História The path of the two swords - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias League Of Legends (LOL)
Personagens Ahri, Akali, Ashe, Cassiopeia, Irelia, Jarvan IV, Jhin, O Virtuoso, Katarina, Kayn, LeBlanc, Lee Sin, Lux, Rakan, Riven, Shen, Syndra, Tryndamere, Xayah, Yasuo, Zed
Tags Irelia, League Of Legends, Riven, Syndra, Yasuo, Zed
Visualizações 52
Palavras 2.281
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


É foda quando cê tem bloqueios kkssksk

Mas, aqui estamos nós.

Boa leitura <3

Capítulo 34 - A Batalha de Noxus


Fanfic / Fanfiction The path of the two swords - Capítulo 34 - A Batalha de Noxus

O céu estrelado e escuro, dava lugar a um belo nascer do sol, em Ionia. As folhas balançavam em um ritmo calmo, sendo acompanhadas do som da brisa matinal, um assobio leve e agradável aos ouvidos. Mesmo no verão, as manhãs ionianas sempre tinham um clima mais frio, ao se compararmos as outras regiões. A grama das montanhas estava encharcada com gotas de orvalho, enquanto flâmulas com o símbolo de Ionia se estendiam por quaisquer lugares...

Eram seis horas da manhã, os moradores e os comerciantes das vilas ainda não haviam acordado, na verdade, ainda demorariam um pouco para acordar. Enquanto isso, espadas, escudos, lanças, arcos, flechas e armaduras eram conferidas e ajustadas nos quartéis do exército ioniano, porém as atividades eram todas silenciosas. Xan Irelia e Jarvan IV organizaram junto de todo o Conselho Ioniano e o Conselho Demaciano, uma invasão que consistia na infiltração das forças pelo porto de Noxus, em silêncio. 

Demacia cedeu aos ionianos barcos mais velozes para uma aproximação silenciosa e rápida, tendo em vista que as viagens com os barcos ionianos demorava cerca de 1 hora até Valoran, os barcos demacianos faziam isso em 30 minutos pela capacidade melhor de tecnologia. A estratégia da missão era a seguinte: Os demacianos faziam uma espécie de cerco juntamente dos ionianos, sendo que eles se posicionariam na parte de trás das muralhas noxianas, apenas esperando a chegada dos ionianos pela costa. Assim que eles chegassem, os demacianos começariam a disparar as poderosas balas de 40mm de seus canhões de ataque, atingindo e destruindo parte das muralhas para infiltração. 

Porto Yastubatay, Norte de Ionia. 6:53.

Os ionianos embarcavam silenciosamente e rapidamente nos barcos demacianos, estavam todos armados com suas respectivas armas. As "Aves de Rapina" como era chamada a força de elite de Zellos, também os acompanhava. Zellos havia sido comunicado um dia antes e se apressou em enviar as tropas, mas não poderia ir junto a eles. 

Riven admirava sua espada sem tirar os olhos. Os ionianos haviam reforjado sua espada, dessa vez retirando a magia sombria que havia sido posta pela maga noxiana; uma espada pura e que seria usada para vingar tantas mortes inocentes a partir de hoje. Os barcos começavam a sair sob o céu que se clareava em um azul leve. A água do mar refletia a luz do sol em suas ondas, enquanto as árvores faziam um belo trabalho de decoração. 

Yasuo estava sentado sobre suas duas pernas, de olhos fechados. Ele parecia meditar enquanto segurava o cabo de sua espada. Havia um copo de cristal, minúsculo, ao seu lado, com saquê. Ele havia derramado um pouco de saquê sobre sua lâmina antes de saírem do porto, também bebeu uma leve quantidade. Era uma forma de abençoar sua espada e proteger seu espírito. Riven decidiu não interromper o momento dele, e contentou em ficar observando a paisagem ao seu redor enquanto o barco andava em um ritmo rápido, porém calmo. Seus pensamentos estavam agitados, ela se sentia ansiosa em vingar a morte de Souma, e também de mostrar a Swain o quão ela o odiava. 

Pouco mais de 15 minutos depois, os barcos demacianos chegavam ao porto de Noxus. Estranhamente, os ionianos esperavam uma resistência no porto, porém apenas um pescador solitário se fazia presente naquele local. Pouco se fodendo para isso, os ionianos desembarcaram sem demorar, e iniciaram a invasão em direção a cidade de Noxus. O pescador apenas observava com um olhar assustado.

Nenhum barulho era feito por eles, eram como fantasmas a procura de algo para assustar. Eles saíram das areias da praia e agora corriam furtivos entre as árvores de uma floresta ao leste de Noxus. Todos seguiam Irelia até um ponto de encontro cujo Jarvan havia enviado um soldado a dois dias para dar algumas instruções. A floresta tinha um aspecto muito característico da região; árvores de cipo e mato alto, sem contar em algumas flores de margarida e árvores frutíferas por todo o lugar. No chão, galhos cruzados e pedras dificultavam um pouco o caminho dos ionianos, mas ainda sim eram rápidos e silenciosos. Eles estavam em 800, contando com Yasuo e Riven.

Os ionianos chegam até uma gruta escondida por entre as árvores e conseguem ver dois demacianos os esperando. Irelia assobia para eles. 

- Lâmina! - Irelia diz.

- Punhal! - O demaciano responde. Essa era uma forma usada para se identificar com outros aliados, também evitava inimigos disfarçados. 

- Muito bem, o que Jarvan disse? - Ela pergunta em um tom baixo, sendo acompanhada pelos outros soldados atrás até perto dos demacianos. 

- Os noxianos não desconfiaram de nada ainda, os canhões já estão sendo montados e vão ser posicionados em breve. Qual a sua estratégia? - Um dos dois, o tenente, perguntou. 

- Nós atacaremos pelos portões principais, os escudeiros iniciarão a invasão pela cidade. Nós iremos até o Bastião.

O tenente assente e os guia até uma posição estratégica, em uma estrada, que ligava diretamente aos portões. O problema é; a estrada ficava exatamente entre dois campos abertos de grama. Teriam que ser muito rápidos para não serem alarmados. E assim o fizeram.

Irelia e seus 800 soldados corriam silenciosamente pelos campos, sendo que se dividiram em 400 para cada lado da estrada de terra. Não foram vistos até o momento, tendo em vista que o plano estava correto até então. Cerca de 3 minutos depois, todos estavam as portas de Noxus, armados e em posição de combate. Os arqueiros estavam posicionados mais atrás, para iniciar uma chuva de flechas assim que algum sinal fosse dado. Os escudeiros estavam a frente, sendo seguidos pelos lanceiros e um pouco mais atrás pelos espadachins. 

Riven estava trêmula com sua espada empunhada, ela olhava para Yasuo de canto, ele não expressava nenhuma reação. Ele parecia focado em eliminar a assassina de seu precioso mestre, e também para vingar a morte de Yone; ela havia causado tudo isso. Ele estava em sua costumeira posição de combate; joelhos flexionados, tronco levemente curvado e com as duas mãos segurando a bainha e o cabo de sua espada, ele olhava fixamente para frente com uma expressão determinada. Ele estava diferente, na verdade, a semana toda desde o julgamento ele estava dessa forma.

O soldado demaciano dispara um sinalizador para cima, e é possível ouvir gritos de batalhas do outro lado das muralhas noxianas; a invasão começara...

Bastião Imortal, 7:42. 

- GENERAL! ESTAMOS SENDO ATACADOS DOS DOIS LADOS! - Um soldado entra as pressas na sala de Swain, que conversava com um conselheiro qualquer. Seus olhos se arregalam após a fala do soldado. 

- Quem? Por quem estamos sendo atacados? - Ele pergunta se levantando as pressas de sua cadeira. 

- Demacia e Ionia, senhor. 

Swain não responde, mas se enche de fúria. Ele dá um potente chute de sola na sua mesa, fazendo-a se virar para o chão. 

- Quero todas as unidades nos pontos onde estamos sendo atacados, e contate Dorrik, imediatamente! - Ele esbraveja enquanto pegava uma espada de prata ao lado de uma estante. - Eu mesmo vou matar aquela prostituta ioniana... 

***

Os portões se abriam, na verdade, eram arrombados pelos ionianos. Os cidadãos noxianos começavam a correr para as suas casas enquanto os portões eram invadidos por eles. O exército noxiano aparecia aos poucos, mas eram neutralizados facilmente. Eles começam a se separar em direção a cada quartel noxiano, foram traçados em um mapa feito por um espião que foi a Noxus dois dias antes da invasão. Eles se separavam entre o Distrito de Ivory Ward, a Capital Noxiana e em volta da Arena da Carnificina. Irelia e os outros 200 restantes ao seu lado abriam caminho até o nordeste de Noxus, onde as forças demacianas derrubavam as muralhas com seus canhões.

Yasuo eliminava cada noxiano com muita raiva, ele fazia cortes transversais em cada um, os deixando completamente mutilados no chão. Riven utilizava metade da potência de sua espada, já que não havia necessidade de força total até o momento. Irelia dançava entre corpos de noxianos graciosamente, enquanto suas lâminas se manchavam em sangue. Eles chegam até Basilich, ao nordeste de Noxus, onde já era possível ver os demacianos travando suas espadas triunfantemente contra a força noxiana dali. Em pouco tempo, as bandeiras de Ionia e Demacia balançavam ao vento forte; a região estava dominada. 

(...) 

Por outro lado, as coisas no Distrito Ivory Ward estavam um pouco difíceis para os ionianos. Os noxianos tinham morteiros que estavam eliminando, mesmo que aos poucos, a força ioniana dali. Yi, o responsável pela "Equipe Hazard", deu a opção de atacarem primeiramente com os arqueiros, já que o avanço por terra momentaneamente era impossível. 

- Ao meu sinal! - Ele levanta uma de suas mãos, os arqueiros já acertavam suas flechas e posicionavam os arcos. A melodia de balas de morteiro batendo contra os escudos mágicos era sonora naquele local, mas por pouco tempo. O samurai abaixa suas mãos e as flechas são disparadas aos montes, cerca de 90 apenas na primeira onda. Eles disparavam, e aos poucos os sons dos morteiros parava. - Matem todos eles! - Yi ordena e sua força parte para cima dos noxianos. Um escudeiro avança e bate seu escudo no chão, levantando cerca de 7 soldados noxianos de uma vez. Um habilidoso lanceiro dá um salto e finca extraordinariamente a lança em cada um antes mesmo de caírem novamente no chão. 

Yi eliminava seus inimigos com uma maestria invejável, apenas se esquivando dos golpes com movimentos leves para o lado e depois causando cortes em regiões vitais, inclusive no coração. Os noxianos foram eliminados daquele lugar em pouco tempo, dando assim uma excelente vantagem aos ionianos. Yi levava seu pupilo Wukong pela primeira vez em uma batalha, o jovem vastaya estava se saindo muito bem, usando a técnica Wuju e sua versatilidade, ele enganava seus adversários e os apunhalava com seu bastão logo em seguida. 

(...)

- Como vocês estão? - Jarvan perguntava enquanto corria ao lado de Irelia, eles eram seguidos pela enorme força logo atrás.

- Tivemos poucas baixas, mas acabo de receber a notícia de que dominamos Ivory Road. - Ela responde. 

- Muito bem. Agora precisamos dominar a Capital Noxiana, é um ótimo ponto estratégico até o Bastião. O problema é que eles possuem armas de longo alcance lá; metralhadoras e canhões. Não podemos arriscar os soldados até lá. - Ele explicava.

- Droga... - Irelia diz. 

- O que aconteceu? 

- Eu enviei cerca de 180 soldados até lá, eles segurariam até chegarmos com o resto da força... Temo que... - Ela não consegue completar a frase pois outro grupo de noxianos se apresentava em sua frente. Porém, não eram soldados noxianos comuns. Eles eram da "Legião Trifariana", a força de elite noxiana que era comandada por Darius antes de sua morte. Eles estavam em bom número, seria um combate agressivo. 

Irelia e Jarvan iniciam seu ataque se infiltrando no meio do bolo de noxianos que ali estavam, levantando alguns deles ao ar.

- Yasuo, agora! - Irelia grita sendo cercada por suas lâminas dentro do bolo de noxianos. Yasuo se teleporta ao ar, estraçalhando completamente os dez noxianos que haviam sido arremessados no ar. 

Quando ele pousa novamente no chão, ao lado de Riven, ela "entorta" seus lábios e aplaude o ioniano, que faz uma pose de ator, se curvando, lembra muito certo vastaya. O resto da força avança em direção aos noxianos, sangue se espirrava para todos os lados enquanto gritos de dor e de determinação eram escutados. As espadas se chocavam, assim como as lanças e os machados, atirando faíscas para todos os lados. A Legião possuía uma armadura forte, dificultando um pouco a vida dos ionianos. Yasuo, porém, soube identificar pontos vulneráveis nas armaduras, sendo eles nas axilas, na nuca, e na virilha. Ele repassa a informação aos que ainda não estavam em combate, e logo os ionianos adquiriram uma boa vantagem. Riven parte na direção de um grupo de 5 noxianos de machados, sendo que ela era protegida pelo ronin. Ela utiliza sua técnica de equilíbrio e ataque, sobre o vento, e imediatamente consegue matar mais dois dos noxianos. Um deles mirava o machado em direção as suas costas vulneráveis, porém o machado cai junto do braço do noxiano, ele foi perfurado bem no coração pela lâmina do samurai logo em seguida. Ele apara outro machado, um pouco mais pesado dessa vez, e dá uma sequência de cortes no peitoral do noxiano, cortando totalmente sua armadura, mas não o atingindo. Ele resolve usar então o vento ao seu favor. 

Yasuo levanta dois de seus dedos, deixando os outros três fechados em sua mão. Uma densa neblina começa a envolver a todos ali, fazendo com que sua visão ficasse limitada. Seus olhos permaneciam fechados enquanto a neblina os envolvia cada vez mais, até que a visão é completamente eliminada. Os sons de aço e os gritos se cessaram, os soldados estavam perdidos tentando achar seus aliados e adversários. Um capitão noxiano estava de costas para alguns de seus soldados, faziam uma espécie de círculo de proteção. Ele ouve um grunhido e logo após algo caindo no chão. Ele olha para trás e vê seu soldado com uma perfuração na garganta, aterrorizando-o um pouco. Ele vê alguns vultos e mais grunhidos e quando se dá conta, apenas ele sobrara dos 6 presentes ali. 

- Venha, seu demônio! Enfrente minha lâ... - Ele é interrompido pelo próprio sangue que jorrava de sua boca, o engasgando. Ele coloca suas mãos na nuca, inutilmente tentando estancar o sangue enquanto caía sem forças. A última coisa que vê antes de perder a vida em seus olhos, são longos fios negros e uma espada suja de sangue... 

 

 

 


Notas Finais


Até mais xd <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...