corpo todo se arrepia, saí da tenda em direção ao lado de fora do hotel onde todos os convidados esperam ansiosos, não mais que eu claro. Decidimos por fazer a cerimônia a céu aberto, o que sempre foi o sonho de Kookie.


Está tudo tão perfeito, o corredor por onde vou entrar, fora feito com vasos de tulipas vermelhas, que simbolizam as declarações de um amor duradouro e dedicado. O caminho no chão está forrado com pétalas de rosas vermelhas, que simbolizam o amor, paixão, devoção e respeito.


Para chegar ao altar, vou passar por um arco decorado com Angélicas, simbolizando harmonia, união e paz. Meu buquê é feito com miosótis, que simbolizam o amor eterno e fidelidade. Kookie fez questão de escolher cada uma das flores que usaríamos para a cerimônia, tomando o cuidado de me explicar cada significado, e confesso que fiquei emocionado, vocês não? 


Parado em frente ao corredor, minhas pernas quase falham em responder aos comandos do meu cérebro,mas resolvem funcionar quando olho fixamente para meu noivo, ele está muito mais bonito do que eu lembrava.


Agora mais calmo, começei a caminhar seguindo o ritmo lento da música, olhando ao redor para os convidados, na verdade não conheço a metade das pessoas presentes, alguns parentes distantes de minha mãe, que me conhecem desde pequeno, mas que nem me lembrava que existiam. Alguns parentes de Kookie que eu também não fazia ideia da existência, mas isso não importa, estou explodindo de felicidade e nada vai me roubar a paz hoje.


Passei por baixo do arco de Angélicas encontrando meu noivo que já estendia sua mão para que eu a segurasse. Pude sentir todo o seu nervosismo naquele toque suave, e certamente ele pode sentir o meu também.


 ㅡ Você está especialmente lindo hoje neném. ㅡ ele me disse deixando um selar tímido em meus lábios.


 ㅡ Você está como sempre a personificação de Afrodite. ㅡ respondi olhando em seus olhos brilhantes.


O juiz de paz deu início a cerimônia,foram longos quarenta minutos falando sobre o amor, as responsabilidades para com o companheiro, e todas as outras coisas, as quais já aprendemos conviver ao longo desses dois anos juntos, terminando com a tão sonhada frase:


Pode beijar o noivo.


Os gritos de comemoração podiam ser ouvidos do outro lado do lago que se encontra atrás de nós, quando nosso lábios se tocam pela primeira vez após o famoso sim, fazendo com que nos separassemos mais rápido do que eu gostaria, pelo simples fato de que meu, agora marido, continua um poço de timidez diante de outras pessoas.


Quando olho para o lado onde minha mãe está com meu melhor amigo, ambos emocionados, com suas maquiagens borradas devido ao choro do qual foram acometidos. 


Nós sentamos em volta da mesa preparada especialmente para nós, juntamente com minha mãe e nosso amigos, que a este ponto já faziam parte da família. 


A festa estava perfeita, até começarem com os discursos, o que eu achava totalmente desnecessário, já que nós decidimos que não precisávamos nem dos votos de casamento, visto que não precisávamos de juras de amor eterno, afinal o amor não é uma coisa que possa ser traduzida em palavras, só precisa ser sentido.


Após apresentação do vídeo que gravei, ㅡ lembra aquele lá do começo? ㅡ todos os nosso amigos, juntamente com minha mãe decidiram fazer o tal discurso para os noivos, e por Deus, um mais vergonhoso que o outro. Não que eu tivesse vergonha deles, mas sim das coisas que eles contaram em cima do pequeno palco improvisado.


Quando eu achei que todos já tinham feito seus discursos, e já me encaminhava até o palco para jogar o buquê, avistei um homem subindo antes de mim, pegando o microfone e pigarreando para limpar a garganta e chamar a atenção dos convidados.


Meu coração disparou pela centésima vez, minhas pernas travaram no mesmo lugar, e eu juro que cairia de joelhos ali mesmo se não tivesse sido acolhido pelos braços fortes de meu marido que me abraçou por trás.


Era meu pai, bem ali, olhando para mim com sua face totalmente vermelha, e banhada em lágrimas, só olhando para ele, eu não saberia dizer quais eram seus sentimentos naquele momento, até que ele decidiu falar.


ㅡ Boa tarde a todos, vocês não me conhecem, mas um dos noivos sim, e muito bem. Eu pensei muito se deveria vir, afinal não recebi sequer o convite para esta união, mas aqui estou eu. Há um tempo atrás eu fiz algo que me arrependo amargamente, magoei a pessoa a qual deveria proteger e amar acima de tudo. Meu filho não te peço que me entenda, só peço que me perdoe, todas as palavras ditas, foram de um pai que tinha medo que o filho se machucasse, e ao invés de ficar ao seu lado para te proteger, acabei sendo covarde e abandonando você.


Minhas mãos se apertavam uma contra a outra, a fim de dissipar um pouco do nervosismo, já não controlava mais as lágrimas que insistiam em cair, sem conseguir desfazer o nó que havia em minha garganta, minhas pernas já não sustentavam mais meu corpo e foi preciso que trouxessem uma cadeira para que eu me sentasse.


ㅡ Quando você era pequeno, eu costumava ser o ser herói, mas a minha covardia me tornou o vilão da noite para o dia. Mas agradeço aos céus por você ter encontrado um herói de verdade, que vai te amar e te proteger como eu deveria ter feito, mais uma vez me perdoe meu filho, eu te amo e quero desejar diante de todos os presentes aqui que vocês sejam muito felizes, papai vai estar sempre aqui a partir de agora para o que você precisar, se você quiser é claro.


Ele terminou seu discurso, olhando para o chão em seguida, com medo em seus olhos, e nem notou quando meu corpo se chocou contra o seu apressadamente. Não sei nem dizer por quanto tempo ficamos chorando abraçados, aquele fora o abraço ao qual eu mais desejei receber nesses dois anos, um abraço cheio de saudade e perdão.


ㅡ Me perdoa meu filho. ㅡ ele me disse, segurando meu rosto, beijando minha testa a seguir.


ㅡ Eu te amo papai. ㅡ Foi tudo o que consegui dizer, antes de voltar a chorar.


Eu não pensei duas vezes em perdoar meu pai, não que eu entendesse seus motivos, mas porque ele é meu pai, ele me deu a vida, e continuou cuidando de mim mesmo que eu não soubesse, e acima de tudo o perdoei por que o amo.


Após todo o choro emocionado, voltamos para a mesa, agora com mais um convidado. Meu pai fora recebido calorosamente por meus amigos, tirando Yoongi, que como sempre se mostrou indiferente ao que acontecia ao ser redor. Mas a que mais surpreendeu a todos, menos a mim, foi minha mãe, que correu até ele, o envolvendo em um abraço saudoso e demorado.


As vezes acho que minha mãe é um anjo, ela sempre foi muito compreensiva, carinhosa e amorosa com todos, independente da situação. Sabe a história do copo meio cheio? Então, ela é assim, sempre olhando o lado positivo das coisas, e eu sei que ela ainda ama meu pai, apesar de tudo. 


ㅡ A noivinha não vai jogar o buquê? Eu também pretendo me casar logo. ㅡ quem grita é Tae, arrancando gargalhadas de todos os convidados.


ㅡ Já estou indo, nasceu de seis meses é? ㅡ Acho que nunca vou me cansar de dizer isso a ele.


Sobre os olhares de todos subi no pequeno palco, me virei de costas para todos que esperavam ansiosos pelo buquê, contei até três e finalmente o joguei, me virando totalmente aterrorizado pela cena que vi a seguir.


ㅡ Sai daqui sua baranga, eu peguei primeiro. ㅡ Tae brigava com uma das primas de Kookie que pegou o buquê ao mesmo tempo que ele.


Jin e Namjoon, esconderam o rosto da pequena Bora, que olhava assustada toda aquela confusão. Hoseok e Yoongi que assistiam a briga, não sabiam se riam, ou se tiravam ele do meio da confusão, mas uma coisa era certa, ele jamais desistiria, ou o buquê seria dele, ou a moça sairia dali de ambulância. 


A festa continuo somente quando Tae exibiu orgulhoso o buquê, que conseguira tirar das mãos da moça, que agora estava descabelada e com sapato em mãos. Não seria um casamento sem que houvesse um barraco na hora de pegar o buquê não é mesmo?


Estamos agora eu e Kookie no meio de um círculo formado pelos convidados para nossa primeira dança, ele pousou uma das mãos em minha cintura, e estendeu a outra para que eu a segurasse, iniciando um leve deslizar pela grama, numa dança lenta, me olhando nos olhos, como se pudesse enxergar o âmago do meu ser.


Eu não poderia estar mais feliz, tinha ali, ao alcance de minhas mãos, a pessoa pela qual me apaixonei perdidamente desde a primeira vez que o vi, e mais uma vez tive a plena certeza que fora um encontro de almas.


Quando os convidados se juntaram a nós, Kookie me puxou pela mão, me levando apressadamente para dentro do hotel, tomando o cuidado para não sermos vistos, pegando o elevador até a cobertura. Chegando em frente a porta da suíte na qual ficaremos, pude sentir um leve aroma de flores, um pouco familiar, afinal ele já fez isso antes.


Mas ao abrir a porta, meu coração quase explodiu, tinha um caminho feito com velas que levavam até o pé da escada que dava acesso ao segundo andar do duplex. Senti meu corpo ser suspenso e então me dei conta que Kookie estava cumprindo a tradição de carregar a noiva, bom no caso o noivo.


Ele adentrou o apartamento, comigo em seu colo, fechando a porta atrás de nós com certa dificuldade, o que me causou um riso nada discreto, caminhou até a escada, subindo a seguir até me deixar em pé, em frente a porta do quarto. 


Minha visão escureceu, quando ele tampou meus olhos com uma de  suas mãos, abrindo a porta com a outra e me guiando para dentro do cômodo que tinha uma temperatura um pouco baixa para o meu gosto, mas quando tirou a mão que cobria meus olhos entendi o porquê.


"Essa noite vai ser quente"


Não sei o que esse homem tem com flores, mas quer saber? Eu adoro.


O quarto estava iluminado apenas por algumas pequenas velas, um balde que continha Uma champagne e Um litro de vinho, sobre a cama um coração feito com toalhas vermelhas e em seu interior estava uma frase muita conhecida por todos nós, escrita com pétalas de rosas.


                A LUA É LINDA.



Eu digo e repito, o destino usa das armas que tem para juntar duas almas gêmeas, no nosso caso, as armas foram um colchão velho e uma loja falida.


 Eu não tenho como descrever, o quão agradecido me sinto aquele colchão velho, que me torturou por dias. Eu continuo sendo torturado, mas essa é a tortura mais deliciosa que pode existir, e é ela que agora me faz dormir como um anjo todas as noites.


Notas Finais


Espero que tenham gostado

사랑해요 💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...