História Dois lados de um medo. - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Tags Chanbaek, Exo, Kaisoo
Visualizações 31
Palavras 3.319
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Survival, Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Lembrando que sempre que a narrativa mudar, o nome do personagem estará no inicio! Boa leitura! <3

Capítulo 7 - Caos.


JONGIN

Já haviam se passado dois dias desde o ocorrido.

Estávamos parados na enorme casa, sozinhos.

Eram cinco da manhã. Ainda estava amanhecendo.

Nós não conseguíamos dormir por muito tempo, então decidimos ficarmos juntos.

- Quanto de comida nós temos? – Suho perguntou para Xiumin, que estava perto dos armários.

- Bem... – Ele olhou os sacos de salgadinhos no armário. – Temos algumas porcarias por aqui ainda, mas comida enlatada... só algumas.

- Merda. – Suho passou a mão pelos cabelos.

Chen estava descendo as escadas, com os cabelos molhados.

Em meio a toda aquela merda de apocalipse, ficamos felizes de ainda ter pelo menos água rodando pelas casas. Nós gastávamos muito pouco com medo de acabar.

Mas estava funcionando bem assim.

- Quem é o próximo? – Chen se aproximou do balcão. – A água está bem mais gelada hoje.

Xiumin respirou fundo.

- Eu vou logo. – Disse colocando a toalha nos ombros. – Pelo amor de Deus, caso algo aconteça me chamem, não quero morrer nu.

Rimos do garoto.

Ele realmente combinava com Chen. Era tão idiota quanto ele.

Me afastei da cozinha, indo até a sala, olhar pela janela. Queria observar o “grande” movimento por ali.

Nada.

Só uma rua parada e corpos ao chão.

- Ainda está nublado. – Suho se aproximou.

Sorri de lado.

- Nem fala... – Me mantive olhando entre a cortina. – A chuva só piora ainda mais esses dias...

Suho me olhou, sorrindo de lado.

- Fico feliz que tenhamos nos encontrado. – O garoto sorriu, fazendo seus olhos sumirem. – Pensei que iria morrer sozinho.

Ri.

- Se morrermos... – O olhei. – Vamos juntos, não é?

Ele riu de volta.

- O que estão fazendo? – Chen apareceu com um pacote de biscoito recheado em mãos. – Decidindo quem vai sair de casa hoje?

O olhamos, confusos.

- Sair de casa? – Levantei uma sobrancelha.

-É, ué. – Ele se sentou na poltrona. – A comida está acabando, pessoal... não vamos aguentar ficar tanto tempo comendo besteira.

Revirei os olhos.

- Parece que você não se importa em comer besteira o tempo inteiro, não é? – Dei um tapa na cabeça de Chen, indo me sentar no sofá a sua frente.

- Ei! Tenho que aproveitar o que temos! - Ele mastigava ferozmente o biscoito. – Mas admito que precisamos de algo com mais...

- Sustância? – Suho riu.

Chen arregalou os olhos.

- Exato! – Praticamente cuspiu farelo de biscoito por toda a sala. – Imagina uma comida de verdade...

Em alguns minutos, Xiumin desceu as escadas, secando os cabelos.

- Recomendo rezarem antes de entrarem embaixo do chuveiro. – O garoto fez careta. – O choque gelado quase me matou.

Nós rimos, mas fomos interrompidos por um barulho de vidro quebrando vindo do segundo andar.

Os garotos se entre olharam, preocupados.

- Mantenham a calma... – Me levantei, pegando o revolver em cima da mesa de centro da sala. – Venham para trás...

Chen largou o biscoito, segurou Xiumin pela mão e o afastou das escadas. Suho tirou a pistola da cintura, se aproximando de mim e indicando, com a cabeça, para subirmos.

Assenti e decidimos subir.

Eu estava na frente, então a todo momento olhava para Suho, o esperando ficar perto de mim o suficiente para eu não ser atacado pelo outro lado sem perceber. Eu estava suando frio. Até porque quem diabos iria entrar pelo andar de cima sem que percebemos? Era muito estranho.

Caminhei devagar pelo corredor, olhando para todos os quartos, observando as janelas.

Era o quarto onde Suho dormia.

O último do corredor.

Estilhaços de vidro pelo chão do carpete.

- Mas que porra... – Suho abaixou a pistola, olhando para o chão. – O que causou isso?

- Não faço ideia... – Respondi olhando ao redor do quarto.

Enquanto tentava procurar a fonte do problema, pude perceber um rastro estranho pelo carpete. Como se fosse... sangue.

- Ei... – Dei um tapinha leve em Suho, chamando sua atenção.

- O que?! – O garoto me olhou preocupado, logo seguindo meu olhar até o chão.

Indiquei para o mesmo fazer silencio e seguimos o rastro.

Caminhamos novamente para o corredor, indo até aonde o rastro terminava.

- O banheiro. – Suho sussurrou, vendo a porta encostada.

Engoli seco.

Abri a porta do banheiro, sentindo o medo correr pelas minhas veias.

- Quem está ai?! – Aumentei a voz.

Assim que abri a mesma por inteiro, travei.

- Jongin... Jongin... Jongin... – Suho sussurrava repetidas vezes, tomado pelo desespero.

Um dos... zumbis, estava no meio da banheira, em pé.

Ele tinha um casaco escuro e um capuz que cobria sua cabeça. Sua pele estava praticamente derretida. Seus olhos sangravam e sua boca estava aberta, com um liquido preto escorrendo da mesma até o pescoço. Seus dentes podres estavam a mostra e o mesmo rangia, como se fosse um animal.

- Corre... – Sussurrei para Suho, sem tirar os olhos daquele zumbi.

- O que? – O garoto franziu o cenho, sem entender.

- Corre! – Em um movimento rápido fechei a porta, deixando aquilo preso dentro do banheiro.

O grito que exalava da garganta do zumbi era aterrorizante, como se o mesmo estivesse gritando de dor. Não demorou muito para eu sentir as batidas e arranhões do lado de dentro do banheiro.

- Jongin! – Suho gritava. – Precisamos sair daqui!

- Desça e avise os garotos! – Gritei como resposta. – Eu me viro aqui!

- Mas, Jongin... – Suho tentou me convencer de não ficar sozinho.

- Vá agora!

O garoto relutou, mas acabou descendo, dizendo para os meninos se preparem para saímos correndo daquele lugar... e possivelmente se preparem para uma bela matança dentro da casa.

As batidas e gritos estavam mais fortes. Eu tentava segurar a porta, mas estava ficando impossível lutar contra aquele zumbi.

Ele era diferente dos outros.

- Merda! – Gritei.

Dito isso, soltei a porta e corri até as escadas, me preparando para quando aquela coisa decidisse sair do banheiro e correr atrás de mim. Desci as escadas pulando os degraus, desesperado, mas me senti mais seguro ao ver meus amigos segurando várias armas.

- Que merda é aquela? – Chen olhava para cima da escada.

- Não importa! – Respondi. – Temos que meter o pé daqui o mais rápido possível!

Enquanto falávamos aquilo, Xiumin apontou lentamente para o topo da escada. O zumbi estava em uma posição de ataque, como se esperasse algum de nós nos mover para poder nos seguir.

- Pessoal... – Suho falou olhando para trás. – Acho que temos visita.

Para piorar toda a nossa situação, alguns zumbis atraídos pelos barulhos estavam se aproximando da casa. Eu estava nervoso demais, qualquer cálculo errado poderia significar o nosso fim.

Me virei lentamente para a direção da escada.

Minha testa suava.

O zumbi ainda estava em sua posição, rosnando, apenas esperando alguma falha nossa.

Ele sabia que estávamos desesperados.

Ele sentia isso no ar.

Enquanto eu analisava toda a situação, vi Suho se aproximar de mim, levantando a arma em direção ao zumbi no topo da escada. Me senti mais seguro ao ver que o garoto estava ao meu lado, pronto para lutar junto a mim.

Enquanto eu pensava no que deveríamos fazer, ouvimos batidas na porta.

- Não... não... – Xiumin sussurrava diversas vezes para si mesmo.

- Respira... – Chen tentou o ajudar, mesmo sabendo que talvez não conseguíssemos escapar daquela situação.

Em questão de segundos, uma parte da porta foi quebrada por zumbis do lado de fora. Foi o bastante para fazer Xiumin surtar.

- Eu não posso fazer isso! – O garoto se soltou de Chen, mirando para a porta, disparando contra aqueles do lado de fora.

- Xiumin! Não! – Eu gritei, tentando o avisar.

O garoto carregou a arma, correndo até a frente da porta gritando enquanto atirava contra os mesmos. O sangue escuro espirrava em suas roupas e seu rosto. Xiumin estava fora de si.

Mas eu não o culpava.

Não demorou muito para que o zumbi no segundo andar pulasse em cima de Xiumin, tentando o atacar.

- Puta que pariu! – Suho se virou, começando a atirar naquele bicho.

Me juntei ao mesmo que atirava descontroladamente em cima do zumbi. Chen criou forças para terminar com aqueles que estavam fora da casa.

- Essa porra não morre! – Suho disparava sem parar, mas daquele jeito, gastaria todas as balas em um só zumbi. – O que vamos fazer?

- Pense, Jongin, pense! – Minha mente rodava enquanto eu escutava os gritos de Xiumin, os rosnados do zumbi e os tiros das armas.

Olhei para cima da mesa, aquele maldito espeto que Xiumin achara outro dia estava bem ali. Eu só tinha uma chance.

Aquilo deveria servir.

Peguei o mesmo, largando o revolver no sofá, correndo até Xiumin.

- Morre seu desgraçado! – Dito isso enfiei o espeto na cabeça do zumbi, perfurando o crânio do mesmo, que agonizou até a morte, caindo em cima de Xiumin.

Chen parou de disparar.

- Eu... – O moreno se virou para nós, banhado em sangue. – Eu tinha acabado de tomar banho!

Xiumin resmungava enquanto tentava afastar o corpo decomposto do zumbi de cima de si, mas estava abalado demais para aquilo. Ajudei o garoto, o puxando para longe.

- Ei... – Me agachei a sua frente. – Ei... está tudo bem agora.

Xiumin estava boquiaberto, respirando pesado e com o olhar perdido.

Eu não o culpava de maneira alguma.

Se imaginar numa situação dessas já é o bastante para surtar, imagine realmente estar lá para vivenciar tudo na frente de seus olhos. Estávamos encurralados.

- Eu... quase estraguei tudo... – Ele me olhava desesperado.

- Mas não estragou. – Eu sorri de lado. – Pense que se não fosse por você, os zumbis poderiam ter entrado e aí sim, estaríamos fodidos.

- E você foi muito corajoso. – Chen se agachou ao seu lado, segurando em sua mão.

O mais velho pareceu aliviado ao perceber que seus amigos não estavam putos com ele e entendiam todo o surto que causou. Nós poderíamos estar impacientes e decepcionados com ele, mas isso só causaria mais problemas.

Às vezes a compreensão é realmente melhor do que o julgamento.

Porém, um dos nossos estava estranho, eu diria inquieto.

Suho.

- Temos que ir embora desse lugar o mais rápido possível.

- O que?! – Me levantei, indo até ele.

Revirou os olhos.

- Os tiros que demos atraíram dezenas daqueles bichos. – Ele apontou para o final da rua, aonde uma horda lenta se aproximava.

- Droga. – Passei a mãos pelos cabelos. – Vamos sair pelos fundos.

[...]

Estávamos completamente sem rumo.

Parecia que a cada passo que nós dávamos, mais perdidos nós ficávamos.

A chuva havia parado, apenas estava nublado e bem fresco.

- O que aconteceu com você? – Falei, olhando para Suho, enquanto caminhávamos atrás de Xiumin e Chen.

Ele deu de ombros.

- O que quer dizer com isso? – Perguntou, sem olhar no meu rosto.

Engoli seco.

- Desde o ataque a umas horas atrás você ficou de certa forma... estranho.

Ele riu irônico.

- Você matou o zumbi que atacava Xiumin. – Ele ainda olhava para o chão, chutando pedrinhas pelo caminho.

Franzi o cenho.

- I daí? – Questionei. – Não vai me dizer que está...

- Com inveja? – Ele me olhou sorrindo irônico, o que me irritava. – Talvez...

Bufei.

- Isso sequer faz sentido, Suho.

- Olhe para você, Jongin. – Ele parecia desapontado. – As pessoas confiam em você. Se sentem seguros com a sua presença, entende?

Eu apenas o deixava falar.

- Os dois ali, adoram você. – Ele apontou com a cabeça para Xiumin e Chen. – Sabem que se precisarem de ajuda, contaram com você.

Olhei os garotos a nossa frente. Eles estavam de mãos dadas, rindo e aparentemente tranquilos. Eles realmente pareciam bem confortáveis, mesmo estando vivendo naquela situação.

- Acha mesmo que eles se importariam se eu morresse? – Sorriu de lado. – Não mesmo... eles apenas se importam com você.

- Não diga uma bobagem dessas... – Neguei com a cabeça.

- É apenas a verdade.

A baixa autoestima de Suho era nítida.

Mas não sabia que ele se rebaixava tanto e com tanta facilidade daquele jeito.

- Você é corajoso e forte... tudo que todos querem ser em situações como essa. – Me olhou, levantando rapidamente as duas sobrancelhas.

Eu me sentia mal.

Me sentia culpado.

- Mas você também é importante... – Tentei amenizar a situação, mas estava sem cabeça para aquilo.

- Sei... – Ele ainda sorria, com uma tristeza profunda nos olhos.

Continuamos a caminhar até encontrarmos uma rua cheia de carros parados, praticamente empilhados. Passamos por alguns, mas como tudo sempre pode piorar, percebemos uma quantidade considerável de zumbis passando entre os carros mais na frente da onde estávamos.

- Nós não temos sorte. – Chen respirou fundo. – Não temos mesmo...

- O que vamos fazer? – Xiumin se virou para mim.

Olhei para Suho, que fez uma expressão sarcástica, como se jogasse na minha cara que ele estava certo em dizer que eu era adorado por ser, talvez, um pouco mais corajoso ali no meio.

Eu não poderia deixar aquilo ficar daquele jeito.

- O que acha, Suho? – O olhei debochado, da mesma maneira que ele fazia ao me olhar.

Percebi seu nervosismo.

- Acho que não devemos gastar mais balas. – Ele deu de ombros. – Deveríamos distrai-los e continuar o caminho.

Sorri para o garoto e dei uma piscada para o mesmo que riu da minha atitude.

- Conseguem agachar em baixo dos carros? – Perguntei, receoso.

Os garotos se entre olharam e assentiram.

Não deu outra.

Nos agachamos em baixo de carros diferentes, a partir de agora estávamos sozinhos.

Olhei para frente, era possível ver os pés dos zumbis se aproximando aos poucos. Precisávamos faze-los passar direto para conseguirmos passar por eles sem gastar balas atoa.

Olhei ao meu redor procurando uma pedra, mas não vi nenhuma.

- Merda. – Pensei.

Olhei para Suho, que estava embaixo do carro ao lado do meu. Percebi que tinha uma pedra grande o suficiente perto de si. Fiz sinal para o garoto que depois de algum tempo, finalmente me olhou.

Apontei para a pedra e indiquei para ele taca-la para trás, para fazer os zumbis irem mais rápido. Ele concordou, me mandando um “ok” com a mão.

Suho jogou a pedra, o que chamou a atenção dos zumbis, que começaram a andar mais rápido. Respirei um pouco aliviado ao ver que estava tudo indo bem.

Bem até demais.

Os zumbis começaram a passar ao lado dos nossos carros, fazendo barulhos assustadores e cambaleando, batendo nas latarias.

Chen, que estava a minha frente, olhou para trás.

Fiz um sinal de “silencio” para o mesmo.

Eu sabia que ele estava assustado, mas ele deveria se controlar, para tudo correr como planejado.

Eu estava planejando em sair primeiro, para ajudar os outros a sair logo em seguida.

Mas nem tudo eram as mil maravilhas.

Tentei me rastejar por debaixo do carro, mas por algum motivo estupido eu não percebi uma gigante barra de ferro pendurada embaixo do mesmo, o que me fez bater a cabeça com tudo.

- Caralho! – Falei alto.

Após dizer aquilo tampei a boca e prendi a respiração. Eu fechei os olhos e só esperei, eu estava torcendo para que nenhum dos zumbis estivesse escutado a minha voz. Eles não eram tão idiotas quanto pareciam, eu sabia que eles poderiam me capturar se me procurassem bem.

Abri os olhos lentamente, com as mãos ainda na boca.

Percebi que Suho estava preocupado comigo, mas eu indiquei que estava tudo bem.

Mas eu sentia que não estava.

Observei Suho olhar para trás de mim, arregalando os olhos.

Antes mesmo do garoto poder avisar, senti algo puxando minha canela com muita força.

- Ah, não fode! – Eu gritei, tentando ver que merda estava acontecendo.

Um zumbi, mais especificamente uma garota, ou o que sobrou dela, estava agarrando minha canela com as duas mãos.

Eu tentei de todas as formas a chutar, mas ela era bem forte para alguém que estava se decompondo aos poucos.

- Jongin! – Suho se arrastou para fora do carro tentando me alcançar, mas ele tinha alguns obstáculos.

Muitos dos zumbis que estavam seguindo em frente decidiram parar por conta dos barulhos e após ver carne fresca, decidiram dar meia volta.

- Chen! Xiumin! – Eu gritei. – Ajudem Suho!

Os garotos já estavam saindo debaixo dos carros enquanto eu continuava minha luta interminável com a zumbi agarrada a minha perna. Ela me sujava com sangue escuro que faziam suas mãos escorregarem pela minha canela.

- Sua... vadia! – Eu me esforcei, tentando pegar o revolver preso na cintura.

Após alguns segundos intermináveis eu peguei o revolver, que estava, para minha sorte, descarregado.

Bufei, sem acreditar.

Olhei os garotos ao meu lado atirando nos zumbis e atraindo mais deles.

- Tem algumas balas no seu bolso, Jongin! ­– Eu pensava muito. – Faça algo!

Tirei as balas do bolso enquanto sentia a zumbi me arrastar para mais perto dela. Cravei minhas unhas no chão, me forçando para frente.

- Eu ‘to cansado de você...

Foi quando eu finalmente consegui enfiar o pé com força na cara da mesma, mas ela não parecia querer desistir.

Enquanto ela se arrastava para debaixo do carro, eu colocava, com dificuldade, as balas no revolver.

- Finalmente! – Eu sorri, rodando a roleta e destravando o gatilho.

Olhei para trás, mirando na cabeça daquela desgraçada.

Um tiro.

Foi apenas um tiro bem dado para estourar os miolos dela.

Respirei aliviado e finalmente me arrastei, de verdade, para fora daquele cubículo.

Percebi que muitos zumbis ainda estavam vindo e não valeria a pena permanecemos ali. Só seria pior. Olhei ao redor, vendo um carro aparentemente mais novo, parado em um canto mais isolado.

- Pessoal! – Eu gritei. – Venham!

Nós corremos para o canto da estrada, rezando para ter gasolina no tanque.

- Você está com a testa sangrando! – Xiumin arregalou os olhos.

- E a zumbi com a cabeça estourada! – Respondi sorrindo.

Xiumin sorriu de volta.

Abri de uma vez só a porta do motorista, o que quase me fez ser atacado por um zumbi que estava preso ao cinto de segurança.

- Ah, fala sério! – Peguei a faca que tinha trago e enfiei no olho dele.

Assim que morreu, de verdade, eu o tirei do cinto de segurança e o joguei no chão.

- Entrem! – Ordenei.

Nós entramos e eu sentia o suor escorrendo junto com meu sangue pelo meu rosto.

- Tem gasolina? – Suho estava no banco do passageiro, ao meu lado.

- Vamos descobrir isso agora! – Sorri amarelo.

- Vai logo! – Chen berrou. – Eles estão vindo!

Rodei a chave.

Nada.

- Jongin! – Xiumin bateu no banco do motorista. – Tem um especial no meio! Ele está correndo!

- Merda, merda, merda... – Eu tentava ligar o carro, mas nada parecia adiantar.

- Jongin!

- Calem a boca!

O carro ligou.

Gritei de alegria e acelerei.

Em segundos, sentimos uma batida na parte de cima do carro.

Era um daqueles filhos da puta que pulou no meu pescoço quando voltava da casa de Suho.

O teto solar estava meio aberto, facilitando o ataque do zumbi.

- Matem essa coisa! – Gritei, tentando não deixar o zumbi segurar a manga da minha camisa.

Suho ergueu seu corpo, pegando o meu revolver e mirando bem na cabeça do zumbi.

Um tiro foi o bastante para o bicho finalmente cair sem vida.

Xiumin e Chen viram seu corpo cair atrás do carro enquanto eu acelerava sem parar.

Suho fechou o teto solar e se acomodou na poltrona.

Ficamos em silencio por alguns minutos.

Apenas quatro jovens ensanguentados, suados e desesperados sentados em um carro, dirigindo sem rumo algum após uma matança em grupo que poderia ter custado a vida de todos ali.

- Isso foi... – Xiumin suspirou. – Insano.

- Sim... – Suho respondeu olhando para frente.

Mais uma vez o silencio foi instaurado no ar.

- Nem mesmo as zumbis largam do seu pé, Jongin. – Chen soltou essa frase sem pensar duas vezes. – Você tem imã para mulheres doidas.

Tentamos não rir.

Mas foi impossível.

Rimos alto, tentando nos distrair de toda aquela merda.

- Vocês não existem. – Respondi, sorrindo de lado.

E mais um dia se acabava, enquanto seguíamos para um lugar mais seguro e calmo.

Seria uma longa viagem.


Notas Finais


Obrigada por lerem até aqui!
Até o próximo capitulo! XOXO

Trailer da fic: https://youtu.be/TgmB406_guM


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...