História Dos Nós Sobre Nós - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Drabs, Fluffy, Noivos, Whysunbae
Visualizações 21
Palavras 933
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drabs, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Musical (Songfic), Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


GENTEKKKKKKKKKKKKKKK EU SOU UMA DECEPÇAO
ai ok
eu escrevi isso faz um milenio jakk era pra ser uma oneshot separada (nome ia ser pedra mole em agua duraQUE), mas ai eu achei que se encaixava bem no plot dessa fanfic e resolvi postar aqui
só pra avisar de novo: todos os capítulos aqui fazem parte da mesma história, não são histórias e universos separados. são apenas momentinhos diferentes que eu vou escrevendo e postando aqui, porque eu sou muito fluffy e gosto de amor
vou tentar postar um capitulo por semana aaaaa
obrigada por nao desistirem de mim
boa leitura <3

Capítulo 2 - 2 . Aquele com a manha, o LOL e o mau humor


2 . Aquele com a manha, o LOL e o mau humor 

Enquanto Chanyeol surtava por ser o suporte pela terceira vez seguida, Baekhyun estava jogado no sofá do escritório, sorrindo que nem bobo ao ouvir os choramingos rabugentos do outro rapaz.

Normalmente era até o inverso, mas a vida gosta de fazer essas coisas com a gente. Conversa vai, conversa vem – Chanyeol preso no vídeo game dez horas seguidas e Baekhyun num soninho gostoso que só de olhar já bate aquela inveja. Nem era tão incomum, afinal, o fato de se revezarem no LoL era o ponto mágico daquele relacionamento, mas Chanyeol andava meio estressado pela entrega do TCC (Baekhyun nem aí, afinal, já passara daquela fase rs)  e, como não ‘tava afim de acordar o marido do cochilo, jogar era seu único consolo. Aos prantos, mas dá pra engolir.

Claro que todo relacionamento que se preze tem seus altos e baixos, mas a graça do amor mesmo é gostar de cada detalhezinho, até daqueles que, se não a gente não amasse, broxava numa olhada só. Para Baekhyun era a mania – mania chata pra caramba – do Park de não deixar ninguém andar de sapatos pela casa depois de uma faxina. Não chegava a ser vício em limpeza, até porque o quarto dos dois estava sempre uma bagunça (pelo menos o lado do Park, porque Byun Baekhyun é um ser humano racional), mas era uma pulga atrás da orelha pra um cara desapegado feito o Byun. Ah, quantas foram as discussõezinhas fúteis sobre uma manchinha aqui e outra ali; mas quantas foram as vezes em que acabaram a briga largados no tapete, envoltos em edredons fofinhos e conversando sobre um jogo qualquer?

Para Chanyeol, Baekhyun era impecável – ainda que fosse meio cabeça dura e rabugento toda manhã, não deixava de ser um doce pelo resto do dia, ou de ser um maridinho atencioso nos surtos que batiam no Park de vez em quando. Só tinha uma, uma coisinha que, mesmo adorável, cutucava a onça com vara curta quando o estresse do maior dava a louca e vinha visitar...

O Byun, quando de folga, era a personificação da manha.

Era Chanyeollie pra lá, era amor, neném pra cá... Às vezes surgia apelido do nada, como no caso de Yodayeol ou meu amor guti-guti. As ideias do rapaz eram de certa forma meio antiquadas, mas era muito amor pro corpinho pequeno e Chanyeol fazia questão de aceitar tudinho, em selinhos por todo o rosto e abraços de urso com cheiro de união. Mas, caramba, como era irritante ouvir o Byun cantarolando Breathless pelos quatro cantos só porque a vibe ASTRO atacava no meio de tanta delicadeza. Nem sabia que Baekhyun escutava ASTRO – no máximo uns Twice aqui ou acolá, mas não via nem um sinal de Aroha na cara do namorado. Esses eram lados que só apareciam no dengo-time.

E era longo, viu?

Naquele dia especificamente, quando Chanyeol não tava lá tão amores e Baekhyun se derretia num dorama água com açúcar, os céus decidiram que a combinação rolava e que de certa forma eles deviam se encontrar. O Park sempre avisava com antecedência quando não estava num de seus melhores dias, só pra evitar confusões ou discussões sem cabimento, e em seu estado normal, Baekhyun permaneceria quieto até ouvir os choramingos ou os “Baekkieee” ecoando pelo corredor. Em seu estado normal, repito.

Porque eram como drogas, camarada. Baekhyun não estava na terra. Baekhyun estava se formando em Good Morning Call na Universidade Federal da famigerada Dengolândia.

E pensa num moleque puxa-saco.

— Yeollie. Yeollie. Yeollie — Chamava no pé do ouvido, o miserável. Rostinho bonito enterrado no pescoço alheio, inalando o aroma de morango e menta vinda de algum lugar. Os dedinhos espertos escalando numa lentidão proposital, indo do cotovelo ao ombro em passinhos cuidadosos. O ridículo era até bom no que fazia, mas não, Chanyeol tava irritadíssimo e nem um pouco disposto a (ou pronto para) lidar. — Yeoollie~. Você tá irritado comigo?

Chanyeol bufou.

— Não, Baekhyun. Eu tô só estressado. Eu te avisei hoje mais cedo.

E Baekhyun formou um biquinho, cruzando os braços e sentando na escrivaninha do maior.

— Não me chama pelo nome todo. Me assusta. — Estirou a língua e mordeu sua pontinha. — Não acha que podia se acalmar de outro jeito? O jogo tá aí pra sempre, eu não. O jogo não precisa de muito cuidado, amor e carinho. E olha só? Eu preciso!

O Park choramingou e bateu as mãos em ambas as coxas.

— Baekhyun!

— Chanyeol!

— Eu preciso extravasar!

— Eu preciso de amor!

— Eu posso te dar amor quando acabar aqui, Byun.

— Park, você vai acabar esse round e vai direto pro três. Nem tenta.

— Mas você sempre faz isso comigo, também!

— Eu sou o ativo, é diferente.

— Mas a gente reveza!

— De vem em nunca, Park Chanyeol.

Chanyeol soltou um muxoxo.

— Você fica muito chato quando quer carinho.

— Você fica muito lindo tentando ficar de mal humor.

— Eu tô de mal humor!

— Poupe-me de resmungos e me traga beijos, Yodayeol.

Talvez não colasse pro Chanyeol bancar o durão. E a pose de manha do Byun até dissipava quando o assunto era a neura do outro sobre qualquer coisa. Mas tá que ambos se derretiam nos sorrisinhos de canto e nos beijinhos de bom dia. E boa tarde. E oi te amo.

O mais velho suspirou e abriu os braços, se auto-convidando para um passeio no colo do maior.

— Pipoca, Your Name e Netflix?

O orelhudo tomou seu namorado no colo e saiu resmungando, mesmo que no rosto ostentasse aquele sorrisão (feliz porém psicopata) de sempre.

— Pipoca, Your Name e Netflix.


Notas Finais


socorro não sei se tá combinando com o último capítulo e tem algumas coisas que eu me embolei aí no meio AI
espero que tenham gostadooooooo
vou tentar postar amanhã, tenho uma ideiazinha bem boba pra colocar em pratica
amo voces <3
até a proxima~
━ xoxo;;boiboii


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...