1. Spirit Fanfics >
  2. Don't trust anyone >
  3. Capítulo 5

História Don't trust anyone - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Capítulo 5


 

Flashback

 

A noite tinha sido bastante proveitosa para o Jeon. Nunca tinha jogado tão pouco e ganho tanto. Com certeza a ganância e estupidez de muitos alfas idiotas era lucro. Sugestões inusitadas sempre apareciam mas nunca tinha recebido nenhuma com aquela. Era demasiado interessante para não pensar sobre o assunto. 

“Um ómega. Um ómega sozinho no mundo. Somos só os dois e eu não o quero”  Aquela frase ainda rodava os pensamentos do alfa 

Ele não tinha por hábito aproveitar-se dos outros, mas quando via que podia humilhar um pouco algum alfa presunçoso, ele ia até ao fim. Jeon não era um santo, disso todos sabiam, e por isso, tentavam afastar-se dele o mais possível com medo de cair nos seus joguinhos. 

Em breve teria o prémio daquela noite. Um grande jackpot.

Jeon conduziu para a empresa. Não demorou muito tempo pois era perto de casa. Cumprimentou a secretária, pediu por um café e seguiu para a sua sala. Normalmente ele falava um pouco com as pessoas pelo caminho, mas hoje não estava como disposição. A noite tinha-lhe trazido também uma ressaca gigantesca.

Deixou a mala perto da mesa e tirou o casaco, pendurando-o depois nas costas da cadeira. A secretária entrou e deixou o café na mesa de Jeon para logo depois sair. O alfa sentou-se para apreciar o seu café enquanto tinha alguns momentos de paz e o trabalho não tomava todo o seu tempo. 

O telefone tocou pouco depois deixando Jeon bastante mais estressado

-Sim Min - disse atendendo a secretária. - Espero que seja importante. Ainda estou a tomar café. Como bem sabes não gosto de ser incomodado.

-Desculpe Senhor Jeon, mas o senhor Park está aqui. E diz que é urgente. 

Jungkook sorriu e deixou a secretária em espera enquanto pensava. Mordeu o lábio e riu consigo mesmo. 

É mesmo um coitado~

-Min, espera dez minutos e depois podes deixá-lo entrar. Não acho que ele mereça  a minha atenção assim tão rápido. - riu e desligou o telefone pousando-o no sítio. 

Terminou o café bebericando-o. Era a única coisa boa do dia. Fazia parecer todos os problemas menores. 

Bateram à porta e Jeon percebeu que os dez minutos já tinham passado. Pousou o copo no canto da mesa e encarou a porta. Por ela passou o Park visivelmente cabisbaixo. Jeon  observou-o atentamente vendo-o fazer uma pequena vénia e sentar-se depois à sua frente. Podia ver-se o suor descer-lhe pelas têmporas. O alfa mais jovem quase riu. Talvez aquele idiota trouxesse uma boa proposta para cancelar a merda que tinha feita na noite anterior. 

-O que o traz aqui? - perguntou Jeon sem rodeios. Queria ir depressa ao assunto já que tinha mais coisas para fazer e bem mais importantes. - O Park não parece muito bem.

O Park deixou um suspiro sair e olhou para o outro - Só um pouco nervoso. - disse deixando Jeon com um riso no canto do lábio. 

-Eu preciso de ajuda, Jeon! Eu não lhe posso dar o que apostei ontem no jogo! - ele disse rapidamente enquanto esfregava as mãos uma na outra de forma nervosa. - Não posso! Ele nunca me iria perdoar. E não é justo. 

Jungkook cruzou os braços. - É preciso muita coragem Park. Ontem parecias muito certo ao apostar o que apostaste. Depois perdeste. Agora é meu, e não há nada que possas fazer sobre isso. Eu levo as minhas apostas muito a sério. Elas trazem-me mais dinheiro que os meus negócios na maior parte das vezes. E eu já paguei por aquele ómega!

-Por favor! Qualquer coisa menos isso! - o mais velhos pediu visivelmente afetado - outra coisa qualquer. 

-Já comecei os preparativos. É bom que o ponhas em minha casa depressa, ou é o teu pescoço que vai rolar - fez o gesto de cortar o pescoço com o dedo e riu. 

Peguei nos documentos que já tinha preparado e deixei-os na frente do outro. 

-Assina isso rápido antes que eu te atire pela janela! - apontei para o documento que o fazia abdicar de qualquer direito sobre o ómega. A partir daquele momento ele era meu. Minha responsabilidade e meu futuro brinquedo. Aquilo servia como prova segura de que o Park não me voltaria a chatear por dinheiro ou pelo ómega ou por qualquer outra razão

-Senhor, por favor! Eu tento arranjar dinheiro! mas isto...não! - o Park pediu novamente 

- Não percebes Park. A tua ideia até que é boa para mim. Acaba com muitos dos meus problemas. - levantou-se e andou até ao outro. Sentou na mesa e voltou a cruzar os braços. - Tens até amanhã para fazeres o que foi combinado. Já que tudo isto começou por tua causa. Ou a tua cabeça será o meu troféu. 

Park sentiu-se um completo idiota. Ele tinha ouvido todos aqueles boatos sobre o que o Jeon fazia a ómegas virgens e ainda assim por causa do vício comprometeu a vida daquele que mais deseja ver feliz.  

-Amanhã em minha casa, Park! Amanhã! -Jungkook  disse e voltou para a sua cadeira. O sorriso dele era um pouco maléfico. - É simples Park, sempre foi. Eu fico com o ómega e tu com a tua vidinha miserável. Não precisamos de nos ver nunca mais. Nem precisas sequer de ir ao casamento. - riu de forma sádica. 

Era a verdade, Park já não tinha mais dinheiro, o vício tinha lhe levado tudo. O que tinha feito? Porque tinha sugerido um ómega como moeda de troca? O que ia acontecer a sua criança?

-Senhor - chamou - por favor não o magoe - disse derrotado e caminhou para casa depois de assinar. Ele tinha apenas uma tarde para resolver aquilo.
 

Park saiu do escritório do Jeon quase arrastando o próprio corpo. Que raio de alfa ele se tinha tornado. Um alfa com um trabalho precário, sem família, sem marca, sem ninguém que o amasse e com a cabeça a prémio por causa da sua própria estupidez. Nada do que tinha planeado para si estava a acontecer. O vício realmente tinha levado tudo. Tinha deixado a ómega que mais tinha amado com a desculpa que seria para fazer mais dinheiro entrar em casa, que tinha encontrado uma maneira muito mais fácil de lhe dar uma vida boa. Contudo, apenas fez com que todos sofressem com a sua estupidez. Era realmente um cretino, mas não queria morrer e ia fazer de tudo para continuar vivo, mesmo que para isso tivesse de entregar o seu filho. 

 

Depois que Park saiu, Jeon pediu um outro café. Aquele homem dava-lhe dor de cabeça. No dia anterior parecia tão certo de ganhar e agora vinha a rastejar para que a sua palavra não valesse nada. 

Jeon odiava esse tipo de pessoas. Odiava como eram umas coitadas, sem nada ou onde caírem mortas e apodreciam a sociedade. Talvez cortar-lhe o pescoço tivesse sido opção melhor, mas era um homem de palavra. E aquele ômega era agora seu. Não interessava como ele se parecia, o que gostava ou como pensava, era apenas seu e ele trataria de o domesticar. Jeon não acreditava no amor ou tão pouco no destino. Ele era o responsável pelo seu próprio destino



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...