1. Spirit Fanfics >
  2. Duas nem sempre é demais!- (SaiDahMo) >
  3. A culpa não é sua

História Duas nem sempre é demais!- (SaiDahMo) - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Esse cap vai ser mais voltado pra Michaeng, mesmo tendo várias interações SaiDahMo ok? Gente, eu estou sem criatividade alguma pra escrever, então por favor deixem aí nos comentários algo que pode acontecer na fanfic pls <3

Relevem os erros :)
Boa leitura

Capítulo 19 - A culpa não é sua


{Dahyun on} 

Mas que droga, eu tinha acabado de dormir e já sou acordada por um chora, pelo amor de deus, ninguém  merece. Abri os olhos e no colchão ao meu lado, todas abraçavam a Chae, essa que chorava desesperadamente, Mina também chorava, porém em silencio. Eu ainda estava sonolenta e sem entender nada, encarei Nayeon que me encarava também com um olhar preocupado. Quando caí na real, lembrei do pai de Chaeyoung e logo entendi o que havia acontecido. Me levantei rápido mas acabei por cair graças a aquela dor desgraçada, só não mato a Sana porquê é minha amiga, eu acho, fui devagar até as garotas e abracei todas elas. Por mais que fosse um momento triste, aquele abraço estava bom e reconfortante, apenas nós, nos abraçando e consolando a Chae... Eu estou realmente triste pela minha Tigrinho, entre todas nós, ela era mais alegre e positiva, ela não merecia isso, sei que já passei por uma coisa bem parecida, mas a Chae sempre foi muito apegada ao pai, já eu, nunca fui muito, perder alguém que você ama deve doer muito. Chae é muito forte, vai superar isso, mas espero que ela saiba que eu e as garotas estaremos sempre aqui pra o que ela precisar. 

Eu conheço a minha Tigrinho desde o jardim de infância, desde então, nunca mais nos separamos. Desde pequena, Chaeyoung é uma garota forte e corajosa, sempre pondo os outros acima de si mesma, isso me lembra o dia em que nos conhecemos...

{Flashback on}

Eu estava me arrumando para meu primeiro dia de aula no jardim de infância de Seul, eu me mudei de escola pois minha mãe não tinha condições de pagar aquela outra e meu pai se recusou a ajudar. Eu estava bem animada, por mais que tivesse deixado alguns amigos para trás, eu queria fazer novas amizades. Estava terminando de amarrar meu tênis e minha mãe grita da cozinha:

Sra Kim- DAHYUN! ANDE LOGO, VAI SE ATRASAR NO SEU PRIMEIRO DIA!

- JÁ ESTOU DESCENDO MÃE! - respondo no mesmo tom e termino de amarrar meus cadarços, indo em direção ao andar de baixo para ir para a escola. Minha mãe me pega no colo e dá um beijo em minha bochecha enquanto fazia cocegas em minha barriga, eu ri e dei um beijo na bochecha dela também.

Entro no carro e nós fomos para a nova escola. Chegando lá, deixo um beijo na bochecha de minha mãe e pego minha mochilinha, desço do carro, dando de cara com várias crianças me olhando, ser nova é péssimo. Fui entrando pelo portão pequeno mas acabo tropeçando em uma pedra e caindo, eu senti meu joelho arder e escutei risadas em volta de mim, constrangedor, muito constrangedor.

XX- Olha lá, a branquela novata caiu! hahahahaha - eu escutei um garotinho dizer 

XX- Novata já tá passando vergonha kkkkkk - dessa vez foi a voz de uma garota, eu comecei a chorar de desespero e senti meu joelho sangrar um pouco. Eu estava de barriga para baixo no chão até que escuto uma outra voz feminina confrontar um garoto que ria e zombava de mim

CH- Aí garoto! Por que ao invés de você ficar rindo como um idiota, não vai lá ajudar a menina a se levantar? Vê se cresce!

XX- Acho que é você que tem que crescer não é anã de jardim? kkkkkkkkk

CH- Chega! - olhei para cima e vi que a garotinha havia acertado um soco no nariz do garoto a sua frente, meu deus, corajosa

XX- Você me paga sua anã de jardim! - o garoto gritou enfurecido e acertou um soco na boca da garotinha, saia sangue de sua boca, essa que saiu de lá com a boca pingando e estendeu a mão para mim

CH- Não liga para esses babacas, vem, vamos na enfermaria cuidar do seu joelho. - ela sorriu amigável e eu retribuí pegando sua mão e saindo dali. Entramos na enfermaria e ela pediu para mim sentar na maca, e eu o fiz. - Bom, meu nome é Chaeyoung, Son Chaeyoung, e o seu?

- Dahyun, Kim Dahyun, muito prazer! 

CH- O prazer é meu Dahyun! Talvez isso arda um pouquinho ok? - assenti e ela passou um spray em meu joelho, aquilo ardeu muito e eu ameacei chorar, mas parei quando recebi um abraço, fiquei um tanto surpresa mas retribuí o mesmo. A garotinha separou o abraço e me olhou- Minha mãe diz, que um abraço faz as coisas doerem menos, funcionou?

-Sim, obrigada! Você é muito legal Chae, posso te chamar assim?

CH- Obrigada, você também é muito legal, claro que pode Tofu!

- Tofu? Por que Tofu?

CH- Porque você é bem branquinha, igual a um Tofu! 

- Gostei kkk, podemos ser amigas?

CH- Já somos amigas Tofu! Vem, vamos para a sala!

{Flashback off} 

Desde aquele dia, nós somos melhores amigas, contamos tudo uma para outra e contamos uma com a outra. Eu amo a minha Tigrinho. De repente o abraço é desfeito e vejo os olhinhos inchados de Chaeyoung, me parte o coração ver ela assim. 

Sou surpreendida com um abraço. Chaeyoung agarrou meu pescoço, eu pego a menor no colo e abraço sua cintura, apenas deixando ela chorar no meu pescoço. Eu gosto de saber que Chaeyoung confia em mim a esse ponto...

.

.

.

{Chaeyoung on}

Depois de  sair do colo da Dahyun, Jihyo e Tzuyu acordaram e todas me ajudaram muito, eu amo tanto essas malucas. Nesse momento eu estou com a Dahyun, Tzuyu, Momo, Mina e Sana no carro de Momo. Eu estou sentada no colo de Mina na janela enquanto Dahyun e Momo estão na frente, Tzuyu está atrás no meio fazendo carinho no meu cabelo e Sana está no outro banco ao lado Tzuyu. Minha mãe pediu que eu fosse ao hospital, mas como eu não posso ir a pé pois é muito longe, Momo se ofereceu para me levar. 

MM- Eu vou passar na casa da Tzuyu e deixar ela lá. Depois deixo a Mina e a Sana em casa e eu Dahyun e Chaeyoung vamos ao hospital, pode ser?

MN- NÃO! - Me assustei com o grito de Mina atrás de mim, ela apertou mais forte a minha cintura - Eu quero ir também, quero estar junto de Chaeyoung! Se você deixar Chaeng... - eu assenti e senti Momo parar o carro, Tzuyu se despediu de todas e agradeceu a Momo

TZ- Eu sinto muito Chae... vai ficar tudo bem tá? - ela me deu um beijo no topo da cabeça e saiu do carro. Momo logo deu partida, deixando Sana em casa. Eu havia pedido que Dahyun fosse comigo no hospital, não podia passar por aquilo sozinha. 

Eu, Mina, Dahyun e Momo chegamos ao hospital e a mulher da recepção logo me reconheceu e deixou eu entrar com as garotas. Chegamos onde era o antigo quarto de meu pai, ele estava lá, seu corpo sem vida naquela cama. Eu não consegui aguentar, desabei em choro, sendo abraçada pelas três garotas ali presentes. Logo minha mãe entra no quarto e corre para meus braços, nós ficamos ali, abraçadas e chorando por longos e dolorosos minutos. Me separei do abraço e corri ao encontro de Mina, que me agarrou e fez carinho em meus cabelos. Dahyun também estava triste, ela e meu pai eram bem amigos, desde o jardim de infância. Dahyun foi de encontro com minha mãe abraçando a mesma.

DH- Eu sinto muito Sra Son... 

Sra Son- Obrigada querida... Dahyun, posso lhe pedir um minímo favor?

DH- Claro!

Sra Son- Cuide bem de Chaeyoung, faça ela se sentir bem...

DH- Pode deixar...

Sra Son- Obrigada querida!

Depois das outras duas japonesas se apresentarem, nós ficamos ali esperando o médico chegar. Eu não larguei o abraço de Mina nem por um segundo, ela também não me largou, eu me sentia confortável em seu abraço. O barulho da porta abrindo se faz presente e o médico responsável pelo meu pai entra.

Médico- Eu sinto muito... Seu marido teve uma parada cardíaca a noite e como não havia nenhum acompanhante, não conseguimos salva-lo a tempo... me desculpe - o médico fala se direcionando a minha mãe que começa a chorar e me abraça, pela primeira vez naquele hospital eu soltei o abraço de Mina e abracei minha mãe

Sra Son- Me desculpa Chaeyoung... a culpa é minha, eu não devia ter saído do lado do seu pai. Eu devia ter ficado aqui no hospital mesmo sabendo que era meu dia de ir para casa....

-Não mãe... de jeito nenhum, a culpa não é sua... eu também não devia ter ido naquela festa mãe... me desculpa

Sra Son- Não filha, você é jovem, tem que se divertir... nenhuma de nós tem culpa, seu pai não ia gostar de te ver triste desse jeito...

- Não mesmo... eu vou pra casa mãe...

Sra Son- Claro filha.. descanse minha linda, eu vou cuidar da papelada do hospital - assenti e voltei a abraçar Mina, essa que retribuiu e nós saímos em silencio do hospital.

 

Continua

 


Notas Finais


Chorei escrevendo esse cap ;(
Deixem ideias aí nos comentários pls <3
Eu fiquei com dores no pulso ontem, por isso não teve cap, desculpa :)
Relevem os erros ok? Amo vcs <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...