História Dream and Reality! - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias 30 Seconds to Mars
Personagens Jared Leto, Shannon Leto
Tags Hayden Panettiere, Shannon, Shannon Leto
Visualizações 87
Palavras 2.356
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olááá!
Gracias aos Fav e Coment.
E vamos ao que interessa!
:)

Capítulo 8 - Confusão de sentimentos


Fanfic / Fanfiction Dream and Reality! - Capítulo 8 - Confusão de sentimentos

Assim que saí da casa de Bryan, minha cabeça parecia que iria explodir... eu já chorava igual um bebe, minhas lágrimas deixavam minha vista embaçada e isso estava me deixando irritado, parei o carro bruscamente apoiando a cabeça no volante. Meu coração batia rápido, minha respiração ofegante... comecei a dar socos no volante, mas na verdade eu gostaria que alguém fizesse isso comigo.   Depois que parei de descontar a fúria que sentia de mim mesmo, voltei a posição anterior me acalmando.

Eu ainda não conseguia acreditar que a Jess teve um filho meu e mentiu pra mim durante três anos... eu nunca imaginei que isso aconteceria. Minha mente está toda embaralhada, é muita informação pra um dia só, e a única coisa que consigo pensar é que: TUDO ISSO que aconteceu com ela foi culpa minha. 

Eu sou o culpado de tudo!

Só de pensar em todo o mal que eu fiz a ela... Que ela tentou tirar a própria vida por que estava sofrendo pelo amor que sentia por mim, e que eu também sentia, mais estava cego demais pra enxergar... Eu não mereço perdão pelo o que fiz!

Eu preciso colocar a cabeça no lugar e pensar em tudo isso com calma, saber que atitude eu devo tomar pra ter a guarda do Thomas... Eu sei que ele é realmente meu filho, a Jess não mentiria, apesar de ter escondido a verdade. Eu tenho que procurar um advogado especializado em família e principalmente falar com a Jessica, o que não vai ser muito fácil.  Ligo o carro e volto a dirigir rumo a casa de Jared, eu vou precisar mais do que tudo do apoio dele e da mamãe.

Após 40 minutos na estrada chego em meu destino, destravo o portão e entro, estaciono o carro descendo e trancando o mesmo, vou em direção a porta abrindo a mesma que estava encostada. Assim que passo pelo hall e chego na sala, dou de cara com meu irmão que tem uma cara de preoculpação. 

- Até que enfim! - fala assim que me ver me dando um rápido abraço. 

Até parece que eu não o vi ontém ou a semana toda, penso. 

- O que aconteceu? - perguntou me olhando com aqueles grandes olhos curiosos, e intimidadores igual os da nossa mãe.  Você parecia nervoso sei lá... Você andou chorando? - perguntou com os olhos estreitos. 

Isso fez meus olhos  encherem de lágrimas. 

Droga! 

- A-aconteceu alguma coisa com a mamãe? - perguntou mais preoculpado ainda.  Fala! 

- Como eu vou falar se você não deixa? - respondi irritado.  A mamãe está ótima, eu falei com ela ontém à noite e ela disse que viria aqui. - vi meu irmão respirar aliviado, saí da influência de seus olhos questionadores e fui em direção a cozinha com Jared em meu encalço, eu precisava de água... de preferencia com muito açúlcar, ou, umas dez xícaras de café bem forte pra acalmar meus nervos. 

- O que aconteceu? 

Achei que ele tinha se esquecido de me encher de perguntas! 

Peguei uma garrafa de água e bebi o líquido sentindo minhas mãos tremulas, Jared olhou bem pra elas, mal sabia ele, que meu corpo todo estava tremulo. 

Acho que estou ficando velho! 

- Shan, o que aconteceu? Você está tremendo, quando eu falei com você... você não parecia bem! - respirei fundo vendo Jared vir pra perto de mim. Por acaso você não voltou com.... 

- Não! - o cortei antes que ele terminasse. Eu jamais cometeria a burrice de voltar a usar aquelas porcarias e beber igual um condenado. Eu não seria louco... - disse indo pro outro lado da bancada sentando em um dos bancos. Eu jamais faria isso de novo. - afirmei olhando em seus olhos.

- Então o que é? 

Um silêncio se formou na cozinha... Jared me encarando esperando uma resposta e eu encarando a garrafa de água em minhas mãos. Respirei fundo mais uma vez e o olhei. 

- A Jess voltou! 

- A Jessica? - balancei a cabeça afirmando... Jared sentou de frente pra mim. 

- Ela está em Los Angeles... O Bryan me procurou ontém no evento da Fuel, disse que precisava falar comigo sobre a Jess. Eu fui na casa dele hoje... - puxei todo o ar que podia o soltando em seguida. 

- E você encontrou a Jess? - perguntou curioso. 

- Não! 

Mais uma vez o silêncio preencheu o ambiente comigo sendo encarado pelo o meu irmão que esperava eu continuar.   

- A Jess... - falei sentindo minha garganta se fechar e meus olhos encherem mais uma vez com as malditas lágrimas. Jared agora me olhava preoculpado.  

- Eu e a Jess... - o olhei nos olhos e uma lágrima teimosa desceu pelo meu rosto.  Temos um filho. - enxuguei o rosto sendo observado por um Jared perplexo. 

- Um filho? Você e a Jess? - perguntou. 

- É Jay. Eu tenho um filho. 

Comecei a contar toda a história pra Jared que me olhava atento e chocado com tudo que ouvia. Depois de terminar, e de alguns minutos de silêncio, ele resolveu falar alguma coisa. 

Que bom por que o silêncio dele já estava me encomodando. 

- Meu Deus! Eu não consigo acreditar que aquela garota radiante que nós conhecemos, chegaria a esse ponto. - falou ainda surpreso. 

- A culpa de tudo isso foi minha. - falei amargamente. 

- Não se culpe pelo desiquilíbrio da Jess Shan. Não se culpe por algo que já passou. 

- Eu nunca vou deixar de me sentir assim. - falei irritado com seu comentário vendo-o suspirar. 

- Desculpa Brow, mas, apesar de tudo, a Jess mentiu pra você. E se esse filho for realmente... 

- Ele é! - o cortei ainda irritado. A Jess não mentiria sobre isso...

- Ok! - disse rendendo-se. 

Eu não queria discutir com ele. 

- Eu vou lutar pela guarda dele. - revelei firme vendo Jared me olhar com uma careta.  Com certeza se a situação não fosse tão séria eu acabaria rindo.

- Shan! Lutar pela guarda de uma criança não é nada fácil. Não é como se você estalasse os dedos e teria o garoto pra você. Isso demora, se você for o pai dele e quiser que ele tenha o teu sobrenome isso leva tempo. Não vai ser uma batalha fácil, a Jess abandou o filho; isso é negligência. Vocês vão ter que se falar, ter mais proximidade, e eu acho que essa é a parte mais difícil... - Jared disse tudo num fôlego só como se fosse expert no assunto.   Nós temos o Camp Mars daqui a algumas semanas, a turnê de verão, ensaios, o album... 

Eu o olhava perplexo sem acreditar que tudo aquilo estava saindo da boca dele... do meu próprio irmão. 

- O que você está querendo insinuar Jay? - perguntei sério. 

- Eu não estou insinuando nada Shan, só estou dizendo que tudo isso... Você tem que ter tempo livre. - disse nervosamente me deixando furioso, me levantei indignado. 

- Você está me dizendo pra desistir? - perguntei o encarando e tive o seu silêncio como resposta o que me fez rir em desgosto.                               Você é um egoísta de merda! - gritei fazendo Jared se assustar e me olhar com olhos arregalados.  E eu achando que eu podia contar com você. - meus olhos encheram de lágrimas mais uma vez, de pura decepção. 

- Shan não é... - tentou dizer mais eu o impedi. 

- Você sabe que uma criança precisa da presença de um pai... Você mais do que ninguém sabe como foi difícil pra nós dois... Ou você se esqueceu o que aquele filho da puta fez com nossa mãe e conosco? - dizia alterado tendo um Jared de cabeça baixa, com certeza envergonhado pelo o que disse. 

Enquanto eu estava ofegante e o silêncio pairava sobre nós... Me lembrei de quando conversámos sobre isso e o Jay sempre dizia que seria maravilhoso ter um filho. Agora, parece que essas palavras viraram pó diante do que ele me disse. 

- Sinceramente Jay... - ele me olhou com os olhos marejados.  Se você acha que eu vou desistir, você está muito enganado...  E foda-se o que você pensa. 

Saí da cozinha revoltado e louco pra dar uma boa surra no meu irmão. Como ele poderia insinuar esse tipo de coisa? E se fosse ele no meu lugar? Ele iria ignorar? Eu com certeza o apoiaria sem pestanejar. Entrei na sala de ensaios e sentei atrás da minha companheira... Era com ela que eu iria estravazar a minha raiva, decepção e culpa. 

Culpa!

Esse sentimento que eu demorei quase um ano inteiro pra deixar de sentir quando perdi a Jess. Agora é como se eu sentisse uma sombra negra se arrastando pra perto de mim. 

A culpa... aquela mesma dor que eu senti a três anos atrás... E agora medo... medo de encontrar a Jess, medo de enfrentar tudo isso.... bato com força as baquetas no tambor. Assim que comecei a tocar e o som alto dos pratos e dos tambores preencheram o espaço silencioso em que me encontrava, minha cabeça ficou vazia, não consegui pensar mais em nada. Toquei aleatoriamente por vários minutos, depois comecei com o início de Night Of The Hunter... toquei e toquei, errando as notas, me irritando. Já estava todo suado, ofegante e com a garganta seca, meus punhos , mãos e dedos doiam e os músculos dos meus braços começaram a protestar pelo cansaço e dor. Parei bruscamente me levantando rápido de mais, e essa ação me deixou um pouco zonzo, acabei derrubando o banco que estava sentado, não me importei, parecia que aquela raiva que eu sentia de mim mesmo nunca ia sair de dentro de mim. Joguei as baquetas contra a parede, e gritei... Gritei até senti minha garganta arder. Cai no chão sem forças encostando na parede atrás de mim, meus braços largados sobre os joelhos e a cabeça baixa. Via minhas lágrimas descerem molhando o piso de marmore entre minhas pernas... Era a mesma dor da culpa me corroendo por dentro. Antes eu me sentia culpado por saber que amava a Jess e que eu havia perdido ela por estupidez minha, por saber que não estava bem por minha causa... por querer ter a chance de pedir desculpas mesmo que fosse de joelhos, mesmo que eu não merecesse. E agora essa culpa é por saber que eu praticamente destrui a vida dela... Ela tentou tirar a própria vida por minha causa e isso eu nunca vou me perdoar e parar de me culpar, porque eu sei que isso não tem perdão. Eu vou viver sem o perdão dela. E isso é exatamente o que eu mereço. 

Fecho os olhos com força respirando profundamente... Ouço passos e de repente uma presença na minha frente. 

- Me desculpa Shan. - a voz rouca e baixa de Jared preencheu meus ouvidos me fazendo abrir os olhos rapidamente e vê-lo agachado de frente pra mim.   Eu... fui egoísta. Falei sem pensar. - disse com culpa no olhar segurando em meus joelhos.    Eu estou do seu lado pro que der e vier. Eu vou te ajudar com tudo isso... - respirou e deu um sorriso leve antes de continuar.  Pra você cosegui a guarda do Thomas, afinal, ele é meu sobrinho. - disse rindo abertamente agora, o que me fez rir aliviado. 

- Tudo bem! - falei rindo. Obrigado por entender. Eu vou dar um jeito de conciliar tudo. 

- Nós vamos. Eu vou procurar um bom advogado, o melhor. - disse pensativo e eu ri. 

As vezes o meu irmão é meio louco, ou sempre. Mas de um jeito bom, claro. 

- Valeu. 

- Não vai ser fácil você sabe disso não é? - disse seriamente. 

- Eu sei, mas eu vou até o fim! - falei firme vendo ele rir e afirmar com um aceno de cabeça. 

- Ótimo! - disse se levantando. Agora levanta daí e para de chorar igual uma garotinha. Pelo amor de Deus! - comentou me fazendo rir. Me levantei sentindo meus ombros doerem, respirei fundo.    A mamãe chegou e eu já contei tudo pra ela. - o olhei surpreso. 

- Seu fofoqueiro! - dei um tapa em seu braço. 

- Ai! - reclamou enquanto ria.

- O que ela disse? - perguntei curioso. 

- Eu acho que ela está numa confusão de sentimentos; chora, ri depois os doi ao mesmo tempo. - gesticulou indo em direção a porta ri de seu comentário. 

Com certeza ela teria essa reação, pensei.  

- Tinha que ser como deveria ser! - disse abrindo a porta. 

- Ótimo, virou filósofo agora? - perguntei rindo. 

- Os mais velhos primeiro; filho, casamento, etc etc. - gesticulou. 

- Em breve aparece algum rapaz de 25 anos dizendo que é seu filho. - comentei rindo. 

- Vira essa boca pra lá Shannon! - reprimiu com uma careta engraçada.  Eu quero ver tooodo o processo, depois de fazer é claro. - riu malicioso e eu ri de seu comentário. 

As vezes o Jay solta cada uma! 

- Sei! - falei ainda rindo. Quando você está focado no trabalho... quero dizer trabalhando igual um condenado como se não ouvesse amanhã. Você até esquece de sexo. - comentei e ele riu.  

- Eu acho que vai ser difícil encontrar a mãe perfeita pro meu futuro herdeiro... mas... - olhou rindo. Eu não quero pensar sobre isso. O assunto aqui é você brow. O que vai acontecer daqui pra frente. - falou voltando a sua seriedade, suspirei audível e entramos na cozinha.  Caramba eu sou tio! - falou pensativo depois riu. 

- Obrigado Jay! - disse e lhe dei dei um abraço apertado de surpresa, o mesmo retribuiu da mesma forma. 

- Tá... chega de frescura Shan... não estou conseguindo respirar. - ri mais uma vez o soltando.  

Exagerado!

Logo chegamos a sala onde se encontrava nossa mãe, e assim que ela me viu sorriu e eu vi seus lindos e serenos olhos azuis brilhando de felicidade, os mesmos estavam marejados. 

- Ah meu filho! - disse rindo me abraçando.   Eu tenho um neto. Já estava na hora. -  comentou divertida se afastando de mim.

Nós três rimos.

...



Notas Finais


Espero que tenham gostado ;)
Comentem
Bjs Até o próximo :)
Fui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...