1. Spirit Fanfics >
  2. Dois irmãos, uma história. >
  3. - Prólogo.

História Dois irmãos, uma história. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


BOOOOOOM!
Início da aventura!
"Honey e Blue, confusão em dobro."

Aproveitem!

Capítulo 1 - - Prólogo.


Fanfic / Fanfiction Dois irmãos, uma história. - Capítulo 1 - - Prólogo.

"Por quê eu?"
"Você? Nós?"
"Dúvida."
"Dor. Amor. Quente. Dói."
- ? - ? - ?

Em um repentino clarão de luz, acordo. Com meu rosto coberto de suor, aos poucos vou abrindo os olhos - meu coração estava acelerado, parecia como se fosse um motor, pulsava e pulsava. De forma rápida, reviro meu olhar pelo local, tentando recobrar a calma aos poucos.

O quê foi isso? Um pesadelo? M-Mas..

Ergo a mão esquerda até a minha testa, tentando secar todo aquele suor que caia. Fecho meus olhos por alguns segundos, aproveitando o silêncio do lugar. Enfim recupero o fôlego, abrindo meus olhos mais uma vez. Já com a calma totalmente restaurada, começo a pensar o quê havia acontecido;

- ( I-Isso foi bizzaro, o quê era aquilo? uma sala escura e depois... SERÁ QUE FUI ABDUZIDO? QUE DEMAAAAIS! Não... muito bom pra ser verdade, não é? Eu não consigo me  lembrar, foi tudo muito rápido. Uff, só mais uma maluquice minha, igualzinho como ela diria, não é? )

A imagem de Honey vem instantâneamente a minha cabeça - ela com certeza me chamaria de doido, como sempre. Eu? Doido? Pfft. 

- TUDOOOOO BEEEEEM! Pesadelos são normais, não são, senhorito Bluzoca? Assim como aquela vez que os Golfinhos...arrg, fico com medo só de pensar. Bom, hora de esticar as pernas e tomar um bommmm e açucarado CAFÉÉ!

Mudando totalmente de humor, começo a me animar só de pensar nas coisas incríveis que eu aprontaria hoje. Como de costume, acabei dormindo no chão - gosto muito de sentir a sensação do chão gelado, geralmente desenho minhas coisas assim, só que como consequência, acabo ficando tãooo relaxado que acabo dormindo. E ontem não foi diferente.

- Oky, oky! VAMO LÁÁ!

Com um sorriso imenso no rosto, me ergo do chão com uma espreguiçada longuissima. 

- Bom dia bar! Dormiu bem? Espero não ter atrapalhado seu sono com meu ronco.

Pronunciava cada palavra olhando para o teto do lugar, desviando para cada móvel, cada lustre. Porém, ao olhar ao redor, moto que antes de eu levantar, havia um cobertor. "Aquela boba acha que eu não suporto um friozinho desses? Logo eu, o super-ossudo-mestre?" Só que depois solto uma pequena risadinha, fazendo com as mãos um pequeno coração para agradecê-la.

- Calma, calma, calma. Eu tô me esquecendo de algo muiiitooooo importante, muito vital para minha sobrevivência. O quê era mesmo?

Coloco minha mão esquerda sobre o queixo, enquanto lentamente dou uma olhada no local - fazendo cara do típico pensador mirim, tento imaginar o quê eu poderia estar esquecendo. Por sorte, vejo um pequeno bilhere amarelado preso no balcão, que estava ao lado da minha "cama improvisada". O puxo, e lentamente começo a ler;

" Querido irmão, quando você estiver lendo isso, eu já vou estar fora de casa. Sai cedo pra comprar algumas coisas que estavam faltando no bar.
Viu o cobertor que eu coloquei? QUANTAS VEZES EU TENHO QUE TE DIZER PRA IR DORMIR NA SUA CAMA? Você é um bobo, hunf.
Antes de sair fiz seu café da manhã saudável. NADA DE AÇÚCAR. Espero que goste!
Volto logo, tá bom? Te amo.
NÃO. COLOQUE. FOGO. NO. BAR. "
~ assinado por irmã muito brava e preocupada, prepare o traseiro quando eu chegar. 

Sim, essa é a Honey que eu tanto amo. Ela é incrível, sabe? Um dia nós vamos dominar uma galáxia! JUNTINHOS! MUAHAHAHAHA!

- Essas palavras foram tão lindas, irmã... você é tão bela, tão gentil. Eu te amo tanto.

Começo a abraçar o bilhete, enquanto finjo me derramar em lágrimas. Depois de longos minutos recitando os diversos feitos que faremos no futuro, enfim dou um beijinho no papel, e o coloco no mesmo lugar outra vez.

- Bom, aonde nós paramos? SIMMMM, A MELHOR PARTE DO DIA! O CAFÉ DA MANHÃ! AAAAAAAH, O CAFÉZINHO TÃO QUENTINHOOOOO ~

Como de costume, estava usando um pijaminha bem enfeitado - eu mesmo fiz! HAHAHAHAHA! 

Uma camiseta azulada, com diversas figurinhas de personagens espalhadas pelo tecido. Uma bermudinha pequena branca, para alguém pequeno e extremamente sorridente! Já nos pés, calço um pequeno par de pantufas azuladas, dadas para mim por Honey.

- Comida? Você está me chamando? AQUI VOU EU! 

Com a velocidade de um flash me dirigo a cozinha do bar. Ao entrar, vejo aquela tão bela cena; um lindo e seduzente prato de plástico, com um resplandecente par de pães fritinhos e um suculento e frio Nescau.

A MINHA DEFINIÇÃO DE PERFEIÇÃO! Tão delicioso, dá até água na boca? O quê eu tô esperando falando, BORA CAIR DE BOCA!

Corro para perto de um banco de madeira, a qual puxo para perto do balcão aonde o prato estava. Rapidamente subo, preparando-me para dar o bote - MESMO SENDO MUITO ALTOOO, as vezes preciso de um pouquinho, bem pouquinho de ajuda. Não sou pequeno. SEM RIR, HONEY!

- Ulala, boa tarde, qual o seu nome? Que belos olhos você têm..

Sem esperar uma resposta do penadinho, dou uma enorme bocanhada no pãozinho. O pobre pequeno nem teve chance, foi engolido em só uma bocada. R.I.P senhor pão.

- Ah, você acha que escapou? MUAHAHAHAHAHAHA! TERÁ SUA PUNIÇÃO, Ó PEQUENO NESCAU!

Puxo o copo lentamente, fazendo uma voz assustadora de fundo, rindo sem parar. Já não aguentando mais, dou três bons grandes e longuíssimos goles, aproveitando todo o sabor que ele tinha a me oferecer.

- Sintam-se honrados, o temível lobo branco os devorou. VAI GERALT!

Com meus pequenos olhinhos azulados, começo a sintilar de alegria, pulando de lá para cá. Desço do banco com um pulo mortífero, agora me dirigindo em alta velocidade para a sala, mais uma vez!

Porém, ao chegar na sala. . .

Minha animação louca de repente some, fazendo minhas pernas pararem por completo. Meu coração se acelera repentinamente, enquanto fico totalmente imóvel, olhando para a porta. Vejo a silhueta dos longos cabelos brancos adentrarem o bar - o pequeno barulho da porta se abrindo acaba por quebrar o silêncio, deixando com que o único barulho evidente ali fossem as minhas pequenas risadinhas. Ela não havia entrado, sequer me visto, estava de costas olhando para o nascer do sol. Começou a se virar lentamente, soltando um suspiro cansado. Minhas bochechas ergueram um pequeno tom avermelhado com toda aquele jogo de luzes, aquele lindo e penetrante cabelo voando a par com o vento.

Depois de alguns segundos, enfim recobro a voz, e com um tom amoroso, suave e totalmente normal, grito;

- MEU SANTO ESQUELETO, VOCÊ COMPROU UM GOLFINHO?


"SAAAAAAAAAAAAANS!"
. . .








Notas Finais


Primeiro capítulo terminando!
Eai, muita loucura pra um prólogo?
KKKKKK! Espero que tenham gostado!
Logo, logo novos capítulos! E com novas mãos também, HAHAHA! 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...