História Dreaming with EXO - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Dreaming Wig Your Utt, Exo, Other Reality
Visualizações 13
Palavras 4.252
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - KyungSoo - Love Criminal


Fanfic / Fanfiction Dreaming with EXO - Capítulo 2 - KyungSoo - Love Criminal

- Tem certeza do que está fazendo ?

Encarei novamente os olhos brilhantes de JungHo e assenti. Eu não tinha mais certeza de nada, e muito menos do que estaria por vir.

Quando JungHo, o melhor amigo de meu pai falecido, salvou a minha vida daquele incêndio propositalmente causado na nossa antiga casa, eu jurei que acharia meu irmão, que foi levado de mim. Mas o tempo passou. E com ele, toda a minha coragem.

- Fique tranquila, não irá adiantar nada você se estressar com isso. Respire e deixe acontecer. Se seu irmão realmente te amar, ele irá te aceitar de volta.


Eu caminhei pela floresta feito uma desesperada. O tempo estava passando rápido, escurecerá logo, e eu não faço a mínima idéia de onde estou e para onde vou. As palavras de JungHo ecoavam na minha cabeça, e eu não sabia se desistia, ou se continuava.

" Eu não salvei você daquele acidente à toa. Seu pai foi um covarde traidor, mas isso não significa que você não possa reverter a situação.Por Deus S/N, seu irmão está a beira da morte junto com seus amigos, é isso que você quer? Torno a dizer que não salvei sua vida à toa. Você vai fazer isso e resolver sua vida. É o preço que eu estou cobrando. "


Escorei em uma árvore e olhei para o céu.

Deus, sei que não te agradei muito esses tempos, e sei que não demonstro gratidão por tudo que você fez por mim. Mas por favor, me deixe achar meu irmão, é a única coisa que peço ao senhor.


Fechei os olhos por uns segundos e ouvi passos se aproximando. Meu intuito me forçou a automaticamente puxar a arma que estava presa em minha coxa; me armei, pronta para atirar, e assim que ouvi os passos ao meu lado, eu suspirei e me virei.

- Quem é você ?

Aquela figura mantinha uma carranca séria e sua voz soou firme perante os meus ouvidos. Então esse é o tal de Kyungsoo.

- Não interessa à você. Seu nome é Kyungsoo e eu quero saber onde está o Kim.- tranquei o maxilar e segurei minha respiração que estava acelerada. Por que raios eu estava soando frio ?

- Terá que ser mais persuasiva se quiser tirar algo de mim. - Ele cruzou os braços e deu um meio sorriso.

" Bonito ... "

Espera, cale a boca consciência.

O olhei por inteiro ainda com a arma mirada em sua cabeça. Pelos seus ombros tensos e braços um tanto fortes, ele é bom de luta. Não tem uma estatura tão alta, mas seu porte é um tanto incisivo.

" Seria uma boa luta S/N " meu subconsciente gritou.

- Meu nome é S/N. Procuro por Kim.

Vi o mesmo arregalar os olhos. Isso é um bom sinal ?

- A irmã perdida ?

Minha vez.

- S-sim. 

" Droga S/N!  "

Me olhando de cima abaixo, ele suspirou e caminhou em minha direção, abaixando a arma com tudo e puxando meu braço, o prendendo nas minhas costas.

- Não acho que você seja alguém confiável. Farei o serviço devido.

O que ? O que ele quer dizer com serviço?

Kyung é um tanto evasivo e impulsivo, então tome cuidado.  Ele não vai confiar em você.  "

As palavras de JungHo soaram em minha mente como um flashback e eu reagi repentinamente. Flexionei minha perna esquerda atrás da de Kyungsoo e puxei com toda a força, o fazendo desequilibrar e me soltar.

" Eu disse que seria uma boa luta ... "

- O quê você está fazendo ?

- Ganhando tempo.

Vi algumas silhuetas um pouco distante de nós e sorri.

Meu irmão ...

Voltei minha atenção à Kyungsoo e me posicionei novamente. Ele não estava para brincadeira, então eu não poderia bobear. O mesmo avançou erguendo seu pulso sobre meu rosto e eu esquivei com muito custo, acertando um soco em seu estômago. Ele é muito forte.

Meu movimento parece não ter tido efeito nenhum sobre ele, pois ele me olhou com mais fúria e ergueu seu punho novamente, acertando meu nariz, que automaticamente começou a sangrar e me fazer dar passos para trás.

- O quê está acontecendo aqui? D.O, quem é a garota e por que está lutando com ela ?

Eu me virei automaticamente e escondi meu rosto. Minha respiração acelerou e minhas pernas travaram. Qual seria a reação do meu irmão ao ver que seu melhor amigo estava lutando com a sua irmã perdida que retornou depois de tanto tempo ?

O real motivo de JungHo ter me procurado foi o novo ataque que Kyungsoo estava planejando junto com meu irmão à uma facção vizinha e mais poderosa. Segundo ele, eu era a única pessoa que poderia os impedir de fazer tal burrada. Mas e se ele estiver completamente enganado?

- Ei, garota, o que você está fazendo aqui ? Quem é você ?

Estremeci ao ouvir sua voz e comprimi os lábios. Já era a hora da verdade aparecer. Mas por que eu estava tão receosa?

Suspirei fundo e me virei rapidamente.

De início, todos os 9 presentes ali ficaram confusos, pelo fato de estar sangrando, e olhavam para Kyungsoo, que mancava e me olhava com fúria.

- Quem é você? - um moreno de lábios carnudos se dirigiu à mim.

- E-eu...

" Mas que droga S/N "

- Diga de uma vez, antes que eu mesmo vá aí e faça você dizer. - Kyungsoo se pronunciou e eu engoli seco.

O ar estava totalmente tenso, e ver Junmyeon cruzando os braços só me deu certeza de que ele não estava nada contente. Suspirei novamente e olhei o colar preso em seu pescoço.

COMO EU PUDE ESQUECER?

Kyungsoo bufou e começou a caminhar em minha direção com certa dificuldade. O mesmo pegou meu braço com força e gritou: - DIGA SEU NOME !

Trêmula, eu engoli seco e levei minhas mãos ao fecho do colar. Ouvi Kyungsoo sussurrar um 'vá logo' e eu tirei rapidamente o colar.

Eu tremia mais que alguém que estava de frente para a própria morte, e de fato eu também estava. Não sei qual será sua reação, mas por Deus, espero que seja boa.

Suspirei profundamente e levei uma ombrada de Kyungsoo. Tomei o resto de coragem que restava em mim e ergui o colar no ar de uma vez.

Junmyeon franziu o cenho e me olhou desconfiado, assim como seus colegas, mas eles logo arregalaram os olhos e Junmyeon encarou o chão,sussurrando algo e tirou seu colar, o segurando em mãos e arregalando os olhos.

Foram malditos 10 minutos de silêncio, 10 minutos mortíferos que estavam me destruindo a cada segundo.

DIGA ALGUMA COISA !

- S/N ...?

Eu não aguentei. As lágrimas começaram a cair automaticamente e eu comecei a soluçar alto, enquanto Kyungsoo me olhava sem entender nada.

O tempo parece ter parado, e meu peito fica mais vazio à cada subsegundo que bate no relógio. Parece haver uma grande ponte destruída entre eu e meu irmão, e a única coisa que eu queria era poder reconstruí-la em um estalo de dedos.

Ouvi passos se aproximarem de mim e comprimi mais os lábios, segurando um soluço extremamente alto.

- Olhe para mim.

Eu não podia.

- Olhe para mim, agora!

Senti meu corpo todo estremecer novamente e o fiz, bem devagar.

Junmyeon me olhou no fundo dos olhos e ficou assim por longos segundos, parecia querer buscar algo em mim, só não sabia o que era. Ele olhou para o colar em minhas mãos e o pegou.

No momento em que vi seus olhos lacrimejarem ao observar os dois colares juntos um do outro, eu não me contive. Puxei com força o meu colar de sua mão e o abracei com toda a minha força, sendo retribuída automaticamente.

Pelos céus, eu sentia TANTA falta do meu irmão! De seus Abraços, de suas brincadeiras sem graça, de suas implicâncias com os meninos que se aproximavam de mim, eu lembrava de tudo.

- Me perdoe! Me perdoe, por favor, me perdoe! - segurei em seu rosto com as duas mãos e chorei ainda mais ao vê-lo assentir e me abraçar de novo. - Eu te amo tanto, me perdoe por não ter te procurado de novo.

- Não me abandone de novo, por favor, fique comigo.



Atualidade 



Fazia 6 meses que eu havia reencontrado meu irmão. Conseguimos nos entender, colocamos tudo em panos brancos e bem, nossa relação melhorava à cada dia que passava.

Mas nem tudo é um mar de rosas, e havia um grande problema: 

DO KyungSoo.

Ele pega mais no meu pé do que quebra queixo! Implica com tudo que eu faço, além de me olhar com fúria nos olhos. 

Qual é Kyungsoo, eu nunca te fiz nada!

" Você apenas está aqui pra puxar o saco do seu irmão "

" Me dê isso menina burra, não é assim que se manuseia uma arma "

" Ninguém precisa da sua ajuda aqui, saia agora!  "

Eu estava ali por meu irmão sim, isso era óbvio, mas o que me impedia de ir embora? 

" Você gosta dele "

Eu não queria acreditar nas palavras de meu irmão, e muito menos no que meu subconsciente gritava dentro da minha cabeça. Isso era tão confuso! 

- Você pensa que eu não vejo a maneira que você o olha ? S/N, você é minha irmã e eu te conheço como a palma da minha mão. Você o encara diversas vezes, mesmo sendo Boa em disfarçar e em esconder seus sentimentos; Se envergonha quando ele está perto de você, corre dele. Você pode ser durona e só seduzir os caras por uma noite por não querer investir em algo sério por causa dos problemas ao redor, mas isso não muda o que você sente aí dentro. Isso só te torna igual à ele.

Eu não podia negar.

Quem gostaria de se envolver amorosamente com alguém no mundo do crime? Aqui, nós corremos atrás de armas e de mortes que convidam as pessoas que nos enganam à dançar uma última dança, não atrás de amores e perdão. Aqui, corremos atrás de vingança e poder, não atrás de Beijos e abraços. Corremos atrás de luxo e dinheiro, não atrás de carinho e compreensão. Corremos atrás de respeito e temor, não atrás de afeto.

Eu não podia me envolver nisso. Não podia o envolver nisso.

" Qual é S/N, vá atrás dele e resolva essa história! "

Do Kyungsoo era a pessoa mais fria e calculista que eu já havia conhecido, depois de meu pai. Eu nunca o vi sorrir, à não ser quando ia tirar a vida de algum criminoso qualquer. Eu nunca vi o mesmo expressar qualquer sentimento, à não ser alívio por conseguir um mísero centavo a cada segundo que se passava. 

Onde eu fui me meter? 


~~~


- Onde você está? 

Xiumin cutucava meus ombros e me olhava com a testa franzida.

- Pode ditar a ordem da vez.

- Kyungsoo pediu que você fosse ao seu escritório. 

Eu queria correr e gritar que não queria o ver nunca mais, mas eu não podia. Choraminguei baixinho e bufei, massageando minhas têmporas e levantando a cabeça. Algo não está me cheirando bem. A casa estava mais vazia que o normal, os seguranças estavam agitados e eu só ouvia o barulho da minha respiração acelerada. 

- Mandou me chamar? - coloquei a cabeça na porta e o vi assentir. 

Kyungsoo vestia uma blusa social preta por dentro da calça jeans, aberta em três botões. 

" Que sexy!!! "

Foi inevitável conter o olhar. 

- Meu rosto fica aqui em cima S/N. 

Meu Deus que vergonha! 

Me recompus rapidamente e o encarei. 

- Diga o que quer.

Seu olhar me mediu por inteira, e ele escorou seu corpo na grande mesa. 

- Por que você ainda está aqui ?

Eu parei meus movimentos oculares e foquei em apenas um lugar: seus olhos grandes e misteriosos. 

- O quê disse ?

Eu não estava acreditando na total petulância desse carinha pequeno.

- O quê você ouviu. Por que ainda está aqui ? 

Eu suspirei uma, duas, três vezes seguidas, mas eu estava descontrolada! Foram benditos 6 MESES aturando toda a grosseria e soberba de Kyungsoo. Quem ele acha que é pra me tratar assim ?

- Vamos ser sinceros Do? - o mesmo arqueou a sobrancelha e tomei como passagem. - Eu não pedi permissão alguma à você pra ficar aqui. Você concedeu isso ao meu irmão. E foda-se se você não está contente com a minha presença aqui, não vim pra te agradar. Estou aqui pelo meu irmão, porque vocês querem se tornar uma facção forte e invadir outras cidades. Eu estou aqui na intenção de AJUDAR meu irmão e os meninos. - caminhei em sua direção e me posicionei na duas frente. - Só porque sou uma criminosa, roubo, mato, sequestro e sou podre de rica, não quer dizer que eu não tenha sentimentos, e muito menos que eu deva ser uma má pessoa. - Coloquei o dedo em seu rosto. - A única coisa que você fez desde que me viu pela primeira vez, foi me agredir, seja verbalmente ou não. Você apenas me atacou, e sabe o que eu fiz? Isso mesmo, apenas engoli a vontade que eu tinha de mandar você pro inferno, porque eu simplesmente não consigo ! Mas agora chega ! 

- A única coisa que eu percebia era você me encarar com esses seus olhos críticos e dramáticos! - Ele bateu em minha mão que estava apontada em sua direção, e puxou meu braço, me deixando de frente pro seu rosto. - Qual é o seu problema comigo garota ? Me encara o tempo todo, corre de mim quando me aproximo e rebate minhas opiniões sobre os seus serviços. O que você quer ?

O que eu quero ?

O que eu realmente quero nesse momento? 

Eu queria beijá-lo. 

Deus, como eu queria. 

Mas isso estava fora de cogitação. Eu puxei meu braço com toda a força que tinha, mas Kyungsoo não soltou meu braço, apenas aproximou seu rosto e respirou fundo.

- O quê você ainda quer aqui dentro?

Em-nome-de-todas-as-bandidas-que-querem-atacar-os-lábios-de-outro-criminoso, por favor me ajudem!

Desci meu olhar até seus lábios e olhei no fundo dos seus olhos. Eu precisava sair dali.

- Me solte. - Tranquei o maxilar e suspirei raivosa. 

QUAL SEU PROBLEMA DO KYUNGSOO? 

- Você tem medo de homens agora?

Seu tom era duvidoso, e isso só estava acabando com a minha paciência cada vez mais.

- Eu não tenho medo de homens. Agora me solte! - puxei novamente meu braço e consegui me livrar de suas mãos fortes. - Quando meu irmão chegar da missão, diga à ele que eu fui embora. Não vou mais atrapalhar sua querida vida. 


~~~~~


- Você saiu da casa sem se despedir de mim, vá a festa hoje à noite e se despeça de mim corretamente! 

Junmyeon me ligava há duas semanas, pedindo que nos encontrássemos, pois estava com saudade. 

- Kyungsoo está mais estressado do que nunca ! O que aconteceu antes de você ir embora ?

- Nós discutimos Jun. E eu fui embora. Não aguentava mais aquilo ! 

A verdade era que eu aguentava aquilo sim. Mas eu estava com o ego ferido por estar sendo rejeitada.

" Mas você ao menos se declarou, sua idiota ! "

Eu me joguei na cama e olhei o céu pela janela. Eu não havia parado de pensar nele uma vez se quer! Eu odiava passar por isso, e odiava gostar dele sem ao menos ter menos ótimos pra  isso.

- Vá a festa, e esqueça isso.


~~~~


Eu me olhava no espelho e estava satisfeita com o que via. Um vestido preto e justo, com aberturas na cintura e um decote comportado na frente. Eu precisava o esquecer, eu precisava de um homem !

" vai apagar esse fogo em alguma cama menina ! "


Eu dirigia ao som de My Love de Justin Timberlake, e tudo bem, não acho que seria o momento mais apropriado mas eu amava essa música! Estacionei o carro na garagem do subsolo da boate e suspirei ao caminhar em direção à entrada. 

Eu precisava mostrar pra mim mesma que eu não dependo desse sentimento. Kyungsoo é uma alma presa ao passado e tem a mente limitada, gostaria de mostrar à ele que é possível amar, mesmo nas piores condições. Mas eu iria seguir. Eu iria!

Estava ficando cada vez mais enojada com os caras que tentavam passar a mão em mim enquanto eu descia as escadas.

SOSSEGUEM ESSAS MÃOS! 

No momento em que coloquei os pés no salão, senti o cheiro de bebida, vi milhares de mulheres servindo bebidas e a pista de dança cheia. Senti uma mão em minhas costas e me virei, dando de cara com Xiumin. 

- Vamos? - segui a direção que o mesmo apontava e vi os 8 sentados ali, meu irmão acenava.

Caminhamos em silêncio na direção da mesa, e minhas pernas pareciam gelatina, assim que o vi. Trajando uma blusa social azul marinho cintilante e uma calça justa preta, ele me olhava de soslaio e eu tive que controlar minha respiração. 

" E a calcinha também!

~~~~~


Eu não aguentava mais dançar naquela pista. Minha cabeça girava, eu queria chorar por ver uma loira qualquer chegar perto de Kyungsoo e Junmyeon dava tapinhas em minhas costas.

- Vá ao banheiro e se recomponha. Vou te acompanhar até em casa.

Eu suspirei derrotada, e acatei seu pedido. Andar por aqueles corredores era como me perder cada vez mais em cada olhar de Kyungsoo, e eu queria chorar.

Eu sou patética.

Eu tenho tudo para parar de sentir o que sinto, mas não. Isso está arraigado em mim, e céus, eu não posso controlar. Eu sou uma covarde.

- Sozinha por aqui ?

Arregalei os olhos e dei um grito exasperado ao ver sei reflexo no espelho. 

- Kyungsoo? O que faz aqui dentro? 

- Vim te procurar. - Ele cruzou os braços e escorou as costas na parede.

- Me achou. - cruzei os braços e Escorei o bumbum na pia. - O que quer ?

- Falar com você.

- O dia de falar comigo foi há duas semanas atrás. - suspirei e me recompus, pronta para abrir a porta.

- Me desculpe. - parei o movimento que fiz e virei em sua direção. Eu estava mesmo ouvindo isso? - Me desculpe por tratar você daquele jeito. Você não me fez nada. 

Ouvir isso deveria ser um alívio. Mas eu me senti pior, um buraco se abriu em meu peito.

" essa é a dor de ser rejeitada novamente. "

- Eu aceito suas Desculpas. 

- Você tem medo de mim ?

Subi meu olhar em sua direção e franzi o cenho. 

- Eu não tenho medo de você. 

- Então por que recua, toda vez que me aproximo ? 

Me manti fixa no lugar enquanto o via se aproximar de mim, e parar na minha frente. Minha respiração já se encontrava encurtada, eu queria sair dali.

- Isso é ilógico, eu não tenho medo de você. - sorri nervosa e tentei sair pela porta, mas ele foi mais rápido e empurrou a mesma, me prensando na parede e me prendendo entre seus braços.- O-o que você está fazendo ?

- Provando que você não tem medo de homens. - E ele quebrou o espaço que havia entre nós.

Eu estava nas nuvens, mas espera, o que está acontecendo? 

- O que você está fazendo Kyungsoo? 

- Fazendo o que eu deveria ter feito há muito tempo. 

Eu o olhei no fundo dos olhos. Era isso o que eu queria ? Sim, era isso. 

" Agarra seu homem, mulher! "

O puxando pelo colarinho, eu beijei seus lábios com todo o desejo do mundo, céus, como seus lábios eram o paraíso! Nossas línguas se enrolaram e eu suspirei, eu o queria, e queria agora mesmo. 

Seus beijos desceram pelo meu pescoço, e eu arranhei seu pescoço levemente, por Deus, eu estava nervosa, e o queria agora ! 

" Mas calma mulher " 

Eu esperei 6 meses por isso, não quero mais fugir.

- Já comprovou sua teoria ? - esbarrei nossos lábios.

- Sim. Mas preciso comprovar outra. - suas mãos me puxaram com tudo pela cintura.

- E o que seria ? - repousei meus braços ao redor de seu pescoço. 

- Provar que você é tão boa quanto parece.

Minhas pernas foram erguidas e eu ouvi o barulho do trinco da porta. Kyungsoo me sentou em cima da pia de mármore, e atacou meus lábios com fúria, eu estava gostando daquilo. Desci minhas mãos até os botões de sua camisa e desfiz um por um, tirei sua camisa e a joguei em algum canto daquele banheiro gigante. Seu abdômen era uma das coisas mais magníficas que eu já havia tocado, sua pele era macia e sua barriga definida, eu queria tocar aquilo pra sempre.

- Gosta do que vê? - suas mãos subiram meu vestido até a altura da cintura.

- Prefiro suas mãos aqui. - direcionei suas mãos até os lados da minha calcinha. 

Seus dedos vorazes se apressaram logo em puxar minha calcinha pra baixo. Seus lábios macios beijaram cada parte do meu corpo, e eu estava indo ao delírio, até que senti suas mãos apertarem minha cintura e o mesmo me puxou para a beirada da pia, desabotoando sua calça e sorrindo pra mim. 

- Você precisa ser mais ágil. - O puxei pela calça e segurei seu membro, o masturbando devagar.


Suas expressões faciais eram a melhor coisa que eu já tive oportunidade de ver. Eu não me contive em conter qualquer barulho que teimava em sair da minha garganta, ele gostava daquilo. Ficava cada vez mais difícil respirar quando ele empurrava seu membro cada vez mais fundo em mim. Eu sentia minha garganta ficar cada vez mais seca, enquanto ele me fodia e segurava meus cabelos, diferindo tapas fortes em minha bunda; ver nossa imagem soada na frente do espelho me deixava mais instigada a continuar com isso, e a não desistir de investir em Kyungsoo. 

" Você está apaixonada "

- Mais forte! 

E ele empurrava em mim cada vez mais forte.

Uma

Cinco

Quinze 

Setenta vezes ...

E eu não me cansava. 

Eu estava amando aquilo. 

- Kyungsoo... 

Eu gemi altamente, enquanto sorria por  ver a expressão de Kyungsoo se inundar de prazer ao se derramar em mim.

Eu não acredito que isso está acontecendo. Eu sentia medo do que aconteceria futuramente. Na realidade, eu não sabia o que iria acontecer. Debruçada sobre o mármore frio, eu cai em mim. Ele não me quer. Eu fui apenas um passa-tempo.

- Você está bem ? - senti seus dedos acariciarem meus cabelos. 

- Sim... - suspirei pesarosa e me levantei, assustando Kyungsoo. 

- Por que isso não me parece verdade ? - ajeitei meu vestido enquanto ele colocava seu cinto.

- Acredite em mim se quiser. - Suspirei.

Eu nem mesmo às vezes pensava que isso iria acontecer um dia. Eu nem mesmo um dia deixei de pensar em nós. Nunca pensei que estaria aqui agora, de costas, pri cara que eu adoro, segurando as lágrimas. Eu apenas queria virar e dizer " Me leve para outro caminho, me leve pra longe, eu estou aqui por você, por que não nos apaixonamos? " 

Mas agora não era a hora. 

- Por que você sempre foge ? - fui puxada pra trás e Kyungsoo segurou meus ombros.

- Eu não estou fugindo. Apenas quero esquecer o que aconteceu.

- Esquecer? 

E lá estávamos nós, discutindo de novo. Onde fui me meter ?

- Eu não significo nada pra você, então esqueça isso! 


" Em alguns momentos da nossa vida, isso vai acontecer, minha filha. Mas não desista! [...] Esse será o momento em que você se sentirá sem ar, seus olhos irão transbordar em milhões de lágrimas, se sentirá perdida, mas parece durante um minuto. [...] Ele estará batendo em sua porta, apenas o deixe entrar. Você vai entrar em um tipo de zona, e vai lembrar de todos os momentos que sentiu o olhar dele sobre você. Ninguém vai encostar no seu sentimento. Só o deixe florescer, mesmo que seque. "

Lembrar das palavras de minha mãe foi como uma tortura. Eu sou uma covarde !

- Me perdoe mãe, eu sou tão fraca...

Escorei minhas costas na parede e deixei as lágrimas caírem livremente. 

Era como uma flexão quebrada. Meu amor estava partindo, e eu não estava conseguindo lidar com a dor. Eu queria me concertar, apagar esse sentimento. Eu estava em uma fila, queria ser a primeira. Estava esperando próxima a uma janela, pedindo um pouco de tempo pra provar que eu não o magoaria.

Queria que ele fosse meu herói, mesmo que fosse um 'anti', segurando uma arma. Mas o amor dele estava arraigado em mim, como uma flecha quebrada. 

- S/N!

Eu já não ligava mais.

- S/N, por favor, me diz o que está acontecendo, você está bem? Me diga !

- EU ESTOU APAIXONADA POR VOCÊ! 

Era isso. Eu joguei a verdade em sua cara no meio de uma festa badalada e música alta, após uma transa sensacional. Outro conto da nova Cinderela. 

Kyungsoo soltou meus ombros e arregalou os olhos.

- Você pode ir embora. Não sinta pena. Eu escolhi me apaixonar desde a primeira vez que bati os olhos em você naquela floresta. Eu escolhi, mesmo que não intencionalmente. Vá, Kyungsoo. Se prenda ao passado, viva sua vida, e continue achando que não pode se apaixonar. Por Deus,  eu só quero que...

Seus lábios rapidamente entraram rm colapso com os meus, e eu agarrei seu pescoço, me debulhando em lágrimas. Eu sou patética. 

- Você pode calar a boca por um segundo... - colou sua testa na minha e eu sorri, o encarando - e ficar? 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...