1. Spirit Fanfics >
  2. Don't be Mean - Momo (Imagine) - One-Shot >
  3. Boa má garota

História Don't be Mean - Momo (Imagine) - One-Shot - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi leõezinhos!! Do nada aqui neh, tava nos rascunhos.
E pqp q Cap grande, mas eu não iria dividir, ent vcs que lutem.

Boa leitura!

Capítulo 1 - Boa má garota


Fanfic / Fanfiction Don't be Mean - Momo (Imagine) - One-Shot - Capítulo 1 - Boa má garota



E lá estava eu, parada em frente aos grandes portões daquele internato. Minhas mãos suavam frio e meu coração estava acelerado. 


Não imaginei que meus pais chegariam a esse ponto, de literalmente me abandonar num internato particular, agora só veria a eles de novo nas férias de inverno, mas literalmente não ligo pra eles, nunca senti falta deles por sempre estarem ocupados com o trabalho e não é agora que vou me culpar por isso.


Ops, não me apresentei. Sou Jang (S/n), tenho 17 anos, mas não se engane com essa minha carinha, sou um terror por onde quer que eu vá.


O porquê de eu estar em um internato? Simples, eu estava com as pessoas erradas na hora errada. Eu estava com uns "amigos", e eles acabaram por usar drogas escondidos, até me ofereceram mas eu recusei. E para o nosso azar fomos pegos. E também porque eu saí na porrada com garoto por ele ter me provocado.


Meus pais acharam que eu era uma delinquente rebelde, eu meio que sou, boto medo em qualquer um apenas com um olhar ameaçador. 


Eu não era assim, até pegarem o meu coração e o jogarem no lixo. Fui traída pela minha própria amiga! E isso foi mais um gatilho para eu ficar mais revoltada.


Então, pelo meu péssimo comportamento, meus pais decidiram me colocar em um internato, não especificamente para delinquentes, era normal, porém era rigoroso. Assim eles ficam longe de mim e dos problemas que eu causo, e quem sabe eu possa "mudar", o que não vai acontecer.


Ouço o barulho do sinal tocar e vejo várias alunas entrando. Respiro fundo antes de passar por aquele portão. 


Pego minha mala e entro, caminho pelos corredores a procura da diretoria. Após um tempinho procurando, avisto uma plaquinha com o nome da sala.


Fico parada na frente da porta pensando se eu realmente faria aquilo, mas eu não tinha outra opção. Dei três batidinhas na porta até ouvir um "entre".


Abri a porta devagar e entrei e logo a fechei. 



- Você deve ser Jang (S/n), certo? - ouço uma voz feminina alta e pouco grave, então me viro olhando para a dona da voz.

- Sim. - falo baixo. 

- Sou a Diretora daqui, me chamo Hirai Momo, sente-se por favor. - sentei-na cadeira que tinha em frente à sua grande mesa.



Ela tinha alguns papéis em mãos, provavelmente meus documentos, ela dava uma analisada. E enquanto isso, sem intenção, comecei a reparar nela.


Ela aparentava ter vinte e poucos anos, era bem jovem para ser uma diretora.


Seus cabelos eram longos e pretos, seus olhos davam um ar de autoridade e medo em qualquer um, mas não em mim. Seu batom vermelho escuro se destacava, pelo fato dela estar de pé na hora que cheguei, vi seu look, que consistia num conjunto de blazer e calça da cor vinho/bordo, usava um salto fino não muito alto de ponta. Tudo isso junto desse belo rosto a deixavam um tanto... sexy...?


Não sei porque pensei nisso, mas ela é realmente atraente aos olhos.



- Seu histórico é bem manchado. - não me diga. - Não irei admitir tal comportamento no meu internato, então é bom que entre na linha pois se não, teremos sérias consequências. - ela diz me olhando profundamente, o que me deixou bastante desconfortável me fazendo quebrar aquele olhar o desviando para o chão. Mas por que raios eu fiquei assim? Não vou me submeter a isso.

- Eu vou tentar. - falei sem interesse. Ela me olha novamente, mas dessa vez mais séria.

- Um deslize seu, e você terá uma severa punição. - ela se levanta e caminha parando ao meu lado. Ela se agacha um pouco ficando próxima do meu rosto, o que me fez ficar nervosa. - Aqui tem regras, e precisam serem seguidas para o patrimônio de todos, já tive com casos como o seu, e não será agora que irei falhar. - disse próxima de mim, sua respiração doce batia contra meu rosto. - Seja uma boa garota, e não teremos problemas.

- É o que veremos. - falei a encarando e dando um sorriso ladino. Ela continuava a me olhar com aquelas orbez negras, seu olhar desce para meus lábios e por um instante pensei em desfazer aquele espaço, mas ela se afastou em seguida.

- Não quero que tente nenhuma gracinha, ou as coisas podem piorar para o seu lado. - ela volta para a mesa e pega algo em sua gaveta. - Essa é a chave do seu dormitório. - me entrega. - O horário de entrar nos dormitórios é até às 20:00. Siga as regras e não se meta em confusão. Nayeon está te esperando ali fora, ela irá te mostrar o internato e explicar tudo. Fui clara?

- Tanto faz. - falei e me levantei, peguei minha mala e fui em direção à porta.

- Cuidado. - ela falou me fazendo olhar para trás. - As pessoas daqui nem sempre são o que parecem. - sorriu convencida e eu apenas bufei já saindo daquela sala.

- Oi, você é a aluna nova? - do nada uma garota brota na minha frente me fazendo dar um pulinho de susto e levar a mão ao peito.

- Ai caralho! Que susto garota! - falei. 

- Desculpinha. Sou Im Nayeon, representante do internato e líder de classe. - ela estende sua mão animada, mas eu apenas a olho com repúdio não correspondendo o ato.

- Já vi que é das difíceis. - seu sorriso dentuço some e ela retira sua mão dali. - Você tem muito que aprender. Vamos logo, se formos rápidas conseguimos pegar a segunda aula. - ela sai andando na frente. - (S/n) né? - apenas confirmo. - É bom que obedeça, não foram todas que tiveram um final legal após enfrentar a Srta. Hirai. 



O que ela quis dizer com isso? Essa pergunta começa a martelar na minha cabeça.






...





Caminhamos pelo lugar inteiro. E puta lugarzinho grande, meus pés estão doendo de tanto andar.


Ela mostrou as quadras, ginásio, refeitório, alguns campos, jardins, biblioteca, salas... tudo, então finalmente chegamos ao meu dormitório.


Paramos em frente à porta.



- A Srta. Hirai deu uma ideia, então ela resolveu deixar esse dormitório apenas para você, então não precisará dividir. - assinto. - Essa é a senha do seu armário que fixa no setor C ala 3, e lista de aulas, aqui tem alguns clubes que você pode se interessar. - ela me entrega uns papéis com as informações necessárias. - Arrume suas coisas, sua próxima aula será de sociologia, corredor Ab sala 09, não se atrase. - falou e logo saiu.



Entrei em meu quarto o observando. Era simples, uma cama, guarda-roupa, uma pequena cômoda e um banheiro. Vou ter que deixar esse lugar com cara de (S/n) durante o tempo.


Fechei a porta atrás de mim, larguei a mala na cama, depois eu arrumaria as coisas, peguei minha mochila e alguns materiais necessários para a próxima aula. Não que eu me importasse, porque eu não ligo, porém eu teria que me redimir, mas eu sou insistente no que quero, então nada mais justo do que eu infernizar esse lugar até que não me aguentem. Não quero passar os próximos 3 anos presa aqui.


Já que eu não poderia me atrasar, saí logo do quarto indo para a ala das salas de aula.


Caminhei, caminhei e nada. 



- Aff, que saco! - bufei por não encontrar a bendita sala.



Andei mais um pouco pelos corredores vazios, ao passar pela porta do banheiro, alguém que estava saindo pelo visto não me viu e esbarrou em mim derrubando todos os materiais que eu tinha em mãos.



- Ya! Olha por onde anda! - a garota diz.

- Você que esbarrou em mim! - falo indignada. 

- Não diga uma coisa que eu não fiz, você começou! - a olhei tipo WTF?! Ela é morena e de cabelos compridos e castanhos, aquele uniforme caiu muito bem em suas curvas, mas pelo que eu vi não é alguém para se fazer amizade. Me ajoelhei para ajuntar minhas coisas na esperança que ela fosse embora dali, não pediria ajuda dela.

- Tem algo de errado comigo para me observar tanto? - pergunto.

- Percebi que você é a novata que todos estão falando. 

- Estão falando de mim?

- A nova garota encrenca. - riu. - Mas eu tenho algo para te dizer. - ela puxa minha gravata para perto de seu rosto o que me fez levantar. - Eu sou a garota rebelde daqui, então não tente tirar esse posto de mim porque isso pode ser bem ruim para o seu lado. 

- E o que a princesa vai fazer? Hm? 

- Tenho minhas cartas na manga. Seja obediente. - ela me solta me empurrando me fazendo tropeçar e cair. Ela pisa nos meus materiais e meu sangue começa a ferver. - Bye, bye Bitch.



Então ela sai me deixando ali. Fecho os punhos com força e aperto os olhos, a vontade de socar aquela cara cresceu mais ainda. Respiro fundo por um tempo até acalmar os nervos. Ajunto meus materiais e volto a procurar a sala.


Depois de mais um tempinho andando, finalmente a encontro. Arrumo minha postura e bato na porta e vou abrindo devagar. 



- Com licença-

- Está atrasada. - a suposta professora de sociologia fala. 

- É que eu me perd-

- Não quero saber, hoje passa, espero que não tenha próxima, vá se sentar.



Faço uma breve reverência e olho em volta procurando um lugar vago. Acho uma carteira no fundo da sala, era a penúltima da fila da janela. Caminhei até meu lugar, mas senti o olhar das alunas sobre mim, mal cheguei e já sabem da minha vida inteira.


Sentei-me na carteira e organizei meus materiais. 


Eu nem prestava atenção no que aquela professora falava, então abaixei a cabeça e fechei os olhos. 



- Ei.. ei! - escuto alguém me chamar e me cutucar nas costas. Olho para ver quem era e me deparo com uma garota de cabelos curtos e castanhos. - Você é a novata? Como se chama?

- Achei que já sabiam até meu CPF. - ri. - Jang (S/n).

- Sou Son Chaeyoung.- ela estende a mão e novamente recuso. Eu diria que ela é muito fofa se não fossem pelas tatuagens em seu braço.

- Tatuagens maneiras. - as observo.

- Valeu.

- Pelo visto você também não é muito certinha não é?

- Nem todo mundo é perfeito.

- E o que te trouxe aqui? O que você fez?

- Beijei uma garota. 

- Só por isso?

- Pais rigorosos e homofobicos, são assim mesmo. Me mandaram pra cá para ver se eu mudo. 

- Creio que essa não foi a melhor idéia deles, afinal, isso é um internato somente de meninas. 

- E é por isso que não vou reclamar, estou com alguns rolos então é por isso que eu adoro ficar aqui.

- Deve levar todas pra cama.. 

- Quase todas.. - seu olhar vai para uma menina que senta na frente da classe, ela usava um rabo de cavalo com uma franjinha, seus traços não pareciam ser coreanos mas era muito bonita. Olhei novamente para a Son que a observava com brilho. Eu poderia vomitar só de ver isso.

- Eu acho que já entendi.

- Vocês duas aí gostariam de compartilhar esse assunto com a turma? - professorra olha para nós.

- Não senhora. - arrumamos a postura e voltamos a atenção para frente.





...





No intervalo fiquei com Chaeyoung numa mesa, não sou de fazer amizades, mas ela até que tem um jeitinho legal, mas não significa que somos amigas.


Enquanto comíamos, conversávamos sobre nossas vidas e assuntos aleatórios.



- Ora, ora, ora, a senhorita encrenca virou amiga do anão pegador? - aquela mesma garota que esbarrou em mim mais cedo falou apoiada em nossa mesa, ela estava acompanhada de outras três garotas. Chaeyoung abaixou a cabeça como se estivesse com medo dela, o que me deixou frustrada.

- O que você quer agora? 

- Só quero ver como está indo seu desempenho.. ela bateu em você anãozinho? - olhou para Chaeyoung com "pena". 

- Qual é a sua garota? - me levantei e a afronto.

- Quero manter a minha reputação aqui. - diz convencida. 

- Ah claro, vai manter sim, com um soco no meio da idéia, o que acha? 

- Vai em frente, você não é a valentona? - me provoca. Fecho meus punhos com toda a força. Minha cabeça poderia explodir de raiva, mas hoje é só meu primeiro dia, não quero piorar as coisas agora. Relaxo meu corpo desistindo de enfiar minhas mãos naquele rostinho.

- Você não merece minha atenção. - falei próxima de si. 

- Boa garota, continue assim. - ela da dois tapinhas na minha bochecha e sai. Solto o ar que nem sabia que estava prendendo e volto a sentar na mesa.

- Pelo visto acho que já conhece Jennie Kim e sua trupe. - Chae fala.

- Você não pareceu confortável, ela fez algo pra você? - ela suspirou baixinho, parecia envergonhada.

- Fui obrigada a transar com ela no dormitório dela, mas eu não sabia que ela gravaria e postaria. O internato inteiro viu e isso acabou me manchando por aqui, não que eu ligue, mas acabei ficando com uma má fama.

- Que lacraias! Ridículo isso.

- E agora sinto até um pouco de medo de ela aprontar mais alguma, ela é insistente, é melhor se cuidar.

- Eu acho que ela que deve se cuidar, também posso ser muito perigosa. - tomei um gole do meu suco de caixinha rindo.

- Olhe, a Srta. Hirai está fazendo ronda hoje. - Chae olhou para o outro lado do refeitório onde Hirai estava falando com uma professora. - Ficou sabendo dos boatos?

- Acabei de chegar aqui, não sei de nada. 

- Dizem que.. - ela olhou em olhou em volta para ter certeza de que ninguém iria ouvir. - Dizem que ela tem um pênis.. - sussurrou em meu ouvido.

- Sério?

- Sim, 21cm de pura maldade.

- Interessante.

- E tem como não ser? Ela é a pessoa mais desejada desse lugar. Já ouvi dizer que ela tem vários casos por aqui.

- Bem que eu percebi aquele olhar nada santinho.



Ainda as observávamos, foi então que Momo virou seu rosto para nós, especificamente olhando para mim com um olhar penetrante e ameaçador, senti calafrios subirem no meu corpo. Não sei porquê, mas ela me causa sensações estranhas. 


E se tem uma coisa que eu adoro fazer é provocar, então, por que não? 


Mordo os lábios devagar a olhando intensamente. Arrumo minha postura ficando mais empinada fazendo minha saia levantar um pouco. Seu olhar agora estava sobre meu corpo e observava cada movimento meu. Suas mãos foram para a frente de seu íntimo o cobrindo, então poderia ser verdade? 


Voltamos a comer e conversar como se nada tivesse acontecido. Dou uma última olhada e ela não estava mais lá. 




...




21:54 pm



Estava mechendo meu celular enquanto estava deitada na cama após um dia cansativo nesse internato. Já estava de banho tomado e pronta para dormir, mas algo saía da minha cabeça..


Hirai Momo..


Como consegue ser tão desejada sem nem mesmo fazer nada? Esse jeito intimidador dela me encantou de tantas maneiras.. 


E queria ter certeza desse tal boato, isso deixaria tudo mais interessante, e sem dúvida me deixou com mais vontade de prová-la. 


Se tem uma coisa que eu não ligo, é para idade ou gênero, desde que me proporcione o que eu quero. Mas com ela foi diferente, senti alguma coisa diferente.. não sei explicar. Só sei que a desejo muito. Talvez eu goste de ficar aqui..



- Ah Hirai.. você vai ser a minha Senhorita ainda.. 








...







3 meses depois...




Yes Bitch! Em pleno sábado eu estou aonde? Na detenção claro! O por quê? Simples, me meti numa briga feia com a Jennie. Vou dar uma breve explicada.


Eu e Chaeyoung nos aproximamos bastante nesses últimos meses, mas não significa que somos amigas, pelo menos não para mim, somos apenas colegas.


Encontrei Jennie afrontando Chaeyoung pelos corredores do internato. E a partir do momento que a machucou a Son meu sangue ferveu, não evitei e avancei nela, ela me infernizava todo santo dia, aquilo foi o ápice, e descontei todo o meu ódio nela, mas não significa que ela também não tenha me atacado, estou com um lado de meu rosto roxo pelo forte soco, no fim saí ganhando, ou perdendo.


Com ela não aconteceu nada, e agora eu tenho 6 horas de detenção para cumprir enquanto faço uma porrada de atividade.


Eu estou trancada nessa sala sozinha quase me decompondo de tanto tédio. Fico um tempo ali parada sentada nessa cadeira com a cabeça baixa.


Escuto o barulho da porta sendo destrancada e levanto a cabeça vendo a própria Momo ali.



- Trouxe suas atividades. - ela deixou alguns papéis em minha mesa. - Faça tudo e me entregue, terei o prazer de ficar aqui te esperando. - ela deu um sorriso tão falso quanto a nota de duzentos reais. Apenas bufei e comecei a fazer as atividades.


Ela se sentou na cadeira da mesa do professor enquanto me observava com a cabeça apoiada nas mãos. Me senti um tanto desconfortável por ser observada. 


Mesmo com o passar dessas meses, esse meu desejo por ela não passou, só aumentou. Toda semana eu era chamada em sua sala para ver se eu estava indo bem ou se ainda não tinha matado alguém, eu achei isso ridículo. Porém, toda vez que eu ia, eu podia jurar que ela me provocava todas as vezes, me olhando de cima a baixo, me encarando com aquelas orbez negras, mordendo o lábio inferior, ou me tocando de maneira frequente, não vou mentir, eu adorava, mas já não conseguia aguentar aquelas provocações.






Depois de um tempo fazendo as atividades atentamente, ouço sua voz rouca.



- Você me decepcionou Jang. - a olhei. - Pensei que estava indo bem.

- Foi ela que começou.

- Você foi impulsiva, e agiu sem pensar, como uma verdadeira má garota, isso foi errado. - ela se levanta e dá a volta na mesa e se apoia na beirada. - Mas tão sexy para você.



Senti um arrepio na espinha após sua fala, sua voz estava rouca e levemente manhosa, aquilo tão... erótico..?



- C-como?

- É tão sexy o jeito que você é teimosa e desobediente. Mas comigo não tem essa.

- O q-que está querendo dizer?

- Não se faça de tonta amorzinho.. você sabe do que eu estou falando tanto quanto eu. - ela se aproxima e se abaixa ficando da minha altura, engulo em seco pelo leve nervosismo. - Não são todos que têm fantasias amorosas com a diretora da escola.

- Como você-

- Eu sei. O jeito que me provoca me deixa louca, você não é nada discreta. Sei como você me olha com desejo. Como necessita de meus toques apenas com um olhar. O jeito que causo sentimentos em você.. - ela caminha em volta da minha carteira. - Ou como você está tão molhada apenas por ouvir essas minhas palavras sujas. - morde o lóbulo de minha orelha, acabei de perder uma calcinha.



Ela tinha total razão sobre isso, tantos sonhos eróticos que tive com ela, e não consegui nem disfarçar, ela tem um poder tão dominador sobre que eu nem me reconheço como um ser de pura rebeldia.



- Você me excita tanto.. e sei que você não quer fazer essas atividades, e eu não quero apenas te observar.. podemos fazer algo mais interessante, só preciso que você se entregue a mim, mais do que já está. - ela coloca meu cabelo para o lado e começa uma trilha de beijos e mordidinhas pelo meu pescoço, eu estava tensa e quente, eu necessitava desesperadamente de seus toques agora.

- E-eu.. - não conseguia formular nem uma palavra, minha voz não saía, eu já estava entregue, mas não conseguia dizer.

- Vamos (S/n), seja uma garota má e quebre uma regra. 



Regra N°56 não é permitido nenhum tipo de relação entre alunos e funcionários.


Lembrei-me dessa regra depois que fui obrigada a decorá-las.



- Diga o quanto me quer agora, hm? - ela alisava meu corpo e dá uma lambida em meu pescoço.

- Ahn.. m-me faça sua... s-só hoje..por favor. - falei com dificuldade quase sem ar. Pude sentir seu sorriso de satisfação.

- Você é uma boa má garota. 



Viro meu rosto ficando à centímetros dela. Seu olhar intenso me dava calafrios. Seus lábios estavam tão convidativos e não me aguentei em ficar parada, então a puxo pela nuca unindo nossos lábios formando um ósculo perfeito de sincronia.


Sua língua doce e aveludada invade a minha boca explorando cada centímetro dela. Nossas línguas se encontram e pude sentir o fervor dela, o beijo era afoito e intenso, os movimentos e o sabor eram tão viciantes quanto uma droga.


Ainda a beijando, me levanto ficando à sua frente. Suas mãos apertam minha cintura com força me fazendo suspirar pesadamente em seus lábios.


Em busca de ar, separo nossas bocas voltando a respirar. Meu coração batia descontroladamente e meu corpo queimava em excitação, minha calcinha já estava numa situação bem crítica.


Ela me pega no colo e me bota sentada em sua mesa, ela abre minhas pernas ficando entre elas. 


Ela começa a maltratar meu pescoço com chupões fortes e marcados.



- A-ah.. Momo.. 

- Não posso demorar baby, tenho um compromisso daqui a pouco, vai ser rápido.

- Então ande logo! 

- Teimosa e autoritária, tão sexy.. - ela aperta a mão em minhas coxas.



Ela põe as mãos por baixo de minha saia e arranhando minha pele. Ela retira minha calcinha e olha o estado dela, sinto minhas bochechas queimarem de vergonha.



- E olha que eu nem fiz nada. - sorriu convencida. Ela abre minhas pernas novamente e se agacha encarando minha intimidade que pulsava e implorava por aqueles toques. - Eu estou a tanto tempo aguardando por isso.. 

- Você pode fazer mais do que apenas olhar. - falo.



Seus beijos molhados são distribuídos por toda parte interna de minhas coxas até finalmente chegar onde eu queria.


Ela passa a língua de baixo para cima melando sua boca com o meu pré-gozo me fazendo arquear as costas a procura de mais contato. Ela explora toda a extensão dos meus lábios vaginais, sua língua quente e úmida era como estar nas nuvens. Começa a chupar meus clitóris inchado com vontade e maestria, vez ou outra puxando entre os dentes me dando espasmos. 


Suas mãos seguravam firmemente minhas coxas, então, cansada daquela enrolação começa a rebolar contra seu rosto. Ela entende o recado me chupa com mais vontade e solto um gemido mais alto. 



- Aah! M-Momo.. oow.. que boca maravilhosa! - gemia pelo tamanho prazer que sentia.



Ela suga meu órgão forte e inicia uma penetração em minha entrada com sua língua me deixando surpresa. Seus movimentos eram rápidos e ágeis. E para melhorar, com seu polegar ela estimulava meu órgão rígido.


Seguro seus cabelos negros e a forçando contra meu íntimo e ela aumenta mais ainda nas investidas. Meus gemidos eram altos, manhosos e nada discretos, estava pior que uma cadela no cio.


Olho para baixo e podia jurar que estava tendo a visão dos deuses, ela me chupando com toda sua vontade e fúria enquanto me encarava intensamente. Jogo minha cabeça para trás aproveitando mais.


Depois de mais uns minutos, sinto meu íntimo se contrair em sua língua, ela percebendo isso aumenta a velocidade me levando a loucura.



- Estou q-quase lá.. - ela vai mais fundo ainda e apertando minhas coxas com toda sua força.



Meu corpo treme chegando ao meu limite e não me aguentando mais.



- E-eu.. ah.. Eu vou ... Aaaahhhn! - gemi alto e escandalosa puxando seus cabelos após um orgasmo maravilhoso percorrer meu corpo. Ela continua com os movimentos só que mais lentos para prolongar aquela sensação de prazer. 



Ela suga todo meu líquido e dando uma última chupa em meu clitóris e meu corpo dá um espasmo em resposta.



- Você é tão deliciosa.. - ela fica de pé novamente, seus lábios estavam inchados e vermelhos, um tanto.. fofa.

- Isso... foi muito bom. - disse regulando a respiração que estava descontrolada.

- Você sabe que não acabou, não é? 

- Sei.. é melhor ir rápido para não se atrasar.

- Tem razão. - a puxo pela gravata aproximando de mim.

- Quero sentir você me consumir.. Daddy.. - eu estou uma verdadeira cadela hoje. Ela pega minha mão e leva para seu membro rígido por cima do tecido.

- Prontinho para você. - dou um aperto ali que a faz suspirar.



Ouço o barulho do zíper de sua calça se abrindo e enfim vejo o tão famigerado 21cm que pulou para fora da cueca box, por um instante me questionei de como aquilo caberia em mim, mas estou tão necessitada que nem ligo pra isso.



- Vou te engolir inteira. Quero sentir essa sua bucetinha me consumir..

- E está esperando o que? - falo ao pé de seu ouvido.



Ela roça seu membro em minha entrada o pincelando e ameaçando penetrar. Quando eu iria reclamar, ela enfia tudo de uma vez.



- Aaaahhn! - ela nem esperou eu me acostumar e já estava me estocando.

- Isso engole meu pau.. ah..



Depois de aguentar um pouco, aquela dor se transformou em algo prazeroso. Seguro em seus ombros cravando as unhas nos mesmos e mordo os lábios com força sentindo o gostinho metálico do sangue.


Ela entrava e saía de mim com rapidez e facilidade pela minha lubrificação natural que fazia deslizar.


Nossos corpos se chocavam com força fazendo um som. Ela segura meus quadris com firmeza facilitando as estocadas.


Ela joga sua cabeça para trás gemendo rouca e descontrolada.



- Aah.. que bucetinha mais gostosa.. - ela dá um tapa em minha coxa.



Ela olha para nossos íntimos se chocando, e sorri satisfeita por me ver tão entregue à ela.


Ela acelera mais e mais me levando ao delírio. Seu corpo batia contra o meu, um ósculo de sincronia e prazer estava acontecendo nesse momento.


Quando senti que estava próxima de mais um orgasmo e ela para do nada me frustrando.



- Empina pra mim.. - dito e feito. Desci da mesa e apoiei meus braços na mesma ficando de costas para ela e empinando minha bunda para ela. Sua mão passa pela minha pele e deixa um tapa ardido ali. Ela levanta minha saia deixando o espaço livre.



E para a minha surpresa, ela volta a me estocar, mas dessa vez de forma mais bruta e violenta. 



- Oown.. você é tão g-grande. - gemi arrastado. - Aahn.. D-Daddy..



Ela segurava meu quadril com força e impulsionando mais cada estocada. O som do choque de nossos corpos ecoava pela sala. Nossos gemidos altos e manhosos eram abafados pelas paredes.


Ela ia fundo e forte em mim. Seu membro entrava e saía de forma contínua, até ela acertar o meu ponto G.



- Aaahn! F-faz isso de novo! - pedi.



Ela começou a focar naquele ponto de prazer. Eu já nem raciocinava direito, estava tomada pelo desejo e prazer.



- Sua gostosa! - ela dá mais um tapa.



Chegamos numa velocidade absurda, ela me penetrava com toda sua fúria. Foi onde senti meus braços e pernas fraquejarem, minha garganta doía de tanto gemer. Minhas paredes internas apertaram no membro dela, e já prevendo o que viria continuou.



- E-eu vou ... gozar..

- Goza! Mela meu pau com esse seu leitinho! - ela segura meu cabelo indo mais fundo ainda.



Algumas estocadas depois, meu corpo amoleceu e gozei forte.



- Aaahnn!! - me desmanchei mas me mantive firme. Ela não parou com movimentos até que senti seu líquido quente me preencher por inteira fazendo seu gozo se misturar com o meu.



Ela foi parando aos poucos até se retirar de dentro de mim. Nossos orgasmos escorriam pelas minhas pernas. Me viro para ela e a puxo para um beijo afoito e logo nos separamos para retomar o ar.


Eu suava e ela tinha alguns fios grudados pelo pescoço e testa.



- Isso foi... incrível. - falei. 

- Eu sei, você também foi maravilhosa. - ela guarda seu membro de volta. - Eu já tenho que ir. - ela olha em seu relógio. 

- Mas já? - pergunto manhosa. 

- Sim. Ah, vou levar isso comigo, pra dar sorte. - ela segura minha calcinha e põe no bolso.

- Sem querer ser intrometida mas.. aonde você vai?

- À um encontro. - disse simples.

- O que?!

- Não entendeu? Eu tenho um encontro. Você não achou que era a única da minha lista, achou? - sorriu sarcástica e a olhei incrédula.

- Eu não acredito! - pisei forte no chão com raiva.

- Não fica bravinha baby, você é a minha favorita, pode ser a minha segunda opção. - me olhou convencida. - Já estou indo, a substituta já está vindo, faça todas as atividades, quero vê-las prontas na segunda.

- Mas-

- Você é uma má garota, continue assim, beijinhos! - ela pisca pra mim e sai da sala me deixando ali com uma cara de tacho.

- Eu não acredito!! Aaaaargh! - puxei meus cabelos. 



Eu me entreguei, pra me fazer de segunda opção!? Que ódio! 



- Momo sua... aaahh! Eu vou mostrar pra você quem é a segunda opção! 



Eu ainda estava incrédula e abismada, ela praticamente me usou, isso não vai ficar assim Hirai Momo, não vai!






Notas Finais


Eh isso aí mesmo kkkk
Gostaram? Querem algum shipp para a próxima one?


Gente, leiam essa one incrível da minha miguis aqui, dêem uma olhadinha no perfil dela, ela está começando a postar aqui, ent dêem amor o ela


https://www.spiritfanfiction.com/historia/must-have-been-the-wind-2yeon-20070816

Link da one dela👆👆

Bjs bjs
<<33 ~ Simba


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...