1. Spirit Fanfics >
  2. Dramas de Klébio Damas >
  3. Klébio, A Princesa

História Dramas de Klébio Damas - Capítulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


Lémon especial e picante narrado como uma história de fantasia.

Menores de 18 já estão avisados que contém cenas adultas.

Capítulo 17 - Klébio, A Princesa


Fanfic / Fanfiction Dramas de Klébio Damas - Capítulo 17 - Klébio, A Princesa

Era uma vez, uma princesa chamada Klébio Damas. Ela era uma princesa muito especial pois ela fazia parte do Reino das Pocs. Klébio havia sido prometida para o príncipe Cristiam, do vale dos padrões, mas acabou que este relacionamento não veio a ser vindouro. E Klébio agora largada às traças, esperava em sua torre por um novo príncipe que a desposasse.

— O que será de mim, Misterioso Moreno? Agora que não tenho mais um pretendente? - ela estava desfalecida em sua penteadeira, conversando com seu conselheiro.

— Não se aflijas, Princesa Klébio. És nova, és bonita. Logo logo terá alguém interessada em ti. - falou ele com toda sua sabedoria.

— Você não poderia estar mais certo, Moreno. Acabei de receber uma carta do Príncipe Igor do Reino da Disney. Ele quer que eu o visite em seu castelo, hoje a noite.

— Mas, donzela - o Conselheiro era secretamente obcecado pela princesa. — Não é oportuno uma senhorita como vossa excelência nos aposentos de um príncipe logo após ter desfeito laços com outro rapaz...

— Eu não sou posse de ninguém, meu fiel servo. Faço da minha vida o que bem entender. Não devo ser julgada pela sociedade por minhas escolhas. Enquanto o príncipe Cristiam já tem até mesmo outra princesa em seus braços. - falou ela enviando um recado até o coche para que preparassem sua carruagem Uber.

— Faça como quiser, milady. Eu só estou tentando avisá-la para o seu bem. - disse o conselheiro insatisfeito com o inesperado convite recebido por sua amada para visitar intimamente um outro homem.

...

A carruagem estacionou nos arredores do castelo. A Princesa Klébio cuidadosamente desceu da carruagem do Uber para não estragar as suas sapatilhas. Ela deu alguns trocados para o homem que a trouxe sã e salva pela estrada tortuosa e subiu as escadas que davam de encontro as portas do luxuoso castelo do príncipe. Qual não foi a surpresa quando o próprio príncipe Igor a recepcionou na entrada.

— Entre, Princesa Klébio. É um prazer recebê-la em minha morada. - falou ele numa reverência para que ela entrasse.

— Que cavalheiro! - falou ela adentrando o recinto.

— Aceita alguma coisa para beber, Princesa? Água, um chá? - ofereceu Igor.

— Não, eu estou bem. Obrigado por sua gentileza, nobre príncipe.

— Sente-se. Vamos ter uma prosódia, minha adorada. - disse Igor mostrando-lhe o sofá do hall principal.

— Com sua licença, modesto príncipe. - falou ela educadamente ao se sentar.

— Presumo que as notícias que chegaram até meus ouvidos de que o príncipe Cristiam te largou em pleno altar, eram verossímias.  Que lástima. - disse o príncipe pesaroso.

— Infelizmente sim, meu caro príncipe. Eu e Cristiam estávamos tendo muitas desavenças. - falou a princesa, o rosto corado ao dizer isso em voz alta.

— Como ele pôde? Uma jovem tão bela e tão graciosa. Eu sempre quis ter a oportunidade de pedir sua mão em casamento, mas como já estava prometida a outro príncipe, nada pude fazer. Mas agora... - ele se aproximou da princesa e suspendeu sua mão delicadamente lhe dando um beijo.

— O que está fazendo, Príncipe Igor? Está me deixando encabulada. - a Princesa Klébio ficou ainda mais avermelhada.

— Estou realizando um desejo refreado há muitos anos. Quero deitar-me contigo. - disse o príncipe subindo os lábios pelo braço da Princesa.

— Igor, não devíamos...O que a corte irá pensar? - falava a princesa ao ver sua pele arrepiada com o toque do príncipe.

— Eu não me importo com a corte ou com os nobres. Eu só quero possuir-te, nem que seja apenas por uma noite. - falou o príncipe Igor ao retirar suavemente a roupa da Princesa.

— Não sabia que eras tão folgoso, Príncipe. - dizia a princesa enquanto Igor lhe dava beijos em partes íntimas.  — Sempre pareceu tão reservado.

— Este não é um lugar apropriado para fazermos amor. - falou o príncipe guiando a princesa aos seus aposentos. — Meu quarto é mais confortável.

Ao entrar no seu quarto, o príncipe se tornou ainda mais voraz. Apertando as nádegas da Princesa Klébio com suas mãos, deixando marcas no lugar onde sua palma batia forte.

— Ai! Igor, assim você me machuca! - gemia a Princesa.

— Eu estou apenas começando, Princesa Klébio. Isso é todo o meu delírio selvagem que guardei por ti todos esses anos. Não consigo mais conter. - com uma boca ávida, o príncipe lambeu as genitálias da princesa com certa violência.

— Ah, por que isso é tão bom? Por que não tivemos isso antes? - gemia e protestava a princesa aos movimentos luxuriantes do príncipe.

— Eu não aguento mais, Princesa. Eu preciso te deflorar. Eu irei penetrar-te - disse o príncipe molhando seus dedos com saliva e botando no orifício da moçoila.

— Príncipe Igor, eu não... eu não... - A princesa estava sem palavras.

Igor então enfiou seu cajado real, devidamente protegido por uma capa de plástico, na princesa Klébio que gemia alto e dilacerantemente pelas paredes do castelo. 

— Está gostando, Princesa? Era assim que o Príncipe Cristiam te amava? - conversava Igor durante seu ato libidinoso.

— Não me lembre desse traste. Apenas me foda! Me foda, Igor. Me chame de sua... - arfava a Princesa sentido dor e prazer.

— Isto é o que eu sinto por você. Isso é o que você merece. - falou o Príncipe Igor quando seu cetro poderoso soltou um líquido branco por toda a parte, sujando até mesmo o rosto da Princesa. — Mil perdões, Princesa Klébio, eu não queria...

— Não precisa se desculpar, Príncipe. Eu mesmo vou até o lavabo me limpar. Não se sinta mal por isso. - falou a Princesa indo sozinha até o sanitário.

— Você foi ótima, Princesa. Eu sinto muito pelo Príncipe Cristiam não corresponder seus sentimentos. - falou o príncipe vestindo seu traje novamente.

— Que pitoresco você falar no Cristiam. Acabo de receber uma mensagem do meu conselheiro sobre ele... Não pode ser... O que ele está pensando com tal ato descabido? - a Princesa estava atônita, olhando para o texto que havia recebido de um de seus informantes.

— O que houve, Princesa... É grave? - disse Igor lisonjeiro.

— Eu preciso ir, Príncipe. Não posso te dar detalhes agora... Te peço perdão de corpo e alma, porém devo partir para resolver isso.

— Quer que eu chame uma carruagem para você? - o príncipe queria ser educado.

— Não será necessário. Já tem uma a caminho daqui. Estou indo. Te mando um recado quando for oportuno. - falou a princesa descendo as escadarias com muita pressa.

O príncipe Igor parecia confuso, sentado nos lençóis de linho de sua cama majestosa. O que poderia ser tão urgente que faria a princesa abandoná-lo logo após um coito tão maravilhoso? Esperava que algum cochicho de um transeunte, pudesse enfim sanar suas indagações, quando este boato viesse a público.

 


Notas Finais


Deixem suas devidas considerações nas lacunas abaixo sobre o conto por mim escrito.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...