1. Spirit Fanfics >
  2. Dono de Todas as Minhas Primeiras Vezes (taekook) >
  3. Primeiro Bilhete

História Dono de Todas as Minhas Primeiras Vezes (taekook) - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Cheguei com mais um capítulo e dessa vez o fluffy finalmente está presente!

Eu estou amando escrever DTMPV e fico muito aliviada de saber que vocês estão gostando! Então muito obrigada por comentarem! Serio, eu li tudinho. Me deixou bem menos insegura, vocês são incríveis!

Esse capitulo esta um pouco maiorzinjo que a maioria \o/ então por favor, favoritem, comentem bastante se puderem e usem a tag #PrimeiraVezTK no twitter! Eu quero muito ver a reação de vocês.

Sigam os taekook nas redes sociais também: @taeskybear & @planeggukie!

A peoxim Atualização vai ser dia: 06/03 às 18:00!

A betagem foi feita pela sugahowls muito obrigada!

Boa leitura! ~~

Capítulo 8 - Primeiro Bilhete


Fanfic / Fanfiction Dono de Todas as Minhas Primeiras Vezes (taekook) - Capítulo 8 - Primeiro Bilhete

❝Honestamente, eu sinto sua falta

Mas agora eu vou apagar você

Porque isso vai doer menos

Que ter ressentimentos.❞

— Spring Day


༄  ✈ ༄



… ⏮ 



— TaeTae, olhe, olhe! — Jeongguk ergueu o papel no qual estava desenhando momentos antes — Ggukie desenhou o avião que vamos comprar. Ele tem que ser azul, tá bom? Como as nuvens!

Taehyung sorriu largo, apreciando a arte de seu amiguinho, aproximando-se com um coelho cor-de-rosa de porcelana em mãos, colocando-o com cuidado no chão ao lado de Jeon.

— Que lindo, Ggukie! — elogiou, acariciando os cabelos escuros do melhor amigo — Mas, as nuvens são brancas. O céu é azul, tá bom? 

Jeongguk piscou atento, concordando com a cabeça. Taehyung era tão inteligente.

Deixou o desenho inacabado no chão e se aproximou do amigo, apoiando-se em seus ombros para espiar o objeto que trouxera.

— O que é isso, TaeTae? — perguntou, ajeitando os óculos redondos que deslizaram até a pontinha de seu nariz.

— Ah, é um cofrinho — respondeu, virando o objeto, indicando a entrada onde deveria ser depositada as moedas — Papai comprou e disse que me daria uma moeda todos os dias, assim eu posso aprender a… — ergueu o olhar para o teto repleto de adesivos estrelados — Ah! Economizar!

— Economizar?

— É quando juntamos um monte de moedas — explicou e mostrou a que tinha ganho — e assim podemos comprar o que quisermos!

Jeongguk entreabriu os lábios, fascinado.

— TaeTae vai comprar o quê? — quis saber.

O Kim sorriu largo, colocando a moeda no cofrinho cor de rosa, rindo ao escutar o tilintar contra a porcelana.

— Nosso avião — respondeu.

"Ele não deve ser muito caro", pensou.

— Mesmo?! — Jeongguk se balançou empolgado, fitando o coelhinho de porcelana com os olhos escuros arregalados.

— Sim! E você pode me ajudar. Tem uma moeda? — perguntou inocente, estendendo a palma para Jeongguk, que enfiou as mãos nos próprios bolsos, procurando por uma, mas tudo que retirou foi uma embalagem de pirulito e o botão que caíra de seu suéter aquela amanhã — Isso não é uma moeda.

— Mas é parecido — Jeon justificou, esperançoso.

— Não é, não! — Taehyung revirou os olhos — Seu botão não tem valor algum, eu posso comprar algo com essa moeda, mas isso… É só lixo.

Sequer notara o tom de sua própria voz e sentiu-se péssimo quando Jeongguk soluçou baixinho, formando um biquinho com os lábios enquanto tentava conter as lágrimas.

— A-Ah… Mas, você pode colocar ele com as moedas — pegou o botão, colocando no cofrinho — Será o único entre elas, então ele vai ser especial — sorriu ternamente.

Detestava vê-lo cabisbaixo. Sabia como tinha sido difícil para Jeongguk se adaptar ao colégio interno,e por isso, fazia tudo que estivesse ao seu alcance para mantê-lo feliz.

— Mesmo?! — a expressão tristonha rapidamente foi substituída por um sorriso dentuço — Ggukie gosta de coisas especiais.

— Então, você gosta de ser você — Taehyung comentou, sorrindo contagiado, avaliando o garotinho. Jeongguk vestia um shorts pouco acima dos joelhos e camiseta branca com suspensórios azuis.

— Ggukie é especial? — perguntou, desviando o olhar do coelho rosado para o Kim, que concordou com a cabeça.

— Claro! Afinal, só existe um Ggukie.

O garotinho ficou em silêncio por alguns instantes, absorvendo as palavras de seu melhor amigo. Então, pegando-o de surpresa, segurou o rosto de Taehyung, amassando levemente suas bochechas.

— TaeTae também, porque só existe um — falou, arrancando uma risadinha do Kim — TaeTae é especial 'pro Ggukie — repetiu. Não era muito bom com as palavras e geralmente se embolava entre uma frase e outra, mas queria ao seu modo mostrar ao amigo o quão importante ele era para si. Como sua presença fazia diferença em sua vida.

Taehyung segurou as mãos gordinhas de Jeongguk, afastando-as de seu rosto sem desmanchar o sorriso quadrado que se formou ao ouvir suas palavras.

— Você também é especial 'pra mim, Ggukie — levantou-se, ainda segurando as mãos do menor — Venha, já deve estar na hora de dormir, a titia ficará brava se não te achar.

Jeongguk concordou, seguindo o melhor amigo para fora de seu quarto, desviando o olhar brevemente para o cofrinho cor de rosa.

— Por que um coelho, TaeTae?

O Kim riu, espiando-o com o canto dos olhos.

— Não é óbvio? 

Bem… Talvez para Jeongguk, não fosse tanto assim.



༄  ✈ ༄




… ⏭ ⏯



— Jeongguk, acorda! — Hoseok saiu do banheiro com a escova de dentes na boca e revirou os olhos ao notar que seu colega de quarto sequer tinha levantado ainda.

"Dorminhoco", pensou, caminhando em direção ao mais novo, lhe dando um peteleco na testa.

— Acorda!

— Só mais cinco minutinhos, Hyung... — Jeon pediu, formando um biquinho com os lábios e o Jung fez uma careta ao notar a baba que deslizava e molhava a fronha de seu travesseiro.

— Você disse isso meia hora atrás, panaca! — reclamou, sacudindo seus ombros — Não podemos nos atrasar! Quer reprovar e ficar neste lugar por mais um ano? — Tais palavras foram o suficiente para Jeongguk abrir os olhos e se levantar, arrastando o corpo em direção ao banheiro.

— Eu estava tendo um sonho tão bom… Que saco — resmungou, despindo-se.

— Ah, é? Com quem? — O Jung se esgueirou no batente da porta, sorrindo maliciosamente ao notar o rubor nas bochechas do mais novo.

— N-Ninguém! Foi… Foi só um sonho bom. Sozinho! — mentiu, xingando-se mentalmente por estar contando outra mentira em um período de tempo tão curto.

Há anos não sonhava com Taehyung e não sabia como se sentir em relação a isso.

Fechou a porta com força e foi se lavar, escutando Hoseok lhe apressar antes de sair, alertando-o sobre ser seu dia da semana de lavar as roupas. Era a única tarefa na qual os alunos ficavam responsáveis no Internato, além das atividades do clube.

Após vestir o uniforme, caminhou até o refeitório, suspirando aliviado ao não encontrar Taehyung entre os alunos. Sabendo que poderia se atrasar, tomou seu café da manhã rapidamente e correu em direção à sala de aula, pegando seu material no armário durante o caminho.

Paralisou na entrada ao avistar o Kim sentado na carteira atrás da sua, com as costas na parede, rindo de algo que outro garoto lhe dissera.

Cambaleou quando Park Jimin passou correndo por si, gritando o nome de Taehyung, lhe dando um abraço apertado antes de começarem a falar animados sobre algum anime que Jeongguk não conhecia.

"Ele já fez tantos amigos…”, pensou, inseguro. Taehyung mal chegara ao internato e todos pareciam amá-lo.

Sentindo que estava sendo observado, a atenção de Taehyung se voltou para a porta da sala, pegando Jeongguk de surpresa ao encará-lo profundamente. Constrangido, Jeon fitou seus sapatos e se aproximou, sentando-se em frente ao Kim, tenso.

— Quem é seu colega de quarto? — escutou Jimin perguntar.

— Ninguém, meu pai manteve meu antigo quarto arrumado, então não preciso ficar nos dormitórios — gabou-se, rindo quando seus colegas reclamaram de seus "privilégios".

Por ser o filho do diretor, Taehyung não tinha que se preocupar em dividir o quarto com os alunos, visto que morava com o pai em um local exclusivo do colégio, com seu próprio quarto, sala, cozinha e banheiro particular. Era uma casa, de fato, a grande diferença é que não se deparava com um jardim ao sair, e sim, um corredor extenso direto para o colégio.

Jeongguk conhecia bem o local por ser melhor amigo de Taehyung no passado. Embora imaginasse que provavelmente algumas coisas tenham mudado.

— Demais! Eu posso visitar você, né? — Jimin pediu.

— Claro! Nós podemos jogar juntos! — o Kim respondeu, rindo quando o loiro lhe abraçou novamente, percebendo que ele gostava muito de fazer tal coisa, o que não era ruim, visto que adorava contato físico.

— Demais! Eu sabia que encontraria minha alma gêmea um dia — brincou e Jeongguk segurou seu livro com força, incomodado.

— Hey, Kim! — Hoseok gritou, atraindo a atenção de todos os alunos da sala — Você curte natação? Precisamos de um membro novo pra equipe agora que o Alex foi embora.

Jeongguk estava certo ao suspeitar que Hoseok o convidaria, isso não era bom… Queria poder evitar Taehyung o máximo possível.

— Ah, foi mal, cara. Mas eu não sei nadar muito bem — respondeu tranquilamente e Jeongguk franziu o cenho, atônito.

Por que ele havia mentido? Lembrava-se do quão bom Taehyung era quando criança. Perdeu o interesse? Tinha mudado tanto assim?

Não teve tempo de pensar muito sobre o assunto pois a professora entrou na sala, ordenando que todos fossem para seus lugares. Jimin sentou-se na frente de Jeongguk, rindo de algo que Taehyung havia lhe dito e Jeongguk se encolheu, sentindo-se um intruso entre os mais novos melhores amigos.

Antes que a aula começasse, Namjoon entrou atrasado.

— Desculpe, professora Bae — curvou-se rapidamente — A Dona Flor não estava querendo comer e eu tive que ficar de olho nela porque — os alunos começaram a rir e a mulher revirou os olhos, gesticulando para ficarem em silêncio.

— Tudo bem, senhor Kim, que isso não se repita — ditou, virando-se para o quadro — Temos seis meses pela frente, então não sejam desleixados ou terei que reprová-los — ameaçou, erguendo as sobrancelhas ao fitar Taehyung, que riu constrangido, não se afetando com o olhar ameaçador da mulher. Bae Yoonjung sabia ser uma professora durona.

Jeongguk piscou surpreso, lembrando-se que o Kim por ser um ano mais velho já deveria ter se formado. Ele tinha sido reprovado? Por qual motivo?

— Fica tranquila, prô', vou me formar esse ano como aluno destaque — Taehyung lhe lançou uma piscadela e alguns risinhos ecoaram pela sala.

Yoonjung revirou os olhos, ordenando que abrissem as apostilas na página dez.

A aula ocorreu sem grandes problemas, embora Jeongguk conseguisse escutar Taehyung aos cochichos com outros alunos, porém, sempre que a professora lhe fazia uma pergunta, respondia corretamente.

"Ele não estuda e é inteligente?", Jeon pensou, indignado.

Jeongguk sempre precisava se desdobrar para entender os conteúdos das aulas e quando não conseguia tinha que ficar estudando na biblioteca. Por isso muitos alunos pensavam que fosse um nerd careta, quando na verdade só estava tentando manter suas notas na média — em matérias de humanas, no caso, porque Jeon ao menos podia se gabar de suas excelentes notas em exatas.

Para si, era muito mais fácil lidar com números do que pessoas.

Estava copiando o que a professora passara no quadro quando sentiu um ar quente em contato com sua nuca. Endireitou-se, prendendo a respiração ao sentir o hálito de Taehyung contra sua pele, causando um calafrio na boca de seu estômago.

— Me empresta a borracha — o Kim pediu e sem saber exatamente porque, Jeongguk a segurou com força, escondendo-a debaixo de seu fichário azul: sua cor favorita desde criança, quando sonhava visitar o céu, e também, de sua casa em Hogwarts.

— E-Eu não trouxe — "Céus! Por que estava mentindo tanto?"

— Ah, tudo bem — Taehyung se inclinou sobre si, esbarrando em seu ombro levemente, com o rosto próximo o bastante para deixar Jeongguk confuso com a forma como seu coração reagiu, disparando devido ao contato — Ei, Minnie! Me empresta a borracha?

"Minnie… Ele já lhe deu um apelido…"

— Peraí, tô' usando.

Jeongguk desviou o olhar para suas próprias mãos, brincando com sua caneta, inquieto. 

Estavam perto o bastante para notar que Taehyung ainda tinha o mesmo cheiro de quando eram crianças: lavanda e… talco? Não tinha certeza, mas o lembrava do creme corporal que o senhor Kim sempre passava em Taehyung após o banho quando eram crianças. 

Jimin se virou e lhe entregou o objeto, então o Kim se afastou, quebrando o contato e sua linha de raciocínio.

Voltaram a copiar a atividade e ao devolver a borracha, foi Jimin quem se prontificou a agir, esticando o braço, salvando Jeongguk de outro momento desconfortável.

No entanto, testando sua sanidade, poucos minutos mais tarde sentiu Taehyung cutucar seu ombro novamente.

— Você realmente não se lembra de mim?

Jeon negou com a cabeça, temendo gaguejar se o respondesse propriamente. Seria muito pior se voltasse atrás agora. Já estava feito.

— Mas- — antes que pudesse lhe fazer mais perguntas, Jeongguk se levantou no instante em que a professora deu fim a aula e rapidamente saiu da sala, puxando Namjoon pelo pulso, que o fitava confuso.

— O que rolou? — questionou, abrindo seu armário.

— Acho que o Taehyung sabe que eu menti — sussurrou, engolindo em seco. As palmas de suas mãos suavam e Jeongguk poderia vomitar a qualquer momento.

— Então diga a verdade, que está magoado porque ele não tentou entrar em contato durante todos esses anos, e pronto — deu de ombros, sem saber como aconselhá-lo devidamente, tudo que havia dito foi ignorado quando tentou aconselhar o mais novo. 

— Ele vai me achar patético — murmurou, puxando as carninhas ao redor de suas unhas, descontando a ansiedade no ato. — Taehyung chegou ontem e já é amigo de todo mundo, enquanto eu estou aqui há anos e só tenho você.

— Ei!

— D-Desculpe… Eu não falei por mal… — disse, arrumando o óculos, formando um bico com os lábios.

— Tudo bem. Olha, ter muitos amigos não define se você é uma boa pessoa ou não. Veja o Woojin, ele é um babaca e está sempre rodeado de gente, mas, quantos estarão ao lado dele para ajudá-lo quando precisar? Isso mesmo, nem um por cento — o Kim falou, sério — E Taehyung? Ele pode ser popular, mas não acho que seja um babaca como Woojin. Você não viu? Que depois que ele fez aquela piada com você, Taehyung parou de falar com ele e agora está andando com Jimin?

— Jimin não é uma companhia melhor… — murmurou, não querendo admitir que estava contente por Taehyung ter se afastado do jogador.

— Ah, em comparação a Woojin, é sim — Namjoon trancou o armário e seguiram pelo corredor em direção a outra sala — Ele não faz bullying com você e mesmo que sempre esteja metido em confusão, não é em todo ruim.

Jeongguk concordou. De fato, o Park não era uma pessoa ruim. Talvez fosse uma péssima influência? Talvez. Mas, tinha um grande coração.

Notando o semblante aflito de seu dongsaeng, Namjoon jogou o braço em torno de seus ombros, tentando confortá-lo.

— Para de pensar muito nisso, está bem? Se não consegue dizer a verdade ou… se acertar com Taehyung, tudo bem. Siga em frente.

Jeongguk concordou com a cabeça. Namjoon tinha razão, só ele estava agindo dessa forma, Taehyung não demonstrava estar desconfortável ou ansioso em sua presença. O que significava que só ele estava estagnado, presos às lembranças de quando eram apenas duas crianças inseparáveis, mas que de alguma forma vieram a se afastar.

Não voltariam a ser melhores amigos como no passado, então, o melhor a se fazer seria livrar-se de todas as lembranças que carregou consigo por tanto tempo. Se elas lhe machucavam, não valia a pena guardá-las mais.



༄  ✈ ༄



Jeongguk estava sentado em uma das mesas no centro do refeitório pois Namjoon se atrasou para terminar as atividades e ele ficou esperando o Kim, — estava com receio de esbarrar em Taehyung —, então acabou ficando sem muitas opções.

O dito, conversava empolgado com Jimin, Hoseok e outros garotos do grêmio estudantil sobre o colégio em que estudou antes de ser transferido, contando-lhes sua experiência fora dos muros do internato. 

E por estar perto demais de sua mesa, Jeongguk conseguia escutá-lo com clareza, embora tentasse se distrair com seu sanduíche.

— E as garotas da sua classe, eram bonitas? — Hoseok perguntou, errando a direção do canudo de seu refrigerante, acertando seu nariz, arrancando uma gargalhada do Park.

Taehyung deu de ombros, aproveitando a distração para roubar uma batata frita de Jimin.

— Ah, sim… Elas eram… graciosas — respondeu e tal escolha de palavras arrancou mais risadas do grupo, como se tivesse contado uma piada.

— E com quantas você namorou? — SeungMin, um dos jogadores do time de futebol e amigo de Woojin, perguntou. Ele estava sentado na mesa ao lado, mas também parecia interessado na conversa.

Taehyung corou com a pergunta e sorriu sem graça, desviando o olhar para seus sapatos, coçando a nuca constrangido.

— Ah… Eu não me interessei por nenhuma.

— Que desperdício — Woojin comentou, e muitos concordaram, mas o Kim não parecia preocupado.

Jeongguk não sabia o que pensar sobre isso. Se tivesse a chance de estudar em um colégio comum, teria uma namorada? Provavelmente não, era tímido demais para se aproximar de uma garota, embora imaginasse o quão incrível seria poder dizer que tem uma namorada.

— Desperdício é você ter esses ombros e não entrar pra' minha equipe — Hoseok que continuava insistindo para Taehyung fazer o teste, decidiu arriscar novamente — Venha em uma das aulas. O professor Willians vai adorar você.

Jeongguk notou que o sorriso de Taehyung vacilou por um breve segundo, mas logo foi substituído tão rápido que apenas quem estivesse buscando algo mais poderia notar.

E Jeongguk estava curioso com a razão que o fizera abandonar o esporte que fazia parte de seus sonhos.

Balançou a cabeça, voltando sua atenção a Namjoon, que explicava-lhe as atividades com o jornal do colégio e, mesmo que fosse uma tarefa em que não estava familiarizado, Jeon sentia-se ansioso para experimentar. Mudar um pouco sua rotina lhe faria bem.

O refeitório esvaziou-se à medida que as atividades extracurriculares iriam começar e como Namjoon tinha que ir ao clube de jardinagem, despediu-se de Jeongguk, que sempre preferia estudar por lá, visto que teria acesso livre aos salgadinhos e batatinhas que as cozinheiras deixavam para si, conhecendo seus hábitos.

Ele estava sempre beliscando enquanto estudava.

No entanto, mais uma pessoa decidiu ficar por lá aquela tarde. Taehyung não tinha entrado em nenhum clube ainda e disposto a arrancar alguma reação do garoto que dizia não se lembrar de si, levantou-se e pegando-o de surpresa, deixou uma moeda em sua mesa, afastando-se logo em seguida com as mãos no bolso da calça para disfarçar seus dedos trêmulos.

Jeongguk engoliu em seco, encarando a moeda, atordoado.

Ele estava…? Não. Era impossível que Taehyung se lembrasse de algo tão bobo assim.

Recolheu seus pertences, pegou um saco de batatinhas e saiu do refeitório depressa, deixando a moeda para trás, junto com as memórias que ela possuía.


༄  ✈ ༄


Uma semana se passou desde a primeira vez em que Taehyung colocou uma moeda na mesa de Jeongguk. E, desde então, o Kim tem repetido tal feito todos os dias, deixando-a sobre sua mesa sempre que as aulas acabavam sem dizer coisa alguma.

Jeongguk recusava-se a aceitar as moedas. Recolhia seu material e ia embora, porém ao retornar no dia seguinte, havia mais uma junto com a anterior, de forma que no fim daquela semana, sua mesa estava com uma pequena pilha delas.

O cofrinho cor de rosa com formato de um coelhinho que Taehyung ganhou de seu pai estava com Jeongguk. Quando o garoto foi embora, deixou para trás grande parte de seus pertences e não voltou para buscá-los e conhecendo bem seu filho, o diretor Kim decidiu entregá-lo ao Jeon.

Neste momento, o objeto estava escondido debaixo de sua cama e Jeongguk recusava-se a resgatá-lo da escuridão com o intuito de abastecê-lo com esperanças que há muito tempo foram abandonadas. 

Taehyung e Jeongguk juraram que fariam aquilo juntos. O Kim não podia simplesmente voltar dez anos depois e agir como se nada tivesse mudado.

Ele sabia que em algum momento Taehyung desistiria de tentar, bastava continuar agindo com indiferença, como se não o conhecesse. Seria melhor assim, porque se permitisse que Taehyung voltasse para sua vida, viveria com o medo de ser abandonado novamente.

Jeongguk já tinha perdido pessoas demais sendo tão jovem, as cicatrizes não desapareceram como muitos acreditavam. Estavam ali, atreladas às inseguranças que surgiram conforme cada pessoa que importava para si deixou de fazer parte de sua vida.

Ergueu o olhar ao notar a chegada do Kim, que sem olhar em sua direção, sentou-se em completo silêncio. 

Taehyung não lhe deu uma moeda.

O professor entrou e todos retomaram aos seus lugares, porém Jeongguk não conseguiu se concentrar em nada que dizia, tenso com o silêncio do Kim que costumava cochichar com frequência durante as aulas.

Estava bravo?

Talvez devesse lhe dizer algo?, cogitou a possibilidade, maltratando a pele de seus dedos, ansioso.

Porém, antes que pudesse fazer algo, Taehyung se levantou e saiu da sala assim que o professor os dispensou, deixando um Jeongguk confuso para trás.

"Ele desistiu, não pense mais nisso", repetiu a si mesmo enquanto caminhava até seu armário, fingindo prestar atenção ao que Namjoon lhe dizia.

Abriu o armário e sua atenção foi direcionada a um post it azul com nuvens desenhadas, que caíra aos seus pés, deixando-o ligeiramente confuso. Nunca rece bera um bilhete antes.

Abaixou-se e pegou o papel, arfando ao ler a breve mensagem:


“☁ Ainda precisamos comprar aquele avião. ☁”


Estático, ergueu o olhar, deparando-se com um pequeno objeto na prateleira de seu armário: era um botão, igual ao do casaco de seu uniforme. Mas, aquele era diferente.

Ele tinha valor.






Notas Finais


Aaaah, me digam o que acharam, to mega ansiosa!!

Eu amo tanto esses taekook que morro de amores sempre!

A próxima atualização vai ser às 18:00 dia 06/03! Então agendem hehe.


Não esqueçam o purple heart.

Até breve 🐰💜🐻


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...