História D.U.F.F - versão spideypool. - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Deadpool, Homem-Aranha, Os Vingadores (The Avengers), Quarteto Fantástico
Personagens Anthony "Tony" Stark, Flash Thompson / Venom / Agente Venom, Gwen Stacy, Johnny Storm (Tocha Humana), Loki, Mary Jane Watson, Peter Parker, Steve Rogers, Thor, Tia May, Wade Willson (Deadpool)
Tags Spideypool, Stony, Thorki
Visualizações 739
Palavras 2.209
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Voltei! Como prometido segunda! Espero que gostem, Boa leitura!😍😘

Capítulo 9 - Capítulo9: Um sentimento secreto.


P.o.v.Wade.

Após Peter ter ido embora, terminei de me vestir e fui treinar, o treinador chamou minha atenção por ter atrasado, pedi desculpas e comecei o meu treino. Descobri que por mais que eu tentasse me concentrar no que fazia não conseguia, ficava relembrando o momento do vestiário, Peter é  realmente incrível, será que ele irá me tocar daquele jeito de novo?. Argh. O que estou pensando? Ele é louco pela ruiva e fez aquilo brincando. Suspirei. Eu quase perdi o controle, ainda bem que ele me empurrou. Estava distraído quando o técnico gritou com seu sotaque russo :
     - se concentra ou sai do time, Wilson!
  - foi mal, Colossus!-  gritei de volta e comecei a me empenhar melhor no que fazia.
  O tempo passou e eu fui liberado para ir embora, estava quase correndo de tanta ansiedade, cheguei ao corretor e me encaminhei a saída, porém antes de chegar ao estacionamento fui interrompido por uma voz:
  - Wade!
  Me virei meio impaciente, era Vanessa :
  - o que foi?- perguntei.
  - queria saber se você não quer sair comigo, para "namorarmos" um pouco- disse sedutora.
  Eu fechei a cara:
  - como consegue ser tão dissimulada?!  Sei que foi você e o Flash que postaram aquele vídeo! - esbravejei.
  Dessa vez foi ela que fechou a cara:
  - sei que está gostando dele, Wade.
  Fiquei em choque:
  - não faça essa cara, eu sei da maior parte dos seus podres, afinal terminamos diversas vezes por causa disso- fez cara de desprezo.
  - cala a boca!- gritei.
  - uh, ficou bravo, mas é verdade! E quer mais uma verdade? Esse garoto nunca vai querer ficar com você! E sabe o que eu acho disso tudo? Acho que é bem feito!- gritou.
  - você não sabe o que diz !  Eu não estou afim dele!- disse meio desesperado.
  - ah não é?  Então vamos sair nessa sexta!
Suspirei, queria acabar com isso rapidamente:
  - okay eu saio com você, agora some da minha frente!
  Ela riu e começou a se afastar:
  - não vai se arrepender, querido!- disse alto.
  Tentei ao máximo ignorar o que aconteceu, se Vanessa soubesse que eu gosto de verdade dele, ela iria fazer da vida dele um inferno. No estacionamento, entrei no meu carro e fui para casa, precisava me trocar antes de sair com o Peter, entrei em casa e a primeira coisa que vi foi Thor deitado no sofá  assistindo a um jogo. Ele é meu irmão adotivo,  minha mãe largou meu pai quando eu era bebê e casou com o dele, porém ela acabou falecendo de câncer e Odin ficou mais concentrado na empresa dele, nos deixando morar juntos. Ele levantou a cabeça e me fitou:

  - irmão!  Como foi o treino?- perguntou alto e sorrindo.

  - foi bom!- devolvi o sorriso.

  Nisso da cozinha surgiu Loki, com um avental escrito " melhor cozinheira do mundo", provavelmente foi Thor quem o obrigou a usa-lo.  Ele é  meu outro irmão adotivo com diferença que foi adotado de verdade, mas foi antes, quando Odin era casado com Frigga, ele e Thor tem um relacionamento escondido, afinal não seriam aceitos por Odin. Eu me virei para ele e sorri:
  - belo avental!
  - vai a merda...- resmungou e se sentou ao lado de Thor no sofá.- To fazendo um bolo e logo vai ficar pronto.
  - não vou poder comer, vou sair com um amigo.- disse e comecei a subir às escadas.
  - ei!- chamou Thor e eu parei, me virei - que amigo é  esse?
  - ah, por favor! Não é nenhum idiota!
  - olha como fala! Dá última vez que saiu com  amigo você voltou chapado!
  - isso foi há três anos atrás, eu não uso mais drogas! Juro!
  - apenas fala quem é!
  - é  o Peter Parker! Está bom assim?
  - Peter ! O vizinho e primo do Tony?!- riu alto- por que não disse antes, eu adoro aquele menino!
  Loki pareceu surpreso também:
  - realmente essa até eu fiquei surpreso! Peter é um garoto muito inteligente... mas se parar para pensar, você é ele viviam brincando por ai quando crianças- disse com um sorriso nos lábios.
  Revirei os olhos :
  - posso ir me trocar agora? - perguntei.
  Eles se olharam e sorriram cumplices, eu encarei aquilo como um sim, subi para meu quarto me troquei, passei perfume e olhei no relógio, era 16:30 hrs, desci as escadas apressado:
  - tchau! Não sei a hora que volto!
  Saí rápido porém não a tempo de deixar de ouvir Loki dizer:
  - está muito atraente, Wade!
  Eu corei e fui rápido para a frente da casa de Peter, toquei a campainha e logo ouvi a porta se abrindo,  meu sorriso murchou quando vi quem era:
  - olha, se não  é o Wade crack Wilson!- saldou Tony Stark.
  - não fala assim com ele, Tony! - disse Peter que deu um leve tapa no pescoço dele.
  - ai ! Ei, você vai sair de novo com ele?!- perguntou inconformado.
  - vou e não tenho hora para voltar!- disse e começou a sair da casa.
  - ei! Wilson! Se eu souber que você está influenciando ou drogando o meu pirralho, eu te mato!- gritou Tony quando começamos a nós afastar.
  - desculpa desepciona-lo Stark, mas larguei as drogas há um bom tempo e agora a única coisa que posso viciar o Petey é  em mim!- gritei de volta e Peter corou forte, o que o deixava muito atraente em minha opinião.
  Antes de entrarmos no carro não deixei de perceber a calça colada que ele usava, e como sua bunda ficava mais fudivel que o normal. Agrh, desviei o olhar, não posso pensar essas coisas. Entramos por fim no carro dele e eu fui dirigindo, quando estávamos longe o suficiente e quase perto do lugar que eu o estava levando, ele se voltou para mim e disse:
  - peço desculpas pelo Tony, ele é  um louco e não sabe o que diz.
  - tudo bem... mas que eu saiba, não era para ele estar trabalhando?- perguntei confuso.
  - sim... porém quando você é o dono da empresa, não tem horário para sair- disse simples.
  - não vai perguntar para onde estou te levando?- questionei.
  - não, eu confio em você. ..- disse.
  Sorri. Saber que ele confia em mim me deixa muito mais que feliz. Chegamos enfim no lugar, e ele riu:
  - sério?! Um bar?
  - não me critique, meu querido Petey, você ainda não viu nada- disse e desci do carro ele me acompanhou e na entrada ja comecei a orienta-lo- escute com atenção, a primeira coisa a se fazer é  escolher um lugar, escolha sempre o sofá , pois assim facilita o contato- ele assentiu e fomos a área dos sofás- segunda coisa a fazer é  escolher o sofá com menos luz, porque assim se cria um clima- fomos até o menos iluminado e nos sentamos.
  - como você sabe de tudo isso?- perguntou.
  - anos de experiência, meu caro Petey -  respondi e me aconcheguei um pouco mais .
  Antes que ele me perguntasse mais alguma coisa uma voz me chamou:
  - Wade! Quanto tempo até senti sua falta- era Dominó, uma garçonete do lugar- e quem é o rapaz?
  - e aí,  Dominó!  Esse é  o Petey...
  - Peter!  Ele que me chama errado- corrigiu ele e eu ri.
  - ai! Ele é arisco,cuidado Wade, esse vai demorar para domar- brincou ela.
  Eu ri e abracei ele pelos ombros:
  - é mas vale a pena!
  Ela riu :
  - bem, e o que querem?- perguntou ela.
  - eu o de sempre, e o pequeno aqui um suco- respondi.
  - okay- e assim, ela saiu.
  - ei, o que é o de sempre?- questionou Peter.
  Me esparramei melhor no sofá e disse:
  - é uma batida forte - respondi.
  - e por que não posso beber?- perguntou.
  - porque quem irá levar o carro será você.
  - gozado, eu não sabia disso- disse ele irônico.
Eu ri :
  - bom, agora vou continuar com a minha lição, após escolher o melhor lugar, tente impressionar ela.
  -impressiona-lá com o que?com o meu físico maravilhoso?- riu ele como se fosse uma piada.
Eu tive vontade de dizer que o físico dele era o mais sexy que ja havia visto, porém me contive:
  - não, estou falando de qualidades, Petey- eu disse e ele ficou mudo, tentei pensar em algo e sorri ao conseguir- vamos fazer assim, eu finjo ser você, e você ser a ruiva.
  - por que tenho que ser a mulher?- perguntou franzino o cenho.
  Ah, Petey, é porque você tem uma cara de passivo. Me contive novamente, tentei me concentrar e quando consegui disse:
  - por que você é mais " delicado" entre nós dois- fiz aspas no delicado e ri.
  Ele me deu um leve tapa no braço e riu:
  - tudo bem... vai começa você, tenta me impressionar - disse ele tentando conter a risada.
  - sabe além de ser um dos caras mais famosos por jogar no time da escola, também sou conhecido pelos meus desenhos!...
  - seus desenhos são uma merda- riu ele
  - são nada! Como você fala algo assim sem ter visto?- questionei meio bravo.
  - Wade, eu te conheço desde de criança e já vi você desenhando e também tem lugares da escola que você deixou a sua marca, como na porta do banheiro, o que era para ser algo obsceno ficou parecido mais com uma ameba- riu ele alto.
  - e como sabe que fui eu?- questionei novamente.
  - cara, você assinou o próprio desenho- dessa vez gargalhou ele.
  Revirei os olhos e não consegui me conter, comecei a rir também:
  - okay, okay, não sou um bom desenhista..
  - não mesmo.
  - tá! mas sério sou um ótimo cozinheiro, principalmente de comida mexicana.
  - uau! me impressionou! Acho que agora quero que você cozinhe para mim- disse ele sorridente.
  Eu estava prestes a dizer que quando ele quisesse eu faria isso, ou melhor, eu faria muito mais que cozinhar se ele pedisse. Porém nossas bebidas chegaram, Dominó foi para outra mesa em seguida, mas antes teve tempo de me lançar um olhar malicioso, ela sabia sobre minha sexualidade e era minha amiga desde um tempo. Peter percebeu e disse:
  - você realmente arrasa o coração das mulher, neh Wade-observou ele sério o que me fez rir.
  - está com ciúme? -perguntei.
  Ele revirou os olhos e eu em um instinto me aproximei de seu ouvido e disse:
  - não precisa ter ciúme,babyboy, a Dominó é lésbica- sussurrei e vi ele corar fortemente.
  Ele me empurrou e começou a beber o suco:
  - que papo é esse de ciúme? E por que teve que chegar tão perto?- perguntou envergonhado.
  Eu ri:
  - porque é um dos passos, depois de impressionar, tem que começar a se aproximar lentamente, veja- encostei meu joelho com o dele e no mesmo momento senti um arrepio- encostar os joelhos de leve, tocar os braços, entre essas coisas.
  - hum, entendi- falava ele prestando uma atenção exagerada no que eu fazia, voltei a tomar distância e me encostar no sofá para beber a minha batida:
  - desculpa ter chegado tão perto, sei que deve ser desconfortável, afinal você nunca beijou alguém- disse.
  Ele pareceu gelar e começou a mexer no próprio suco nervosamente:
  - sabe, eu não disse totalmente a verdade ...
  - como assim?- perguntei sem compreender.
  - eu já beijei e quase transei com uma pessoa.
  Nem preciso dizer que meu coração falhou uma batida:
  - sério? quem?- perguntei tentando me conter.
  - . .. o Harry- disse ele meio nervoso.
  Harry?! Tive vontade de gritar. Harry Osborn! Aquele filha da puta mimado?! Ah, como eu quero mata-lo. Tentei me recompor:
  - o Harry?!- ao perguntar não consegui esconder minha indignação.
  - bem, a primeira vez foi...
  - pera! Primeira vez? Teve outras?!- perguntei e percebi que estava exaltado.
  - foram só duas...
  - SÓ duas?!- questionei incrédulo.
  - ei! Quer que eu conte ou não?
  - tá! conta logo.
  - a primeira vez foi em uma festa, nos bebemos e ficamos e na outra na minha casa, naquele dia da briga com o Flash.- disse ele.
  - sabia que tinha rolado algo entre os dois!- disse alto- principalmente naquele dia!
  - ei! Para alguém que tava me acusando de ciúmes, você está além do limite- riu ele.
  - é  claro! Ele tentou abusar do seu corpinho!- antes de mim. Pensei.
  E isso fez Peter rir muito mais, me perdi novamente em sua risada ,por consequência comecei a analisa-lo e me aproximar, como ele podia ser tão lindo? Será que ele não vê que esse jeito dele me tortura? Ele parou de rir ao ver que me aproximava dele lentamente, seus olhos castanhos eram tão calorosos, olhei para sua boca rosada e fina, ela estava entreaberta. Merda assim eu não vou aguentar:
  - de novo se aproximando para ensinar algo?- questionou ingênuo.
  Pobre Petey.  Mal sabia ele no que minha mente profana imaginava fazer com ele. Tenho que me segurar. Tenho que me segurar. Não posso fazer isso. Não posso:
  - Wade?
   Ah. Que. Se. Foda.
E assim, com certo desespero uni os nossos lábios.

Continua...


Notas Finais


Espero q tenham gostado! Bjs e até a próxima😘😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...