1. Spirit Fanfics >
  2. Dreams >
  3. Capítulo 5

História Dreams - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


me recomendem séries por favoooooor

Capítulo 5 - Capítulo 5


As meninas chegaram quase cinco minutos depois e passamos a tarde lotadas. De fato hoje a tarde foi corrido, tínhamos que terminar duas planilhas e atender os telefonemas.

Maxi: Tini, podemos conversar? Lá na sala? - do nada o Maxi se aproxima

Tini: an, claro - olho desconfiadas para as meninas que retribuem o olhar do mesmo jeito - aconteceu algo? - digo entrando na sala dele

Maxi: conversei com a Clara, acessora do Jorge que você ainda não conheceu e decidimos te promover para ser minha assistente - minha boca fica aberta em um "o" - não vai ser nada complicado, você já pegou a manha de tudo. Quando começarmos de verdade eu te explico beleza? E você vai acompanhar a gente em todos os shows, vai ter o próprio quarto em todos os hotéis, vai ficar na van com a gente e outras coisas, tu já é parte da galera. E o melhor de tudo, tu já tem uma amizade com o Jorge, vai ser bem mais fácil - ele ri malicioso pra mim e eu coro - tudo bem?

Tini: tudo sim, obrigada

Maxi: obrigado você - sorri - sexta iremos viajar cedo, oito horas no aeroporto ok? a gente te pega na entrada e te leva pro jatinho, vamos para o Brasil e voltamos na quarta, e tem show lá no sábado em Recife e no Domingo no Rio

Tini: tudo bem - sorrio

Maxi: pode ir, e ah, o testa pediu pra você passar lá na sala dele - sorri agradecendo e saí.

Cande: tá tudo bem?

Lodo: aconteceu algo?

Mechi: acho que não foi nada ruim pelo jeito que ela tá sorrindo

Tini: suas bestas - ri e me encostei no balcão - a partir de sexta feira serei assistente do Maxi

Lodo: então quer dizer que vai ficar viajando com eles? - confirmo mordendo os lábios - não acredito que vai nos abandonar - faz bico e eu gargalho

Cande: ela amou isso

Mechi: amou mais pelo fato de ficar grudada com o Jorge pra cima e pra baixo - coro - vai dizer que é mentira?

Tini: vocês são horríveis - elas riem tambem - ele pediu pra eu ir na sala dele já já

Lodo: amiga vocês ficaram?

Tini: não né

Cande: tem certeza? fazem dois dias que vocês não se largam mais

Tini: Nao iventem coisas, ele só me deu carona naquela noite que vocês armaram contra mim - elas reviram os olhos rindo - e me pegou hoje já que meu carro estava na oficina, apesar que já peguei ele de manhãzinha

Lodo: e porque não veio com ele? - perguntou direta. Ela me conhecia muito bem

Tini: porque ele tinha me chamado para almoçar com ele - falo baixinho

Mechi: então...

Tini: não ficamos não gente - reviro os olhos - vou lá saber o que ele quer - antes delas falarem algo a mais me afasto e bato três vezes na porta dele ouvindo um "entra" em seguida. Assim que entro ele sorri - o maxi disse que tava me chamando

Jorge: sim - sorri - eu disse que você ia conseguir né - fico sem jeito - agora vai ter que me aguentar

Tini: você não, mas o maxi sim

Jorge: eu não?

Tini: não, você não sou obrigada - ele joga a cabeça rindo e faz sinal para eu sentar na cadeira na sua frente

Jorge: magoou - fez bico e eu gargalhei

Tini: besta

Jorge: amanhã de sete e meia posso passar na sua casa?

Tini: amanhã? - arqueio as sobrancelhas mas assim que vejo o calendário na sua mesa, puts, amanhã que é sexta - já iremos viajar amanhã?

Jorge: e você achava que era quando? - ri - sim sim, amanhã cedo

Tini: pensei que faltava uns dois dias ainda, tenho que arrumar meu apê e fazer a mala ainda

Jorge: quer ajuda?

Tini: você? me ajudando a arrumar uma casa? - arqueio as sobrancelhas e ele ri

Jorge: posso tentar né, não sou tão imprestável

Tini: não precisa, descansa pra viajar amanhã - ele me olha receoso mas eu sorrio e concordo com a cabeça

Jorge: se você está dizendo né

Tini: é sério - sorrio e olho a hora no relógio - está na hora de ir - me levanto e ele se levanta também

Jorge: posso te levar?

Tini: não quero te atrapalha Jorge, você está gastando seu tempo comigo faz tempo

Jorge: não me importo com isso, gosto de conversar com você

Tini: tem certeza? - ele concorda e nós saímos da sala. As meninas olham desconfiadas para mim enquanto me aproximo e recolho minhas coisas enquanto ele me espera no elevador. Pergunto se elas querem carona por educação e elas negam rindo.

No carro estava um silêncio agradável, vez ou outra eu o encarava dirigindo. Seus músculos rígidos se contraindo a cada macha que ele trocava, sua boca entre aberta e seus olhos focados na estrada. Perdição!

Mudei meu olhar para a janela observando a paisagem lá fora. Cinco minutos depois chegamos em frente ao apê, assim que ia descendo ele pediu mais uma vez para me ajudar e como ele estava implorando há um tempo concordei.

Tini: você é organizado? - digo entrando no apê e ele entra também atrás de mim.

Jorge: mais ou menos - faz cara de paisagem arrancando minhas risadas - faço um esforço

Tini: quer comer algo? - ele nega - tem certeza? Vou fazer o jantar, se quiser ficar pra comer comigo

Jorge: provar da sua comida? - concordo - vou testar pra ver se é bão

Tini: a melhor que você já comeu - ele ri negando e ali começamos a arrumação.

Ele me ajudou a arrumar meu quarto, o que estava mais bagunçado e me ajudou a fazer mala. Colocamos alguns shorts e regatas mas também calças e blusas fechadas e alguns pares de sandálias e dois tênis.

Jorge: não acredito que você tem isso - observou uns de seus cd's no meu guarda roupa

Tini: esse é o meu preferido - sorrio sincera enquanto sento na cama para observa-lo.

Jorge: o meu também - senta ao meu lado sorrindo.

Ficamos conversando um pouco, passamos uma hora nisso e depois fiz uma lasanha pequena pra gente e ele me ajudou no suco de maracujá.

Jorge: preciso ir - me diz depois de me ajudar a lavar os pratos e secar. Apesar de ser uma pessoa tão famosa, um cantor mundialmente reconhecido é ao mesmo tempo um menino normal que ao quer aproveitar a vida fazendo coisas normais, até lavando os pratos com uma pessoa qualquer como eu.

Tini: obrigada por toda ajuda, sério

Jorge: não tem o que agradecer - segue em direção a porta

Tini: boa noite e até amanhã

Jorge: posso passar por aqui amanhã cedo? - faz bico me fazendo rir

Tini: pode, sete e meia? - ele concorda - boa noite - abro a porta e ele para na minha frente

Jorge: boa noite pequena - meu coração revira quando escuto esse pequeno apelido

Tini: não sou pequena - faço careta e ele ri

Jorge: é uma pequena bravinha - puxa minha bochecha - boa noite - se aproxima e beija minha testa me fazendo suspirar - até amanhã

Tini: até amanhã - sorrio suspirando e ele entra no elevador descendo em seguida.

Fecho a porta suspirando novamente pensando na reviravolta que minha vida teve nesses dias.

Fazem dois dias que estamos quase sempre juntos, ele beijou minha testa duas vezes e me chamou de pequena agora na hora de sair? Estou enlouqcendo? Talvez. Mas o que as outras pessoas fariam no meu lugar? Eu o amo como fã, amo a pessoa que ele é mas nunca conheci seu jeito com uma pessoa normal, apenas como pessoa pública. É totalmente diferente agora.

Eu não quero me iludir, não quer alimentar algo que na existe e acima de tudo não quero misturar as coisas. O amo como fã mas não quer dizer que esse amor pode virar outro patamar.


Notas Finais


como está a quarentena de vocês?

se cuidem por favor, a situação é séria!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...