1. Spirit Fanfics >
  2. Domestique ou Seja Domado >
  3. Capítulo 26

História Domestique ou Seja Domado - Capítulo 26


Escrita por:


Capítulo 26 - Capítulo 26


 01 de janeiro de 2001

— Meninas, vocês estão muito lindas. — Eu sorri ao ouvir Sakura dizer com os olhos cheios de lágrimas. 

Depois que eu saí do hospital, tive que fazer minhas correrias junto com Ino e as meninas para comprarmos nossas roupas para a formatura da nossa mas nova médica. Sakura está se formando hoje, todas nós resolvemos ir de rosa, quando a Haruno nos viu faltou ter um piripaque. 

— Meu Deus, isso é um vexame, eu não conheço vocês. — Sasuke murmurou irritado agarrando Sakura pela cintura e desviando os olhos de nós.

— Uchiha, se meta com a sua vida. — Ino disse passando a mão na saia do vestido. — Estamos lindas, quando você tiver uma amizade de verdade, saberá porque nós somos assim. 

Ino e Sasuke se encararam mortalmente, esses dois viviam se comendo quando tinham chance. 

— Oi, oi. — Anne apareceu do nada completamente ofegante. Todos nós a olhamos assustadas.

— Tá tudo bem? — Eu perguntei me aproximando dela.

— Sim! — Ela sorriu amarelo, franzi o cenho a achando meio tensa. — Eu apenas me atrasei, mas já estou aqui.

Sakura me olhou parecendo pensativa, seus olhos verdes encararam Anne com desconfiança. 

— Tudo bem, nós acabamos de chegar também. — Sakura falou se soltando do Uchiha e se aproximando da morena e dando-lhe um abraço. — Vamos entrar, a cerimônia já vai começar.

                               .

                               .

                               .

                               .

Ino, Temari, eu e Anne nos sentamos quase nas últimas cadeiras. Suspirei olhando para meu lado esquerdo quando vi Temari de cara emburrada.

— O que foi?

— Nada! 

Ergui minhas sobrancelhas. Vixi, Temari já se estressou cedo demais, coisa boa não é. 

— Ela está assim porque o Nara chegou, e parece que ele está acompanhado. — Ino disse erguendo a cabeça para olhar do outro lado, eu também ergui.

Shikamaru estava sentado quase nas primeiras fileiras do outro lado do pátio, e ele estava acompanhado por uma ruiva. 

— Cale a boca, não diga o que não sabe. — Temari disse se levantando com raiva e saiu em direção ao banheiro. 

— Ui, se prepare, porque hoje vai ter barraco. — Yamanaka disse toda empolgada. 

Ino não tem jeito. Os alunos começaram a ser chamados no púlpito, Sakura subiu e todas nós levantamos e batemos palmas, fizemos o maior barulho e recebemos até mesmo alguns olhares de repreensão, de algumas pessoas. 

Quando Sakura desceu, corremos para abraça-lá. 

— Ai meninas, muito obrigado por terem vindo. Vocês são demais. — Haruno disse feliz. 

                               .

                               .

                               .

                               .

Fomos para a festa no salão, estávamos sentados todos juntos. Ino parou de sorrir ao olhar para trás de Temari, não me atrevi a olhar porque não era da minha conta, mas quando a curiosidade estava quase me obrigando a virar, ouvimos uma voz conhecida.

— Boa noite. — Tombei minha cabeça para o lado vendo Kisame cheio de charme. 

— Olá, quanto tempo. — Eu disse me levantando e o cumprimentando. — Anne, esse é Kisame. — Eu apresentei os dois. 

Percebi quando Kisame ficou um tempo a encarando, Anne sorriu amarelo e apertou a mão dele. Senti uma coisa estranha quando ele a encarou.

— Onde está o meu irmão? — Sasuke perguntou olhando para o Kisame.

— Está vindo aí. — Ele disse e seus olhos escuros bateu em mim. — E acompanhado. 

Senti meu estômago embrulhar, minha respiração começou a ficar ofegante. Eu não tinha capacidade de olhar para trás, eu não consigo fazer isso. 

— Com quem eles tá está? — Era a primeira vez que Ino se pronunciava. 

Em sua voz havia raiva. 

— Ah, eu não acredito. — Sakura disse pausadamente. Todos olharam para trás, o bando de curiosos, até mesmo Temari que ficava olhando com raiva para a mesa onde o Nara estava, se virou para ver. — Com todas as possibilidades do mundo, ele tinha que trazer ela? 

Eu olhei coquete para Sakura como se pedisse socorro com meus olhos. Mas ela estava tão focada em olhar para o Uchiha que se aproximava, que não me deu atenção.

— Sakura, receba os meus mais sinceros parabéns. — Vi uma ruiva rodear a mesa e caminhar até Sakura. — Um abraço?

É a mesma do hospital?

Haruno se levantou com má vontade e abraçou. Itachi entrou no meu campo de visão, ele ainda não tinha olhado para mim. 

Mas, e se ele olhasse? Eu não poderia exigir nada, afinal, nós não temos nada. Depois que aquela mulher a abraçou, Itachi fez o mesmo. Sasuke pegou mais duas cadeiras colocando na mesma mesa que agente, Kisame já havia pegado uma e se sentado, e justamente ao lado de Ino. Ela estava travada, porque eu acho que aconteceu alguma coisa a mais entre esses dois, mas que essa vaca não tenha me contado? 

Acho que ando tendo muito sexto sentido. 

Voltamos a conversar normalmente, de vez em quando aquela lambisgoia fazia questão de cortar a minha fala e começar um outro assunto. 

— Pena que Neji não pode vir, ele iria ficar muito feliz.

Eu disse tomando um pouco do meu champanhe.

— Sakura querida, agora você poderá ter um cargo firmado no hospital, não é mesmo? — Quando Sakura ia me dizer alguma coisa, ela parou olhando para a tal Mei.

— Sim! — Ela respondeu rapidamente. — Ah Hina, eu o vi hoje de manhã, ele já teve alta.

— Sério? — Eu sorri me sentindo mais aliviada. — Que bom, eu não tive tempo de ir visitá-lo hoje, eu saí ontem a noite e tive que ir pra casa. E hoje foi tanta correria que-

— Você ganhou algum presente, Sakura? 

Eu apertei minhas mãos com força uma contra a outra, espremi meus olhos com força e mordi meus lábios. Droga, não dá, pra mim já deu.

Eu me levantei prestes a sair, quando eu me virei bati com força contra alguém. 

— Ai, desculpa. — Eu encarei melhor a pessoa que me olhou surpreso, mas logo seu rosto se suavizou e ele abriu um sorriso. 

— Que isso, princesa. — Deidara disse me depositando um beijo na bochecha me pegando de surpresa e me fazendo se afastar delicadamente.

— Muito ousado você, não acha? — Perguntei tentando disfarçar o meu constrangimento.

— Agora quem pede desculpas sou, hum. — Ele disse colocando as mãos no bolso da calça. — Você é tão irresistível, que não pude me conter. 

— Ei, amigão, pode parar de dar em cima da minha amiga. — Ino se levantou vindo até nós dois e ficando do meu lado. — Não me leve a mal, você é gatinho, mas ela não é pro seu bico.

— Ino! — A Yamanaka me puxou para longe da mesa me levando para o banheiro. — Calma, assim você vai me derrubar.

— Entra! — Eu entrei e ela fechou a porta, caminhei até o espelho e me olhei. — Mano, você viu?

— Vi o que? — Perguntei erguendo uma sobrancelha, a Ino parecia muito nervosa. Ela parou olhando para um ponto qualquer, eu me virei encarando-a confusa. — Ino? 

— Merda! — Ela começou a chorar me deixando perplexa, a Ino nunca foi de chorar. 

Eu corri para abraça-lá, eu não consigo entender o que houve entre ela e Kisame, foi muito suspeito essa distância dele. 

— Amiga, eu estou aqui pra qualquer coisa. — Eu disse beijando o topo da cabeça dela, apenas recebendo um aceno dela. 

— Eu... Não tive coragem de te contar — Ela começou a falar com a voz baixa e embargada por conta do choro. — Eu sou um monstro. 

Eu me afastei dela e ergui seu rosto para que ela me olhasse. Seus olhos azuis esverdeados estavam tristes, decepcionados. 

— Do que você está falando? 

— Ao todo tem um motivo do Kisame e eu não estarmos mais juntos. — Ela fungou passando a mão nas bochechas secando as lágrimas que ainda caiam. — Eu engravidei dele. 

Meus olhos se arregalaram, eu sorri e olhei para sua barriga. Mas não parecia que ela estava grávida, mas deve ser porque ela é magra. 

— Sério? — Eu abracei mais uma vez. — Estou feliz por você, mas eu não vejo motivos para vocês ficarem separados então. 

Me separei dela, mas meu sorriso morreu ao ver um sorriso triste em seus lábios.

— Eu abortei. — Pasma e incrédula. É como eu estou. Eu me virei de costas para ela e olhei para o chão. — Hinata, eu não sei o que me deu. Mas foi tão grande o meu medo, meu desespero .. 

Eu me virei olhando para ela com raiva. 

— Isso não te dava o direito de fazer o que você fez. Ino, eu..

— Mas eu não queria filhos agora.

— Porra, pensasse antes de não se prevenir. 

— Eu tomei os anticoncepcionais. — Ela começou a fazer uma careta de medo. — Eu não sei o que deu errado.

— Deu errado, você engravidar, e fazer o que você fez. — Eu coloquei uma mão na minha boca. Olhei para ela não reconhecendo a Ino. — Sinceramente, essa sua compusividade por sexo, vai te deixar louca. 

— Tá, não precisa jogar na minha cara.

— Precisa sim. — Me exaltei e acabei gritando com ela. — Mas que porcaria... Porque não me disse? Porque não me pediu ajuda? 

— E o que você faria? — Ino me atacou me encarando com raiva. — Hein? Você não está conseguindo nem cuidar da sua própria vida amorosa, quanto mais de uma gravidez. Naruto conseguiu seguir com a vida, mas e você? Está transando com um cara que está pouco se fudendo pra você.

— Para — As palavras dela estão sendo como uma faca me perfurando profundamente. 

— E agora olha só, onde e com quem ele está! — Ela me olhou com um sorriso cheio de maldade. — Você não tem ninguém ao seu lado, assim como eu.

Senti meus olhos queimarem, eu a empurrei e sai correndo do banheiro. Olhei para a mesa onde eu estava sentada, e respirei fundo tentando me acalmar. Ino não vai conseguir estragar o dia da minha rosada. 

Caminhei lentamente até eles e me sentei. Olhei para Kisame, ele parecia estar triste, por um lado eu o entendo. 

 — Onde está Ino? — Sakura perguntou. Quando eu ia responder, ela me corta. — Ah, olha ela ali. 

Eu olhei para trás e Yamanaka vinha com um sorriso nos lábios. Eh, o que é que ela tem na cabeça? Será que ela não sente remorso? 

— Voltei.

— Gente, eu acho que já vou indo. — Anne disse se levantando e começando a se despedir de todos.

Sakura e eu até tentamos fazê-la ficar mais um pouco, mas ela disse que tinha um compromisso marcado.

Depois que eu falei com Ino no banheiro, eu não consegui tirar as farpas que ela lançou contra mim, da minha cabeça. Estava doendo aqui dentro, é decepcionante ouvir coisas assim de quem você menos espera, principalmente de alguém que sabe do seus sofrimentos passados. 

— Hina, tá tudo bem? — Sakura me perguntou. 

Eu olhei para Ino que também me encarou. Suspirei e sorri.

— Estou melhor que nunca. — Respondi e sem querer olhei para Itachi, meu sorriso morreu na hora, Mei estava com a mão entrelaçada na dele, e ela estava com a cabeça apoiada no ombro do Uchiha. Desviei meus olhos daquela ceninha de pombinhos e olhei para minhas mãos. 

— Hinata, quer dar uma volta? — Encarei o loiro que sorria pra mim. Olhei para Itachi uma última vez, ele me encarava sério, como se tentasse me dizer algo, mas dei de ombro e me levantei segurando na mão dele e saímos do salão. 

Quando saímos, Deidara me guiou até o lado de fora, ele me encarou e sorriu pra mim, porém, a minha reação não foi a mesma, eu me joguei nos braços dele e comecei a chorar, eu precisava de um abraço, de um consolo. 

Deidara apenas me abraçou sem falar nada, senti quando ele me deu um beijo na cabeça e acariciou as minhas costas. Me aconcheguei mais um pouco em seu peito, as batidas do coração dele parecia tão suave. 

— Há há, gostei de... — Eu e Deidara nos viramos e vimos o pessoal todo saindo do salão. Sakura, Sasuke e Ino nos encaravam confusos, Temari que vinha atrás com o restante do pessoal também parou para nos olhar. 

Itachi quando nos viu, mesclou o olhar entre mim e o loiro. Eu parei de respirar, Itachi caminhou em nossa direção lentamente, senti até mesmo Deidara estremecer quando me soltou. 

Itachi encarou o loiro nos olhos.

— Você esqueceu. — Ele ergueu a mão me dando a minha bolsinha. Itachi ainda o encarava sem piscar. 

— Obrigado, Itachi. — Ele me encarou frívolo. 

— Tsc. 

Ele nos deu as costas e saiu andando se afastando de nós. Mei correu tentando alcançá-lo, mas ele entrou no carro e sumiu antes mesmo da mesma tentar chamá-lo.

— Fudeu. — Deidara murmurou olhando para onde Itachi saiu, eu o encarei segurando olhos riso. 

— Você tem medo dele? 

Deidara colocou a mão no peito e arregalou os olhos com a boca entreaberta. 

— Magina, isso não é medo. É temor, não queira ver os Uchihas nervosos.

Eu revirei os olhos. Isso é balela.

                         *******

                  01 de fevereiro de 2001

Já faz um mês que eu e Itachi mal nos falamos, eu não sei o que deu nele. Eu estava no meu apartamento quando a campainha tocou. Eu não quero falar com ninguém, se o porteiro não me avisou quem estava subindo, provavelmente era alguém conhecido.

Deitei no sofá da varanda novamente, e a pessoa estava sendo tão persistente que me levantei irritada e caminhei até a porta. 

Eu abri a porta com tudo vendo Itachi parado na minha porta com um grande buquê de girassol na frente do rosto e uma caixa de bombons. Ele tirou as flores do rosto e me encarou com um sorriso fino nos lábios.

— Quer namorar comigo? 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...