História DUPLE (Larry A.B.O.) - Capítulo 22


Escrita por:

Visualizações 120
Palavras 4.526
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁ, MEUS AMORES!

Eu sei que eu demorei MUITO, E PEÇO MIL PERDÕES!

O capítulo de hoje, eu meu ver, está muito, MUITO bom, e eu espero do fundo do meu coração que vocês gostem! Ah, e por favor, leiam as notas finais!

Kisses 💙

Capítulo 22 - I love U


Harry's P.O.V.

- Lou, está aí? - Pergunto assim que chego ao quarto do ômega. Logo ouço o som do chuveiro sendo ligado e sorrio pequeno. Caminho calmamente até o banheiro e bato na porta assim que chego perto. - Amor, posso entrar? - Um som de algo caindo é seguido por um pequeno e agudo grito do mais novo. Instintivamente ponho minha mão na maçaneta, mas não abro a porta. - Louis, está tudo bem?!

- Sim, Hazz... Pode entrar! - Um suspiro de alívio escapa quando ouço sua voz.

Entro no pequeno cômodo e logo dou de cara com uma das mais belas obras de artes que existem nesse pequeno universo! Tomlinson e seu corpo escultural, com pernas torneadas, bunda saliente, uma cintura que só de ver tenho vontade de agarrar... É simplesmente belo! Sem contar seus olhos azuis como o mar e agora que sua barriga está maior eu não consigo deixar de babar nesse homem! Não sei se são meus instintos de alfa, se é pelo imprinting, se é algum efeito que o bebê causa sobre mim ou se é simplesmente porque eu o amo, mas parece que a cada dia que passa eu me atraio imensamente mais por esse garoto!

Assim que me vê o de olhos azuis abre um sorriso sincero. Nada de mais, apenas um sorriso simples, mas que faz meu coração se aquecer e acelerar por conta da genuína felicidade e satisfação.

"Deus, como eu o amo!" é tudo que consigo pensar.

- Oi, Hazz... - Diz sem jeito enquanto pega os frascos de shampoo e outras coisas que derrubou no chão.

- Se você soubesse o quanto eu te acho lindo, creio que teria um pouco de medo de mim. - Acabo soltando o que estou pensando, e Louis começa a rir.

- Seu besta! - É tão bom vê-lo assim, tão alegre... Ultimamente isso está sendo algo raro, e por isso estou ficando a cada dia mais preocupado com meu ômega, mas quando ele está assim eu aproveito cada segundo. - Não quer entrar? - Pergunta. Confesso que fico surpreso com essa atitude repentina.

- Você está mesmo me convidando para tomar banho? - Digo num tom sugestivo enquanto já começo a tirar minhas roupas.

- Palhaço, não é essa a minha intenção! - Ri.

Quando termino de tirar minha última peça de roupa entro no box e me junto ao mais novo. Ele me observa atentamente enquanto me ponho debaixo do chuveiro e deixo a água quente cair sobre minha cabeça, me fazendo relaxar um pouco. Enquanto tento tirar as mechas de cabelo que caíram sobre meus olhos e grudaram em meu rosto sinto as costas de Louis tocarem meu peito, e instintivamente o abraço, levando minhas mãos delicadamente para sua barriga. O ômega parece tenso, mas tenta relaxar com meus toques em seu corpo. Começo a distribuir pequenos beijos por seu pescoço e sorrio ao sentir sua pele se arrepiar contra meus lábios.

- Sempre tão lindo... Está tudo bem com você, amor? - Arrisco. Eu ando evitando essa pergunta, não quero que ele se sinta pior, mas... Mas isso é algo que querendo ou não eu devo perguntar!

- Não, não estou. Na verdade eu não sei o que é "estar bem" há muito, muito tempo... Mas isso não importa... - Diz e dá de ombros.

Fico um pouco chocado. Louis, depois de todo esse tempo, falou pra mim como realmente está se sentindo. Sem mentiras, sem rodeios, só a verdade.

- Lou, como assim "isso não importa"? É claro que importa! Você é tudo pra mim, e agora... - Paro de falar quando sinto as mãos de Tomlinson sobre as minhas, ambas acariciando sua barriga saliente. - Agora vocês dois são o que há de mais importante pra mim!

- Eu sei, Harry, mas é difícil...

- O que é difícil? - Pergunto.

- Só... - Hesita. - Só deixa isso pra lá, ok? Você não vai entender. - Ele descansa sua cabeça em meu ombro e suspira.

- Louis, olha pra mim. - Gentilmente o viro, fazendo com que ele fique de frente pra mim e me olhe nos olhos. - Eu preciso que você me diga o que está sentindo. Eu preciso que me diga o que está pensando. Sabe, eu não posso te entender se você não conversa comigo! Eu preciso que você se abra e me diga o que tanto te aflige, e só então vou poder te entender! - O ômega fecha os olhos com força, tentando disfarçar as lágrimas que começam a brotar em seu olhos. Toco seu rosto com uma de minhas mãos, acariciando sua bochecha e sorrindo quando o vejo se esfregar em minha mão como um lindo gatinho. - Você tem que entender que eu te amo, Louis William Tomlinson. Eu te amo como nunca amei a ninguém, nem a mim mesmo. Você é tudo o que eu penso desde a hora que eu acordo até a hora que vou dormir. Você é meu universo, meu sol, meu guia, minha luz... Você é tudo o que vejo quando me sinto perdido num imenso mar de escuridão, a sua voz é tudo o que eu ouço quando nada mais parece fazer sentido. Eu sinceramente não sei se isso é apenas pelo imprinting, mas independente do que for, eu te amo! Você é o que me faz forte, você é o que me faz querer me tornar uma pessoa melhor todos os dias, e apenas sendo quem você é consegue me fazer te querer a cada segundo mais! Você não tem noção do quão grande é o sentimento que está guardado aqui dentro, e mesmo estando guardado dentro de mim ele pertence a você! E sabe por que esse sentimento é seu? Porque eu te amo, Louis! Você é o dono de todo esse amor!

Vejo Louis estremecer e começar a chorar mais intensamente. Eu o abraço com força, mas não o suficiente para prensar sua barriga, é claro. Deixo que ele chore, deixo ele despencar em meu braço, mas o seguro com firmeza para mostrar que sempre que ele precisar eu estarei aqui para o segurar!

- Meu pequeno e lindo ômega... Você é a melhor coisa que já me aconteceu! Você é como um pequeno tesouro, sabe? É como uma joia rara que eu tive a sorte de encontrar! - Rio. - Se você tivesse noção do quanto me ajudou apenas sendo você e me amando como só você sabe fazer... Você me salvou, de várias formas! Agora, por favor... Por favor... Me deixe salvar você e o nosso bebê... - Mesmo tentando evitar também acabo chorando, porém não me importo pois não poderia estar mais feliz do que agora, aqui, com Louis em meus braços me deixando amá-lo!

- H-Harry... Eu... E-Eu... - Seu choro é tão intenso que ele não consegue falar, então eu apenas o abraço.

- Shh... Não precisa dizer nada agora, Boo. Mas saiba que eu sou seu alfa e eu vou sempre te proteger, vou te ouvir, vou te consolar, vou te segurar, vou te amar... Tudo da mesma maneira que você faz comigo! Eu agradeço todos os dias por você ter entrado na minha vida, sabia? - Ele apenas balança a cabeça em negação quando pergunto, e isso me faz sorrir. - Pois agora você sabe, e também sabe tudo o que eu sinto por você.

Silêncio. Tudo o que resta depois disso é silêncio. Apenas o som da água se chocando contra nossos corpos e depois despencando para o chão. Apenas o som agudo do choro de um doce e machucado ômega. Apenas a respiração pesada e suspiros cansados de um alfa...

Tudo o que resta depois disso é apenas dor e amor...

- Eu também te amo, Hazza... - É a primeira coisa que ele diz depois de longos minutos de silêncio. - Eu te amo tanto, tanto... Eu só queria ser bom pra você como você é pra mim... - E novamente as lágrimas voltam a escorrer.

Meu coração se aperta com essa cena. É quase como se eu pudesse sentir o que ele está sentindo, toda a tristeza, toda a dor, toda a angústia e ao mesmo tempo todo o desespero e amor... Tudo o que não consigo entender é o motivo disso. Não consigo entender o que o deixa assim, tão fraco e vulnerável.

- Você é maravilhoso pra mim da maneira que você é! Eu já cansei de te dizer isso! Nunca, jamais, diga que você não é suficiente, Louis! Você é tudo o que eu quero e é tudo o que eu preciso pra ser feliz! Eu não sei o que está se passando contigo, mas eu vou estar aqui, independente de tudo!

E por fim ele me beija. Um beijo calmo, carregado com todas as suas emoções e sentimentos. Toda a sua angústia e gratidão. Se tudo fosse um mero conto de fadas esse seria o tão esperado beijo de amor verdadeiro.

(...)

Hoje, por ser sábado e por Luke e Ashton finalmente terem voltado para a civilização, os meninos decidiram fazer um almoço na casa dos Tomlinson-O'brien apenas para nos reunirmos.

Mas adivinhem quem acabou ficando na cozinha?

Minha sorte é que sou um ótimo cozinheiro, assim como Josh e Luke. Nós três sempre soubemos fazer de tudo um pouco graças a nossos pais, e confesso que eram momentos divertidos em família quando todos íamos pra cozinha preparar o almoço de domingo. Eram um dos únicos momentos em que podíamos ser pessoas comuns.

- Hm... Esse cheiro está tão gostoso! - Niall diz quando chegamos a mesa com algumas travessas.

- Nunca subestime o poder dos Hemmings-Styles-Devine, meu amor. - Josh se gaba e todos começam a rir.

- Vocês são tão bons cozinheiros assim? - Michael pergunta, e eu me finjo de ofendido.

- Nos chamar de "bons" é uma blasfêmia, Clifford! - Falo.

- Graças a nossos pais nós três somos maravilhosos! - Luke fala e eu e Josh nós juntamos a ele para fazer nossa pose da vitória, o que faz os meninos rirem ainda mais.

- Ok, já podem parar de se gabar, eu estou cheio de fome! - Tomlinson mal fala e já começa a se servir.

Grávidos...

- Louis, se você não estivesse grávido eu iria te bater. - Zayn ralha e o mais novo o olha sem entender.

- Osh... Por quê?

- Você pegou as duas coxas do frango! - Agora é Calum quem entra na briga.

- Em minha defesa eu posso dizer que é uma pra mim e uma pro bebê!

- Irmão, coxa de frango é algo sagrado pra mim... Se não tivesse um ser humano na sua barriga eu não teria piedade!

- Aí, cadê a tia Jay? Ela não vai comer com a gente? - Ashton questiona, deixando a briga de Louis, Calum e Zayn de lado.

- Sogrinha disse que ia ter que ficar até mais tarde no trabalho mas vai voltar a tempo de passar a tarde com a gente. - Tyler entrega um prato ao namorado enquanto responde o cacheado.

- Meu Pai amado, isso aqui é muito bom! - Liam quase geme quando come minha torta salgada, e isso me faz explodir de tanto rir.

- Eu falei que nós somos deuses da culinária. - Luke manda beijos e acena como se fosse uma miss universo.

- Dois beijos para as swifties! - Devine canta.

Deus, que família é essa que eu fui me meter...

O almoço corre normal, com várias e várias brincadeiras dos meninos, assuntos aleatórios que variam do colégio até mesmo a tamanho de sutiãs (não me pergunte o porque...). Tudo normal. Aqui, agora, junto deles, eu me sinto como nos filmes em que todos são uma enorme família feliz. Eu me sinto feliz. Apesar de todos os problemas externos e internos, apesar dos perigos da minha antiga vida, apesar dos fantasmas do passado que ainda me perseguem e de várias outras coisas, eu me sinto muito feliz.

- Gente, eu preciso dizer algo a vocês. - Chamo a atenção dos meninos quando lembro que devo contar-lhes sobre minha viajem a Paris. - Eu ia contar antes, mas não tinha visto oportunidade, porém agora que estamos todos juntos creio que seja o momento.

- Meu Deus, você é mulher? - Niall pergunta.

- O quê?! Nã... E-Eu não sou mulher... - Rio.

- Você na verdade não se chama Harry, é um mafioso ou assassino de aluguel e está fugindo da polícia? - Dylan sugere. Confesso que fico um pouco assustado com o quão perto ele conseguiu chegar apenas com um chute, mesmo que não seja assim.

- Por Deus, não... - Fico vermelho. Luke e Josh riem baixinho e eu os amaldiçôo mentalmente.

- Deixem ele falar, gente. - Louis pede e eu o agradeço, mesmo que ele também tenha percebido que fiquei nervoso com as falas de Dylan. As vezes eu me esqueço de que ele e meus irmãos são os únicos que sabem a verdade sobre mim, mesmo que Tomlinson não saiba de toda a verdade.

- Então... Eu recebi uma informação sobre algo que estou procurando, e graças a isso decidi ir a Paris.

- Paris?! - Todos parecem surpresos.

- Sim, Paris. - Sorrio.

- E o que você vai procurar lá? - Tyler questiona.

- É um item de colecionador, nada de muito importante. - Percebo que Luke e Josh se olham, e creio que eles já devem ter entendido o real motivo desta viagem. - Então, eu queria contar isso a vocês porque eu quero que vocês vão comigo!

E basta que eu diga isso para a mesa se tornar um caos de meninos conversando animadamente sobre a futura viagem. Os vendo agir com tanta união eu percebo que, querendo ou não, nos tornamos realmente uma grande e confusa família... E sorrio com esse pensamento.

Minha família!

(...)

A noite, depois dos meninos terem ido embora, Dylan sugeriu que víssemos um filme de terror, e de cara eu topei a ideia. Até mesmo minha amada sogra e Maura se juntaram a nós, mas antes mesmo da metade do filme os três ômegas (Michael, Louis e Dylan) já estavam se acabando de tanto dormir, então decidimos terminar nossa seção de filmes. Carreguei Louis delicadamente até seu quarto, onde o deitei na cama, mas assim que eu ia me deitar também ele acordou.

E agora ele simplesmente não para de falar!

- Lou... Vamos dormir... - Peço pela trigésima vez em menos de duas horas.

- Não, eu quero conversar. E também não estou com sono. - Diz se pondo de joelhos na cama. Acabo lembrando sobre uma conversa que tive durante á tarde com Johanna e decido aproveitar que ele está comunicativo para lhe contar.

- Bom, já que você quer tanto conversar... - Me sento na cama e fico de frente para ele. - Eu estava conversando com sua mãe hoje mais cedo e nós decidimos que vamos levá-lo à um psicólogo.

Ele para de falar e fica alguns instantes me encarando em silêncio.

- Como assim "nós decidimos"? Eu não decidi nada! - Se irrita.

- Loui...

- Por que vocês acham que podem sempre escolher tudo por mim? E o que eu quero? Não importa?

- Amor, é claro que importa, mas... - Tento chegar perto, mas ele se levanta rapidamente e me encara. Dá pra sentir o tamanho de sua raiva, e não sei dizer se realmente é raiva ou se é por conta dos hormônios elevados graças a gravidez.

Seja o que for, é horrível ter que lidar com um ômega irritado!

- "MAS" O QUÊ? VOCÊS NÃO SÃO MEUS DONOS PRA ESCOLHEREM POR MIM! - Grita. Por mais que eu odeie que gritem comigo mantenho a calma.

- Louis, por favor, pare de gritar comigo. - Peço.

- E por que eu deveria parar?

- Porque não há motivos para você ser tão rude assim, ainda mais comigo que só quero te ajudar! - Digo, e no mesmo instante ele se cala. Decido continuar. - Olha, amor... Eu e sua mãe nos preocupamos com você, nós só queremos o seu bem. Não só nós, mas seu irmão e os meninos também! Você precisa de ajuda pra tentar entender o que está se passando aí dentro dessa sua cabecinha. Você sabe disso, não sabe? - Pergunto e ele apenas acena positivamente. - Nós não somos seus donos, mas Johanna é sua mãe e eu sou o seu alfa, e nós vamos sempre cuidar de você!

Louis hesita por alguns instantes, mas logo baixa os ombros e chega mais perto. Percebo que ele finalmente se rendeu.

- Ok... Vocês estão certos... - Se dá por vencido e me abraça.

- Então, você vai? - Questiono.

- Sim, eu vou...

~*~

Narrador's P.O.V.

No dia seguinte Harry e Louis vão juntos ao psicólogo. Depois do colégio ambos se despediram de seus amigos e partiram. Durante todo o percurso os dois manteram-se em completo silêncio, mas não um silêncio ruim, apenas... Silêncio...

Assim que chegaram a clínica Styles pôde sentir o quão tenso seu ômega estava se sentindo, então apenas o abraçou de lado para tentar passar o máximo de conforto possível. Uma das coisas mais importantes da ligação entre alfa e ômega é o fato de que ambos conseguem transmitir sentimentos um para o outro, e o cacheado se aproveita disso para ajudar seu namorado.

- Amor, relaxa... - Pede. Tomlinson sorri pequeno.

- Relaxar é um pouco difícil, Hazz. - Suspira.

- Por quê?

- Porque eu odeio hospitais!

- Mas Louis, isso aqui não é um hospital. - Ri. - Você vai apenas conversar com o psicólogo, nada demais.

- Louis Tomlinson? - Uma mulher aparece em uma das portas do local. Rapidamente ambos os garotos se levantam e vão até ela, que sorri abertamente para eles. - Olá, eu sou a Dra. Ruby, a psicóloga. Qual de vocês é o Louis?

- Bom... Louis sou eu... - O menor dos dois garotos fala e sorri sem dentes.

- Fabuloso! Então, venha comigo, querido. - Ruby abre espaço para que o ômega possa entrar, mas quando Styles vai fazer o mesmo ela o barra. - Por favor, espere aqui fora, sim? Prometo que seu namorado ficará bem!

- Ah... Tudo bem... - Diz simples e volta a se sentar em uma das cadeiras da recepção.

Enquanto espera, Styles se põe a observar o lugar. Tudo muito branco ou muito claro, nenhuma cor vívida ou escura, e isso o faz compreender um pouco do medo de Louis. Realmente parece mais um hospital do que uma clínica!

E mais uma vez, sem que perceba, seus pensamentos são completamente tomados por um belo par de olhos azuis...

Louis William Tomlinson. Em pensar que antes tudo isso, antes de ser contratado pelo Ametista Negra para que pudesse eliminar o pequeno garoto, Harry sequer imaginava que sua vida pudesse tomar esse rumo. Nem em seus melhores e mais fantasiosos sonhos ele se via ao lado de um lindo ômega, cercado de amigos, de felicidade, e muito menos se via sendo pai. Harry nunca pensou em ser pai. Se alguém o dissesse isso há quatro meses atrás ele provavelmente riria na cara da pessoa, mas hoje em dia, para ele, nada mais é impossível! O alfa nunca pensara que pudesse mudar tanto em um período tão curto de tempo, e não só ele, como também seus irmãos...

Tudo era diferente agora e Harry não poderia se sentir mais feliz!

Mesmo com todas as dificuldades, mesmo com um maníaco atrás de seu ômega, mesmo com os problemas de Louis e os seus próprios, ele ainda sentia-se feliz e realizado. Ele ganhou amigos novos, ganhou uma nova familia, ganhou um novo amor e agora ganhará um filho... Poderia ser melhor?

Depois de quase uma hora ali o alfa já começava a se sentir entediado, então decidiu sair. Na rua ele não sabia para onde ir, mas decidiu caminhar. Começou a andar, mas algo em um beco ao lado da clínica o chamou bastante atenção. Uma movimentação suspeita. Lentamente o cacheado se aproxima e tenta entender toda aquela situação, e ao chegar perto o suficiente ele percebe que há algo de muito errado. Dois homens, grandes, encurralam um menino ao fim do beco. O menino parece bastante assustado com tudo aquilo, e conforme os homens se aproximam ele vai cada vez mais recuando, até bater contra a parede que marca o fim do corredor. Harry consegue sentir de longe o cheiro da excitação dos alfas e o do medo do pequeno e indefeso ômega.

- Não tem mais pra onde ir, princesa. - Um dos caras diz e agarra o braço do menino, este que parece querer gritar mas é como se simplesmente não conseguisse.

- Você sabia que não ia conseguir fugir por muito tempo, não sabia? - O segundo cara segura seu rosto com força e o cheira. - Que cheirinho doce... Parece que alguém está prestes a entrar no cio...

- E vamos aproveitar essa belezinha aqui mesmo, Johny? - O alfa ruivo pergunta.

- Eu acho que sim, Brad. - O outro responde.

Quanto mais se aproxima, quanto mais sente o cheiro podre do desejo daqueles homens e quanto mais os ouve falar, o coração de Styles vai ardendo em puro ódio. Ódio dos dois filhotes de alfa que mancham o status que carregam em si apenas com sua fútil existência. Ódio por pensar que, assim como esse menino, vários outros ômegas também já passaram, estão passando ou ainda passarão pela mesma situação. Tudo o que ele sentia era o ódio correndo por suas veias de alfa!

- Vocês dois. - Chama calmamente e ambos os homens o olham. Sua voz como sempre soa impotente, como se seu dono fosse um ser indestrutível. - Saiam de perto dele.

- E quem é você? - Brad questiona.

- Não importa quem eu sou. Apenas me obedeça, alfa! - Ralha. Harry mantém contato visual com os homens e a todo tempo os analisa, tentando achar suas fraquezas, o que não deve demorar. Os dois parecem bem fortes, mas o de olhos verdes sabe que nenhum outro alfa se compara a si!

- Ora, ora... Temos um herói aqui. - Johny sai de perto do ômega e caminha em direção a Styles. - Depois de comer a boneca ali nós vamos nos divertir com você, grandão. - Ri.

Os alfas então passam a ignorar a presença de Styles ali, como se fosse algo totalmente irrelevante, e voltam sua atenção para o ômega. Naquele momento Harry pensa que nunca em sua vida cogitou a hipótese de que um dia poderia sentir tanta raiva! Suas presas e garras já cresciam por tamanho ódio!

- Eu avisei. - Rosna.

E então ele vai até os homens, agarrando o primeiro pelo pescoço, onde finca suas garras e o joga para longe. O que sobra mostra também suas garras e presas e rosna o mais alto que pode na tentativa de intimidar o de olhos verdes, mas não surte efeito nenhum. Com extrema agilidade Harry consegue chegar até o ômega assustado e tapa seus ouvidos para que então possa rosnar da mesma forma que o outro alfa. Ele faz isso para que o menino não sinta dor, mas nada impede de que os outros dois homens sintam. Ambos recuam por alguns instantes, o que dá a ele a oportunidade de atacar. Com extrema força e precisão ele passa suas garras pelo rosto de Brad, rasgando profundamente a carne e fazendo o sangue jorrar para todos os lados. Cortes bem calculados, de baixo para cima e que deixarão marcas pelo resto da vida, mas essa era sua intenção: Ele deseja que ambos os alfas nunca se esqueçam desse dia, nunca se esqueçam dele e pensem muito bem antes de tentar fazer algum mal a qualquer outro alfa, beta ou ômega.

- SEU FILHO DA PUTA! - Johny corre e desfere um soco certeiro no peito do de olhos verdes, o fazendo tombar e cair. - VOCÊ VAI SE ARREPENDER!

O loiro tenta chutar Harry em seu rosto, mas o homem segura seu pé com tanta força que Johny pode sentir seus ossos se partirem. Ele cai e urra de dor, e ao mesmo tempo Styles se levanta e caminha lentamente na direção do loiro que ao ver que não teria a menor chance clama por misericórdia.

Mas o alfa não teria a menor gota de piedade de dois vermes como aqueles dois!

Ele segura Johny pelo pescoço, novamente cravando suas garras ali e o ergue até que o corpo do alfa fique suspenso, longe do chão. O homem se engasga em seu próprio sangue e tenta arranhar os braços do cacheado a sua frente para que então possa se soltar, mas é tudo em vão. Harry não demonstra nenhuma emoção. Ele não sente absolutamente nada. Aquele era um lado seu que ele não desejaria que ninguém visse. Um lado sombrio e impetuoso que não teria pena de nada e nem ninguém que entrasse em seu caminho!

Aquele era Harry Edward Styles, o maior assassino de aluguel de Londres! O mais forte alfa de toda a cidade!

- Eu avisei para saírem de perto dele, não avisei? - Pergunta. Logo ele mostra suas presas, enormes, brancas como a neve, prontas para despedaçar o pescoço daquele alfa inútil que estava em suas mãos, mas antes que ele o faça uma voz familiar soa no beco vazio.

- HARRY! - E é Louis, ali, parado, vendo seu namorado com as mãos cheias de do líquido vermelho, enquanto há um homem erguido por si e outro caído no chão com sangue escorrendo feito louco.

Tomlinson se sente horrorizado pela cena, tanto que acaba vomitando com o quão pesado é. Harry nunca pensou que um dia Louis poderia o ver desta forma e automaticamente se sente envergonhado. Ele solta o homem no chão e anda até o outro ômega, este que continua encolhido e chorando em um dos cantos do lugar.

- Hey... Olhe pra mim... - Pede, e de maneira hesitante o menino o olha. Ele treme e chora descontroladamente. - Está tudo bem agora, eles nunca mais vão te perturbar.

- E... E-Eu... - O pequeno ômega parece em choque. O observando mais de perto Harry nota o quão jovem ele aparenta ser, mais jovem até mesmo que Louis.

- Vem cá... - O cacheado tenta o pegar, mas assim que o menino bate os olhos em suas mãos ensanguentadas se encolhe ainda mais. O alfa nota que agora o ômega também sente medo de si. - Calma, eu vim te ajudar... Está tudo bem.

Ao olhar para o lado o de olhos verdes nota uma pequena torneira e aproveita para lavar suas mãos. A água que escorre se torna escarlate conforme ele as lava, mas logo tudo escorre para um pequeno e quase imperceptível bueiro. Ele volta até o garoto e o pega no colo, e instintivamente o menino se agarra a ele.

- Eu vou cuidar de você. - Diz e ouve um grunhido vindo de Louis.

É claro que seu ômega se sentiria ameaçado com a presença de outro ômega, ainda mais pelo fato dele estar agarrado ao seu alfa. Mas Harry sorri e se aproxima de Tomlinson, o pegando no colo com seu braço livre. O mais novo se impressiona com o tamanho da força de seu alfa, tanta que consegue carregar os dois sem nenhuma dificuldade.

- Amor, relaxe... Logo irei te explicar tudo isso... - Diz.

- Eu acho bom mesmo, Styles! - Rosna. Styles nunca havia ouvido o rosnado de um ômega, mas agora, ouvindo o de seu ômega, ele achava a coisa mais fofa do mundo.

- Eu irei, confie em mim. Agora, ligue para a polícia, por favor...

Com certeza aquele ainda seria um longo dia...


Notas Finais


Olá de novo, meus amores!

Então, eu espero que tenham gostado desse capítulo, e se sim me digam o que acharam dele, por favor. Eu sinto que esse foi um dos melhores capítulos que eu já escrevi, e digo isso pela linguística, jogo de palavras, a pegada mais sentimentalista e filosófica, e eu realmente quero saber o que vocês acharam! Eu sou leonino então gosto de receber elogios e críticas!

Outra coisa que eu quero falar com vocês...

Antes de escrever DUPLE eu escrevia uma história top chamada Sweet Sacrifice, esta que eu finalizei no final do ano passado. Por ter começado a escrever em 2015 ela tinha muitos erros e tal, e como eu decidi tentar uma segunda temporada, decidi apagar a história, corrigir os capítulos e então postá-la novamente. Sei que alguns aqui já sabem, já até leram a outra "versão" de SS, mas aos que não a conhecem peço que dêem uma olhada, vejam se gostam e me ajudem também com divulgação e tal. Como todos devem saber o incentivo de um escritos são os comentários de seus leitores, e vocês são realmente muito importantes para mim, tanto que apenas penso em vocês quando demoro pra atualizar!

Mas enfim, vou deixar o link abaixo, e espero que vocês estejam comigo em mais essa!

Kisses 💜

https://www.spiritfanfiction.com/historia/sweet-sacrifice-larry-au-13877641


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...