História Dominada pela paixão - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Neal Cassidy (Baelfire), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Xerife Graham Humbert (Caçador)
Tags Captainswan, Colifer, Onceuponatime
Visualizações 179
Palavras 3.046
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura minhas queridas 😘

Capítulo 13 - Mais bonito e sedutor que o proprio diabo


Fanfic / Fanfiction Dominada pela paixão - Capítulo 13 - Mais bonito e sedutor que o proprio diabo

Killian andava de um lado a outro em seu quarto, com passos furiosos, praguejando contra si mesmo por ser um tolo em pensar que poderia voltar a Misthaven e sair ileso. Ele revivia os eventos daquela tarde em sua mente várias e várias vezes. O que teria acontecido se ele não tivesse interceptado o navio de Emma? Ela teria sido enganada ao desembarcar pensando que Graham era seu marido?

Aquela farsa não duraria muito tempo. Seu pai com certeza planejara que Emma fosse direto para Neverland House. Ele esperaria alguns meses para assegurar uma gravidez e então ela iria ficar devastada demais para ir embora caso descobrisse alguma coisa. Essa ideia o deixou enojado, era um plano odioso demais. E ele trouxe sua esposa para o meio dessa latrina. Agora ela sabia o quão vil podia ser o sangue que corria em suas veias.

A porta compartilhada se abriu devagar atrás dele. Quando Killian virou para encarar Emma, ele congelou desbastada ao vê-la vestida com um robe e uma camisola branca de rendas que deviam ser parte de seu conjunto de noivado

Os olhos verdes dela o olharam de cima a baixo, notando que ele ainda estava vestido

- Você vai embora... - ela disse, sem emoção nenhuma na voz

Ele permaneceu em silêncio e sua pele logo se cobriu com suor. Queria dizer algo, qualquer coisa, para apagar a mágoa que transbordava do olhos dela, mas sua boca estava seca demais.

- Quando? - ela perguntou em um sussurro doloroso - agora?

A voz de Killian saiu mais fria do que ele pretendia

- Você disse que queria um marido ausente

- Eu sei o que eu disse - ela o encarou com o coração a flor da pele

Contra a sua vontade, Killian estendeu a mão para ela, e Emma correu para seus braços, envolvendo seus sentidos com aquele aroma e maciez que o enlouqueciam. Como pôde pensar que isto seria fácil?

- Não quero deixar você - ele murmurou em seus cabelos, depois odiou a si mesmo por admitir a fraqueza

- Não pode esperar? - ela implorou

- Dê-me um tempo para aliviar as preocupações de meu pai. Uma semana ou duas, no máximo, e depois seguirei com você.

Killian sentiu o peito se apertar dolorosamente e seu membro cresceu com o desejo represado

- você faria isso? - ele perguntou com dificuldade - viver em um navio comigo, sem possuir um lar?

- Meu lar é com você - os dedos magros de Emma envolveram o pulso de Killian e levaram sua mão até o meio das pernas dela - Você está tão inquieto como uma pantera enjaulada - ela impulsionou os quadris sobre a mão dele, esfregando seu sexo contra os dedos de Killian - deixe-me acalma-lo a relaxar. Podemos conversar sobre  todo o resto pela manhã.

De olhos fechados, ele pressionou a boca nos cabelos dela

- Não confio em mim mesmo perto de você. Não nesse momento

Ele estava tão furioso e indignado que mal conseguia respirar, e com o corpo dela ondulando em sua mão, tudo que queria era joga-la na cama e transar até não conseguir mais pensar e sentir nada.

- Sei que está com raiva e frustrado, mas você nunca me machucaria

Com uma necessidade perversa de discutir, ele respondeu de maneira áspera.

- Você não sabe de nada sobre mim Emma! Ataquei seu navio apenas por diversão. Talvez eu até estuprado você, se não estivesse tão solícita.

- Oh Killian - Emma suspirou - se você quer discutir em vez de fazer amor, posso atender seu desejo. Mas pelo menos seja honesto. Você tomou meu navio sem provocar nenhuma morte. E estupro? - ela lançou um olhar zombeteiro - um homem com sua beleza não precisaria disso comigo. Sorte sua eu ser sua esposa, ou eu teria estuprado você!

Ele fechou o rosto. Embora sua alma desejava abraça-la.

- Você disse que eu era um selvagem de cabelos rebeldes

- Céus você acreditou naquilo? - ela se afastou de seus dedos e se dirigiu até a grande mesa no centro. Serviu de uma grande dose de rum e levou a bebida com um provocativo balançar de quadris, suas longas madeixas loiras chegando a cintura

- você é o homem com a aparência mais decadente que já conheci. Killian Jones. Moreno como o pecado, mais bonito e sedutor que o próprio diabo. Não mudaria nada em você. Fico admirada todas as manhãs quando acordo e vejo você ao meu lado. Eu me belisco regularmente para ter certeza de que não estou sonhando e que você é meu de verdade, que possuo seu nome e seu título - ela olhou em seus olhos e baixou o tom de voz sedutora - e que carregarei seus filhos.

Killian aceitou a taça oferecida e, com as mãos trêmulas, tomou o rum com um gole só.

- Você fala como se estivesse recebido a melhor parte do acordo.

- E recebi mesmo - afastando-se, Emma retirou o robe e o deixou cair no chão. Ela foi até a cama e se encostou na beirada - Considerando o volume em suas calças, imagino que queira que eu permaneça em seu quarto nesta noite.

As mãos dele caíram para o lado, o punho quase despedaçando a taça

- Fique se quiser. Eu vou sair

- Com seu pau tão duro como pedra?

Ele sorriu, irônico. Era melhor que ela  testemunhas de até onde ele poderia descer agora. Tal pai, tal filho.

- Você não precisa se preocupar com meu pau

- E quem mais se preocuparia com isso? - ela perguntou com uma leve risada. - Você não pode sair pela cidade nessas condições

- Não pretendo apenas sair

Os olhos dela se arregalaram quando entendeu o que quis dizer

- Pretende encontrar uma prostituta para saciar seu desejo?

- Talvez - Killian encolheu os ombros - talvez eu encontre duas. Meu desejo está feroz hoje

Emma se levantou e fechou as mãos com dois pequenos punhos

- Por que? Se estou sempre ansiosa por você

Ele riu

- Sim você gosta mesmo do meu pau não é?

- Sim e não tenho vergonha de admitir - ela ergueu o queixo e seus olhos queimaram como esmeraldas - Possua-me Killian! E poupe seu dinheiro.

Lá no fundo sua consciência se contorcia com um sentimento de culpa, mas ele se esforçou para não demonstrar emoção alguma

- Mas, após anos de pirataria , minha querida, tenho dinheiro sobrando, ou já esqueceu o que eu sou?

Ela cerrou os olhos

- Sei muito bem o que você é. Você é meu marido! E se sair por aquela porta para transar com uma puta, será meu marido apenas no papel, para o resto putrido da sua vida! Considere isso, Milorde, antes de sair. - ela se virou e se dirigiu a porta compartilhada

Killian precisou de todas as forças para manter o rosto impassível, pois por dentro sentia um profundo abismo

Estendeu a mão em direção às costas dela e, em sua mente, ele estava gritando para que ela voltasse, seu coração implorava pelo seu perdão mas quando ele abriu a boca, apenas amargura saiu.

- Pensei que já tínhamos conversado sobre isso quando nos encontrarmos pela primeira vez. Posso tomar o seu corpo sempre que quiser. A lei diz que um homem não pode abusar da sua esposa!

Emma virou para encara-lo

- Eu estou me oferecendo pra você. Você não tem motivos para procurar uma prostituta

- Eu quero uma.

- EU SEREI UMA!

A afirmação dela o atingiu como um golpe

- Como é Emma?!

- Se quer uma puta, serei uma para você - Ela se aproximou lambendo os lábios e balançando os quadris como uma cortesã - Como vai ser cavalheiro? Uma rapidinha? Ou você prefere que eu chupe seu pau?

A taça vazia caiu de sua mão e rolou pelo chão

- Pare com isso Emma.

Ela segurou os seios e apertou os mamilos

- Você pode brincar com eles se quiser meu senhor. Custa só uns trocados.

Ele agarrou os ombros de Emma e sacudiu

- PARE COM ISSO!

Ela o olhou profundamente nos olhos, cheia de raiva e mágoa

- Me foda!

Praguejando, ele a jogou pra longe

- Você não é uma puta Emma! É minha esposa. Comporte-se como tal.

- Serei aquilo que você necessitar - ela disse em desespero - a alternativa é você ir embora e nosso casamento acaba aqui. Apesar da maneira como está agindo, sei que não é isso que quer . Você está magoado. Permita que eu lhe ajude a se sentir melhor.

Maldita. Ele poderia suportar qualquer coisa, menos perde-la, e ela sabia disso. Porém, o monstro dentro dele estava determinado a afasta-la

- Não quero fazer amor, Emma. Quero foder. É isso que você quer? Ser fodida?

Os lábios dela se abriram e sua cabeça balançou positiva, e ele observou quando ela engoliu a seco. O desejo de misturava a outras emoções nos olhos dela.

- Então que seja - Killian agarrou a barguilha e abriu a calça com fúria, aliviando aquela compreensão insuportável. Seu pau duro e inchado saltou para fora - erga a camisola e deite-se de bruços

Os olhos dela se arregalaram

- Killian...

- Agora - ele rosnou. Killian assistiu com uma satisfação primitiva quando Emma se apressou a obedecê-lo. Suas veias se aqueceram ainda mais quando as pernas torneadas e o traseiro exuberante dela apareceram. Ele se aproximou e acariciou a sua coxa sedosa, esfregando o pau duro no vão entre seu traseiro. Abaixando- se para morder a orelha dela, ele sussurrou - vou usar seu corpo. Com força. Fundo. Por toda a noite. Você não conseguirá andar amanhã.

- Killian... - Emma gemeu, contorcendo-se na beira do colchão. Ele ergueu a mão e lhe deu um forte tapa. Surpreendida, ela gritou

- Abra as pernas. Mais - Killian notou o quanto sua boceta estava molhada. Ele passou o dedo para sentir - Hum. Sempre pronta pra mim - ele estapeou outra vez admirando a marca deixada por sua mão. Killian estava cheio de uma necessidade violenta de possui-la, de provar para os dois que já era tarde demais para voltar atrás. Por mais horrível, perturbado e indigno que ele fosse, seus destinos estavam entrelaçados. Para sempre

Killian beijou o rosto dela delicado e sedutor

- está com medo querida?

Engolindo a seco, ela balançou a cabeça negativamente

- E... Eu...

- Você o quê? - ele beija o lóbulo da sua orelha, mordiscando - está gostando?

- Faça o que quiser comigo... - ela sussurrou - gosto de tudo que você faz..

- Boa garota

Ele deslizou o pau no meio das coxas dela, movimentando para frente e para trás, cobrindo o membro duro com sua umidade. Ela impulsionou os quadris contra aquela carícia erótica, e ele a recompensou penetrando levemente e então a provocou retirando-se por completo, adorando a maneira como ela protestou.

Killian deslizou as mãos por suas costas tensas, fazendo uma pequena massagem, levantando a camisola e lambendo suas curvas

- Minha doce Emma. Obedece ao papai sem reclamar, mas por dentro, quer um homem safado para domina-la na cama - a voz dele abaixou até se tornar um sussurro rouco - um pirata talvez?  

Ela ofegou e se esfregou contra seu pau ardente

- Por favor... Não provoque...

Ele passou a mão sobre o traseiro da esposa. Pressionando um beijo forte em seu rosto, Killian se afastou quando ela virou a cabeça para alcançar sua boca - não serei gentil - ele alertou - não sou capaz disso agora Emma, por favor diga-me para eu parar se não for isso que você quer. - ele meteu até a metade de sua boceta molhada, estremecendo ao pensar em se retirar caso ela pedisse.

Emma se contorcia debaixo dele, suas longas unhas, deixando marcas de arranhões pelo cobertor de veludo

- APRESSE-SE MALDITO! - ela gritou

- Não blasfeme! - ele rosnou e depois a penetrou por inteiro.

Emma soltou um grito de prazer agonizante quando Killian meteu fundo nela. A força da estocada empurrou seus quadris com força para a beira do colchão. Ele a retirou e depois entrou de novo, esticando-a até não aguentar mais. Ela se sentiu uma completa devassa, com os pés tocando o chão e as pernas bem abertas para melhor acomodar os movimentos frenéticos do marido. Ela estava indefesa, como um recipiente para a luxúria de Killian. Ele estendeu o braço e a agarrou pelos cabelos para segura-la no lugar enquanto a penetrava. Os puxões nas madeixas enquanto ela se movia com as estocadas apenas aumentavam o prazer de Emma

- Eu te amo - Ela murmurou

- Céus... Emma... Meu amor - o ritmo dele desandou, e ela sentiu seu pau queimando quando parou dentro dela.

- Eu te amo - ela repetiu estremecendo quando ele inchou até quase doer. Meu Deus, ele era enorme. Emma estava tão excitada que seu néctar escorria pelo corpo, provocando um doce som de sucção quando ele se retirou dela. Impulsionando os quadris para trás, ela tentou colocá-lo de volta

- Isso que queria não é Emma? - ele gemeu, com as coxas tremendo contra ela - você gosta quando fico a mercê e desesperado por você, amor.

Killian tirou o pau e depois a penetrou de novo, agarrando a cintura dela com força, deixando marcas.

- Sim meu amor - ela gemeu - seja selvagem comigo

E ele foi.

O prazer logo se acumulou nele, suas pesadas bolas batiam contra ela, até Emma pensar que ficaria louca com isso. Os olhos dela se fecharam quando o corpo inteiro começou a tremer.

Killian rugiu, e ela sentiu os fortes espasmos de seu pau quando ele começou a gozar em investidas ardentes contra seu ventre. A mão na cintura dela seguiu para o meio das suas pernas e começou a esfregar o botão enrijecido que tanto desejava seu toque. Ela gemeu com aquele prazer arrebatador, com o rosto enterrado no cobertor, perdida na sensação do sêmen quente inundando seu ventre e dos movimentos habilidosos dos dedos de Killian. Inacreditávelmente, ele aumentou o ritmo, e ela seguiu de orgasmo em orgasmo sem nenhuma pausa. Quando ele por fim desabou nas costas dela, Emma tinha certeza que não andaria por dias, assim como ele havia dito.

Demorou vários segundos até o peso de Killian sair de suas costas, e o ar esfriou a pele que estava tão aquecida pelo corpo dele. De alguma forma ela encontrou forças para estender o braço para trás e agarrar a mão dele.

- Não me deixe sozinha amor.

A mão de Killian fez uma carícia na cintura dela quando ele se levantou.

- Permita que eu tire minhas roupas minha querida

Ela se virou para encara-lo e notou a maneira como ele desviou os olhos. Deduzindo a causa, Emma tentou acalma-lo

- Estou bem

- Fui muito bruto contigo Emma. - ele murmurou cabisbaixo

- Você se arrepende?

Ele tirou o casaco, depois começou a desabotoar o colete.

- Não

Emma puxou a camisola pela cabeça e a jogou para o lado.

- Então pare de agir assim - ela entrou debaixo das cobertas e virou de lado, ouvindo os sons de seu marido se despindo

- Você se arrepende do que falou? - ele  perguntou quase sem voz

Ela escondeu um sorriso no travesseiro

- Não

O corpo rígido de Killian se encolheu nas costas dela, e a boca beijou seu ombro. Segurando a mão dele em sua barriga, Emma sentiu um movimento estranho, mas aínda sim adormeceu.

Mais tarde, ela acordou ao sentir as mãos de Killian passeando por suas curvas, o corpo quente e molhado atrás dela. Seus dedos habilidosos deslizaram entre as pernas dela, mergulhando no sexo ainda coberto com seu sêmen, e começou a acaricia-la até gemer de prazer. Ele beijou sua orelha e Emma se arqueou em sua direção.

A voz de Killian soou áspera enquanto ele respirava em seu pescoço.

- Diga de novo amor

- Eu te amo

Segurando-a pela cintura, ele deslizou para dentro dela por trás, preenchendo-a por inteira. Penetrando-a devagar, ele usava as mãos para massagear os seios e beliscava os mamilos com os dedos calejados. Ela implorava para que ele acelerasse, mas Killian continuou a se mexer com movimentos preguiçosos sussurrando palavras baixas e carnais em seu ouvido que a deixava louca e sedenta de paixão. Quando ele enfim permitiu que ela gozasse, o orgasmo a surpreendeu com sua força e ela gritou alto. Killian enrijeceu atrás dela e depois a encheu com calor, sua voz suave ofegando e gemendo o nome dela no meio da escuridão do quarto.

Saciado ele a abraçou com força

- Desculpe Emma - ele sussurrou encostado em sua pele - eu nunca faria as coisas que disse antes

Emma entendeu o que ele quis dizer

- Eu não suportaria compartilhar você com mais ninguém.

- E isso nunca acontecerá. Eu juro.

O crepúsculo invadia as pesadas cortinas de veludo quando Killian a procurou de novo. Ela rolou para seu abraço por instinto, sonolenta, mas sentindo o quanto ele precisava dela

- Sinto muito Emma - ele murmurou triste - eu não mereço você. Você é tão maravilhosa e eu fui um asno

- Shh...

- Diga de novo aquilo por favor

- Eu te amo - e o coração dela doía por ele, este lindo e maravilhoso homem que recebeu tão pouco amor em sua vida que agora sentia necessidade de implorar a ela - Eu te amo Killian.

Com os olhos fechados, Emma se concentrou em seus outros sentidos, olfato, tato, paladar. Cada curva e formato do corpo de seu marido já era familiar para os seus dedos. Ele sussurava  sons incoerentes para ela que a faziam sentir-se segura e adorada. O puxou para mais perto com um desejo tão feroz quanto o dele, até que ele subiu sobre ela e bloqueou os poucos raios de luz que invadiam o quarto.

Ele apoiou a coxa dela sobre seu quadril e a penetrou com habilidade. Várias e várias vezes ele a levou ao climax, conhecendo seus prazeres, entendendo seus desejos como apenas um amante especialista e atento entenderia. Ela podia sentir sua ternura se espalhando em cada toque, cada movimento. Emma sentiu o paraíso se derramar sobre ela, através dela e passando para Killian que estremecia contra ela e soltando um longo e grave gemido

Emma acordou horas depois e esfregou os olhos sonolentos. Sua mão esquerda parecia pesada, ao olhar em sua direção, ela despertou ao enxergar a enorme safira que adornava seu dedo anelar. E não precisava olhar ao redor pra saber.

Killian não estava lá. 


Notas Finais


Obrigada por lerem!! Comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...