História Dream boy and Witch lady - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias A.C.E, Dreamcatcher
Tags Ace, Ace-catcher, Desflop, Dreamcatcher, Jun É Um Banana
Visualizações 8
Palavras 834
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), LGBT, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu disse que ia voltar na sexta e olha eu aqui
Gente, esse capítulo é mais um especial que outra coisa, mas capítulo é capítulo do mesmo jeito e tudo que acontece aqui é canon pra história viu?
Então segurem a marimba e divirtam-se!

Capítulo 5 - 1,5. espelho, espelho meu.


Fanfic / Fanfiction Dream boy and Witch lady - Capítulo 5 - 1,5. espelho, espelho meu.

O céu estava vermelho como o sangue que escorria da própria boca naquela visão horrenda. Ele não conseguia se mover, falar ou correr dali para os braços de alguém que o salvasse, estava preso ao chão, agonizando, pronto para morrer.  Sentiu a espinha arrepiar ao ouvir passos se aproximando de sua cabeça e seus olhos se arregalaram ao ver uma silhueta baixa com uma enorme capa preta cobrindo seu rosto. A silhueta se aproximou de seu rosto, e o garoto estremeceu ao ver os traços conhecidos de SuA sorrindo para ele com uma expressão cruel ao se dirigir para o pescoço do mesmo e encravar seus dentes em suas veias com um prazer macabro.”


Lee Donghoon acordou assustado com as visões que o tiravam a paz, na ponta esquerda da cama de casal. Já haviam se passado algumas horas desde que o moreno estava dormindo junto com seus namorados no apartamento de Byeongkwan, no entanto, o rapaz não estava conseguindo ter uma noite de sono tranquila, como as anteriores. Os dois jovens que dormiam pacificamente ao seu lado, alheios ao transtorno nos sonhos do namorado, mal se movimentaram quando Donghoon se levantou da cama e foi até o banheiro, para lavar o rosto e espantar os pesadelos.

Ao se olhar no espelho, notou as olheiras e outras linhas de expressão cansada estampando seu rosto. Também, as últimas duas noites tinham sido um tanto quanto cansativas…


– O cansaço sempre acaba transparecendo, não é, Donghoon?


O rapaz, ainda sonolento, virou em direção à porta, imaginando ser algum dos dois namorados. Não havia ninguém ali.


– Está olhando pro lado errado… Aqui, no espelho.


Inseguro do que veria, Donghoon tornou a encarar o espelho, e quase deu um pulo para trás ao ver seu reflexo se distorcer e se transformar no homem do prédio, o que havia empurrado o jovem Chan Hee horas antes.


– Você… Como? – Donghoon se afastou, e o homem fez um certo esforço para sair do espelho de onde surgira.

– Ah, meu caro, você podia ter calado sua boquinha e não ter dito nada pro Junhee e pra SuA… Mas você tinha que contar que me viu, não é?


O homem se aproximou até ter o corpo de Donghoon colado ao seu. Então, prendeu as pernas dele na parede com a própria sombra, o impedindo de correr dali.


– Sabe, Donghoon… Você me parece ser bem forte, com certo treinamento será muito poderoso. Junte-se a mim, você tem um futuro ao lado do maior caçador de bruxas desse universo.


Donghoon não teve muita dúvida, desferiu um soco no rosto do homem, tomado por raiva.


– Prefiro ser arrastado direito pro inferno do que me juntar a você, seu rato. Você matou um inocente, para mandar uma ameaça para pessoas que não tem nada a ver com você!


O caçador riu alto, pouco se importando se alguém ia ouvir ou não. Depois, deu um sorriso ladino e segurou o pescoço do jovem, colocando força nas mãos.


– Quer ir pro inferno, Donghoon? Pois bem então, saiba que a passagem é por minha conta.


***


Seyoon acordou no meio da madrugada com seu alarme para medicações, como sempre. Quatro da manhã, todo dia, remédios controlados para sua pressão ou um problema sério, com direito a desmaios e soro no hospital.

Ao se sentar na cama, indo para a ponta com cuidado pra não acordar os noivos, notou a ausência de peso do lado esquerdo da cama. Olhou para o lado, procurando o corpo adormecido de Donghoon, e só encontrou cobertas amarrotadas.


– Kwan, acorda. – Seyoon acordou o ruivinho que dormia ao seu lado, que se enrolou nas cobertas, manhoso, antes de despertar de vez.

– Que houve, Seyoon? Está se sentindo bem? – Byeongkwan nunca acordava tranquilo a essa hora da manhã, geralmente significava que eles teriam que pegar o carro e correr para o hospital mais próximo dali.

– O Donghoon. Sumiu.


Byeongkwan olhou por cima do ombro do parceiro e realmente, a cama estava vazia de um dos lados.


– Será que ele não foi no banheiro?

– Não, daria pra ouvir o som da descarga ou da torneira.

– Fica aí, Yoon, toma seu remédio que eu já volto.


Enquanto Seyoon procurava as três embalagens metálicas, Byeongkwan se enrolou em cobertas e saiu da cama, pisando no assoalho de madeira frio devagar até alcançar a porta do banheiro. Seu espanto ao entrar no mesmo foi tanto que ele mal teve reação.


– Seyoon, você tem que vir aqui.


O de cabelos pretos se levantou, preguiçosamente, e parou na porta do banheiro, só pra ter a mesma reação que Byeongkwan, que tremia.

O espelho, rachado. A pia, escorria vermelho em vez da habitual água cristalina. Os azulejos da parede, quebrados. O moreno continuava desaparecido, e assim continuaria por um certo tempo.

O alarme registrava 04:10 da madrugada pontualmente quando Lee Donghoon foi dado como desaparecido pela primeira vez. Duas horas depois, às 06:10, o rapaz foi encontrado não muito longe de sua casa, e naquele instante, Seyoon teve a impressão de que nem mesmo todos os remédios para pressão que ele podia tomar tinham indicações em casos como aquele.


Notas Finais


por favor não me matem agr


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...