1. Spirit Fanfics >
  2. Dont Be a Dick - Imagine Jeon Jungkook (BTS) >
  3. Capítulo 29 - Life Changing

História Dont Be a Dick - Imagine Jeon Jungkook (BTS) - Capítulo 30


Escrita por:


Notas do Autor


Gente, espero que gostem do capítulo de hoje, mas também tenho uma pergunta a fazer.
Vocês preferem que esse seja o final, ou faço a trajetória deles na faculdade em no máximo 15 capítulos? Comentem por favor !!!

Capítulo 30 - Capítulo 29 - Life Changing


Imagine Story: 전정국 

——•��Do no be a dick��•——

•~Cap  29 - Life Changing ~•

¥ 15 de Novembro de 2018 ¥

Era hoje, Quinta-feira, o dia em que minha vida e de outros vestibulandos mudaria para sempre. É o Suneung, as ruas já estavam silenciosas e como esperado, o governo mandara que todos os vôos parassem, entregando uma prova perfeitamente “tranquila” aos estudantes que por agora, já sentavam-se em suas devidas cadeiras e rezavam aos seus deuses para que tudo desse certo. Já são quase 8:40 da manhã, ou seja, está perto do tempo de início e meu coração está batendo rápido, como se implorasse para correr para fora do corpo. Eu estudei minha vida inteira, tinha completa certeza de que tudo estava guardado à sete chaves em minha mente, contudo assim que entrei no local do teste, senti a cabeça esvaziar e comecei a me desesperar.

Respirei fundo, fazendo o máximo que podia para colocar-me em um estado menos agitado, o qual fosse mais seguro para um bom desempenho na prova. Entretanto a ansiedade se espalhava cada vez mais rápido por meu corpo e aumentou, assim que um dos assistente colocou uma prova em minha mesa, sussurrando “Boa sorte” e fazendo o mesmo com os outros estudantes. Depois de hoje, para saber meu resultado, deveria esperar um pouco mais de três semanas e isso está me desesperando, como poderei acalmar meu corpo, se a dúvida enorme de “Será que entrei” me perturbará. Não, Sem pensamentos como esse, Kim (S/N)! Você é uma garota forte, se preparou por muito tempo e deu seu sangue nos estudos, as coisas vão caminhar do jeito que tiverem que ser, então cale a sua mente pessimista e faça esse teste com todo o conteúdo que você possui. 

Ding! O sinal tocou e eu respirei fundo, ouvindo a voz de uma aplicadora de prova: “Vocês possuem oito horas para terminar o exame, concentrem-se e... comecem”. Naquele momento meus olhos caíram sobre a folha de papel e me aliviei, vendo que a primeira questão estava com a resposta fresquinha e na ponta de minha língua, devido às notas que havia relido ontem pela noite.

¥ Sete horas depois ¥

Terminei o exame uma hora antes de seu oficial fim, estava acabada e minha cabeça parecia explodir com uma dor inexplicável. Pus os cabelos em um rabo de cavalo, caminhando lentamente até o exterior do prédio estudantil, dando de cara com alguns pais e apoiadores, que batiam palmas para cada estudante que passava por aquela porta. Com os olhos ficados no chão, apenas me curvei àquelas pessoas e encarei meus arredores, procurando meus pais ou algum conhecido, dando de cara com Jungkook sorrindo abertamente para mim, andando em minha direção com suas mãos no bolso.

-Seus pais pareciam aflitos, então pedi que ela fossem para casa. — Concordei, sorrindo de volta e entrando em seu abraço, recebendo um beijo no lado de minha cabeça. — Vem, eu te levo pra’ casa. — Me puxou para frente, me levando consigo até o estacionamento, onde seu carro provavelmente estava.

-Terminou a prova tem muito tempo? — Ele negou, apoiando seu rosto em minha cabeça, acariciando minha cintura.

-Estava lá fora à uns dez minutos, mal vi o tempo passar. — Olhei para ele, vendo em seus olhos uma aflição que ele com certeza, queria disfarçar.

-Por que está assim? Parece aflito. — Ele deu de ombros, chutando algumas pedrinhas no chão, assim que eu parei em sua frente. — Você sabe que não pode mentir para mim, da para perceber que tem alguma coisa te deixando mal... foi o teste? — Ele fez um bico, concordando e limpando uma lágrima que caiu de seus olhos, me fazendo assustar.

-Tenho medo de não ter ido bem, a SNU talvez possa ser concorrida demais para a minha nota. — Me fitou e eu toquei em seus ombros, fazendo carinho ali e chegando mais perto de si.

-Ei, você nem sabe sua nota, pare de se martirizar, huh? — Enxuguei uma lágrima que descia por sua bochecha. — Estudamos juntos, você sempre arrasou nos assuntos e caíram muitas coisas que falamos diversas vezes, seja mais confiante. — Passei os braços por she pescoço e ele fez um bico, me encarando tristonho e eu nem mesmo conseguia segurar minhas próprias lágrimas ao vê-lo daquela forma.

-Eu sou burro, não sou inteligente e estudioso como você. Tenho medo de não passar na SNU e ter que me mudar pra Anyang, assim não poderei lhe ver todos os dias e você vai cansar de me esperar. — Sua boca tremia e meu coração se dilacerava em pequenas partes. — SNU é meu sonho.

-Seu sonho ainda está de pé, você está sofrendo por antecipação. Não se chame de burro, esse ano inteiro se esforçou muito para o dia de hoje e vai valer a pena! E mesmo que você precise ir para Anyang, estarei com você, porque eu te amo e vou lhe apoiar em qualquer escolha que fizer. — Fiquei pertinho do seu rosto, acariciando aquela área com o princípio de confortar meu homem, que finalmente deu um sorrisinho e assentiu.

-Me da um beijinho, assim eu vou ficar totalmente feliz. — Pediu manhoso, como aquele homem podia ser tão fofo? Com a voz que fez, nem parece o mesmo que cobria quase toda minha costa com suas grandes e másculas mãos.

-Tudo por você, meu amor. — Sorri antes de aperta-lo mais contra mim e grudar nossos lábios em um beijo molhado, cheio de sentimento e conforto.

-Você é meu porto seguro. — Falou entre pausas, apertando-me e acariciando meu quadril, fazendo-me corar. — Te amo, volta a me beijar. — Segurou minha nuca e trouxe meu corto de volta para perto do seu, voltando a sugar minha boca.

(...)

-Fica parado por meio segundo, pelo amor de Deus! — Pronunciei-me irritada, empurrando o rosto de Jungkook das minhas coxas, fazendo-o fitar à mim de forma indignada.

-Você é muito bruta, não é culpa minha! — Rebateu, pondo-se de volta à posição anterior, passando a mão pelas sobrancelhas.

-Não estou sendo bruta, você é quem é sensível demais. — Cruzei os braços abaixo dos seios e ele levantou minha blusa, expondo meu estômago para si, dando beijinhos no local. — Pare de tentar me bajular, estou perdendo meu tempo e você ainda vem me xingar. — Fiz um bico.

-Para com isso, nem lhe xinguei. É só que tava doendo muito e foi você quem deu a ideia de fazer isso. — Tentou argumentar, todavia, meus olhos foram até ele como armas.

-Minha ideia? Eu estava tranquilíssima tirando a sobrancelha quando você me implorou pra fazer a sua também. — Falei alto e ele levantou revirando suas orbes negras, incomodado e cruzou as pernas na famosa posição: “Borboletinha.”

-Tá bom, entendi. Para de jogar na minha cara que eu sou um frouxo. — Reclamou e eu ri. — To com tédio, vamos fazer alguma coisa? Juro que se passar mais 5 minutos parado, minha cabeça vai explodir de tanto pensar no Suneung.

-Nem sei por que ainda está incomodado com isso, conversamos com o Jin sobre e ele disse que a maioria das nossas respostas estavam corretas. — Comentei, mexendo com seus grandes dedos, olhando discretamente para seu peitoral desnudo.

-Mas vai que eu acho que respondi certo, mas na verdade só inventei tudo na minha cabeça. — Fiz uma careta para sua teoria louca e revirei os olhos, sentindo meu estômago roncar. — Pela primeira vez você tá sendo a otimista da relação.

-Existe uma grande diferença entre ser otimista e realista, você não está sendo nada além de paranóico. — Levantei, abaixando minha blusa e pegando um prendedor de cabelo, fazendo um rabo de cavalo.

-Por que levantou? — Questionou com seus olhinhos brilhantes e eu pus as mãos no bolso da calça moletom.

-Você está com tédio e eu com fome, vamos fazer um brownie. — Expliquei e ele fez uma careta, rolando pela cama com o edredom entre os braços.

-Ah, mas não tenho paciência pra cozinhar, vamos fazer algo mais divertido, huh? Aqui na sua cama. — Remexeu as sobrancelhas, insinuando malícias e eu ri soprado, utilizando a destra para puxar seu braço.

-Vamos logo e deixa de ser safado. — Ele se levantou preguiçosamente, me agarrando por trás, fazendo-me sentir o calor de seu peitoral nu. 

-Preciso colocar a blusa? — Fez voz de criança, então neguei com um biquinho, andando junto à ele até a cozinha.

-Mãe, tem ingrediente pra fazer brownie? — Questionei a mulher que se encontrava na sala, assistindo mais uma de suas novelas excessivamente dramáticas.

-Você vai se mudar de casa ano que vem, aprenda a se virar! — Respondeu sem ao menos olhar para mim, totalmente focada na televisão e fiquei chocada com sua rispidez.

-Acabou com a graça da folgada. — Jungkook adicionou rindo e me encarando, então devolvi o olhar com mais intensidade e o maior fechou a boca.

É inegável o quanto amo esses momento que vivo com Jeon, são tão simples e para quem vê de fora não é nada demais, mas para nós é mais uma oportunidade para demonstrarmos nosso amor através de ações pequenas, ainda que muito significativas e profundas. No fim, é isso o que nos aproxima mais ainda, além de sermos um casal e compartilharmos ocasiões, também somos melhores amigos e temos intimidade para agir da forma mais natural possível um com o outro, talvez isso venha da amizade anterior, não importa como surgiu, quero apenas aproveitar esse sentimento gostoso.

-Ei, ei, ei! Isso é leite e não trigo! — Impedi o maior de despejar o ingrediente na tigela e rimos. — Derrete a manteiga que eu cuido do resto, tudo bem? — Tirei aos poucos o pote de leite de suas mãos e ele concordou.

-Você nunca me disse que sabia cozinhar. — Afirmou mexendo a manteiga na panela, concentrado em seu serviço.

-Não é nada demais, a maioria das coisas que faço têm grandes chances de me matar de diabetes. — Brinquei e ele riu, desligando o fogo quando alcançou seu objetivo, afinal não é nada demorado derreter uma manteiga.

-Já disse que você fica extremamente sensual cozinhando? — Senti suas mãos rodearem minha cintura em um aperto gostoso, repousando seu queixo em meu ombro, selando meu pescoço e eu sorri toda bobona. — Assim parece que somos casados, né?

-Um pensamento meio estranho para um homem de 18 anos. — Respondi neutra, colocando a manteiga e o ovo na tigela, junto aos outros ingredientes. 

-Ah ué, só me sinto confortável em imaginar um futuro com você. Não pensa em casar comigo ou ter filhos? — Me virou para si, olhando no fundo dos meus olhos e eu dei de ombros.

-Um dia talvez, não estou pensando em ter filhos, ainda tenho 17 anos. — Ele fez um bico com minha fala e passou os braços por meu ombro, selando nossos lábios.

-Eu te amo. — Encheu a boca para falar e apertou meu nariz, sorrindo.

-Também te amo, mesmo que venha com umas conversas muito aleatórias de vez em quando. — Belisquei seu mamilo de modo brincalhão e ele se afastou, tocando em seu peito assustado.

-Odeio quando você faz isso. — Pronunciou com um mínimo de seriedade e eu voltei a bater a massa do brownie, recebendo um tapa fortíssimo na bunda.

-Ai! E eu odeio quando faz isso com tanta força, dói! — Briguei com ele, que riu e cheirou meu pescoço, remexendo seu rosto ali, me fazendo encolher minimamente com o arrepio que flutuou por meu corpo.

-O que vocês estão fazendo? — Ouvi o timbre grosso de meu pai e empurrei Jeon com o quadril, afastando-o de mim. 

-Brownies, estávamos com tédio e fome, então juntamos o útil ao agradável. — Respondi, apoiando meu corpo no balcão, virada para o mais velho.

-Fico feliz de ver vocês se dando bem, também fui pra faculdade namorando sua mãe e foi uma experiência única. — Comentou, enfiando o dedo no chocolate da forma e de certa forma, me assustei com o modo calmo que ele agiu.

-Estamos aguardando pelo melhor dos resultados, Senhor. Concordo que é uma experiência única, ir para um ambiente totalmente novo com alguém que ama, é cuidar e se sentir cuidado. — Jungkook bajulou-o e eu sorri de leve com sua fala, que não deixava de ser fofa.

-Vai dar tudo certo, garoto. — Deu dois tapinhas nas costas de meu namorado. — Deixa um pra mim, se não eu conto pra sua mãe que vocês estavam se esfregando na cozinha dela. — Apontou para nós dois de forma ameaçadora e revirei os olhos.

-Tá pai, pode deixar. — Ele deu um pulinho fofo e foi me direção a sala, agarrar a mamãe.

-Seu pai está mais tranquilo comigo. — O maior falou animado, bebendo um pouco d’água em cima do balcão.

-Ele se acostumou com a sua presença, estamos juntos à quase 5 meses. — Remexi a cabeça, tentando tirar os fios de cabelo do rosto. 

-Faz tempo, né? Parece que foi ontem a gente tava brigando e se alfinetando. — Comentou risonho e eu sorri, mordendo o lábio inferior. Jeon ficou por trás de mim e retirou o prendedor de meus cabelos, fazendo outro rabo de cavalo mais apertado. — Pronto meu amor. — Beijou minha bochecha.

-Queria que fizesse isso em outra situação. — Provoquei e ele gargalhou, dando pulinhos.

-Eu também, mas lhe deu a louca de querer fazer brownie. — Apalpou minhas nádegas e deixou um selar molhado em minha nuca. — Daqui a pouco a gente se resolve. 

-Espero que sim. — Encostei a cabeça no pescoço do maior, rindo que nem uma boba e finalmente colocando a massa no forno.

¥ Sábado, Baile de formatura ¥

Um ano de muitas emoções, novas experiências, aprendizado, altos e baixos. Tudo acrescentou para que hoje estejamos aqui, com sorrisos que vão de orelha á orelha, dançando com animação e super ansiosos para nos jogarmos de cabeça na fase adulta, completamente nova para nós. As luzes que nos cobrem são direções intrigantes, caminhos ainda não descobertos e com certeza uma aventura a mais para viver com toda a intensidade possível.

-Yoongi-ah, achei que não fosse vir. — Falei alto, tocando no braço do garoto que me encarou assustado pelo toque repentino. — Está um gato, quem foi que escolheu sua roupa? — Brinquei com ele, que sorriu abertamente e sussurrou um “obrigado”, percebendo que não estava agindo estranhamente.

-Uau, nunca pensei que fosse ver o capitão do time de basquete vestido como um mauricinho. — Serena parou ao meu lado, passando o braço por minha cintura e mostrou os dentes para ele.

-Não é como se eu fosse vir para a formatura com um calção e uma blusa sem mangas. — Rebateu, coçando a nuca envergonhado e de repente foi abraçado por Namjoon.

-Se bem que não seria má ideia, seus braços lhe ajudam muito quando se trata de pegar meninas. — O mais alto comentou, fazendo-nos rir e remexer a cabeça, como sempre ele agia com sua mente de uma criança de 12 anos.

-Parem de implicar com o coitado, vocês também vivem vestidos como mendigos. — Ana isis invadiu a conversa, apoiando-se em Yoon, enquanto bebia o ponche.

-Hoje não é dia pra se cutucar, vocês ainda não perceberam que é a última vez que estamos juntos como estudantes do ensino médio? — Taehyung levantou da cadeira ao meu lado e se pronunciou, olhando para cada um na rodinha como se nos julgasse.

-Parece que foi ontem que nos conhecemos, não consigo acreditar que iremos nos separar por causa da faculdade. — Falei com um biquinho e todos suspiraram tristes.

-A gente nem sabe se passou, pra que sofrer antes da hora? — O timbre brincalhão de Jungkook invadiu meus ouvidos e ele passou o braço por meus ombros, deitando a cabeça na minha.

-Ya, não diga uma coisa dessas pra sua namorada seu idiota. Vou acabar lhe dando um soco! — Jimin, que estava ao seu lado brigou, levantando o punho como ameaça ao maior.

-Minha namorada recusou ser meu par no baile, ela merece esse soco mais do que eu. — Jeon franziu o cenho, ele sabe bem que recusei por já ter prometido vir com Yoongi.

-Calem a boca, o diretor vai falar algo. — Isis empurrou a face dos dois, ambos a fitaram indignados, contudo obedeceram sua ordem.

-Pessoal, prestem atenção por um momento. — Chamou os olhares de todos os que estavam ali presentes e assim que conseguiu, deu dois tapinhas no microfone para confirmar que estava funcionando. — Muitos de vocês estão na nossa escola tem um bom tempo, outros entraram recentemente, mas quero que saibam que nada disso importa, porque cada um foi importante para a construção desse ano letivo. — Passou o olhar pelo ginásio enfeitado, com os olhos cheios de lágrimas. — Para falar a verdade, o terceiro ano de 2018 é incomparável em tantos pontos, vocês foram únicos e nossos funcionários não seriam nada sem o jeitinho de cada um. Gostei de lidar com cada problema que vocês deram esse ano, me diverti com cada mentira esfarrapada que contavam para se livrarem de uma bronca. — Olhou para mim e Jungkook, nos fazendo rir com nosso grupo. — Confiamos em vocês e desejamos que o futuro seja promissor, que lutem por cada um de seus sonhos, agora irão entrar numa fase maravilhosa e todos nós 
da DaeJeong High School esperamos ter ajudado a formar parte do incrível caráter que têm. Agora... Aproveitei! — Sorriu largo e batemos palmas, com os olhos lacrimejando.

Assim que a música voltou a tocar, nosso grupinho de amigos se entreolhou e não esperamos um minutos sequer para pularmos um nos outros, num abraço tão apertado que chegava a tirar o ar. Dentre as gargalhadas que soltávamos, sentíamos lágrimas de alegria caindo por nossas bochechas. Por um triz não caímos esparramados no chão, mas ainda que tivéssemos, nada poderia apagar a alegria de ter vivido esse ano tão unidos. 

No fim, nada mais importou. Nem ao menos ligamos para essa palhaçada de “o par do baile”, fizemos nossa festa juntos, aquelas pessoas eram meu par, todos me faziam bem e não importa a situação, tiravam risadas sinceras de mim. Nada mais nos unia, além da conexão enorme que tivemos desde o primeiro dia, afinal como pessoas tão diferentes conseguiam fazer uma turma linda desse jeito? 

Aqueles eram amigos de verdade, sem filtros ou frescuras, a sinceridade que conseguimos ter um com o outro é o que fortalece essa relação dia após dia. 

¥ Uma semana depois, Resultado do Suneung ¥

Eu, Taehyung e Jungkook estávamos com as mãos entrelaçadas, a adrenalina corria por nossas veias devido ao nervosismo exacerbado que sentíamos. Depois de três semanas, o governo anunciou que hoje sairiam os resultados do vestibular que fizemos para entrar na faculdade. Como nós três aplicamos nossa nota para a mesma faculdade, decidimos que nos juntaríamos com nossa família na casa de Jeon e veríamos juntos o resultado de cada um, assim poderíamos comemorar ou chorar juntos, dependendo da resposta que recebêssemos.

Estava marcado para sair exatamente as três da tarde, porém com toda a ansiedade, ficamos sentados na mesma posição desde as dez da manhã, para o desespero de nossos parentes. Quem olhasse para nossos lábios martirizados, diria que acabamos de levar vários sócios na cara, afinal largávamos toda nossa frustração ali. Os minutos passavam lentamente, porém para nossa sorte - Ou não. -, faltavam 2 minutos para as três e nossa tremedeira aumentou mais ainda.

O celular de cada um estava repousado em nossas coxas, carregando infinitamente na página “Aguardando resultado”. Dez... nove... oito... sete... seis... cinco... quatro... três... dois... um... 

-Saiu! — Taehyung gritou e todos de cada família vieram para trás de nós, enquanto estávamos com os olhos fechados. — Quando eu disser: “Já”, abrimos os olhos. — Murmuramos em concordância e aguardamos, sentindo o coração na garganta. — Já! — Fitamos celular e no mesmo momento, nos entreolhamos com sorrisos abertos.

-PASSEI! — Gritamos ao mesmo tempo e demos um pulo do banco que sentávamos, correndo nos abraçando. 

-Eu amo vocês, meu deus, vamos estudar juntos! — Gritei, com lágrimas caindo pelas bochechas e o coração aliviado.

-Venham nos abraçar, estamos felizes também! — Os pais de Jeon disseram emocionados e corremos até nossas respectivas famílias, agarrando-nos nos braços, aos prantos.

(...)

Hoje, como recompensa, meus pais permitiram que eu bebesse alguns copos de champanhe e o dia foi resumido em festa e churrasco. O suspiro desacreditado ainda insistia em deixar meu corpo a cada segundo, parecia um sonho o qual, definitivamente, não quero acordar nunca. Taehyung roncava na cama de Jungkook, apagado por sua bebedeira anterior, enquanto eu e Jeon sentávamos na sacada agarrados debaixo de uma grande toalha - dica: Não vá para a piscina no fim do outono. -.

-Da pra acreditar? Daqui alguns meses estaremos estudando em uma das melhores universidades da Coréia do Sul. — Comentei intrigada, olhando para o rostinho pálido do maior, que me esquentava com seus braços.

-Tudo vai mudar, seremos adultos que moram sozinhos. — Eu assenti, pensando em sua fala e ele deixou um selar leve em minha boca. — Vou sentir saudades de entrar no seu quarto escondido de seus pais, ou de te puxar para um canto da escola pra poder ter beijar. 

-Por incrível que pareça, também vou. Mas pelo menos não vou precisar lidar com a RyuJin dando em cima de você. — Desviei o olhar e ele gargalhou.

-O meu Deus, meu amorzinho é ciumento! — Usou sua voz fofa, segurando minha bochecha e mordendo o local. 

-Sou mesmo... mas então, está preparado pra Seoul National University? — Questionei com um olhar desafiador, esticando minha mão para ele.

-Pode crer que eu estou! — Fizemos um High-Five e caímos na gargalhada, deitando no chão da sacada agarrados como dois idiotas.

Nossa vida acabou de mudar para sempre e creio com todo meu coração, que seja para melhor.

 

 


Notas Finais


Vocês preferem que esse seja o final, ou faço a trajetória deles na faculdade em no máximo 15 capítulos? Comentem por favor !!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...