História Duas Luas - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Lu Han
Personagens Baekhyun, Lu Han
Tags Abo, Baeklu, Lubaek
Visualizações 128
Palavras 4.827
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, Misticismo, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bem bem, demorei mas voltei
To sem tempo pra me estender aqui entao só peço por favor pra perdoarem os errinhos, to sem tempo de betar hoje, mas ate o fim da próxima semana tento corrigir isso
AMANHÃ É O SHOW DO MONSTA E EU VOU
Tá, parei

Capítulo 14 - Capítulo 13 - Passado, parte 2


 

 

 

☽✦☾

 

 

‘’A gente tinha 11, 10 e 9 anos, quando aconteceu...’’, Baekhyun murmurou um tanto incerto, encolhendo-se mais junto ao corpo de Lu Han, como se ele fosse o bastante para protegê-lo da dor que sabia que viria ao trazer aquelas memórias à tona. E de fato, Lu Han era o bastante. ‘’Nossa vila ficava ao lado de um rio... Era lindo...’’

‘’Tinha aquelas árvores... Imensas...’’, Kyungsoo riu soprado, deixando uma lágrima cair de seus olhos, mas a secando rapidamente. Sehun estava sentado atrás de si, o abraçando pelos ombros.

‘’A vila era ao norte de Busan, mas não dentro da cidade’’, este explicou.

‘’Não sabemos o que aconteceu, ou o porquê...’’, Baekhyun choramingou. ‘’Nós estávamos no bosque, brincando... Kyungsoo e eu havíamos acabado de aprender a controlar nossas transformações, então saímos de tarde e brincamos até o anoitecer... Sehun estava brincando com a gente até que... Ficou tarde, nós ouvimos os pais do Kyungsoo uivando para ele ir pra casa... e ele foi...’’, soluçou.

‘’Levei o Sehun comigo, nas minhas costas... Mas quando eu cheguei lá havia algo errado...’’, o alfa moreno explicou. ‘’Sehun foi pra casa dele correndo e eu pra minha, quando entrei em casa, meu pai me pegou desesperado no colo, me encheu de casacos e me disse pra correr pro rio, disse pra seguir a direção que o sol nasce, ele parecia apavorado, desesperado. Minha mãe chegou atrás de mim, já chorando e dizendo que não havia o que fazer, que estava tudo perdido’’, Kyungsoo falou nervosamente, balançando a cabeça em negativa e fechando os olhos com força. ‘’Depois disso eu ouvi um estrondo, uma janela da nossa casa quebrou, meu pai mandou eu fugir e não voltar mais pra lá... Mamãe gritou que me amava... E eu corri’’, soluçou, sentindo seu namorado o abraçar mais forte.

‘’Onde você estava, quando isso...’’, Lu Han perguntou para Baekhyun, o apertando mais em seus braços ao ouvir o menor choramingar.

‘’Eu fiquei no bosque... Perseguindo uma borboleta azul...’’, falou já em meio ao choro. ‘’Eu só ouvi os gritos, enxerguei o fogo de longe e corri, me escondi... quando eu cheguei já estava tudo acabado’’, lamentou. ‘’E o Sehun, tinha sumido, as mães dele...’’

‘’Já estavam mortas’’, o mais novo falou num tom amargo, encarando o nada com um olhar frio. ‘’Sabe, eu nem tive o que fazer... Kyungsoo me deixou na porta de casa, quando eu entrei, elas já estavam mortas’’, falou sem expressão, sua mente cheia demais para que deixasse todas aquelas coisas ruins saírem.

‘’Eu sonhei com tudo aquilo, aquilo tudo de novo e de novo...’’, Baekhyun começou, relatando ao mais velho o sonho que acabara de ter. Seu corpo estremecia em alguns momentos, e as vezes ele se sentia incapaz de continuar a falar, quando isso acontecia um de seus amigos tomava seu posto narrando a história.

‘’E nós três sonhando isso na mesma noite? Tem algo errado’’, Kyungsoo falou por fim.

‘’O mais errado é: por que vocês não me contaram que estavam sofrendo com isso? Com coisas do passado? Vocês começaram a ter esse problema na mesma semana que eu e simplesmente não me contaram!’’, Baekhyun falou indignado.

‘’Nos perdoe, hyung...’’, o beta pediu.

‘’Não foi por mal... Só ficamos sem saber o que fazer’’, o alfa completou. ‘’Mas você também não nos contou que sentiu que estava sendo seguido depois do que aconteceu com nós dois aquela noite no beco’’

‘’Não briguem comigo! Eu neguei essa sensação a mim mesmo também!’’

‘’Tem que haver alguma explicação pra isso’’, Lu Han falou após ficar longos minutos em silêncio.

‘’Tem uma explicação que talvez faça sentido...’’, Sehun começou. ‘’Li alguns artigos para minha aula de psicologia lúpus... e... Nós mesmos sabemos que o instinto é algo extraordinário’’, falou, vendo os demais concordarem consigo. ‘’Uma alcateia estabelece uma conexão muito forte entre seus integrantes, e quanto mais proximidade entre os lobos, maior a conexão...’’, explicou. ‘’Há um fenômeno que alguns chamam de ‘ponte para o passado’, é basicamente isso: um grupo de lúpus passam por uma experiência, e anos depois, todos eles começam a ter flashbacks, momentos nostálgicos ou até sofrimentos, provenientes dessa experiência, e é aí que a ponte para o passado entra. É como um evento que liga o presente à essa experiência passada, pode ser a data, o local físico ou mesmo o ciclo lunar alinhado ao ciclo do lobo’’, finalizou.

‘’Então... Alguma coisa do nosso passado, mais precisamente daquela noite, está fazendo com que nós três tenhamos essa ponte para o passado?’’, Kyungsoo questionou, virando-se para olhar para o mais novo.

‘’É... pode ser isso’’

‘’Mas o que poderia ser? Nós nunca tivemos isso antes, nem quando a data ou o ciclo lunar alinhou com o daquela noite’’, Baekhyun falou um tanto indignado.

‘’Uma pessoa’’, Sehun sugeriu. ‘’Eu sei que não queremos lembrar, mas daqui há um mês faz mais um ano desde esse acontecido... E se, junto com essa data, alguma pessoa que estava naquela noite esteja na cidade? E se tivermos esbarrado com alguém? É possível’’, deu de ombros.

‘’Mas isso não explica meus sonhos com o...’’, o único ômega presente se pronunciou, mas arregalou os olhos ao prestar atenção no que iria dizer. ‘’Com... a época que fiquei doente’’, sussurrou.

‘’Falando nisso, hyung...’’, Kyungsoo suspirou longamente, vendo os olhos pequenos do mais velho sobre os seus. ‘’Você não acha que devia... falar mais sobre isso com o Han hyung?’’, falou num tom baixo.

‘’Falar mais...?’’, Baekhyun murmurou, dando-se por vencido ao ver o olhar de advertência que recebia de seus dois amigos. ‘’É... eu também acho’’

‘’A noite traz bons conselhos’’, Sehun falou sábio. ‘’Nós vamos tentar descansar e... Deixar vocês conversarem. Não vamos conseguir pensar em nada melhor sobe nosso problema hoje’’, finalizou,  puxando o namorado pela mão e ambos desejaram uma boa noite ao outro casal antes de saírem do quarto.

 

 

‘’Bom... Parece que você tem algo a me dizer...’’, Lu Han falou baixo ao namorado, selando sua testa antes de vê-lo se afastar um pouco de si para que pudessem ficar frente à frente.

‘’É... eu sei...’’, o menor aquiesceu.

‘’Amor, não precisa me dizer nada hoje se for demais pra você, ok?’’, Lu Han acariciou os cabelos achocolatados do ômega, vendo como ele pendia a cabeça para o lado de sua mão e fechava os olhos docemente ao receber o carinho. ‘’Eu entendo e não tem problema’’

‘’Se eu não disser agora...’’, Baekhyun começou. ‘’Talvez eu nunca mais tenha coragem’’, sussurrou ao final.

‘’Tudo bem, sendo assim eu sou todo ouvidos’’, o alfa falou num tom doce, encarando o menor.

‘’Lembra do que eu te contei no hospital? Sobre minha paixão adolescente e o namorado que me largou doente?’’, questionou, vendo o mais velho assentir. ‘’Bom... essa não foi de todo a verdade’’, sorriu pequeno, vendo Lu Han o questionar com o olhar.

‘’Eu tinha 16 anos quando o conheci. Dean. O príncipe dos meus sonhos. Eu e os meninos morávamos numa casa minúscula, Sehun ainda estava no ensino fundamental, Kyungsoo e eu trabalhávamos numa transportadora, fazendo trabalho de gente grande, para pagarmos as contas... E aí ele apareceu’’, riu soprado. ‘’Dean, com 21 anos, lindo, com um bom emprego estável, dinheiro no bolso, na faculdade... Começou com um sorvete, e em menos de duas semanas ele já era o amor da minha vida’’, balançou um pouco a cabeça, sentindo raiva de si mesmo. ‘’Kyungsoo e Sehun eram totalmente contra o namoro desde o começo. Soo dizia que só pelo cheiro dele já sabia que não prestava, que o comportamento dele era ruim, que ele me sufocava. Sehun dizia que sentia medo dele, mas eu ignorei eles! Eu fiquei com ele, nós namoramos por dois anos e então...’’, sua voz começou a embargar. ‘’Eu engravidei’’, murmurou num fio de voz, sentindo sua vontade de chorar aumentando ao que ouviu o suspiro surpreso do mais velho.

‘’Ele... ele...’’

‘’Ele surtou, simplesmente surtou, disse que o filho não era dele, que eu o traí, inventou mil desculpas e então, desapareceu’’, Baekhyun falou em meio ao choro. ‘’Eu entrei em pânico, eu tinha que começar a faculdade, estava com medo, com vergonha... Eu fiz coisas terríveis para o meu bebê’’

‘’Você tentou abortá-lo’’, Lu Han concluiu sem emoção alguma na voz.

‘’Sim... Tentei muito, nos três primeiros meses eu só pensava em como eu odiava aquilo. Eu não era maior de idade para conseguir um aborto legal, e eu só pensava em como eu queria me livrar daquilo, e eu comecei a refletir meu relacionamento com o Dean, nas coisas que Kyungsoo e Sehun falavam... E céus como ele era abusivo comigo! Um nojento! Eu tinha ódio de mim mesmo por carregar uma cria dele’’, o ômega falou com nervosismo, frustrado. ‘’Mas então eu passei mal na rua... Desmaiei e acordei no hospital, e identificaram que eu estava prenho então... eu tive que fazer exames...’’, falou com um pequeno sorriso. ‘’Me levaram para a sala de ultrassom, eu não havia feito nenhum antes.  Além do exame de sangue confirmativo da gravidez, eu não fiz exame nenhum para acompanhar o bebê porque eu simplesmente não me importava, eu não o queria, não queria o filho do estúpido que me abandonou... Mas quando eu... Quando...’’, soluçou, apertando as mãos do alfa entre as suas. ‘’Quando eu ouvi o coraçãozinho dele... Do meu filho... Eu quis continuar com a gravidez’’

‘’E continuou?’’

‘’Continuei’’, fungou longamente. ‘’Kyungsoo e Sehun me ajudaram, eu ia para a faculdade mesmo assim, porque de acordo com as contas o bebê nasceria no meio do semestre então eu não teria que parar, com a ajuda dos meninos eu conseguiria estudar mesmo que não trabalhasse...’’, encolheu os ombros. ‘’Mas aí o Dean apareceu de novo’’, falou num sussurro. ‘’Começou a me ligar, dizendo que queria voltar e cuidar do nosso filho. No começo eu até fiquei feliz, mas lembrei de tudo de ruim que eu passei com ele... do jeito que ele me acusou, me chamando de vadia... me acusando de traí-lo quando tudo o que ele fez naquele namoro foi me trancar no mundinho dele... Eu temi pela vida do meu filho, imaginei ele sendo criado por um homem como aquele, então o mandei sumir de novo, pedi para que me deixasse em paz’’, respirou fundo. ‘’Aí vieram as ameaças, a perseguição... E um dia os amigos dele... praticamente me sequestraram!’’, falou indignado, desesperado. ‘’Me pegaram uma noite depois da faculdade, eu apanhei deles mesmo estando grávido! Me ameaçaram! Os mesmos que fizeram aquilo comigo essa última vez... Quase mataram meu filho e eu tive sérias complicações, teria que me cuidar o resto da gravidez inteira’’

‘’O que você fez?’’, Lu Han falou baixo, preocupado.

‘’Eu peguei o pouco de dinheiro que tinha e fugi, atravessei a Coréia inteira até Incheon, aluguei um quarto, o dinheiro que eu tinha foi o bastante pra custear o mínimo das despesas médicas. Meus planos eram ficar lá até que o bebê nascesse, e eu já estava no sexto mês, então Kyungsoo e Sehun iriam se encarregar de nos mudarem de casa, de bairro, de área... E só então eu voltaria...’’

‘’Mas...’’, o alfa deu a abertura, sabendo pelo tom de voz do mais novo que haveria um contraponto ali.

‘’Mas ele me encontrou...’’, Baekhyun começou a chorar com mais desespero. ‘’Minha gravidez já havia sido considerada de risco por causa das surras que levei... O fator emocional me desestabilizou por inteiro. Eu tive que fugir dele, me escondi... Mas já era tarde’’

‘’Você... Você perdeu...’’, o alfa falou num tom choroso, fraco.

‘’Eu comecei a sangrar, perdi o senso das coisas, não conseguia pensar... Ele me encontrou... E as mesmas palavras que cortaram na minha barriga meses atrás, foi o que ele escreveu em mim há cinco anos com as próprias unhas!’’, o pequeno soluçava, chorava em desespero, e já se permitia agarrado ao corpo do mais velho, que também chorava ao ver seu estado. ‘’O filho dele estava morrendo, sufocando dentro de mim, e tudo o que ele fez foi me rasgar inteiro e marcar que havia uma criança morta dentro de mim’’, rosnou enfurecido, não conseguindo lidar com os próprios sentimentos. ‘’mas se ele tivesse... Se ele tivesse me ajudado, me levado ao hospital... Hoje meu filho estaria nos meus braços, Han! Ele estaria nos meus braços!’’

‘’Ei... Calma’’, abraçava o corpo pequeno com força, tentando protegê-lo do que não podia alcançar, tentando acalmá-lo.

‘’Ele era meu tudo, Han... Ele iria ser meu recomeço... Mas eu o perdi...’’, tremia nos braços do mais velho. ‘’Meu sol...’’

‘’Esse era o nome dele? Sol? Taeyang?’’, Lu Han perguntou baixinho, vendo o menor assentir em seus braços.

‘’Me perdoa, Lu Han, me perdoa por esconder isso de você, me perdoa por ter mentido, por não ter te contado, por favor...’’

‘’Ei...’’ o mais velho interrompeu, erguendo o rosto do mais novo para si e enxugando suas lágrimas. ‘’Por que está se desculpando? Huh?’’, limpou o rosto do menor mesmo que ele mesmo não conseguisse parar de chorar. ‘’Só estamos namorando há dois meses, e mesmo que sejam os dois meses mais certos da minha vida, ainda estamos nos construindo, aprendendo a confiar em cada sentido’’

‘’Sabe, mesmo eu sendo receoso, meus instintos sempre me disseram para... Me jogar de cabeça em você’’, Baekhyun brincou, com a voz ainda arranhando e chorosa. ‘’Você não me odeia depois de saber tudo isso?’’, questionou baixinho.

‘’Baekhyun... eu amo você, e quando escolhi amar você, eu aceitei amar sua história mesmo ainda não a conhecendo’’, ajeitou o mais novo em seus braços, o abraçando mais firmemente. ‘’É algo difícil de digerir, eu tenho que ser honesto... Mas ver você aqui tão vulnerável, aberto e sincero, disposto a revirar seus traumas do passado por mim, pra me incluir na sua vida...’’, suspirou longamente e sorriu. ‘’Eu estou grato por isso, Baekhyun, e seja lá qual for a causa desses problemas de agora, nós vamos enfrentar isso juntos, e eu vou estar aqui para tudo’’, roçou o nariz ao alheio ao que este lhe encarou. ‘’Inclusive para caçar até o fim do mundo os desgraçados que fizeram essas coisas com você, porque sinceramente...’’, bufou indignado, ficando em silêncio logo em seguida.

E o silêncio entre os dois se estendeu por longos minutos. Não era algo desconfortável ou ruim, pelo contrário. Naquele silêncio, ambos se confortaram sem mais palavras, apenas em pequenos gestos. Naquele silêncio, Baekhyun sentiu seu coração se apertar em dor ao pensar em cada memória ruim que havia revirado de seu passado e trazido para sua superfície, mas também sentiu uma imensa paz e um grandioso alívio o tomando ao que percebeu que o corpo ao que se apoiava não era apenas um corpo quente e macio para manter em contato com o seu. Era um corpo quente, macio, confortável, acolhedor. Era seu lar.

‘’Você ainda me ama? Do mesmo jeitinho de antes?’’

‘’Eu te amo ainda mais’’, seu coração se acalmou por completo ao ouvir tais palavras. ‘’E tão certo quanto duas luas jamais reinarão juntas no céu, eu te amarei enquanto o lobo viver dentro de mim, Baekhyun’’

 

 

☽✦☾

 

 

‘’Jongin, como estão as coisas aí na secretaria?’’, Lu Han questionou ao secretário, o qual ocupava sua mesa no fim do corredor que levava ao seu escritório.

‘’Por enquanto tudo bem’’, o ômega respondeu tranquilamente pela máquina, sua voz soando distraída.

‘’Ótimo, então separe pra mim as pastas do setor financeiro junto com as de separação de tributos. Marque uma reunião na câmara para o quanto antes, e se algum secretário se negar a marcar por causa da agenda do superior, diga que a liderança maior deu ordem para essa reunião, então que desmarquem seus compromissos!’’, falou sério e autoritário por meio do interfone em sua mesa, ouvindo seu secretário responder afirmativamente.

‘’Ui, eu adoro quando ele é todo mandão desse jeito, você não adora?’’, o alfa ouviu aquele tom tão familiar soar pelo aparelho, logo sorrindo largo. ‘’Ficou calado, muito espero, Jongin’’, ele brincou.

‘’Baekhyun...’’, Lu Han riu soprado.’’

‘’Posso entrar?’’, o namorado perguntou.

‘’Claro que pode’’, o ruivo respondeu sorridente e não teve que esperar mais de meio minuto até que seu namorado abrisse a porta, entrando sorridente em seu escritório. ‘’Oi meu amor’’

‘’Oi!’’, Baekhyun sorriu largo, fechando a porta atrás de si antes de dar a volta na mesa e se jogar no colo do mais velho, enchendo seu rosto de beijos.

‘’Você está molhado!’’, Lu Han riu, passando sua mão pela cabeça do mais novo.

‘’É, você não sai daqui então nem viu que está chovendo? Olha só o meu estado!’’, apontou para o par de botas de cano curto feitas de couro que calçava, as mesmas mostrando-se lustrosas pela água da chuva, e assim como as botas, boa parte da calça clara que Baekhyun vestia também se mostrava molhada.

‘’Que cruel. Não tem guarda chuva?’’, o ruivo perguntou enquanto beijava a bochecha pálida do outro.

‘’Claro que eu tenho, mas é chuva com vento, não tem muito o que fazer’’

‘’Me sinto honrado por ter pego um ônibus até aqui só pra me ver’’

‘’Pegado ônibus?’’, Baekhyun olhou para o mais velho e começou a rir. ‘’Lu Han, são cinco quadras daqui até meu trabalho, eu venho andando em dez minutos ou menos’’, falou debochado, vendo seu namorado revirar os olhos.

‘’Que ilusão a minha’’, lamentou falsamente, rindo ao receber uma mordida fraca em seu pescoço. ‘’Já pensou na minha proposta?’’, perguntou ansioso, fazendo o mais novo o encarar.

‘’Bom, na verdade eu pensei sim...’’, Baekhyun começou com receio, vendo o olhar do ruivo brilhando em expectativa. ‘’Han, eu realmente acho que é muito cedo pra essa coisa de morarmos juntos...’’, coçou a nuca, um tanto desconfortável. ‘’Só estamos namorando há dois meses...’’

‘’Três’’, Lu Han corrigiu.

‘’Que seja! Três meses continua sendo muito pouco’’, o ômega falou com frustração. ‘’Han eu não quero uma responsabilidade desse tamanho’’

‘’Tá bom Baekhyun! Ok! Me desculpe por querer comprometimento com você’’, Lu Han resmungou com desagrado, fazendo o menor se levantar de seu colo e se pondo em pé. ‘’Só achei que seria melhor para nós, porque está nos nossos planos desde o início, e também pra você, porque você pode achar pouco tempo, mas daqui há alguns meses eu já serei obrigado a cobrar tarefas de você’’, dirigiu-se ao arquivo colocado num dos cantos de sua sala, abrindo a segunda gaveta e mexendo entre as pastas perfeitamente organizadas até retirar algumas específicas dali.

‘’Tarefas? Do que você tá falando?’’, Baekhyun questionou confuso, vendo o mais velho o encarar.

‘’Você sabe que, como lúpus, o fato de estarmos apaixonados faz com que tenha 80% de chance de que seja pra vida toda, certo?’’, o ruivo questionou, vendo o menor acenar que sim silenciosamente. ‘’Você tinha isso em mente quando decidiu ficar comigo, certo?’’, mais uma vez um aceno positivo. ‘’Baekhyun, não só nós dois esperamos que nosso amor dê certo e seja eterno. A família toda espera, a política espera’’, explicou devagar, deixando as pastas sobre sua mesa para poder se aproximar do menor e segurar suas mãos. ‘’Baek, me desculpe perguntar, mas você alguma vez já se perguntou as responsabilidades do marido de um líder? De um membro da estrutura governamental de Busan?’’

‘’E-eu... Eu...’’, ele balbuciou em resposta. ‘’Eu não sei, eu...’’

‘’Ahh... ótimo...’’, o alfa soltou as mãos do menor, bufando em seguida. ‘’Baek eu esperava que tivesse consciência disso a essa altura do campeonato’’, massageou as têmporas, esperando que assim a tensão se dissipasse dali. ‘’As responsabilidades na família não são só dos líderes, Baekhyun, dos alfas, mas de seus ômegas também, de seus filhos, de todos... As vezes os companheiros desistem de suas carreiras para lidar com a carga’’, olhou suplicante para o mais jovem ali, torcendo internamente para que o mesmo sorrisse para si e dissesse que estava tudo bem, que iria lidar com aquilo.

‘’Eu acho que... que nunca pensei nisso com tamanha... Magnitude’’, o pequeno murmurou acanhado.

‘’Eu agradeceria muito se pensasse um pouco nisso, Baek, porque isso é parte da minha vida, e se você for ser meu para sempre, o que eu espero mesmo que seja, vai fazer parte da sua também’’, falou mais baixo, segurando as mãos do mais novo entre as suas e as acariciando de leve.

‘’É... Tem razão...’’, Baekhyun respondeu um tanto sem jeito, soltando suas mãos das do mais velho e se afastando minimamente. ‘’Acho que... Acho que eu já vou pra casa...’’, o ômega falou baixinho, preso demais em seus próprios pensamentos.

‘’Você não precisa ir só por causa disso, Baek, nem ficar assim comigo’’, Lu Han suspirou. ‘’Fica, vai ver meu pai, dar uma volta pela casa, sei lá... Logo vamos jantar’’, deixou um beijo casto sobre a testa do mais baixo, vendo este assentir minimamente antes de deixar sua sala.

 

Baekhyun soltou um longo suspiro antes de seguir em direção à escada, descendo lentamente até o primeiro andar. Por estar em silêncio, pôde ouvir conversas não muito altas vindas da grandiosa cozinha, o que o fez seguir devagar até lá.

Ao parar na porta, viu o espaço grandioso e luxuoso. A cozinha era sem dúvida uma das mais completas e exageradamente grandes que já havia visto. Dois fogões imensos dividiam espaço com a bancada longa de mármore claro, a qual se estendia por todo o contorno do local. A geladeira era maior do que podia sequer imaginar em seus sonhos, os armários grandiosos, a madeira fina envernizada sobre a cor branca e creme do lugar.

 Logo notou a meia dúzia de pessoas rindo e conversando enquanto cozinhavam, e no meio deles, usando um conjunto de jeans que parecia caríssimo e um par de sapatos que o fazia questionar seriamente sua sanidade, estava Krystal, com os cabelos loiros presos num rabo de cavalo alto exibindo as orelhas adornadas por delicados brincos longos de prata.

Logo um silêncio se espalhou pelo local ao que foi notado pelos demais, o que fez com que um leve rubor tomasse suas bochechas. ‘’Desculpem... Eu só...’’

‘’Entre, Baekhyun oppa... Venha acompanhar a preparação do jantar’’, Krystal convidou com um sorriso sereno, vendo o menor se aproximar um tanto hesitante. ‘’Pessoal, esse é Byun Baekhyun, como já devem ter ouvido falar. O ômega do Lu Han’’, anunciou, e logo Baekhyun viu todos os demais presentes se curvarem em sua direção, então logo se curvou de volta, em um sinal de respeito a cada um deles.

‘’Seja bem-vindo à nossa cozinha, sr. Byun. E com nossa, incluo o senhor também’’, uma senhora baixinha e gordinha se aproximou do ômega, segurando em ambas suas mãos e fazendo o mesmo notar como ela era afetuosa. ‘’Meu nome é Sooyoung, sou a chefe de cozinha daqui’’, falou animada.

‘’M-muito prazer em conhecê-la’’, Baekhyun falou simpático, seu sorriso de cara conquistando a mulher.

‘’Bom, vamos continuar o trabalho’’, ela falou animada e logo os demais voltaram às suas tarefas.

‘’Então... Decidiu começar a dar andamento às suas tarefas?’’, Krystal perguntou como quem não queria nada, apanhando uma maçã sobre um imenso cesto de frutas colocado em uma das bancadas, alcançando uma faca dentro de uma das milhares gavetas para parti-la ao meio e oferecendo uma das partes ao mais velho, mordendo a sua própria.

‘’Na verdade eu... Acabei de conversar com o Lu Han sobre isso... Ainda não estou bem posicionado’’, aceitou a fruta, não demorando a mordê-la. ‘’Eu estou meio que pirando’’

‘’Calma, no começo é sempre assustador, chegar assim, numa casa grande, cheia de gente, de coisa. Tem que saber os horários, onde está localizado cada coisa, a quantidade de funcionários, cuidar do cardápio, arrumação, limpeza, documentação, mídia...’’, Krystal enumerou, vendo que a cada palavra que dizia o ômega a sua frente parecia mais e mais assustado. ‘’Mas não se preocupe, nós vamos dividir as tarefas e vai ficar tudo bem’’, tentou tranquilizar o menor, vendo o mesmo olhar à própria volta, parecendo perdido.

‘’Aí é que está o problema, Krystal, eu...’’

‘’Soojung’’, ouviu a mais alta o cortar. ‘’Me chame de Soojung’’

‘’Certo... Soojung. Aí é que está o problema, sabe?’’, Baekhyun murmurou frustrado, dando mais uma grande mordida em sua maçã. ‘’Não sei se consigo fazer tudo isso... nem se eu quero fazer tudo isso, entende?’’, falou de boca cheia, apoiando o quadril em uma das bancadas. ‘’Como é que procede numa dessas?’, questionou logo após engolir.

‘’Olhe... Eu não sei, eu sou a noiva de um alfa, de um... suposto... líder. Tenho que desempenhar meu papel’’, Soojung deu de ombros, parando ao lado de Baekhyun.

‘’Você nunca quis ser outra coisa? Ter um emprego de verdade? Coisas assim?’’, o menor questionou intrigado.

‘’Não, na verdade não...’’, a garota apenas sorriu, encolhendo os ombros. ‘’Eu sou neta de um ex-governante de Ulsan, meu pai assumiu o comando por pouco tempo, mas desde cedo eu e minha irmã fomos criadas para sermos grandes esposas de líderes. Desde pequenas minha mãe já nos jogou a verdade: nossos casamentos seriam acordos de uniões políticas, isso e fim. Não seria por amor, não seria por nossa vontade, não seria quando quiséssemos ou planejássemos’’, deu de ombros. ‘’Então eu cresci sendo ensinada a como governar uma casa, como parecer bem nas televisões, como ser... perfeita’’, concluiu.

‘’Caramba que droga...’’, Baekhyun soltou com indignação.

‘’Nem tanto, eu meio que gosto, sabe?’’, ela encolheu os ombros. ‘’Eu gosto disso, de ser como eu sou. Já a minha irmã... Bom... Ela sempre odiou tudo isso, tanto que tivemos sérios problemas por causa disso... mas acho que isso se trata de uma conversa pra outro dia’’, balançou a cabeça para espantar os pensamentos ruins. ‘’Onde quero chegar... Ah sim’’, sorriu, se aproximando de Baekhyun com um olhar sereno. ‘’Sei que é difícil pensar em cuidar de tudo isso e passar a agir de forma diferente por causa de seu alfa, é uma mudança que vai além de amor ou qualquer outra coisa, é assustador!’’, falou, vendo o menor assentir. ‘’Mas você precisa entender a gravidade da situação’’, falou essa parte mais baixo. ‘’Por mais que eu ame o Yixing, tenho que ter consciência da realidade’’, falou misteriosamente. ‘’Os dias dele como líder da família estão contados, Baekhyun oppa, contados. E me dói dizer, mas no dia em que seu reinado chegar ao fim, algo me diz que sua cabeça será colocada a prêmio’’

‘’COMO É?’’, Baekhyun falou um tanto alto, recebendo em resposta uma careta por parte da garota, que o puxou até uma área mais distante de cozinha.

‘’É isso mesmo. Lu Han tomará seu lugar de direito logo, o poder do Yixing é baseado em mentiras, em coisas escondidas, e isso não vai durar, eu sinto que não vai durar muito mais, e quando isso acontecer Lu Han vai subir ao poder como é de direito, e se você realmente quer estar ao lado dele como parece...’’

‘’Ei, espera, como assim ‘como parece’? Eu não deixo parecer nada’’, Baekhyun riu nervosamente.

‘’Ah oppa me poupe, seus olhos brilham mais meus brincos quando você olha para ele’’, ela revirou os olhos. ‘’O ponto é: dá pra ver o quanto vocês se amam, o quanto se completam e... Sinceramente eu acho que vocês são os escolhidos um do outro, e você precisa ter consciência do que vai acontecer assim que Lu Han assumir o poder, você precisa estar ao lado dele, vai ser intenso...’’, suspirou. ‘’Não quero te assustar, é que ele vai precisar de você... e você dele’’, suspirou, vendo o menor desviar o olhar.

‘’Obrigado, Soojung’’, ele sorriu minimamente para ela, sentindo seu coração bater descontrolado no peito. ‘’Foi um balde de informações na minha cabeça... mas obrigado’’, concluiu, virando-se em direção às escadas ao ouvir passos rápidos.

‘’E então? Falta muito para o jantar?’’, Lu Han questionou distraído, jogando os cabelos avermelhados para trás num gesto espontâneo. A camisa branca que vestia já estava levemente amarrotada, a gravata afrouxando no pescoço, os olhos cansados, porém sempre tão brilhantes e vivos.

Baekhyun não havia tido em sua vida muitas coisas que o tirassem de órbita positivamente. Houve seu primeiro amor, sua entrada na faculdade, e depois sua formatura. E então houve o dia em que olhou para Lu Han pela primeira vez, quando realmente o olhou. O dia em que estavam sentados naquela cafeteria perto de seu trabalho, Lu Han o olhava como se quisesse desvendá-lo, descobri-lo. E Baekhyun estava levemente assustado, curioso, receoso, mas naquela noite, sentiu algo diferente em seu ser.

E naquele momento, ele sabia exatamente do que se tratava.

Baekhyun amava Lu Han, já não existiam dúvidas sobre isso, era um fato claro, óbvio, concreto, mas Baekhyun não tinha a mínima consciência do tamanho de seus sentimentos até aquele exato momento.

Lu Han estava ali, parado perto de si, despojado, calmo, sutil e sereno. Simples. Não havia nada demais na cena, nada demais acontecendo, nada demais ao seu redor.

Mas naquele momento, Baekhyun sabia.

‘’Eu irei amá-lo, e serei dele, enquanto o lobo viver dentro de mim’’

 

 

 


Notas Finais


Ganho comentários? Amo vocês


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...