História Doyoung é surtado - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Doyoung, Taeil
Tags Doeil, Doil
Visualizações 30
Palavras 1.641
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, LGBT, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


~capa temporária

Capítulo 1 - Único



Doyoung era surtado, se tivesse que caracteriza-lo com uma única palavra seria está. 


Tinha uma época depois das entregas dos trabalhos e finalizada as provas que ao invés de relaxar e sentir livre das obrigações acadêmicas, o Kim entrava em pânico, tudo ao seu redor irritava, uma pessoa respirando mais profundamente, uma folha caindo no seu cabelo, uma almofada no lugar errado no sofá da sala, o fazia chorar de raiva e frustração, às vezes até mesmo esperneava como uma criança. O consolo é que esse período durava no máximo 48 horas, que era igualmente ao limite que podia demorar as liberações das notas do semestre, seu humor oscilava de irritado, grudento, triste, manhoso, e com fogo no rabo.


O que mais "sofria" com isso é Taeil, o namorado do moreno e com quem ele dividia o apartamento. Era comum chegar em casa depois do expediente na empresa de laticínios e encontrar o Kim resmungando pelo apartamento, xingando até sua sombra. Seria até fofo o bico adornando os lábios do Kim, se as palavras que saiam da sua boca não existisse.


O único motivo que não leva Taeil a trancar o namorado no quarto ou então ficar longe dele durante seu período de sensibilidade é sua extrema paciência. Mesmo cansado, com dor nas costas de ficar sentado em sua sala o dia todo Taeil chegava em casa e já sabendo como o mais novo estaria o deixava quieto em seu canto. 


Naquela sexta feira fria, dos últimos dia de um inverno rigoroso em Seul, que fez com que os mais velho ficasse doente mais vezes do que o comum,  não foi diferente. O coreano abriu a porta sentindo o calor quente da casa o envolver, era um alívio estar em um local fechado tendo uma temperatura abaixo de zero lá fora. Os sapatos do mais novo já estavam jogados na entrada, com um suspiro o Moon se arriscou pelo apartamento ouvindo o chuveiro ligado e água cair em abundância. 


Pelo menos dessa vez não teria que lidar com o primeiro estágio da raiva descontrolada do mais alto, rumando para cozinha depois de se livrar das roupas formais começou a preparar uma sopa gostosa para esquentar o corpo e quem sabe derreter o coração de Doyoung. 


Atento aos sons do apartamento Taeil cozinhava, tinha noção que o outro só apareceria quando a sopa estivesse terminada, não gostava de submeter Taeil a sua aura negra. Com a panela no centro da mesa Doyoung entrou no local, com o rosto contorcido em uma carranca. 


Um leve riso quis escapar dos lábios do mais velho, era tão engraçadinho o ver com os olhos mais pequenos que o normal e os lábios formando um bico sem perceber. O Kim era adorável até quando queria matar alguém no soco. 


Moon sempre ficava distante no período de raiva do mais novo, não o tocava e nem falava consigo, sabia que isso deixaria o outro irritado então fazia de tudo para suavizar a raiva alheia. Se sentaram um de frente para o outro e desfrutaram da sua janta em silêncio, o Kim às vezes encarava o outro com fogo nos olhos quando o som de sorver a sopa se tornava presente, irritando seus ouvidos. Com calma Taeil se colocou ao lado do mais novo para lavar e secar a louça, apesar do mau humor Doyoung se sentiria culpado se não ajudasse o outro em nada, por isso lavava a louça suja com uma força desnecessária contrastando com a delicadeza de Taeil ao secar. 


Tudo ocorria bem até que o mais novo deixou deslizar por seus dedos um copo ensaboado, o mesmo caiu com um baque na pia espirrando sabão para o rosto do moreno. Mordendo os lábios Taeil segurou o riso enquanto ouvia o resmungar do Kim.

- Desgraçado, faço tudo errado mesmo puta merda.


Doyoung enxaguou o último talher e sumiu para o quarto, entrando direto no banheiro do local sua respiração saia pesada, ele queria tocar o namorado que estava ainda na cozinha, sentia saudades mais do que o normal do homem, admitia que era grudento, mas sabia que seu mau humor iria surgir no meio de um beijo. Então se contentou em escovar os dentes com força sentindo sua gengiva doer, chegando perto de sangrar. 


Taeil terminou de limpar a pia e foi desligando todas as luzes antes de ir pro quarto, ao entrar no local viu a luz do banheiro acesa então rumou até lá encontrando um Doyoung terminando de escovar seus dentes, esperou o mais novo acabar para segurar em sua cintura e o empurrar pro lado, testando se o outro ia fugir do seu toque. O Kim apenas deu um passo pra direita dando espaço na pia. 


Enquanto Taeil escovava seus dentes o moreno observava-o sentado da privada, sabendo que ele ainda iria tomar banho continuou sentado até mesmo quando ele se retirou do banheiro, não demorando a voltar com uma cueca e seus shorts na mão. 

- Você vai ficar? - perguntou baixinho quase em um sussurro para não deixar o outro irritado. 

- Sim - uma curta resposta já era suficiente para o mais velho, que se sentia mais aliviado ao notar que seu namorado estava entrando no período de não desgrudar dele. Entregou suas roupas pro mais novo que as segurou no colo. 

Taeil se despiu com os olhos do mais alto focados em si, analisando cada centímetro de pele com deleite, gostava de ver como o mais velho tinha um corpo livre de pêlos, com a pele sem nenhuma falha, tudo tão uniforme. Já o Moon ainda se sentia intimidado pelos olhos de águia do mais novo em si, mas não era como se pudesse fazê-lo parar de olhar.


Doyoung escutava os suspiros do namorado dentro do box pela água quente estar caindo em seu corpo, queria entrar lá e sentir a mesma sensação mas isso só faria com que demorassem para ir pra cama, que era onde poderia se enterrar nos braços do amado. Com o banho tomado Taeil saiu do box se secando na frente do namorado e se vestindo conforme o outro entregava as peças de roupa, com a roupa em seu corpo Taeil encarou os olhos do mais novo sorrindo gentilmente.

 - Quer conversar ou ir dormir?  - com calma Moon retirou uma mecha de cabelo da frente dos olhos de Doyoung. 

- Deitar. - os dígitos deixaram um breve carinho na bochecha do moreno antes de sair do banheiro. 


Taeil ajustava o ar condicionado para deixar o ambiente quente, antes de ir vestir uma camisa já que sua pele estava arrepiada de frio. Antes mesmo de fazer menção em ir no armário, algo passou por sua cabeça, sentiu a respiração do namorado em seus cabelos e as mãos magras pegarem em seus braços o vestindo como uma criança em uma blusa de manga longa. Doyoung ainda passou suas mãos pelos braços cobertos de Taeil em um carinho, rumando suas mãos para o cabelo do mais baixo. 

- Seu cabelo tá grande - em um sussurro ele se afasta indo pra cama e se enterrando nas cobertas quase cobrindo seu rosto. Rindo Taeil desligou as luzes e também se aconchegou na cama virando de lado para o mais novo. 

- Quer desabafar? - Taeil fitava os olhinhos pequenininhos do mais novo, que estavam com uma expressão tristinha. 

- É o mesmo de sempre - Doyoung suspira e tampa seu nariz com o edredom, Taeil se aproxima e puxa a ponta da coberta deixando um beijinho na ponta do nariz vermelhinho do outro, amolecendo ligeiramente o coração do Doyoung. Como que fica de mau humor tendo um namorado tão paciente e gentil? 

- Pode me dizer igual, colocar pra fora ajuda a tirar essa raiva que você está sentindo - gentilmente Taeil segura na mão do amado embaixo do edredom, a sentindo gelada.  

- Não estou com raiva mais, estou triste. Não quero tirar uma nota ruim, hyung.

- Você não vai, estudou bastante  e é o mais inteligente da sua turma. 

Um sorriso se forma nos lábios do mais novo que tinha a boca escondida pela coberta. 

- Não esconda seu sorriso meu amor, me deixa ver - com a voz manhosa Taeil puxa fraquinho o edredom, descobrindo a boca do outro e podendo ver o sorriso tímido em seus lábios. - lindo. 

- Me desculpa, por ser chato - devagarinho Doyoung cola seu corpo no do namorado, suspirando com seu calor. Entrelaça suas pernas e passa seu nariz gelado pela bochecha do mais velho.

- Já estou acostumado - sopra baixinho Taeil, fazendo Doyoung o olhar indignado.

- Você deveria dizer que eu não sou chato - exclama emburrado o Kim.

- Eu nunca poderia mentir para você meu coelhinho. - rindo Taeil deixa um singelo beijinho na bochecha do mas novo. Doyoung agarra a blusa do mais baixo e suspira olhando nos olhos castanhos dele.

- Eu te amo, muito - segreda baixinho, selando a boca do amado gentilmente, o que faz o outro suspirar e o abraçar pela cintura voltando a beijar os lábios doces do mais novo, intensificando o ósculo com sua língua adentrando a boca alheia, e acariciando a semelhante lentamente. 

As mãos dos dois deixavam carícias no corpo do outro enquanto suas línguas se entrelaçaram e suspiros escaparam de seus lábios.

- Eu também te amo, muito - Taeil sussurra no final do beijo, enquanto Doyoung deixava selinhos em seus lábios.  

- Você vai cansar de mim um dia? - Kim perguntou esfregando seu rosto no peito quentinho do outro. 

- Não, nunca. Eu tenho muita paciência guardada aqui dentro - Taeil leva suas mãos aos cabelos negros do outro acariciando o couro cabeludo. 

- Que bom - Doyoung murmura sorrindo de olhos fechados, com o rosto enterrado no peito de Taeil respirando o cheiro de amaciante da roupa. 






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...