1. Spirit Fanfics >
  2. Dreams >
  3. Volta às aulas

História Dreams - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Quando eu estudava eu queria sempre que algo de especial acontecesse comigo na escola, nunca aconteceu... Então esse capítulo veio suprir minha vida nada social durante o período escolar. 😂😂😂 Boa leitura! ❤️

Capítulo 2 - Volta às aulas


Capítulo 1 - Volta às aulas.




Visão: Sakura Haruno.


Lembro de deitar em minha cama pra dormir e enfrentar uma grande imensidão escura. Estava tudo melhor ontem a noite, tudo tão mais favorável e agora tenho essa luz, bem na minha cara, além de estar tomada por uma preguiça sem fim.


Agora me pegava ali, resmungando e completamente paralisada, afinal, enfrentaria o incômodo ou simplesmente continuaria sem fazer absolutamente nada?


Bom, minha adorável madrasta acabou decidindo por mim.


— Levanta, menina! – gritou a dona da voz de gralha ao lado da minha cama. — Vai se atrasar e acabar me complicando com o seu pai. – sim, ela continuava gritando.


— Merda! – resmunguei contra o travesseiro para que ela não me ouvisse.


Ela não era a melhor madrasta do mundo, mas também não era a pior, na verdade, ela era como uma irmã mais velha que namorava o meu pai e apesar do quão estranho isso soasse, era exatamente assim do meu ponto de vista.


— Vamos peste, levanta! – insistiu, puxando as cobertas, me fazendo sentar na cama.


— Você venceu, Haku! – levantei, estendendo os braços e revirando os olhos.


— Se apressa que daqui a pouco seu amigo maluquinho, nada feio, está aí. – disse maliciosa e eu semicerrei os olhos em sua direção.


— Vou fingir que não percebi que você deu em cima do meu amigo pelo tom de voz e vou aproveitar pra te colocar pra fora e ir tomar banho. – dirigi a ela meu melhor sorriso amarelo… Ela era divertida e as alfinetadas era como a gente demonstrava carinho e aumentava nossa ligação.


Ou seja, a verdade é que eu a amava por fazer meu pai feliz, porque a felicidade do meu pai era o que mais importava na minha vida e quando se tratava disso a Haku era muito boa, tipo muito mesmo.



— Bom dia querida, você está linda hoje! – meu pai me elogiou devido às roupas comuns que usava. — Só está meio simples pro primeiro dia de aula, não?


— Obrigada pai. – ri um tanto que insatisfeita, exalando ironia. — É assim que você demonstra todo o seu apreço por essa filha maravilhosa.


Haku gargalhou sarcástica, enquanto debochava das minhas afirmações. Em alguns momentos ela sabia ser um verdadeiro capetinha.


— Eu separei uma roupa sua, essa tá péssima. – comentou minha madrasta fazendo uma careta, viu, às vezes ela é boa? Mesmo sendo má… — Anda logo! Tá lá no banheiro, num cabide.


Na verdade, Haku poderia ser uma pessoa péssima quando queria, mas ela tinha uma noção de moda inigualável, ela era muito boa em montar looks e eu odiava ter que admitir isso. 


Vi meu pai sair pra trabalhar e meu primeiro dia de aula majestoso se jogar pela janela, por causa das minhas vestimentas. Com isso fui o mais depressa possível pegar o look montado por Haku. 


Vadia!


Foi a primeira coisa que veio a minha mente!


Maldita seja essa madrasta, maldita!


A porcaria da roupa que a Haku separou não fazia o meu estilo, era tão curta que não cobria nada, nada de verdade. Maldita Haku! Ela adorava me ver surtando. Sem pensar duas vezes liguei pro meu pai.


Alô. – ouvi sua voz foi como ouvir o sino de Jesus, depois de tanto tempo chamando. 


— Pai. – disse sôfrega. — Preciso da sua ajuda!


O que foi? – ele pareceu muito preocupado.


— A Haku me odeia, já estou quase atrasada e a roupa que ela separou é péssima! – disparou como uma cigarra irritante. 


Sakura!ele tentou me repreender, mas senti seu tom de graça. — A Haku é ótima nessas coisas, confia nela e vai com a roupa que ela escolheu. – ele afirmou sem me dar muito crédito e finalizou a chamada.


Melhor pai do mundo, ou pai completamente despreocupado com a imagem moral da sua filha? Bom, pra um delegado federal, chuto na segunda opção, ele tem mais com o que se preocupar do que com a roupa que eu visto. Ótimo! Beleza! Partiu colocar a roupa de vadia que a minha madrasta usaria no seu primeiro dia de aula.


Coloquei as meias pretas revirando os olhos, elas iam até às minhas canelas e eu não considerava aquilo bonito. Depois calcei meu all star branco com detalhes pretos e fui até o mini-short, quase inexistente, que Haku escolheu, vesti e engoli os gritos que quis dar ao ver parte da minha bunda a mostra no espelho. A blusa listrada eu até gostava, era justa e composta e pra finalizar aquela baixaria, pus “minha” jaqueta de couro preta. Me observei com calma no espelho, eu não era muito alta e o que ajudou com o short minúsculo foi a jaqueta de couro que roubei do Sasuke, ela cobria a minha bunda e parte das coxas e,  no corpo, apesar de levemente vulgar, eu estava muito bonita e sexy.


Ouvi a buzina da minha carona, corri e assim que vi o meu melhor amigo, encarei o sorriso descontraído de Sasuke se tornando uma cara extremamente séria.


— Cadê o resto da sua roupa? – tá, meu look realmente irritou ele. Normalmente ele costumava me abraçar e perguntar como foi minha noite.


— Bom, minha madrasta achou que essa era a roupa perfeita pro meu primeiro dia, o meu pai não foi contra e no fim, eu até gostei… – comentei observando os olhos incrédulos dele, Sasuke sempre foi um tanto quanto protetor, mas hoje ele havia se superado.


— Você tá nua com isso aí. – ele gesticulava como se o fim do mundo estivesse chegando. — Hoje tá muito quente, mas não precisava se arrumar pra ir ao clube, porque esse short aí parece a parte debaixo de um biquíni.


— Sasuke, não enche, vamos logo pro carro. – dei de ombros. — Relaxa, ou a gente vai se atrasar! 


Ele calou-se e entramos no carro e o motivo disso é que ele, definitivamente, odeia, com todas as forças, chegar atrasado.


Sasuke não disse uma palavra durante o percurso, o que me incomodou, pois acho que problema era que eu costumava confundir o que sentia por Sasuke e isso só podia ser explicado pelo simples fato de que eu não tinha uma vida amorosa. Era triste, mas era realmente a verdade, eu nunca sequer havia conversado por mais de três minutos com um garoto que não fosse um Uchiha e bom, os Uchihas eram como meus irmãos mais velhos, ou seja, eu era tão estranha que ninguém tinha interesse nem de conversar.


Talvez fosse pelo fato de que era uma garota com hábitos masculinos, gostava de esportes e amava com todas as minhas forças correr e nadar, dedicava grande parte do meu tempo com isso e talvez isso afastasse os garotos.


Chegamos ao estacionamento da escola e ele ficou calado por um bom tempo, saiu do carro e abriu a porta pra mim, todo emburrado. Com o passar dos anos os pais dele vinham fazendo muita pressão com essa coisa de faculdade, boas notas, futebol e ele foi ficando mais calado e sério a cada dia de nossa vidas.


Ele nunca seria sério demais comigo, ou grosseiro, até porque eu sempre sabia decifrá-lo e ele tinha medo de mim, porque às vezes eu podia ser bem má e ardilosa. 


Chegamos ao pátio da escola e me bateu uma super tristeza por estar de volta às aulas. A escola era um lugar horrível, onde Sasuke e eu não costumávamos nos misturar muito, porque tudo e todos pareciam me excluir e ele, o único que não fazia isso, quase não tinha tempo ali pra mim.


Enquanto andávamos, Sasuke seguiu até seu grupinho de amigos e eu ia até a sala mesmo, mas antes que desse mais um passo percebi que exatamente todo mundo estava olhando pra mim!


Merda! 


Será que tem sujeira no meu rosto?


Droga de roupa de piranha!


Tô seminua!


Por isso esses olhares.


Eu me concentrei em chegar o mais depressa possível até a sala de aula e enfiar minha cara dentro dos livros que costumavam me acalmar e teletransportar de qualquer lugar para onde eu desejasse… até que alguém segurou meu pulso no corredor.


— Aí! – protestei me virando para Gaara, o consumador do ato, ele estava destruindo meus planos com aquela intromissão.

 

— Desculpe, mas eu precisava falar com você! – comentou com um sorriso lindo naquele rosto, não Sakura, o que você está fazendo, ele acabou de interferir nos seus planos. — Eu sempre pensei diversas vezes antes de ti chamar pra sair, porque você é a garota do Uchiha, mas eu decidi arriscar mesmo assim. Porque eu adoro a forma concentrada que você fica quando tá lendo os seus livros.


Ou essa roupa é mágica, ou eu tô tendo alucinações. Sabaku no Gaara estava me chamando pra sair? E ele me observava enquanto eu lia? Mas se ele já me observava antes, então a roupa não tinha nada a ver. Misericórdia! Era eu mesma a culpada por esse convite!


— Como assim, garota do Uchiha!? – indaguei em bom som a última pergunta que era pra ser feita apenas em minha cabeça. 


Maldição!


Eu sequer havia respondido o garoto direito, ele quase me chamou pra sair ou, de fato, chamou? Eu não sabia.


Sasuke surgiu em minha frente e encarou-me e em seguida ao Gaara, como se perguntasse se interrompia algo ou o que estava a acontecer ali.


Eu sorri com os lábios unidos, oferecendo um sorriso sem graça e desajeitado, encarei o Sabaku e respirei fundo.


— A gente pode decidir algum lugar pra sair na biblioteca durante o intervalo… se você quiser, é claro. – disse cordial e nem sei como não saltitei assim que ele afirmou com a cabeça.


— Vocês o que? – Sasuke inquiriu, ele parecia irritado.


— Não é ótimo? – disse com o maior sorriso que já dei na vida, vendo o ruivo se distanciar de nós. — Eu vou ao meu primeiro encontro! 


— Pra quê? – ele pareceu não entender os meus motivos pra desejar uma vida amorosa e coisas interessantes como ter um encontro, mas como ele entenderia? Sasuke não namorava ninguém, só transava com as garotas e jamais lhes assumia, ele provavelmente nunca tinha tido um encontro na vida e nem desejava tal coisa.


— Porque estamos no colegial e eu não posso ser bv e virgem pra sempre, ué. Já vou fazer dezoito. – dei de ombros e segui pra minha sala, ignorando a falta de resposta do meu melhor amigo.


Eu sei que no fundo, tudo o que meu coraçãozinho queria é que ele se importasse comigo, não só como amigo, porque eu sabia que queria mais. Eu gostava dele, gostava demais, odiava vê-lo com outras garotas, eu queria ser a garota dele, mas era do Sasuke que eu estava falando e o Sasuke acha que sexo não é nada demais e, poxa, às vezes eu queria pensar assim também, querer ter uma vida com zero romance. Só que eu estava coisada por ele e não sabia ao certo como me livrar desses sentimentos.

Mas o que eu tinha certeza é que não queria ficar parada, não enquanto todos a minha volta viviam suas vidas.


Notas Finais


❤️😂😘🥰


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...