1. Spirit Fanfics >
  2. Drunk >
  3. Único

História Drunk - Capítulo 1


Escrita por: MinFabray

Notas do Autor


eu tenho essa one shot faz tempo soooo decidi postar ela :)
boa leitura

Capítulo 1 - Único


— Pa? Angie pediu para avisar que ia acompanhar Susan na consulta dela no ginecologis- Pa?


Estranhou ao ouvir um barulho de choro, será que John estava em casa? Aconteceu alguma coisa? Foi até o escritório vendo o pai com uma garrafa na mão. "Ah eu não acredito!"


— Ninguém me ama... — chorou mais alto com a cabeça baixa.


— Pa... O que aconteceu?


— Saí!


O mais novo revirou os olhos indo abraçar o pai, colocou o braço envolta da cintura alheia - com um pouco de dificuldade por Alexander estar sentado -. Esse que fez um bico tentando se agarrar no filho.


— Tudo bem? O que aconteceu?


— O Jackie ele... Ele... Vai me abandonar — disse chorando ainda mais, será que era por isso que ele bebeu? Se fosse Philip daria um jeito de fazer Laurens pagar caro por magoar os sentimentos de seu pai!


— Por que papai?


— Ele não me dá mais atenção!


Enquanto Hamilton listava os motivos do "abandono", o filho só queria se acabar de rir, Alexander e carência nunca combinaram na mesma frase mas estranhamente aquilo estava fazendo muito sentido. Ele era realmente uma caixinha de surpresas.


Ainda agarrado a cintura do pai e segurando o riso, o mais novo respira fundo e encara os olhos negros de Alexander mesmo que se encontrem vermelhos e cheios de tristeza.


– Mas acho que falta de atenção não é a única coisa que está te incomodando, certo? O que houve? – questiona gentilmente, o mais velho já sofria antecipadamente sendo que o outro nunca havia mencionado que o deixaria de alguma forma.


— Era uma carta para um tal de James! Ele chamava de "amor da minha vida", "te amo muito", "cuide do Henry por mim" — continuou chorando, seria um motivo bem besta para muitos. 


Porque existem amigos que são extremamente melosos e carinhosos, não necessariamente namorados ou amantes. Mas para Alexander aquele argumento só era válido quando conhecia a pessoa, e o único James que ele conhecia era o seu próprio irmão.


— Mas pa, existem amigos carinhosos desse jeito. Eu mesmo chamo a Theo de meu anjo, você pode não ter lido direito.


— Eu sei muito bem o que eu li! 


— Tudo bem... Que tal falar com John quando ele chegar? Pode ser tudo um mal entendido, agora vamos, você precisa de café. Sua cabeça deve doer menos.


— Mas Pip! Eu quero a minha bebidaaaaaa.


A vontade de rir era grande, o pai fazia um bico tentando parecer fofo - com sucesso - e olhava o mais novo segurando a garrafa.


— Sua bebida pode esperar, ou, se quiser pode beber whisky mas eu jogo essa merda no seu computador! O que acha pa?


—.... Você é cruel.


— Vem, levanta — disse dando as mãos para o mais velho, que levantou meio que cambaleando e rindo. — Calma. Sem pressa.


Segurava Hamilton para ele não ficar cambaleando pela casa, tinha medo do pai ficar tonto, cair e se machucar. Ajudou o homem a sentar e depois levantou colocando água para ferver, enquanto fervia, Philip pegou pão e queijo. Leu na internet que quando se estava bêbado, era bom comer e beber muitas bebidas não alcoólicas.


— O quê? — Estranhou vendo o pai abrir os braços.


— Eu quero carinho, segue o roteiro.


Revirou os olhos indo até o mais velho, sentou em suas pernas beijando repetidamente seu rosto, fazendo carinho nos fios longos e o pai agarrou o filho aproveitando aquele momento simples e fofo.


— Melhor?


— Uhum, você devia ser mais carinhoso com o seu pai.


— Por quê?


— Porque eu sou seu pai e eu te amo e mereço um pouco de amor.


— Ok ok, vou cuidar melhor do senhor está bem pa? Agora eu vou terminar seu lanche e vamos tomar banho.


— Mas-


— Café com ou sem açúcar?


— Sem.


"Meu pai parece uma criança" Sorriu com a cena fofa do pai comendo sorrindo de novo, pela primeira vez em mil anos alguém viu Alexander comer! Ele geralmente se trancava no escritório e só Laurens enfiava alguma coisa na garganta daquele homem. Nem sempre era comida mas pelo menos era o suficiente para ele largar o trabalho algumas duas horas.


— Agora vamos para o banho!


— Nãoooo!


— Pa deixa de ser porco! Vem!


O pai um pouco menos tonto, levantou dando a mão para o filho. "Tanto tempo que você não me dá a mão" pensou guiando o mais velho para pegar toalha e roupas, depois o levou para o banheiro.


— O chuveiro está na água fria, ideal para amenizar a ressaca.


— Philip eu não quero entrar na água fria!


— Mas tem que entrar, vai te ajudar amanhã a se sentir melhor.


— Entra comigo?


— Está bem... — suspirou vendo o mais velho sorrir animado, se virou para ele tirar a roupa e juntos entraram no box. — Vamos lá, 1, 2, 3 e...


— Ah! 


Alexander deu um ""gritinho"" ao sentir a água no seu corpo, abraçou o filho que retribuiu molhando os fios longos.


— Pronto, já entramos... Consegue tomar banho e se vestir sozinho?


— Acho que consigo.


— Ok, vou arrumar sua cama.


Era possível que o pai esquecesse essa noite, mas o mais novo nunca esqueceria. Estava se sentindo bem em cuidar do pai, por um motivo besta mas cuidando. Contaria para Angélica depois, ela provavelmente morreria de amores e se lamentaria por não estar lá na hora.


— Por que você está arrumando a cama?


— Porque você vai dormir, sem discussão.


— Saco — bufou Hamilton se ajeitando na cama. — Eu estou sem sono!


— Conte carneirinhos!


Philip se sentia sua mãe, inclusive tirou dúvidas enquanto o pai estava no banho, não era ruim. Pelo contrário, sua mãe era mais nova mas muito mais responsável que seu pai. Que ficou bêbado por uma carta!


— Três, quatro, cinco... Me ajuda, que número vem depois do cinco?


— Seis — respondeu dando risada, começou a acariciar o cabelo do pai e no número doze ele já estava quase dormindo. 


— Filho, eu te amo.


— Também te amo pa.


Continuou o carinho até ver que Alex dormiu, sorriu dando um beijo em sua bochecha e levantou para ligar para o padrasto. Não tinham tanta intimidade - por parte do próprio Philip - mas caso acontecesse algo era para ele que ligaria.


— Laurens?


Philip, aconteceu alguma coisa?


— Quem é James? Papai achou uma carta sua para esse homem, encheu a cara e ficou alguns minutos chorando.


Pff — O padrasto começou a dar risada. — James é o meu irmão mais novo!


— Meu Deus! Tadinho do papai!


Eu vou conversar com o Lexi depois, como ele está?


— Depois de tanta manha, coloquei ele para dormir. Queria que tivesse visto, papai contando carneirinhos.


Que fofoooooo!


— Eu tive que ajudar ele, que estava bem carente, me abraçando a cada 5 minutos.


Mas você gosta não é?


O mais novo riu envergonhado, apesar de ser mais próximo da mãe, também gostava quando o pai ficava carinhoso desse jeito.


— Confesso que sim, vou desligar, logo logo tenho que buscar a Angie e a Susan no ginecologista.


Eu busco, deixo a Su na casa da sua mãe e trago a Angie. Aproveito e compro um bolo para comer. 


— Ok então.


Beijos Pip.


Mais tarde...


Alexander acordou sentindo uma leve dor de cabeça, o que aconteceu?


Notas Finais


se vc achou essa one sem graça, eu sinto muito
eu tbm achei que ficou

beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...