História Dramarama ( Monsta X ) - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Got7, Monsta X
Personagens BamBam, Hyung Won, I'M, Jackson, JB, Jinyoung, Joo Heon, Ki Hyun, Mark, Min Hyuk, Personagens Originais, Show Nu, Won Ho, Youngjae, Yugyeom
Tags Changkyun, Hyungwon, Jooheon, Kihyun, Minhyuk, Monsta X, Shownu, Wonho
Visualizações 22
Palavras 1.111
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Não postei ontem porque ontem não tive muito tempo e teria que postar de madrugada então aqui está o capítulo 💁

Perdão pelos erros e espero que esteja gostando.

Capítulo 8 - 08


Fanfic / Fanfiction Dramarama ( Monsta X ) - Capítulo 8 - 08

Tina

A casa era muito pequena então não havia muito espaço para ficar a sós e pensar. Honey havia se levantado e ido dormir no quarto, Doguinho estava jogando com Wonho, e Shownu e Minhyuk estava fazendo vários nadas, olho para os dois e me levanto.

Não sabia nada deles, mas acho que não posso me aproximar dos três assim de um dia para o outro, os conheci ontem, mas bem... O Kihyun eu conhecia a mais tempo.

Bato na porta do quarto e espero ele falar algo.

– Kihyun? – pergunto enquanto torço a maçaneta e aos poucos consigo ver todo o quarto. – Kihyun? – pergunto vendo o quarto vazio. Franzo cenho e volto a sala, em seguida abro a porta do outro quarto e encontro Jooheon dormindo, saio e penso em ir no banheiro mas a porta aberta me faz ter a certeza. – Gente, o Kihyun sumiu.

Kihyun

Batia fotos de todo local que passava para que eu não me perdesse, e também para que criasse uma especie de mapa de onde estava. Queria respirar longe de todos, minha vó sempre teve razão quando eu disse que não era bom com pessoas.

Não havia culpado, eu só era meio sozinho, e sei que era um erro meu, mas que se dane, não preciso de ninguém... Já deveria ter seguido atrás do que quero com ou sem eles, nem os conheço, dentre aqueles na casa eu sou o mais deslocado, o Minhyuk e o Shownu provavelmente tem algo, Wonho tem seus dois melhores amigos e a Tina. Eu precisava achar a minha companhia... Foi para isso que eu entrei nessa loucura de viagem do tempo.

A Espanha era enorme, eu sabia mas quem sabe eu tinha sorte e encontrava algum rosto conhecido entre a multidão.

– Encontrou? – soa uma voz coreana e eu me viro vendo Hyungwon.

– Não. – nego. – Hyungwon, o que mostrou a Shownu para ele dar a casa? Ele tem uma arma.

– Sério? Enquanto ele não usar suas forças contra ninguém eu acho que podemos considerar ele como alguém que só quer mudar o passado, assim como você.

– Me diga por onde começar então.

– Segure isso. – ele me entrega sacolas e eu franzo o cenho e seguro. – Pesadas?

– Não.

– Aqui, tome mais essas. Não se sabe quanto tempo vai passar aqui. – diz me entregando mais e uma com muitas garrafa de água, o que faz meu braços doerem e eu resmungar de dor. – Pesadas?

– Um pouco? – falo óbvio.

– Consegue andar até a volta com elas?

– Você não esta mais segurando nenhuma, me ajude. – falo o vendo caminhar na frente. – Hyungwon. – o chamo e ele se vira, se aproxima e ergue meu braço, mas não pega a sacola. – Aish, me ajuda e pega.

– Esse é o começo.

– O quê?

– Seus fardos podem ser pesados e seus problemas grandes demais para você. – olha para as sacolas. – Você precisa do alimento, mas não pode aguentar tudo sozinho, eu não estou tomando de você, apenas te ajudando a levar isso. – diz me olhando e eu faço careta não aguentando peso, ele então pega.

– Pode parar de sumir tanto? – falo enquanto caminhamos. – Tirou isso de um livro? “Seus fardos podem ser”. – rimos.

– Hoje vamos sair, tentarei não sumir lá.

– Hoje? De que horas?

– Á noite. Uma festa.

– Que festa? – franzo o cenho, não gostava de festas e então vou logo ao ponto: – Encontrei quem eu quero nessa festa?

– Sim.

(...)

Abro a porta da casa e todos me olham, Tina se aproxima e encara a mim e Hyungwon.

– Eu tenho cara de mãe? – diz séria porém era notável que estava aborrecida.

– Não, porquê? – Hyungwon diz.

– Você saiu com ele? – pergunta a mim.

– Sai sozinho, m-

– Como sai sozinho assim, Kihyun?! – me interrompe. – Você fugiu! Fugiu pela janela e nos deixou sem explicações alguma.

– Eu não fugi, só queria esclarecer a mente longe de vocês.

– Então porque não saiu pela porta da frente?

– Não queria. 

– Você podia ter se perdido! – diz Tina enquanto eu fecho a porta. A olho confuso sem entender sua cara de aborrecida.

– O quê? – o que ela queria que eu dissesse?

Dou de ombros enquanto nos olhávamos perdidos, ela bufa e eur afasto indo até a cozinha e ponho as sacolas sobre a mesa.

Shonwu

– Que bom que um dos seus filhos voltou. – falo me aproximando da Tina, ela me encara emburrada.

– Ele não é meu filho, nem meu amigo.

– Mas é sua responsabilidade.

– Como assim? Temos responsabilidade? Não sou muito boa com isso, já viu o tamanho do Wonho? Tenho uma grande responsabilidade ali, ou então um grande tapa dos meus pais. – diz Tina e eu sorrio.

– Seus pais te batem?

– Ah... Eu já mereci, então sim. – responde ela vendo Kihyun, Hyungwon e Minhyuk guardarem as compras. – Você confia no Hyungwon?

– Confiança é uma coisa que se ganha com o tempo. – falo pensativo. – Mas até agora ele ajudou, então talvez seja o que mais mereça.

– Mas ele some do nada e aparentemente entende sobre a viagem.

– E se isso salvar vidas? – falo a olhando, ela ainda encarava os garotos, mas não sei bem qual dos três.

– Salvar vidas? Nós? – pergunta e me encara.

– Sim. – respondo analisando seus olhos escuros.

– Vamos a uma festa hoje, mais tarde. – diz Hyungwon. – Aqui os ingressos. – paro de olhar para a Tina e vejo Wonho e Im com os tais ingressos em mãos, me aproximo da mesa e leio um dos que estavam sobre a mesa.

– Você comprou toda essa comida? – pergunta IM e Hyungwon concorda. – Obrigada.

– Porquê vamos a uma festa? – pergunta Tina.

– Porquê não irmos? Eu gostei, como serão as festas daqui? – Minhyuk fala e parece dizer isso mais para si mesmo.

– E você se lembra de outras festas? – Kihyun pergunta. Wonho da uma cotovelada em Kihyun, e ele revira os olhos.

Wonho e Tina começam a falar através de gestos, queria entender.

– Só tem cinco ingressos. – digo olhando para Hyungwon.

– Você e a Tina não precisam.

– E você? – pergunta Minhyuk.

– Porquê não preciso de ingresso? – pergunta Tina.

– Ah Tina, você é muito curiosa. – Hyungwon fala olhando para a garota. – Lá você descobre, mas eu penso que não precisa.

– É por minha idade? Porquê eu acho que Minhyuk tem mais de 18, ou 19. – Tina diz.

– Aish, ta me chamando de velho? – Minhyuk fala e os garotos riem de sua expressão.

– As dez e meia eu venho aqui. – Hyungwon fala se aproximando da porta.

– Porquê já vai? Onde você está passando esse tempo? – Kihyun pergunta, ele parecia sempre aflito ou preocupado. Estava curioso para saber quem são seus pais...

– Até! – Hyungwon sorri e fecha a porta da casa.

– Eu não entendo nada desse cara, mas eu gosto dele. – Jooheon fala deitado no sofá a se espreguiçar.


Notas Finais


Obrigada por ler, comentar e favoritar 💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...