História Don't Say - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Infinite
Personagens Sunggyu, Woohyun
Tags Woogyu
Visualizações 84
Palavras 6.077
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Depois de 84 anos escrevendo essa fic, estou postando... era pra ser um pwp, mas sou péssima com pwp, então desenvolvi e aqui estamos
É Sunggyu bottom e dominante porque são duas coisas que amo e quase não encontro
Não existe uma era certa para a fic. Talvez Tell Me se aproxime, mas imaginei a história antes mesmo do comeback acontecer...
Enfim, boa leitura

Capítulo 1 - Mentiras


 

 

Esvaziou a taça em um longo gole, saboreando devagar o gosto doce da bebida. Pousou a taça sobre a mesa de centro, ao lado da garrafa de vinho que havia solicitado ao hotel, embora tivesse consciência de que deveria beber pouco. Ou o suficiente para não perder totalmente os sentidos.

 

Teria vários compromissos no dia seguinte, então o melhor seria não arriscar. Sua companhia tomou apenas uma taça de vinho e seguiu até a cama. O oposto do que Woohyun planejou ao pedir aquela bebida.

 

Ele se levantou, sentindo o sabor suave ainda em seus lábios, enquanto o olhar se desviava em direção ao homem sentado sobre a cama, admirando-o por alguns segundos.

 

Os cabelos castanhos bagunçados e a expressão séria apenas realçavam toda a sensualidade dele. Havia um lençol branco o cobrindo e bastou que Sunggyu direcionasse o olhar em sua direção, para que Woohyun seguisse até a cama completamente absorto.

 

Quando o mais novo enfim se aproximou, Sunggyu afastou a coberta, encarando-o com intensidade assim que Woohyun se inclinou sobre ele.

 

— Não demore — a voz do mais velho soou baixa. Woohyun assentiu brevemente, não contendo a ansiedade em encostar seus lábios aos dele, enquanto as mãos desabotoavam os botões da camisa de Sunggyu.

 

Quanto mais o beijo se intensificava, mais Woohyun se apressava em retirar a camisa do mais velho, para que assim pudesse correr suas mãos até a pele que adorava tanto sentir. Sunggyu ajudou a deslizar a camisa de seus ombros, sem que os dois precisassem se afastar. As mãos do líder foram até suas costas, colando mais os corpos e o apertando com possessividade. Woohyun podia senti-lo arfar contra o beijo ao provocar a pele quente dele com seus dedos.

 

Os lábios do mais novo desceram pelo pescoço de Sunggyu, que passou a desabotoar a sua camisa. Assim que se livrou daquela roupa, os dedos do mais velho também alisaram o seu corpo, provocando os mamilos demoradamente, sentindo Woohyun ofegar contra o pescoço dele.

 

Sunggyu entreabriu os lábios para que pudesse soltar longos gemidos, apertando as costas do mais novo ao senti-lo sugar com força o seu pescoço. Durante todos os anos em que estiveram juntos, o líder nunca escondeu o quanto apreciava cada um dos toques de Woohyun e até mesmo provocava-o com essas reações.

 

Não desviava o olhar ou impedia-se de gemer. Era como se quisesse deixar claro o quanto o mais novo o excitava. A língua de Woohyun descia por seu corpo, deliciando-se com a maciez daquela pele que estremecia a cada toque seu.

 

Os lábios de Woohyun passaram a estimular cada um dos mamilos de seu líder, enquanto a mão descia em direção à sua calça. Apertou a ereção por cima do tecido, fazendo-o gemer deliciosamente, porém não estava com tempo para provocá-lo como gostaria.

 

Abaixou o zíper e afastou-se o suficiente para que pudesse despir a calça e a peça íntima de Sunggyu. A ereção pulsava e Woohyun não conseguiu conter a ansiedade em deslizar os dedos sobre toda a extensão, masturbando-o lentamente.

 

Rápido — Ofegou Sunggyu, descendo as mãos para a calça de Woohyun. O mais novo o ajudou a retirar as próprias roupas e assim que seu membro duro estava completamente amostra, voltou a se inclinar sobre o líder, tomando os lábios dele em um intenso beijo. Os dois gemeram quando os membros se friccionaram.

 

Sunggyu o puxava mais para si, movia o quadril para que as ereções se esfregassem com mais intensidade. Woohyun suspirava, observando o quanto seu líder gemia e estremecia completamente necessitado. "Eu o quero tanto"...

 

Assim que interrompeu o beijo, Woohyun mordiscou o lábio de Sunggyu. Esticou o braço para pegar um tubo de lubrificante em cima da cômoda. De joelhos sobre a cama, abriu o pote e melou seus dedos, fixando o olhar na expressão do mais velho enquanto sua mão descia até entre as pernas dele. Os olhos repletos de desejo do líder se fecharam e ele apertou os lábios no momento em que dois dedos de Woohyun pressionaram a sua entrada, penetrando-o com um pouco de pressa. "Hyung não se importa."

 

E a confirmação surgiu logo quando Sunggyu se acostumou com os dedos dentro dele, voltando a abrir os olhos enquanto sua voz soava mais alta. Não precisava dizer absolutamente nada para que Woohyun soubesse que os dois não poderiam demorar muito.

 

Então assim que retirou os dedos de dentro do líder, se posicionou entre suas pernas, penetrando-o em um estocada tão profunda que fez as costas de Sunggyu se arquearem e um alto gemido escapasse de seus lábios.

 

O ritmo das estocadas era apressado. Embora Woohyun preferisse quando os dois transavam devagar, aquela noite exigia mais intensidade. As pernas do maior envolveram a sua cintura e o mais novo adorou a sensação de poder ir bem fundo dentro dele.

 

Por um momento seus olhares se encontraram e os olhos de Sunggyu pareciam causar a mesma ilusão que vinha perturbando Woohyun há muito tempo. E era tão bom se enganar por aqueles breves momentos.

 

— Hyung, eu...

 

As mãos de Sunggyu seguraram o seu rosto, puxando-o para um beijo tão intenso quanto a força em que era penetrado. Em mais uma forte estocada, o líder afastou seus lábios para que pudesse gemer e estremecer dos pés à cabeça. Era tão excitante observar aquelas reações, que Woohyun sentia como se pudesse chegar ao clímax em pouquíssimo tempo.

 

— De novo... De novo... — Ele fechou forte os olhos, estremecendo a cada vez que Woohyun acertava a sua próstata com força. Era o ritmo perfeito para que os dois atingissem o clímax em poucos segundos.

 

Sunggyu beijava o pescoço de Woohyun, enquanto os sons que saiam de seus lábios eram abafados contra a pele dele. O mais novo gemia baixo, agarrando as coxas do líder enquanto estocava-o com mais profundidade e o preenchia por completo.

 

Os sons de Sunggyu tornaram-se mais altos, até que um líquido escorresse de seu membro, melando o corpo de ambos. Apertou Woohyun em seus braços, enquanto o mais novo o penetrava com desespero, e então atingiu o seu ápice, preenchendo a entrada de Sunggyu com o seu prazer.

 

Ofegantes, suas testas colaram-se uma na outra e os batimentos cardíacos se regulavam. Permaneceram assim por breves minutos. Em movimentos lentos, o mais novo retirou o membro de dentro de seu líder e se sentou sobre a cama, com o olhar no entorno totalmente escuro.

 

Esperou. E como o esperado, Sunggyu ergueu-se da cama instantes depois sem dizer uma única palavra e passou a se vestir, como se nada tivesse acontecido.

 

Woohyun suspirou, descendo da cama para fazer o mesmo, embora não tivesse êxito em ignorá-lo da mesma forma que Sunggyu conseguia com naturalidade.

 

O mais novo direcionou o olhar ao líder que estava de costas, abotoando sua camisa. No passado, Woohyun poderia se oferecer para ajudá-lo e os dois conversariam alegres antes que voltassem às suas casas. "Esse tempo voltaria?"

 

— Boa noite, Woohyun — a voz de Sunggyu soou indiferente aos seus ouvidos.

 

— Boa noite...

 

Como de costume o líder foi o primeiro a sair do quarto, em completo silêncio. O mais novo deveria ir embora minutos depois, no entanto, ele demorou um pouco mais para se mover, observando o local por alguns segundos e pensando no motivo de se sentir tão insatisfeito.

 

Woohyun sabia que faltava algo e sabia com clareza o que seria. O problema mesmo era expor seus sentimentos a alguém que se recusava terminantemente a ouvi-lo.

 

*~*~*~*

 

Lembrava-se perfeitamente da primeira vez em que estiveram juntos, dias após o fim das promoções de "Be Mine". Woohyun não conseguia esconder o quanto andava exausto e carente, por nenhum momento aparente. Então levou algumas bebidas ao dormitório para dividir com Sunggyu, seu colega de quarto naquela época.

 

O motivo seria para relaxar, ter menos dor de cabeça por alguns segundos. Woohyun só não esperava simplesmente perder a cabeça e acabar na cama de seu hyung enquanto os dois se beijavam e se tocavam em uma necessidade absurda. Na manhã seguinte, Sunggyu pediu para que o mais novo se esquecesse do que aconteceu e o tratou com naturalidade ao longo do dia. E Woohyun não conseguia entender o porquê de não querer esquecer.

 

Eles só voltaram a ter algo físico uma semana depois, quando Woohyun se deixou levar por toda a tensão que não conseguia esconder quando estavam às sós. Já não prestava atenção ao que Sunggyu dizia, só se lembrava do quão bom era provar daqueles lábios novamente. E pela forma como o mais velho correspondeu ao beijo e aos seus toques, ele não parecia o único a ter desejado aquele momento.

 

Os momentos de intimidade se repetiram por algumas semanas. Certas noites, Woohyun ia até a cama de Sunggyu, em outras o seu hyung o chamava. O mais novo tinha a ilusão de que quanto mais satisfeito ficasse, menos necessitado estaria dos toques de Sunggyu. E então Woohyun se descobriu completamente viciado no líder.

 

De alívios e toques apressados eles foram evoluindo para algo bem mais íntimo. A primeira vez que Woohyun o penetrou foi um pouco estranha e afoita demais, no entanto isso não diminuiu o prazer que sentiram. E foi quando eles perceberam que dificilmente iriam voltar a amizade de antes.

 

Os dois levavam aquela relação casual como podiam. Fossem em dormitórios, hotéis ou mesmo suas próprias casas após o fim do contrato do grupo de moradia em conjunto. Sempre davam um jeito de permanecerem juntos, mesmo com a agenda lotada. A única regra entre os dois era não falar sobre o que tinham. Sunggyu preferia assim, sem cobranças, evitando que os dois se magoassem.

 

"Eu amo estar com você". Havia sido o máximo de sentimentos que Sunggyu compartilhou com ele. E foi o que fez Woohyun perceber que não era somente sexo que queria. Ele buscava nos mínimos gestos e olhares que Sunggyu também desejasse algo a mais.

 

Quem sabe evitar falar sobre sentimentos magoasse Woohyun mais do que ele poderia descrever.

 

 

A entrevista que Infinite tivera na manhã seguinte ao encontro no hotel havia passado despercebida para Woohyun. Ele havia ficado boa parte do tempo calado, evitando focar em Sunggyu e interagindo com Sungyeol e Sungjong ao seu lado para se distrair o máximo possível. "Eu deveria ao menos sorrir", pensou. "Mas não é tão fácil assim."

 

Era uma tarefa mais difícil ainda ter que ignorar Sunggyu fora das câmeras. Após o fim da entrevista, Woohyun sentiu uma mão apoiar-se em seu ombro antes que entrasse no carro para seguir em direção à empresa.

 

— Por que não me atendeu ontem? — a voz de Sunggyu não estava aborrecida, mas ele o observava com curiosidade. — Eu te liguei três vezes depois que sai do hotel.

 

— Eu dormi depois que cheguei em casa, desculpe — mentiu, buscando as chaves em seu bolso como uma forma de não precisar encarar o mais velho.

 

Se Sunggyu acreditou ou não em suas palavras, não deixou transparecer. O ombro de Woohyun foi solto segundos depois.

 

— Mais tarde falarei com você, então não durma tão cedo.

 

"Ah ótimo", pensou Woohyun enquanto abria a porta e observava o líder se afastar antes de entrar em seu próprio carro. Pelo visto o dia seria mais longo do que imaginava.

 

*~*~*~*

 

Não havia possibilidade alguma de conseguir focar no trabalho para esquecer os seus problemas com Sunggyu, porque o mais velho fazia parte disso.

 

Nos últimos dias Woohyun já não sabia o que esperar. Sunggyu poderia forçar interação com ele ou o ignorá-lo, mas nunca agiria amigavelmente como antes. E ele não fazia a menor ideia do motivo do mais velho estar agindo assim.

 

Depois de um treino exaustivo, Woohyun se despediu dos companheiros com um sorriso, seguido de um abraço forte em Dongwoo que pareceu ter notado a sua falta de ânimo. O rapper havia o questionado se estava cansado e ofereceu sua água para ele diversas vezes. Woohyun pensou se não seria melhor desabafar, mas não queria piorar as coisas entre ele e Sunggyu.

 

Com um suspiro, ajeitou a máscara em seu rosto e seguiu até a saída, porém um grupo de garotas o cumprimentou no caminho.

 

— Olá, sunbaenin — as garotas do Lovelyz disseram animadas, embora parecessem tão cansadas quanto ele. No entanto sua atenção se voltou a uma delas, que havia dado um pequeno e desconfortável sorriso. Depois de tudo, era mais do que compreensível.

 

— Olá — Woohyun abaixou a máscara, sorrindo de forma leve. Deu um passo à frente, mas não seguiu em direção a saída. — Myungeun-ah, posso conversar com você?

 

A jovem pareceu desnorteada por um momento enquanto as outras meninas cobriam o rosto para sorrir e sussurravam palavras de incentivo à companheira de grupo. Woohyun franziu a expressão, mas fingiu não notar.

 

— Nós precisamos voltar ao dormitório, sunbae — respondeu Sujeong por ela, como um pedido de desculpas. Embora a líder do Lovelyz também parecesse curiosa sobre o que ele tinha a dizer.

 

— É só um segundo — insistiu ele com gentileza.

 

As jovens pareceram em dúvidas se ficavam ali, mas Woohyun novamente não deu muita importância. Myungeun, no entanto, concordou com a cabeça e se virou brevemente em direção às companheiras.

 

— Eu já sigo vocês.

 

Relutantes, as outras sete jovens se afastaram, embora lançassem alguns olhares em direção aos dois. Woohyun se despediu com a cabeça e depois voltou-se a Myungeun que o observava com curiosidade.

 

Ele deu um sorriso hesitante.

 

— Como você está, Myungeunnie? — a voz dele soou preocupada. E não era difícil para que a jovem entendesse do que ele se referia.

 

— Estou bem — respondeu Myungeun, porém acrescentou em seguida para que ele tivesse certeza de suas palavras. — Acho que você estava certo, oppa... eu tinha confundido as coisas. Principalmente meus sentimentos.

 

"Por isso, não precisa mais se preocupar com isso. Eu já superei" — acrescentou ela com cuidado.

 

O sorriso de Woohyun aumentou, embora não se sentisse totalmente convencido das palavras dela. Levou uma de suas mãos até os cabelos da jovem, afagando-os.

 

— Sempre irei me importar com você, sabe disso, não sabe? E quando precisar, pode contar comigo.

 

Myungeun deu um sorriso em seguida, concordando com a cabeça. Mas antes que se afastasse, a voz da jovem voltou a soar.

 

— Espero que dê tudo certo entre você e aquela pessoa, oppa — desejou, antes de se despedir e caminhar em direção contrária. Woohyun permaneceu ali por alguns segundos.

 

"Eu também espero."

 

Recolocou a máscara em seu rosto, antes que seguisse até a saída da empresa. As palavras de Myungeun repetiam-se em sua cabeça, fazendo-o se lembrar de toda a apreensão dos últimos dias. E ele duvidava muito que aquela situação se resolvesse tão facilmente.

 

*~*~*~*

 

Então, o que acha?

 

— Não tenho tanta certeza, Sungyeolie. Me sinto cansado agora — Woohyun abandonou suas chaves em uma cômoda e ligou as luzes ao chegar em casa. O celular firmemente em sua outra mão. — Mas você pode chamar o Myungsoo ou Dongwoo, eles adorariam sair com você.

 

Não, não — a voz de Sungyeol soou enfática do outro lado da linha.— Eu os chamei, mas queria que você viesse também. Faz tempo que não saímos juntos.

 

Woohyun deu um longo suspiro enquanto sentava-se no sofá para retirar os sapatos com a mão livre. Não estava realmente cansado, mas ainda se sentia indisposto para sair naquele momento.

 

 — Não poderia ser outra hora? Estou exausto do treino de hoje e sei que precisa de descanso também.

 

Você não sente a minha falta.

 

— É claro que sinto — Woohyun riu, consciente de que o mais alto poderia ser bem insistente quando queria. — Porém também sinto falta da minha cama. Quem sabe outro dia.

 

Está bem... — ouviu um suspiro de seu amigo e se sentiu mal, enquanto seguia até o próprio quarto. — Iremos beber bastante e tiraremos muitas fotos para que veja o quanto vamos nos divertir sem você.

 

— Depois de dormir bastante, eu prometo vê-las — Woohyun respondeu com um sorriso.

 

Tudo bem, tenho que desligar. Até amanhã, hyung que me odeia.

 

— Até amanhã, Yeolie e eu amo você.

 

Assim que desligou o celular, deixou-o sobre a cômoda de seu quarto. A casa era confortável o suficiente para que não sentisse necessidade de sair tão cedo. Talvez após um banho, ele ligasse a televisão e se distraísse até pegar no sono. Por mais que adorasse seus amigos, preferia uma programação mais solitária e calma naquela noite.

 

Após vestir um pijama confortável, Woohyun sentou-se na cama e segurou o controle, procurando por um canal que despertasse sua atenção. Mas antes que pudesse deitar as costas sobre o travesseiro, a campainha tocou. "Não estou esperando ninguém", sua expressão ficou confusa enquanto desligava a televisão e se levantava, dirigindo-se lentamente até a sala.  Os dedos correram até a maçaneta, destrancando-a assim que viu quem estava ali pelo olho-mágico.

 

Respirou fundo e abriu a porta, encontrando quem ele menos queria ver no momento.

 

— Que demora — reclamou Sunggyu ao retirar a máscara de seu rosto. O líder o observou por alguns segundos. — Eu pedi para que não dormisse cedo porque queria falar com você.

 

— Eu  não estava dormindo. E pensei que fosse me ligar.

 

Woohyun deu passagem para o mais velho, perguntando-o se ele gostaria de beber alguma coisa. Após ouvir uma negativa, os dois se aproximaram do sofá, embora tivessem permanecido em pé. O motivo de Sunggyu estar ali o incomodava, como se esperasse por um sermão a qualquer momento por causa de sua desatenção ou falta de ânimo recorrentes.

 

Porém Sunggyu apenas se aproximou, sorrindo suavemente ao levar uma de suas mãos ao rosto de Woohyun.

 

— O que houve com você esses dias?

 

Não havia o menor sinal de aborrecimento. Era um dos raros momentos em que o mais velho agia atencioso como antes. Woohyun passou a odiar esses momentos tanto quanto os de descaso. Sua mente se confundia como se Sunggyu brincasse com ele, porque os instantes de doçura sempre eram breves.

 

E se odiava mais ainda por permitir que Sunggyu desse um passo a frente e colasse os lábios dele aos seus em um longo beijo. Woohyun o segurou pela nuca, aprofundando o beijo. Demoraram alguns segundos para se afastar e quando o mais novo o observou novamente, Sunggyu sorriu, dessa vez de uma forma bem mais provocante.

 

— Há algo que eu possa fazer para te animar?

 

As mãos do líder seguiram até sua camisa, desabotoando-a lentamente, provocando-o. Quando os lábios dele se aproximaram de seu pescoço, a voz de Woohyun voltou a soar, um pouco mais firme.

 

— Diga-me o que sente. Nada me faria mais feliz.

 

O mais novo pensou em ceder, mas não queria se sentir frustrado outra vez. Sunggyu arqueou as sobrancelhas, embora seu sorriso não tivesse vacilado em nenhum momento.

 

— Não sabia que gostava de Dirty Talk.

 

— Você entendeu o que eu quis dizer.

 

— Está bem — Sunggyu o envolveu em um abraço mais forte, descendo os lábios até o pescoço dele e sussurrando contra a sua pele. — Faça alguma pergunta e eu decido se vou responder.

 

Woohyun apertou os lábios, sentindo-se muito tentado com os beijos demorados em seu pescoço. E no entanto, perguntou logo em seguida.

 

— O que você sente por mim?

 

— Desejo — respondeu sem hesitar, antes que voltasse a beijar o pescoço de Woohyun com mais intensidade do que antes.

 

Um suspiro de frustração e desejo escapou dos lábios de Woohyun. Cada toque daqueles lábios causava inúmeras reações em seu corpo. Sunggyu sabia melhor do que ninguém como provocá-lo e não se surpreendeu quando suas próprias mãos seguraram a cintura do maior, impedindo-o de se afastar. Já havia admitido a derrota.

 

Woohyun o afastou para que pudesse unir seus lábios aos de Sunggyu. O líder pareceu sorrir contra o beijo, mas sua diversão estaria apenas começando. O beijo continuou enquanto eles seguiam pelo corredor. Em certo momento, Woohyun o pressionou contra a parede, enquanto interrompia o beijo apenas para retirar a camisa de Sunggyu e a jogá-la no chão. Passou a atacar o pescoço do líder, arrancando gemidos de seus lábios.

 

Sunggyu aproveitou para terminar de desabotoar aquela camisa e assim que a retirou, Woohyun o puxou pela cintura, guiando-o até o quarto enquanto chupava o pescoço dele, marcando-o propositadamente.

 

Do corredor até o quarto foi necessário pouquíssimo tempo. Quando Woohyun se viu deitado por cima do mais velho, os dois completamente nus, ele não teve a menor dúvida de que não conseguia ficar sem Sunggyu.

 

Woohyunie...

 

A voz do líder era baixa, pedinte. Observava Woohyun sedutoramente enquanto dobrava um de seus joelhos, pressionando a ereção dura do mais novo. Sorriu ao ouvir o ofego que escapou dos lábios dele.

 

Sunggyu levou suas mãos até os cabelos negros, puxando-os para que pudesse adentrar a boca de Woohyun com a língua. Os dedos do mais novo traçaram a pele suave até chegar na ereção pulsando do líder, provocando gemidos gostosos demais de escutar, assim que sua mão subia e descia por toda a extensão.

 

Após interromper o beijo, os lábios de Woohyun desceram pelo pescoço do líder, sugando a pele e fazendo-o estremecer.

 

Como se soubesse que Woohyun pretendia marcar seu pescoço inteiro, o líder levou suas mãos até os cabelos negros, agarrando-os com força o suficiente para não machucar. O olhar do mais novo foi de pura consternação por ter sido privado de sua diversão. Sorrindo, Sunggyu o puxou para si, voltando a beijá-lo enquanto enlaçava suas pernas na cintura do mais novo.

 

Woohyun nutria um sentimento inexplicável ao tomar os lábios do mais velho em um beijo totalmente diferente dos outros. Era mais carinhoso, apaixonado. Por essa impressão, sua mão parou de masturbá-lo no mesmo momento. "Se ele não quer que eu diga..."

 

O beijo foi interrompido apenas para que seus olhares se cruzassem. A visão que Woohyun tinha de seu líder descomposto, com os cabelos castanhos bagunçados e os lábios entreabertos era perfeita. Sunggyu exalava luxúria e sabia muito bem que o provocava sem fazer o menor esforço.

 

— O lubrificante ainda está no banheiro... — Woohyun se lembrava da última noite em que estiveram juntos em casa e fez menção de se levantar, mas as pernas de Sunggyu se fecharam em sua cintura.

 

O líder segurou sua mão, a levando aos próprios lábios e passando a sugar dois dedos longamente. Observando-o fascinado, o mais novo sentiu sua ereção pulsar diante daquela provocação, mal contendo o desejo de estar dentro dele.

 

Ao retirar os dedos de dentro de sua boca, Sunggyu lambeu os próprios lábios como um encerramento daquela deliciosa tortura. Ansioso, Woohyun guiou a mão até entre as pernas do líder, não perdendo tempo em invadir a entrada com os dedos. Gostava de observar as feições de dor e prazer ao prepará-lo, os gemidos e a forma como Sunggyu movia-se necessitado em direção ao seus dedos. Woohyun adorava cada parte dele e se só poderia demonstrar assim, que Sunggyu sentisse em seus toques.

 

Woohyun se inclinou sobre Sunggyu, voltando a beijá-lo intensamente. Sentiu seus ombros sendo segurados com firmeza enquanto tirava os dedos da entrada de Sunggyu e roçava sua ereção ali. O líder arfou contra o beijo no mesmo momento em que o membro começou a penetrá-lo devagar.

 

Foi impossível para Sunggyu não afastar os lábios e soltar um longo gemido enquanto a ereção o preenchia completamente. Woohyun apertou as coxas dele com firmeza ao entrar e sair de dentro dele em estocadas lentas. A partir da quarta estocada, o mais novo impôs um ritmo, penetrando-o com mais empenho e fazendo com que os corpos estremecessem.

 

 — Você faz eu me sentir... — a voz de Sunggyu foi abafada pelos longos gemidos — Tão bem...

 

Woohyun sorriu extremamente satisfeito antes de passar a distribuir beijos por todo o pescoço e ombro de Sunggyu. Gostava de causar arrepios no corpo dele e de suas reações tão sinceras na cama. Era uma luta árdua para não fechar os olhos e aproveitar cada momento em que seu membro ia fundo dentro dele, fazendo-o gemer mais e mais. Não queria por nenhum segundo parar de admirar Sunggyu.

 

*~*~*~*

 

Woohyun descansava a cabeça no ombro do líder, sentindo o cansaço o abater. Depois de um dia de trabalho cansativo, os dois ainda tiveram muito a aproveitar entre aqueles lençóis.

 

— Espero que não tenha me deixado muitas marcas. Se eu não conseguir esconder amanhã, você se arrependerá por cada uma delas.

 

Woohyun riu da "ameaça" de Sunggyu dita em um tom baixo e sonolento. Seus pequenos olhos estavam quase fechados.

 

— Eu duvido que consiga viver sem mim.

 

O mais velho riu, levando a mão até seus cabelos, acariciando-os de leve. Woohyun sentia que poderia dormir facilmente assim. Mas ele queria poder aproveitar aquele momento só mais um pouquinho...

 

— Eu posso arranjar um substituto... — a voz de Sunggyu havia sido interrompida por um longo bocejo. — Não seria tão difícil assim.

 

O mais novo poderia responder a provocação da mesma forma, mas aquelas palavras o atingiram profundamente, de uma forma que ele não saberia explicar. Quando retornou a falar, sua voz soou baixa, como se tentasse disfarçar o tom defensivo.

 

— Deve ser fácil para alguém tão manipulador e egoísta igual a você.

 

A frustração havia retornado e acabado com o doce momento, mas não era como se estivesse surpreso.

 

— E mesmo assim você ainda é louco por esse manipulador egoísta — constatou Sunggyu com um sorriso, não deixando transparecer se havia notado o tom de voz sério de Woohyun.

 

— Espere — Woohyun não conseguiu disfarçar o riso descrente, enquanto encarava um Sunggyu bem confuso no momento. — Estamos falando sobre sentimentos agora?

 

Não demorou muito até que a compreensão atingisse Sunggyu. Seus olhos se fecharam enquanto ele deixava um suspiro escapar.

 

— Não começa, Woohyun — a voz soou fria, cansada demais para querer discutir o assunto outra vez.

 

O silêncio já não era agradável como há poucos segundos. Woohyun se sentou sobre a cama, detestando ter que lidar com essas mudanças tão rápidas novamente. E as discussões só aumentavam com o passar do tempo.

 

— Está ficando tarde — a voz de Woohyun retornou, cansada e sem o tom irônico. — Talvez seja melhor ir embora como sempre faz.

 

Sunggyu o olhou com se não soubesse o que dizer.

 

— Achei que me quisesse aqui — disse, por fim.

 

— E você quer ficar? — Woohyun o observou por alguns segundos, sabendo que o mais velho não teria coragem em admitir. Sorriu tristemente ao se lembrar das palavras de Myungeun. — Eu acho que estou confundindo tudo, porque a sensação que tenho é de que pretende me dizer algo, mas você nunca diz.

 

"Não precisa ficar se não quiser, hyung — concluiu o mais novo.

 

Ver Sunggyu, que sempre tinha uma resposta na ponta da língua, sem saber o que dizer era desanimador. Havia sido o melhor momento para que o líder se levantasse e passasse a se vestir, porque Woohyun já não via a hora de estar sozinho.

 

O mais novo observou as costas de Sunggyu, que estava prestes a sair pela porta. Queria poder voltar atrás, mas já havia pisado em seu orgulho só por ter o permitido ficar. No entanto, ele parou, segurando a maçaneta e se virando em sua direção. Aquela expressão de tristeza Woohyun não esperava ver. Não havia o menor sinal de raiva ali.

 

— Desculpe.

 

A porta se fechou em seguida. Woohyun, entretanto, não parava de observá-la. Tinha perdido o humor e nem parecia que estava tão feliz há poucos minutos. Por mais frequente que fosse aquelas situações, ele não conseguia se acostumar.

 

Há seis anos, quando os dois se envolveram pela primeira vez, a única coisa que queria era o prazer que o líder poderia o oferecer. Mas as coisas mudaram. As lágrimas que se formavam em seus olhos e nunca caíam provavam que ele mudou e sexo sem compromisso não era mais suficiente. "O que estava esperando? Confissões? Compreensão? Eu me sinto patético."

 

Não importava quantas vezes tentava se convencer de que o melhor era aceitar o que tinham. Aquela dor não diminuía.

 

*~*~*~*

 

As semanas passaram tão rápido que Woohyun mal pareceu notar. Concentrou toda a atenção aos treinos, tendo como desculpa sua mudança de humor ser apenas ansiedade para o comeback. Embora isso não explicasse sua notória distância em relação a Sunggyu.

 

No dia em que a nova música do Infinite seria lançada, o grupo se preparou para o Showcase que começaria às 20 horas. Os seis integrantes se posicionavam atrás das cortinas, mas Woohyun não ergueu a cabeça durante as últimas instruções do líder nem mesmo quando o grupo uniu suas mãos.

 

Não havia satisfação maior do que subir ao palco novamente. A primeira música a ser apresentada era a faixa principal do álbum e Woohyun a apresentou com perfeição, com o vocal excelente e executando bem os seus movimentos. Os fãs eram o incentivo que ele precisava para se sentir bem melhor.

 

Quando a canção terminou, ele estava um pouco mais satisfeito, o que fez com que sorrisse e cumprimentasse o público com animação. Seus olhos se permitiram dar um longa olhada em Sunggyu que estava no canto, sentando-se ao lado de Dongwoo enquanto o MC aparecia para a entrevista. Queria escapar daquela interação, porém sabia que haveriam perguntas direcionadas exclusivamente a ele.

 

Quando havia sido a vez do líder responder, Woohyun buscou qualquer distração que fosse, desde tomar água ou ajeitar as próprias mangas de sua roupa sem nenhum motivo aparente.

 

Dongwoo, no entanto, se inclinou em sua direção, parecendo notar que ele não estava apenas distraído.

 

— Aconteceu alguma coisa, Woohyunie? Por que está chateado?

 

— Não estou... — ele balançou a cabeça, mas o rapper não se convenceu.

 

— É algo com o Sunggyu-hyung, não é? Vocês parecem distantes... Achei que fosse impressão minha — insistiu Dongwoo com a expressão preocupada.

 

Woohyun pensou em negar, mas o cansaço o havia abatido e no momento precisava de qualquer apoio que fosse. Após concordar com a cabeça, o mais novo sentiu uma mão em seu ombro, como se Dongwoo dissesse em silêncio que estaria ali por ele, mesmo sem a menor ideia do que tinha acontecido.

 

— E então, Woohyun-ssi? — a voz do MC despertou Woohyun, fazendo-o perceber que a pergunta havia sido feita para ele. Todos o observavam atentamente, inclusive o líder.

 

— Qual sua faixa preferida do novo album —  repetiu Sunggyu próximo aos dois. Sua voz soava lenta e sarcástica, como se repetisse a uma criança, irritando Woohyun profundamente.

 

— Ah, claro — o vocalista sorriu ao levar o microfone aos lábios, simpático o suficiente para esquecer sua raiva e distração momentânea. — Apesar do Single ser ótimo, minha faixa preferida é a terceira que fala sobre amor verdadeiro e quero dedicá-la ao meu grande amor que está aqui hoje.

 

Tanto os fãs quanto os integrantes haviam ficado surpresos, exceto Sunggyu. O líder o olhava sem a menor reação.

 

— Então quem seria o seu grande amor, Woohyun-ssi? — perguntou o MC ansiosamente.

 

— Inspirit's.

 

Os fãs haviam adorado a sua resposta, exclamando com animação. Os quatro integrantes riram enquanto ele cantava um trecho da música com o intuito de descontrair. No entanto Sunggyu ainda o observava com a expressão totalmente apática e sem nem forçar um sorriso.

 

*~*~*~*

 

Após a entrevista e mais duas performances, eles teriam alguns minutos de descanso. Woohyun foi o primeiro a descer até um dos camarins, sentando-se em um pequeno sofá.

 

Seus olhos se fecharam enquanto ele tentava reprimir a mágoa em seu peito. Sabia que estava cada dia mais na defensiva, porém não imaginava como recuperaria o controle de suas emoções tão cedo. Ele havia guardado muitos sentimentos por tempo até demais.

 

— Se sente mal? — uma voz soou incerta, fazendo Woohyum abrir os olhos devagar e encontrar um belo rosto à sua frente.

 

— Estou ótimo, Myungsoo — mentiu, dando espaço para que ele sentasse ao seu lado, mas o visual não se moveu.

 

— Parecia sentir alguma dor.

 

— É apenas cansaço.

 

O mais novo ficou em silêncio por alguns segundos enquanto o observava minuciosamente. Woohyun não soube o que dizer para convencê-lo, então preferiu buscar uma garrafa de água em cima de uma mesinha até ouvir Myungsoo falar novamente. 

 

— Então, aquela declaração... foi para alguém em especial?

 

"Ah, então é isso." Pensou Woohyun com um sorriso antes de tampar a garrafa.

 

— Obviamente... Para você — respondeu Woohyun, juntando seus dedos para lançar vários corações ao mais novo, fazendo-o rir bastante.

 

*~*~*~*

 

Sunggyu caminhava a passos apressados. A cada porta que abria, os batimentos em seu peito se aceleravam quando não o encontrava ali. As palavras de Woohyun o haviam atingido de forma clara e era impossível negar que estava abalado.

 

Quando sua mão foi de encontro à maçaneta do último camarim, Sunggyu notou o quanto ela tremia. Havia conseguido disfarçar nos últimos dias, mas mentiria se dissesse que não vacilou no instante em que entrou no camarim e seus olhos se encontraram com os de Woohyun.

 

Porém ele não estava sozinho. Myungsoo havia parado o que conversava e pareceu surpreso com a forma agitada em que o líder entrou no lugar.

 

— Myungsoo-yah — chamou Sunggyu, embora seus olhos ainda estivessem fixos em Woohyun. — Poderia nos dar um momento? Há algo que preciso conversar com Woohyun.

 

Myungsoo concordou, com a expressão claramente confusa, embora tenha se levantado e se despedido dos dois mesmo assim. Os olhos do líder o seguiram até o momento em que ele saiu pela porta.

 

O silêncio era tão palpável que ao voltar-se a Woohyun, seus passos podiam ser ouvidos atentamente.

 

— O que foi aquilo ainda agora? — seu tom era frio, mas também soava baixo para que somente Woohyun pudesse escutar.

 

— Fanservice? — respondeu o mais novo com ironia. Woohyun já não escondia a raiva em suas feições.

 

Sunggyu precisou de todo o seu auto controle para não alterar a voz.

 

— Acha graça disso, não? Não faz ideia do que suas ações podem causar? Não percebe que todos estão notando o quão óbvio você tem sido?

 

Os lábios de Woohyun se apertaram enquanto ele permitia que a raiva o dominasse. Ergueu-se do sofá, com os olhos fixos em Sunggyu.

 

— E desde quando você se importa?

 

— Se continuar assim — continuou Sunggyu, baixo, mas com o dobro de seriedade — irá prejudicar todo o grupo. Irá nos prejudicar. E não pense que você está acima do que eu lutei para conseguir, porque não está.

 

Woohyun riu sarcasticamente.

 

— Então esse é o seu medo? — perguntou com frieza enquanto o alfinetava, deixando a garrafa sobre a mesinha. — Que descubram o que nós dois fazemos quando estamos sozinhos em um quarto?

 

Sunggyu deu um único passo a frente, alertando-o de que havia passado dos limites.

 

— Cale a boca, Woohyun.

 

No entanto, a reação do mais novo foi de se alterar mais ainda.

 

— É o que você tanto teme? — a voz de Woohyun se elevou, enquanto o olhar expressava toda a sua mágoa. — Sente medo que saibam sobre nós dois? Sobre eu estar amando voc-

 

— Já chega!

 

A voz de Sunggyu soou bem mais alta do que antes e havia sido o motivo de Woohyun ter obedecido, mesmo a contragosto. E por mais que doesse encarar aqueles olhos tão magoados, Sunggyu sentia que precisava ser rígido com ele no momento. Sentia não, devia.

 

— Vá se posicionar agora, mais tarde conversamos.

 

— Nós dois sabemos muito bem que isso não irá acontecer — disse Woohyun com a voz mais baixa. Havia um sorriso triste em seus lábios. — Vamos discutir e depois irá fingir que nada aconteceu. E eu me sinto cansado, hyung. Estou desistindo de nós dois e você nem parece se importar.

 

Sunggyu sentiu o seu coração se apertar, porém tudo o que fez foi se manter mais firme.

 

— Saia, Woohyun.

 

Mesmo triste, o mais novo engoliu seco e passou por ele, seguindo a caminho da porta. A raiva havia dado espaço apenas para a mágoa e o cansaço. Antes de segurar a maçaneta, no entanto, ele se virou, voltando a falar com clareza.

 

— Então... o que restou do que tínhamos acaba aqui, não é?

 

Durante anos de relacionamento ou o que fosse que os dois tivessem, aquele havia sido o silêncio mais longo e doloroso. O impacto de suas palavras em Sunggyu era visível, sem que ele conseguisse disfarçar a hesitação. Woohyun no fundo esperava que o líder não quisesse tomar aquela decisão.

 

Mas o orgulho sempre foi maior.

 

— Por favor, saia.

 

Não houve qualquer resposta. Woohyun deu meia volta e saiu do camarim, batendo a porta com o dobro de força necessária. As pernas do líder enfim vacilaram, fazendo com que precisasse se sentar sobre o mesmo sofá que o mais novo estava anteriormente. Sunggyu sabia que precisava subir ao palco em poucos minutos e executar o seu trabalho com a dedicação de sempre, mas no momento apenas sentia-se atordoado, observando a porta por onde Woohyun havia saído.

 

Ele sempre soube que esse dia chegaria. Isso não fazia com que a perda fosse mais fácil de lidar.

 

 


Notas Finais


O segundo e último capítulo será postado em breve, creio eu
Obrigada por lerem até aqui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...