História Doll House - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Armin Arlert, Eren Jaeger, Hange Zoë, Jean Kirschtein, Levi Ackerman "Rivaille", Mikasa Ackerman, Sasha Braus
Tags Ackerman, Amor, Aot, Aot Au, Boss, Cantor, Drama, Eren, Erenmika, Levi, Levi X Mikasa, Levikasa, Levimika, Maid, Maid And Boss, Maiden, Mikalevi, Mikannie, Mikariva, Mikasa, Morte, Quadrado Amoroso, Rikasa, Rivaille, Rivaille X Mikasa, Rivamika, Romance, Sadomasoquismo, Shannie, Snk, Triângulo Amoroso
Visualizações 417
Palavras 2.002
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Em compensação, ainda nessa semana vai ter outro capítulo einn

Fica de olho genti

Capítulo 14 - Outro Lado


CAPÍTULO 14

SASHA

Mikasa realmente não apareceria tão cedo, e eu já estava ficando desesperada, tanto que quis ficar em um canto sozinha, agoniada, e chorar. A sensação de que eu tinha perdido minha amiga, era muito desesperador, embora que, pôr meros segundos, eu sempre lembrava que a Annie estava lá fora, e no máximo já deve ter achado ela, não é? 

Devem estar conversando, até porque, elas não se viam a um bom tempo, mas... Diferente da Mikasa, Annie é, cem por cento desapegada. Na verdade ela não tava nem um pouco afim de ver a Mika. Eu tive que a convercer e fiquei por um tempão insistindo pra que elas se encontrassem. Annie disse que se a Mi dissesse algo que ela não quissesse ouvir, ela iria se mandar. Não sei o porquê da Annie estar com tanto desgosto da Mi, sendo que eram praticamente irmãs na fundamental. Annie nunca tenta relembrar as lembranças boas, ela sempre está colocando a Mika como uma pessoa ruim e errada, falando mal dela. Porém, a Mi é a única pessoa na qual eu podia confiar, com toda minha certeza! Eu colocaria minha vida nas mãos dela. Porém, em relação a muitas coisas, a Mikasa me deixa confusa...

Eu não consigo entende-lá, e raramente ela conta tudo pra mim, o que me deixa, certas vezes, magoada. Mas eu aprendi que, mesmo sendo um pouco fechada demais, essa era a Mi.

Mas sinto que tudo o que eu construí, foi só uma barreira pra mim mesma.

Naquela mesma noite, em que ela estava bêbada, ela conversou comigo, me chamando sempre de Levi.

"— Olha Levi, eu esperava de tudo menos isso.

Eu começei a rir. Mika sempre era espontânea e engraçada! Tão bobinha, e eu realmente nunca esperava que ela ficasse assim bêbada! Ela tinha desmaiado, mas logo eu a acordei lentamente tentando chama-la pra conversar.

— Uh, Mi? Será que você está tendo pensamentos com o Levi que eu estou pensando? Você não odeia? — a provoquei. Me sentei na cama, e a encarei. Ela, em sua vez, estava de olhos fechados, resmungando.

— Não é isso. Não é ódio de você, Levi. Você só foi um pouco chato comigo. — ela falou. Isso foi algo que me surpreendeu.

— O que o Rivaille fez pra você, Mi? — ela fez um cara péssima. De nojo, eu acho, só que, muito mais cômica. Ri dá sua cara.

— Rivaille... Rivaille. Hm. Urgh.

Pensei que ela tinha ficado com raiva.

— Uh, Mika. Seu ódio pelo Rivaille é muito maior do que eu pensei. — falei. 

Fiquei emburrada. Eu ainda não conseguiam entender o porquê da Mi sempre ficar toda chatinha quando fala do Rivaille, até porquê, ele nunca fez nada de errado pra ela.

— Ódio não. — disse ela. — Nojo. Cara nojento. — resmungou manhosa. Fiquei com dó do Rivaille.

— Não fala assim dele, Mi. Mesmo estando bêbada sabe, você não conhece realmente ele.

— Levi, eu não preciso conhecer do histórico. Independente de eu saber que ele dá um milhão em dinheiro vivo de doações para a caridade, não muda que ele é um cafajeste idiota. Drogado, liberal, que curti um putero e tá sempre sendo infiel. — falou, agora parecia mais acordada do que nunca. — Esse cara me irrita. — logo depois senti o cheiro do seu bufo alcolizado e essência de vômito. Virei o rosto por alguns segundos. O cheiro passou e eu me virei pra olhar a Mi.

— Mikasa. — ela levantou o dedo.

— Não me chame de Mikasa. Quando foi que pegamos intimidade? É Mikasa Ackerman pra você, seu baixinho. — lenta e sonsa, ela pousou o dedo na minha testa, e o forçou. Minha cabeça foi jogada pra trás.

— Mika, eu não estou te entendendo. Não sou esse Levi, seja lá quem for. Sou eu, a Sasha. Sua amiga, lembra? E sou garota! — falei paciente.

Ela aproximou seu rosto do meu.

— Mentiroso. Você não é a Sasha. — ela pareceu um pouco irritada. — MAS... perai! Como você... Sabe o nome da minha melhor amiga? Como você conhece a Sasha? Olha, já temos conhecidência demais! Já aturei você na mesma faculdade que a minha. — ela contava algo nos dedos. Depois levantou outro. — já frequentamos a mesma academia, e fazemos aula particular juntos. Tenho que conviver com você no trabalho, e agora, tem mais essa conhecidência de você conhecer minha amiga? O que é isso? Ta me perseguindo, é?

Eu não consegui dizer nada pra Mika, então se foram alguns segundos em silêncios. Seus olhos negros e vazios me encaravam fixamente, aguardando. Logo ela correu até a janela. Ficou dando indícios de vômito, mas não vomitou.

Mikasa ficou com ânsia do nada. 

Sobre esse tal de Levi que perseguia ela, a Mi não me contou nada sobre. Então... Tem coisas que ela está escondendo de mim?

Me aproximei para ajudá-la.

— Mi... — comecei. — pode me dizer sobre essa pessoa? Você a está chamando-a de baixinho?

Por algum motivo, algo me dizia que ela estava falando do Rivaille. Mikasa nunca o chamou de Levi, não seria agora que ela começaria a chamar ele assim, certo? Mas têm probabilidades de ser outra pessoa. Não sei ao certo.

 Precisava saber quem era esse carinha.

— Buhh. — ela, escorregando pela janela, até deitar no chão. A Mi babava um pouco.

— Hein Mi?

Ela moveu seus olhos até mim. Estava jogada no chão.

— Levi, eu me sinto muito submissa quando você olha pra mim. — ela disse. Pra mim, ouvir aquilo foi inesperado. Ela está alucinando? Eu Não sei! Acreditei conhecer a Mi, mas na primeira oportunidade, descubro que eu não entendo ela... Não sei nada sobre ela.

Logo ela dormiu no chão. Tinha simplesmente apagado por completo. 

Naquela noite eu mal dormi. Lavei as roupas da Mi, arrumei minhas roupas, fiz qualquer coisa, mas não me encostei em momento algum. De manhã fui verificar se estava tudo bem com ela. Mikasa estava na cama, da maneira de como eu a deixei ontem a noite. Porém, quando a chamei, ela nem reagiu. Cutuquei, dei tapas, gritei, bati panela, ameaçei, esperei, mas a Mi não respondia mais. Estava toda mole, isso me preocupou. Fiquei bem desesperada. Começei a chacoalhar ela de um lado para outro, pronta pra chamar a ambulância, qualquer coisa. Ela esconde a cabeça e grita. Me assustei, e meu coração deu um salto, e ficou mais agitado do que estava antes. Ela foi toda grossa comigo, por isso fui um pouco seca, e a dei remédio.

E então se passou o tempo, como se nada tivesse acontecido. Eu mostrei o vídeo pra ela. Sua reação foi esperada, mas certamente eu não estava esperando nada. 

Não quis deixar aquilo de lado, mas também não quis perguntar.

Naquela noite no shopping, não é como se eu estivesse pensando só em ver meu ídolo, pois é meu sonho ver ele desde quando eu estava no fundamental, porém, quis muito levar a Mi pra ver ele. Soube que ele estaria no shopping, pois Annie me contou, e fui voando até lá. Consegui um autógrafo, quase morri pra conseguir, e fiquei muito histerica quando vi o Rivaille. Mesmo que de longe, e estava um pouco apertado. 

Hanji foi quem fez o autógrafo, mas, como eu estava perto dela, deveria a chamar de Oficial, que é o nome pra ser chamada quando está com a banda. Como o Rivaille que só é chamado assim quando fala sobre ele e a banda. E Mike, que é chamado de Ekim.

Quando ela terminou de assinar, eu fui engolida rapidamente pela multidão de fanáticos, porquê nem eu era assim tão louca. 

Quando estava tentando sair da multidão, me vi no outro lado do corredor, exatamente o oposto de onde tinha deixado a Mika. Eu tinha passado a multidão inteira, e agora pra voltar seria um sacrifício. Minha conclusão foi que, eu deveria subir, cruzar o andar de cima, e depois descer e encontrar a Mika. Estava ansiosa, esperasse que ela ficasse feliz como eu quando visse que eu ganhei um autógrafo da pessoa que eu mais aprecio. Se ela ganhasse um autógrafo de quem gosta, eu também ficaria muito feliz por ela. 

Subi de escadas, correndo, andei por todos os corredores, desci as escadas tropeçando, e por fim cheguei. De longe vi a Mika, abalada, mas talvez seja pela multidão bruta. 

Corri em sua direção, muito empolgada. Em resposta, ela foi seca, indiferente. Isso estava causando uma mágoa tremenda dentro de mim. Fiquei chocada, mas esse sentimento deu espaço ao desespero quando ela começou a me arrastar querendo ir embora.

Amizade é boa, mas saciar prazeres também é bom, não é?

Pedi pra esperar, choramingando. Queria muito ficar mais pra ver o Rivaille. Até que eu vejo que poderia dizer pra irmos a loja, já que eu disse que víamos comprar roupas para o show. Conheci um tia simpática, ela me entendia muito. Até brinquei de estar super louca pelo lugar que ele pisou. A Mi estava tensa. 

Ignorei isso.

Quando a Mi disse que tinha ganhado o número de telefone do celular dele, eu quis desmaiar. A Mika me disse que eu estava exagerando, e tentou me dar o número. Eu disse que, na verdade, ela deveria mandar uma mensagem para ele. Mas aquilo estava muito suspeito pra mim. Muito mesmo. Assim que ela foi embora, fiquei na porta, sentada no chão, ouvido o que ela estava soltando enquanto parecia digitar pra ele. A Mi estava embaraçada. Senti sua incomodação, mesmo estando do outro lado da porta, senti a agonia dela.

Ela ligou pra ele, no final. Ela realmente ligou pra ele. Algo dentro de mim ficou confuso. Ela começou a dizer coisas baixas e abafadas, e eu ouvi poucas palavras.

"Ooi. Que?... Meu nome? É... No seu show? Ah, eu vou sim. — ouvi uma risada, certamente era masculina. Mas era maliciosa. — Ah, claro... Espero te ver lá também... Espera... — não ouvi mais, ela disse muito baixo. Ouve outra risada divertida. — é claro que você vai estar lá.

Alguém subia a escada. Corri para meu quarto. Logo minha tia entrou pela minha porta, trazendo roupas para guardar.

— Obrigada tia. — falei meio pra baixo. Ela me olhou de lado, enquanto guardava tudo no armário.

— Tava ouvindo o quê no quarto da sua amiga Mikasa, hm? Eu te vi, menina. — ela foi direta, e reprenssiva. Eu apenas estava jogada na cama. — Hm. As coisas estão estranhas entre vocês. — disse direta, de novo.

— Ah, tia. Eu juro que não é nada! A Mi e eu somos assim mesmo. Só estámos um pouco... Afastadas?

—... Sei não. — ela disse, antes de sair.

Quando estávamos indo para o show, eu não consegui encarar ela, estava muito embaraçada, confusa e chateada. Depois de tudo, ignorei alguns pensamentos que estavam me deixando muito negativa. 

Mikasa contaria as coisas pra mim, e ela deve saber que esses segredos me matam. Eu tenho muitos traumas com pessoas que metem pra mim. Ela sabe disso. Conversamos normal, mas eu tinha um clima tenso, e achava que isso era da minha cabeça mesmo, e que eu não deveria me importar. Só isso que eu queria."

Mikasa é em quem eu mais confio. Espero que essa mágoa seja algo apenas da minha cabeça.

E espero que ela esteja bem. Se não, eu nunca me perdoaria. Me sentia muito mais culpada do que antes, e estava desesperada. Aquele aperto irritante não desgruda do peito. Annie me ligou minutos depois.

— Achou ela? — perguntei rapidamente.

Porém ela encerrou a ligação logo depois. Eu quis matar a Annie.

— idiota! — falei. Algumas me olharam por eu ter falado muito alto, mas eu apenas me afastei dali.

O cara me barrou, pediu pra mim permanecer onde estava. Pois o show, já estava pra começar.

Engoli o choro, e apenas concordei, indo me sentar no meu lugar. Logo meus pensamentos não passaram de lembranças tolas, pois eu já curtia o presente.


Notas Finais


Capítulo cuuurtooo
Sorry guys
o capítulo tinha que ter saído ontem, mas eu dormi na hora de enviar ksksksksj
LEMBREM-SE: ¹vocês não conhecem nada ainda sobre Rivaille/Levi, tá bom genti? :3
²A fic mal começou. Tem muita coisa pra ser revelada ainda viu.

O que acharam do capítulo gentiiiii? Sasha é realmente egoísta como vocês acharam que ela era? Tadinha brow
Eu fiquei com dó dela na hora de escrever


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...