1. Spirit Fanfics >
  2. Dragões um outro lado >
  3. Confusão em Onbekoff.

História Dragões um outro lado - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei, porque não posto história desde o ano passado.
Simplesmente tem sido impossível gerenciar minha vida! Espero que este ano seja diferente.

Capítulo 10 - Confusão em Onbekoff.


Após uma longa viagem, eles haviam finalmente chegado. Dente de Anzol estava morrendo de cansaço. Simplesmente capotou no cais.

— Levanta logo! Não temos tempo! Onde acha que eles estão? — Tempestade disse impaciente

— Ora onde mais estariam? No castelo! Vamos imediatamente pra lá. E que cais mais vazio é esse?

— Também está estranho pra mim? Cheddarville tem um cais mais movimentado.

— Espera um segundo? Cheddarville não tem uma quitanda de coquetel de camarão no cais. — disse apontando para a quitanda logo a frente

— É porque vocês não estão em Cheddarville. Estão em Onbekoff. — a velhinha dentro da quitanda falou

— Onbekoff? Esse é o portal errado! Estamos a dias de Cheddarville! E agora? — Dente de Anzol exclamou sem saber o que fazer

— Tenho três teorias. Ou o portal que o pessoal usou foi outro, ou eles estão aqui em algum lugar, ou pegaram este portal porque era o mais próximo de Berk e estão a caminho.

— E a sua segunda teoria está correta. Se estiverem falando de um viking que veio com um dragão que alega ser o filho dos Alphas de Hurley Melles, o viking foi preso e será julgado. Alisha chegará amanhã. Pra dar a sentença, junto com os governantes e Alphas das 12 cidades douradas.

— Minha mãe vai vir aqui! Ótimo, falaremos com ela amanhã! Mas, agora temos que chegar no calabouço do castelo. Obrigado senhora pelo aviso! Vamos tempestade.

Enquanto isso no castelo de Onbekoff...

— Qual é! Eu sou o filho de Angel e Legendariuns! Quando eu tirar meu amigo daqui vocês se verão comigo! — Banguela fazia de tudo pra tentar convencê-los de que Soluço não era um inimigo, mas nada adiantava. Soluço estava preso há dois dias. Maria Eugênia também havia tentado tirá-lo de lá. Só que o resultado foi o mesmo. Apenas quando Alisha e a aliança das 12 cidades douradas chegassem.

— Isso é um absurdo eu vim pra cá na intenção de paz e você acaba preso? Foi mau Soluço.

— Não é culpa sua! Você veio com um viking pra cá! Eles provavelmente estão apavorados, só isso.

— Majestade, acabou o horário de visitas, tenho que pedir que o senhor se retire.

— Tudo bem Josh, sem formalidades. Vejo-te mais tarde Soluço.

Banguela saiu cabisbaixo do calabouço.

— Olha se fosse por mim, eu ajudaria. Darwin é muito meu amigo. Mas os governantes e Alphas não estão de acordo. Lamento viking.

— Eu não esperava menos. Hurley Melles é ate bonita, considerando o pouco que eu vi.

— Então, na verdade você está Onbekoff. Bem distante de Hurley Melles.

— Puxa! Isso explica porque os pais de Banguela não estão aqui.

— Banguela? Por causa dos dentes? Foi bem criativo!

— Obrigada Josh.

Josh e Soluço continuaram batendo um papo. Enquanto banguela estava na sala de música tentando negociar com Hugo, um velho amigo de seus pais e conselheiro de Onbekoff.

— Darwin, não entendo sua preocupação com este viking. O povo dele matou vários de nossos dragões.

— Ele é diferente! É meu amigo, me salvou várias vezes de outros caçadores. Inclusive ele instalou a paz em outros lugares! Por favor, tem que entender que...

— Não tenho que entender nada. Deixe que Alisha resolva isso. Mas se fosse por mim, não o libertaria.

— Obrigada Hugo! Já vou, preciso beber algo depois disso tudo. Tem algum chá que acalme neste castelo?

— Vou pedir que uma das criadas prepare pro senhor. Escute filho...

— Senhor Hugo! Um milagre! Carlos está aqui! O filho de Isadora de Humbleville! Junto de uma amiga!

— Dente de Anzol? O que aquele cabeça de carneiro faz aqui?

Banguela saiu as pressas do aposento e foi ao salão principal, lá encontrou Dente de Anzol e Tempestade.

— Vocês? O que é isso? Ninguém sabia do plano!  Como sabiam do plano? O que raios estão fazendo em Onbekoff?

— Eu é que pergunto o que raios estamos fazendo em Onbekoff? Vocês sem aviso nenhum somem, deixam Berk totalmente preocupada! E alguém esqueceu O Grande Livro de Twailand em Berk! Já devolvi para as autoridades. Isso foi Holly não foi? Ela é uma das mais lerdas da turma. — Dente de Anzol

— Olha, eu não planejei ser sequestrado e arrastado pra Twailand, então me desculpe.  — Banguela dá uma pausa e depois dá fala gritando — MAS NÃO ERA PARA NENHUM DE VOCÊS ESTAREM AQUI! O QUE PENSAM QUE ESTÃO FAZENDO?! ESTAMOS TENTANDO FAZER UM ACORDO DE PAZ!  EU NEM SEI SE ISSO VAI SER POSSÍVEL! SOLUÇO PODE SER JULGADO, EU POSSO NUNCA VOLTAR PRA BERK E VOCÊS SERAM MAIS DOIS!

— Tá bom, se acalme. — Tempestade pediu educadamente. — Nós pensamos nisso e era um risco necessário. Com mais de nós aqui, talvez Alisha mude de ideia! Pense nisso, por favor.

— Eu vou pensar. Mas escutem bem, não pisem na bola, ok?

— O que poderíamos fazer de errado? Você é um esquentadinho Banguela. Ou devo lhe chamar de Darwin Fireterson? Agora que estamos em... Ah, nem estamos em Cheddarville. Por que erraram o portal?

— Não sabíamos que o portal mais próximo era de Berk era o que dava pra Onbekoff. Tínhamos que ter ido por um pouco mais longo. Foi uma confusão quando os guardas pularam em cima de Soluço quando ele falou que era um viking. E quanto ao resto das pessoas ficaram surpresa de me ver. Falei com minha mãe pelo telefone, foi muito bom ouvir a voz dela de novo. Quer falar com a de vocês? Posso pedir para que Hugo ligue.

— Eu adoraria falar com ela. Mas eu e tempestade gostaríamos de ver Soluço primeiro.

 — O horário de visitas acabou, mas talvez consigam uma brecha com Josh. Vamos até o calabouço.

O trio desceu pelas escadas escuras onde viram Josh rindo com Soluço de algo no celular do jovem guarda.

— Sério que o Banguela era assim?

— Juro! A melhor parte dessa viagem foi ele tentando alimentar as galinhas!

— O que estão fazendo?  — perguntou Banguela vendo seu nome mencionado na conversa

— Nada, estava apenas mostrando pro seu amigo nossa viagem para Castillo, naquele hotel fazenda.

— Ah sim. Aquela em que você ganhou o apelido de vaca loka. É foi muito bom. Que marco de minha infância.  — Tempestade

— Tempestade? Dente de Anzol. O que fazem aqui? Astrid também veio? Ela está bem?

— Na verdade não. Poderia nos dar licença Josh? — Josh assentiu e saiu de perto — Não para as duas perguntas. Ela não veio e não está muito bem. Ninguém em Berk, além de Batatão e Pula Nuvem sabe que viemos. Precisávamos saber o que havia acontecido com vocês dois. Astrid e Valka estão bem tristes e preocupadas, praticamente surtando.  

— Nossa, me sinto péssimo.

— Relaxa, olha eu e Carlos faremos de tudo pra testemunhar ao seu favor. Mas, me diga. Já sabe de Drago?

— Sim. E vocês também tiveram contato com ele?

— Olha, desculpa. Mas, não tínhamos como contar. Nós éramos filhotes. Pula Nuvem e eles eram melhores amigos. — Dente de Anzol — Nossa família era bem unida pra ser verdade. E não era como se soubéssemos que ele fosse seu tio ou algo assim. Foi um choque pra gente também. Eu sempre achei Valka parecida com Rose Sangue Bom, mas eu pensei que era pura coincidência, ela não tinha como ser a Diana, filha perdida da família Sangue Bom. Na verdade nem Pula Nuvem tem certeza, então relaxe. Pode ser só uma suposição.  

Banguela e Soluço olharam boquiabertos para a declaração de Dente de Anzol.

— Então, não foi exatamente isso que contamos de Drago para ele. -- Banguela disse

 — Espera. Então ele não sabia que... Soluço me desculpe, eu achei que haviam falado.

— Está me dizendo que Drago é meu tio?

— Eu não posso garantir... Mas há uma probabilidade.  


Notas Finais


Espero que gostem, vejo vocês no próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...