História Dominum 2 - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 211
Palavras 1.903
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Fantasia, Harem, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite amores da minha vida!
Preparados para o final dessa série alucinante? Voltei por causa de vocês hehe espero que gostem!
Boa leitura <3

Capítulo 1 - Do final para o início


Fanfic / Fanfiction Dominum 2 - Capítulo 1 - Do final para o início

 

Floresta velha da África central, dois dias antes da escuridão – Meia noite.

 

— Essa é ex caleb be, a espada do rei - Começou ela séria, ao olhar para cada homem ali no cômodo - Não apenas rei de um povo, mas rei de todos, em Altraran existe um rei para todos governar e depois os reis menores, essa é única de sua linhagem, especial e foi dada a Yifan, rei de Camelot, para ser guardada para esse momento. É chegada a hora do rei verdadeiro voltar para o trono, está na hora de tomar de volta o que foi tirado de vocês. E você, Yixing, você também deve subir ao trono dos lycans, você é o alfa dos alfas, aquele trono é seu, contudo o palácio real deve mudar de lugar, os lobos não devem mais ter sua cidadela no reino de Han, agora devem viver entre as águas profundas do oceano,  em um ponto do sul quase inviável de se alcançar...

 — Não há ilha naquele lugar,  Viviane...

 — Eu lhes darei Avalon, Yixing, minha ilha será sua e eu e todas as minhas encarnações serão bruxas madrinhas de seus reis. Avalon descerá aos mares do Sul e lá fincará raiz até o fim dos tempos, todos os filhos da noite já partiram para seus lares e as sacerdotisas para seus destinos, a ilha já navega, ela estará à sua espera quando a coroa for sua...

— Yixing terá de vencer todos os lobos assassinos do rei, é suicídio!

  Luhan rosnou bravo, mas ela sorriu serena:

— Confie em seu alfa, ninguém poderá vencê-lo. Já está escrito assim.

— É perigoso.

  Sungjae disse tenso.

—  Você, meu caro príncipe, terá Excalibur e a mim, aliás eu sou melhor que a espada, jovem lobo, simples - E Morgana sorriu irônica, não uma imagem holográfica no ar como Viviane, mas sim chamas em um fogo negro que iluminava o chão a beira da muralha - Quero esfregar a cara daquela criatura pelo chão até que não sobre muito para ser exibido. Eu e minhas sucessoras também serão bruxas madrinhas de seus sucessores, jovem príncipe, assim só aceite que é mais fácil. O reino dos lycans e dos vampiros devem se tornar aliados, não mais inimigos, devem se tornar família e só assim o mundo prosperará.

  Então gritos de batalhas soaram ao longe e a imagem desvaneceu.

 

  Yixing despertou com o peito pesado e ardendo. Aquilo nunca aconteceu... O que estava acontecendo?

— Eu sei o que você viu – Laine estava de costas para ele, olhando para um pequeno fogo aos pés de uma árvore velha. Parecia cansada, tensa, preocupada. Ele podia sentir e ver, pois ele também estava assim. Ele sentia a mesma urgência. O tempo escorria pelas mãos dos dois em um fluxo rápido e tortuoso. Já não sabia bem como seguir do ponto em que estavam...

— Foi sonho?

— Foi história perdida. Mudamos as coisas já no passado, meu rei – Ela se ergueu e ele viu nas mãos dela, alguns fios de cabelo dourado – Bem mais no passado. Em um passado muito longínquo...

— Você está falando da sua avó? Da mulher que substituiu a Consciência Cósmica, no futuro do passado?

  Xing se ergueu segurando com cuidado a mão machucada e ela estendeu os fios para ele que logo saltaram da mão dela para sua mão, se enrolando ali e logo formando um brilho verde em sua pele, aquecendo com serenidade e curando sua mão retalhada.

  Ele suspirou aliviado que ao menos aquela dor foi apaziguada. Já não podia dizer das outras.

— Talvez ele tenha razão em querer me destruir antes do amanhã. Eu comecei tudo isso, quando fui rebaixada e perdi os poderes da Morte, sendo substituída pelos gêmeos. Como castigo entrei no ciclo humano, nasci de um homem, me tornei a primeira bruxa e me prendi a essa terra deixando que meus sentimentos pela humanidade nublassem minha mente e o que eu sabia ser o certo. Lutei uma batalha insana que no final sempre termina no fim da humanidade e a cada vez que tento salvar meu povo, só adio o inevitável. Arrastar Chen a cada necessidade de virar o tabuleiro se tornou injusto para com suas reencarnações e suas cópias. Eu me tornei o monstro que jurei lutar contra e meu pai tem toda a razão de dizer que preciso voltar para casa e lá esmorecer. Se eu permitir que minha família aconteça, jamais terei coragem de pôr um fim em mim mesma. Eu já falhei ao ir proteger Minseok antes mesmo que ele soubesse ao menos como me chamar, eu recuperei minha memória? Sim, mas a que preço? Não posso cair em tentação outra vez. Não posso...

— Mas você os ama, Laine e eles amam você mais do que tudo... É a sua esperança nesse mundo que nos move, você é a deusa dos ômegas...  – Ele viu o brilho dela tremeluzir e correu para sua cunhada, amiga, deusa, protetora, guia e a mulher mais corajosa que conheceu em todas as suas vidas e a abraçou forte – Nós vamos enfrentá-los juntos e vamos vencer. Eu sou o rei dos noturnos, Fan é o rei dos homens e você é a nossa deusa, a yang, a mulher mais forte que esse mundo já teve. Não vamos cair, você não vai se entregar e vamos juntos evitar o fim do mundo, de uma vez por todas! Nenhum original, deus, destino, demônio antigo ou a Consciência Cósmica vai nos deter nisso. Nós três somos a trindade desse mundo e eles vão ter que nos engolir.

— Meu rei?

— Eu estou falando sério!

  Ele resmungou não deixando que ela se autodestruísse e então ouviu um riso baixo divertido:

— Você está me sufocando, Yixing...

— Ah, desculpa.

  E ele se afastou para ver o sorriso dela, o velho sorriso dela naquele rosto um pouco sujo devido a tudo o que já passaram em tão poucos dias. Eles pareciam mendigos aos olhos de uma pessoa comum. Ambos descalços àquela altura da situação, com as roupas um pouco rasgadas, gastas, queimadas em alguns pontos. Mas ainda inteiros, surpreendentemente.

— Ainda é verão no continente. Se quiser mesmo tentar, temos de correr.

— É só o que temos feito desde que voltei, correr – Ele brincou rindo de canto – Cernunnos ficaria encantado se me visse agora com essa disposição maratonista.

— Ele está torcendo por você. Eu sinto.

— Eu também sinto – E ele sentia, ele sentia Luhan ao seu lado a cada passo do caminho – E não só ele.

— Ele te ama, meu rei, muito.

  Sabia que seu sorriso se ampliou, a mera lembrança de um dos seus amores já o fazia mais forte ainda que internamente. Ele voltaria para eles, voltaria nem que fosse a última coisa que fizesse!

— Desculpa a demora, pessoal! - E Yifan caiu sobre os dois ainda desengonçado com as asas negras. Xing evitou rir quando ele trançou as patas confuso – Droga, eu odeio voar! Porque parece tão fácil com o sheik?

— Porque ele é um encantado e a magia é diferente, meu rei – Laine respondeu escondendo o riso assim como ele – Eu gostaria de lhe dizer que terá tempo para se acostumar, mas eu estaria mentindo...

— Ah que se dane, bruxa, eu dou um jeito no caminho! - Ele sacudiu a cabeça gigante e acabou quebrando um dos galhos grossos das árvores que rondavam a pequena clareira – Mas que droga!

— Acho que prefiro correr, você vai nos derrubar e nos matar, Fan.

  Ele brincou, o amigo estreitou os olhos e abaixou a cabeça que dava uns cinco dele e sorriu com todos os dentes afiados próximo demais ao seu corpo:

— Acho que vou morder um lobinho...

— Tente, idiota! Suas fãs iam amar saber que o “frango não faz meu estilo” devorou a ovelhinha fofa da China!

— Você nem é o Yixing de verdade.

— Sou um décimo dele, e é o que tem para hoje.

  Xing sorriu gatuno e o dragão bufou:

— Eu te odeio, seu idiota!

— Igualmente!

— Ei meninos, eu adoro assistir as briguinhas de vocês, mas temos que salvar o mundo, podemos ir? E por favor, Yifan, volte a forma humana, você tem que carregar sua espada escondido e não amarrada na pata. Nós vamos pelas sombras.

— Eu já disse que te odeio, bruxa?

— Já, um milhão de vezes, viramos essa página, meu rei.

  Ela sorriu divertida, de novo ela mesmo e Xing sorriu. Eles eram de fato marido e mulher, pena que Yifan ainda não sabia.

  O amigo voltou a forma humana ainda com certa dificuldade, com a espada do rei dos homens em mãos e nu. Laine tocou no ombro dele e roupas cobriram seu corpo, roupas novas já que ele não estava perto quando ambos tiveram na Antártida.

— Até a beira do fim do mundo eu fico elegante enquanto vocês dois parecem surrados, impressionante.

  Xing rolou os olhos e encarou Laine que riu baixinho. Se ele só soubesse...

— Vamos lá, rapazes, vamos trabalhar...

 

Algumas semanas antes... Sul da Argentina.

 

  Kim Jongdae tinha dinheiro, fama e status. Tinha conseguido financiamento ainda que não precisasse dele, para sua mais nova pesquisa, provar de uma vez por todas que a Antártida tinha sido um dia uma continente verdejante e com uma civilização extremante avançada e rica. Tinha certeza que havia riquezas imensuráveis debaixo de todo aquele gelo antigo e ele estava disposto a ir até lá, escavar e provar sua teoria. Já tinha até seu local mais propício a encontrar as pirâmides da famosa Atlântica devastada pela fúria de deus e afundada e destruída do mapa antigo. O lado do extremo norte, próximo as montanhas rochosas Oasis Schirmacher, na Costa da Princesa Astrid, na Terra da Rainha Maud. E Daniel, seu amigo e famoso aventureiro que agora fazia inclusive freelancer de fotógrafo para uma revista de viagens, tinha topado ir com ele.

  Seria tudo ou nada, e ele ia fazer que naquele caso fosse tudo. Iam voltar com provas, com fotos, com riquezas.

  Ele sabia que estava certo e ia provar para todo o mundo incrédulo, aquilo!

— Pousaremos em alguns minutos. Atenção, comissários de bordo...

  Ele olhou de canto para o amigo que dormia e sorriu. Dali pegariam um navio e então estavam por suas próprias contas. Ele esfregou a mão animado.

 Estava começando sua maior aventura, a maior...

 

No mesmo momento, norte da Floresta Amazônica, Brasil

 

   Lay abriu os olhos sentindo o cheiro de chás que não eram tão desconhecidos assim. Havia uma feira de ervas em sua cidade natal. Ele adorava. Foi pensando naquilo que se deu conta de que estava em um lugar estranho, deitado em uma pequena cama de lençóis e usando apenas um short. Se sentia meio grogue, sonolento e com fome.

   Onde estavam os outros? Que lugar era aquele? Ele tentou se mexer e viu que sua perna estava toda enfaixada e doía se ele a movesse. O que houve com ele? Como foi parar ali?

— Seja bem-vindo a casa da minha família, Yixing.

  Ele ergueu os olhos e viu uma bonita garota se ajoelhar ao seu lado. A primeira coisa que notou foi o cabelo escuro trançado de lado e o rosto oval, ocidental. Entretanto seu mandarim era perfeito.

  E então ele se lembrou...

  Se lembrou de tudo, do que fez, de todas as suas vidas, da promessa a Laine, de tudo e dela... Zhēnguì!

  Tonteou e quase desmaiou de novo, pelos deuses... Pelos deuses...

— Como se sente?

  Ela perguntou gentil e ele ofegou:

— E-eu... Eu...

   E então o choque foi demais e ele voltou para a inconsciência.

 


Notas Finais


Beijinhos!!!
Próximo capítulo em breve!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...