História Don't you dare - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Depressão, Romance
Visualizações 17
Palavras 939
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 16 - Capítulo 16


Capítulo 16

Acordei cansada , com a mente lotada de paranóias, respirei e me obriguei a sair da cama . Me arrumei e desci as escadas, o cheiro de torradas impregnou minhas narinas , encontrei rosa sentada na mesa bebendo uma xícara de café, ela sorriu quando me viu e me estendeu um prato com torradas e geleia, mas acho que ela percebeu minha cara de morta e disse :

- o que aconteceu querida ?- aquele querida já soava tão natural e reconfortante que nem me abalei . Peguei uma torrada e a mordi .

 

- você tem filhos rosa?- ela assentiu 

- apenas um , uma menina um pouco mais velha que você , ela se chama Bella- assenti

- e o que faz quando ela acorda como eu acordei hoje ?- ela pensou e indagou

-o que sua mãe fazia ?- pensei sobre

- minha mãe saiu de casa a um tempo, ela não me viu assim – seus olhos vacilaram , e ela engoliu em seco. As vezes eu penso que melhor do que ter e perder é nunca ter tido, quer dizer , eu tenho alguém para quem ligar quando preciso de uma “ mãe “ mas nunca faço isso, eu prefiro sofrer sozinha do que discar o número da minha mãe no telefone , porque sei que ela não está aqui por mim, e se ela não estar aqui por mim , quem está ?

- bom normalmente eu digo pra ela ficar em casa , faço um chocolate quente, enrolo ela em uma manta enquanto assistimos a uma comédia romântica- olhei nos fundos dos olhos de rosa e quase vi a pena estampada.

- você pode fazer isso comigo agora ?- rosa concordou com a cabeça e deu um beijo na minha testa .

��

2 dias depois já era o dia de ir a outra visita de campo, acordei melhor do que no dia anterior, e fui pra escola , Maitê e Sarah falaram um “oi” e tentei prestar atenção na aula , mas Maitê logo me interrompeu.

- você não fala mais com a gente – comprimi as sobrancelhas – desde que você virou amiguinha do Miller, nós entendemos que ele é gostoso mas não precisa deixar a gente de lado- refleti e houve um estalo em minha mente . Elas estavam certas !. Desde que comecei a conversar com Arthur , ele é a única pessoa que tenho considerado como amigo , nós conversamos por mensagem nas aulas e nos intervalos vamos a biblioteca, eu esqueci que também tenho amigas.

- desculpa gente , eu tenho estado meio ocupado ultimamente-

- ocupada.. sabemos ... Você e Arthur estão saindo ou o que ?- disse Sarah

- somos amigos –

- não dá pra ser apenas amiga do Arthur Miller , a menos que você seja assexual...mas tudo bem que se você não quiser falar sobre isso m..... Sabe o Josh do terceiro ano ??... Então ele disse que tá afim de mim , só que eu nunca vou me rebaixar a isso - disse Sarah com um certo desgosto na voz

Então eu entendi porque não tinha sentido saudades daquelas conversas , eu podia ficar em coma por um ano que quando voltasse elas continuariam falando as mesmas coisas .

- sua vida parece ser tão difícil Sarah ... Você tá sempre dentro dos padrões , sempre gostando de alguém sem sentir aquele medo de não ser bonita o suficiente , e se alguém te rejeita , você apenas se revolta , pinta o cabelo e faz as unhas , veste o melhor rosto de “ olhe o que você perdeu” porque sabe que tem vários outros caras afim de você , e quando alguém que não é “ bom o suficiente” pra você , diz que tá afim de você , você apenas o humilha ? Você já parou pra pensar como deve ser a vida do humilhado? De quem é humilhado o tempo todo ? Sua vida é mesmo tão difícil-

Eu não sou mais um.copo de água, eu explodi, como uma bexiga as pessoas estão agora catando os meus restos nas paredes. Eu sei disso pelo formato da boca de Maitê , um nunca o tinha visto antes , suas sobrancelhas erguidas mal acreditando em tudo o que eu tinha acabado de falar , eu não conseguia acreditar no que eu tinha acabado de falar, mas pela primeira vez na minha vida , tinha uma sensação pulsando nas minhas veias , aquela adrenalina por fazer algo que eu normalmente não faria , essa sensação de rebeldia me libertou .

Sarah sorriu sarcástica , e olhando no fundo de seus olhos eu soube que algo ruim estava pra vir, eu também tinha aquela sensação na boca do estômago, o ar ficou mais denso segundos antes dela soltar .

- então você é uma puta como dizem .-

Eu queria que minha rebeldia tivesse durado mais , infelizmente ela só durou 30 segundos, quando Sarah disse aquilo , com raiva e rancor na voz toda a minha vida fez mais sentido. Nós não passamos de atores de circo , e isso nunca ficou tão claro , o jeito que ela falou aquela frase , ela sabe o que estava fazendo e eu tentei me por no lugar dela , tentei rever tudo o que eu tinha falado, pensei em como aquilo pode ter lá machucado. Ela usou uma arma infalível , chamada generalização, agora eu não vou poder olhar pro rosto de outra pessoas sem pensar que em seu subconsciente aquela pessoa me acha uma vadia, eu nunca vou confiar em mais ninguém . A partir de hoje eu estou sozinha .

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...