1. Spirit Fanfics >
  2. Don't call me:..ONESHORT >
  3. Only;

História Don't call me:..ONESHORT - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


yoo!
tenha um ótima leitura ❤❤

Capítulo 1 - Only;


Fanfic / Fanfiction Don't call me:..ONESHORT - Capítulo 1 - Only;

Já se passaram três meses desde que o mesmo número me ligava no mesmo horário, eu não sabia quem era,  e sempre que eu atendia a pessoa ficava uns dez segundos colada e depois desligava. Eu realmente não entendia o objetivo daquilo e como fico irritado fácil,  já é de se imaginar que aquilo me deixava com os nervos à flor da pele. 

Já cheguei a desconfiar que seria uns trotes dos meus amigos,  mas já obriguei cada um dos meus amigos mais próximos a me ligar de seus celulares na minha frente  e perto do meu celular, e como já é de se esperar, infelizmente, não era eles.  

— Tae! — Meu colega de quarto,  Yoongi, retirou minha atenção — Iremos para o parque,  vai hoje? 

— Não,  não — disse em imediato — tenho muita coisa para resolver isso 

Assim que terminei de me despedir dos garotos,  observei todos eles saírem, eram uns roleizeiros de primeira,  raramente ficavam em casa, apesar de que trazer eles para a floricultura,  meu lugar favorito, era difícil. Só vieram hoje quando eu fosse que iria pagar o lanche de todos na próxima vez que saíssemos  juntos. 

Recolhi meus livros e todos os matérias de estudo.  Já estava me preparando para ir para casa, desde que tudo que eu tinha para ser feito já tinha se realizado.  Retirei um celular do bolso, o celular que o policial havia me dado, temporariamente, fizemos essa troca para caso do meu perseguidor me ligar,  eles vão poder rastrear, claro que eles só estão fazendo isso tudo por mim porque meu pai já foi delegado de lá.  

Os polícias haviam me dito que esse possível stalker sabia bastante sobre minha vida,  pôr isso fiz questão de comprar uma arma de choque, o básico para minha defesa, já que,  segundos os polícias, essa tal pessoa tinha conhecimento dos momentos que eu ficava em casa sozinho. Já que ele só me ligava em momentos que eu estava sozinho em casa. 

Enquanto caminhava até em casa,  que ficava uns vinte e cinco minutos da floricultura,  eu pensava em como iria reagir se essa pessoa tentasse fazer algum mal para mim. Me perguntava também o porquê do escolhido ser eu,  um simples garoto estudante, não havia muito sentido, nem rico sou.  

Assim que cheguei em casa,  verifiquei o celular, nenhuma mensagem do policial,  ele havia me dito que se caso alguém ligasse poderia encontrar a tal pessoa e me mandaria mensagem imediatamente. 

Retirei o casaco jogando o mesmo em cima do sofá, logo em seguida abrir as janelas para que a luz finalmente entrasse no pequeno apartamento onde morava apenas eu e minha mãe. Andei em direção ao meu quarto,  com o celular na mão, em seguida me deitei, não demorou muito para que enfim eu caísse no sono.  

{... }

Despertei com o barulho da ligação e não podia ser mais ninguém que o policial que estava cuidando do meu caso.  Nunca havia me vestido tão rápido, assim como também nunca andei tão rápido em minha vida, no caminho, fiz uma ligação para minha mãe,  para que ela pudesse ligar para um advogado, basicamente isso é danos morais, ou estou exagerando?

Assim que cheguei na delegacia eu estava ofegante,  parecia que em algum momento eu iria ter um troço. Andei pelo corredor da delegacia até encontrar o policial que conversa com um homem,  ele acenou para mim mais tudo que eu fiz foi entrar na porta a frente dele, onde eu imaginava que estava o culpado, o policial até mesmo tentou me segurar mas eu fui mais rápido. 

— Então é você! — encarei a garota ruiva que parecia bastante assustada, mas isso não importava, não para mim — Sabe o quanto eu sofri com suas ligações estúpidas!? Eu pensei que você era um sequestrador, um maníaco… um grande pervertido! Pôr que não me respondeu!? 

Ela não dizia nenhuma palavra, continuava em choque e com a cara dela sem entender nada. Aquilo me dava nos nervos. E antes que eu pudesse jogar a mesa na cabeça dela o policial me puxou para fora da sala.

— Kim TaeHyung, deixe-me te explicar algo.

— Quero ouvir explicações dela! 

Antes que o policial pudesse falar comigo, sentir duas cutucadas em minhas costas me fazendo olhar para trás, era ela. A mesma segurava um papel, nem mesmo olhava em meu rosto mas apontava para o papel como se pedisse para eu ler.

"Eu me chamo Rose, Kim Taehyung. Desculpe pelas ligações sem respostas, infelizmente eu nasci com problemas nas cordas vocais e assim não posso falar, não tenho celular smartphone para mandar mensagens, por isso sempre ligava pelo celular do meu irmão mais velho, tentei treinar falar algo que você entendesse mas não deu certo, podemos ser bons amigos, certo?”


      


Notas Finais


taehyung após isso:
como dizia o Gerald de The Witcher: FUCK!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...