1. Spirit Fanfics >
  2. Durante a Tormenta >
  3. Capítulo 13

História Durante a Tormenta - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpem a demora ;-;

Capítulo 13 - Capítulo 13


Fanfic / Fanfiction Durante a Tormenta - Capítulo 13 - Capítulo 13

Katsuki On 

Maldito meio-a-meio! Soco meu armário no vestiário, quem ele acha que é pra ‘dar em cima do meu Espeto?! Espera eu disse meu?! Sinto meu rosto queimar, droga Kirishima, suspiro e encosto minhas costas no meu armário frio e amassado, por que você faz isso comigo? Seguro meus cabelos, provavelmente os dois devem estar combinando aonde vão, que se dane! Troco de roupa, não é como se eu e o Kirishima fossemos alguma coisa, pego minha mochila, ele pode ficar com quem quiser, sinto um aperto no coração. Saio do vestiário sem olhar para trás e vou até a saída da quadra, caramba já são quase nove! A rua está um breu, afinal os postes estão todos estourados nessa merda! Toma no cu! Sigo meu caminho no escuro mesmo. Chego na estação e compro meu ingresso, vou até o lado de espera e me encosto na parede, fico observando o fluxo de pessoas, que está bem baixo esse horário, ainda bem, odeio metrô cheio, se bem que, lembro do ruivo grudado ao meu corpo, não é assim tão ruim, sorrio bobo, merda! Por que estou sorrindo?! Cruzo os braços e fecho a cara, para de rir caralho! O trem finalmente chega, sigo até um vagão qualquer e me sento na janela, eu adoro ver as paisagens, ‘sei lá, eu relaxo um pouco. 

???: Posso sentar- me assusto e olho para o dono da voz.

Katsuki: ‘Cê que sabe- do de ombros e o Espeto sento do meu lado. 

 Eijiro: Você está...bem? – me encara preocupado

Katsuki: Por que não estaria? – viro meu rosto pra janela

Eijiro: Po-por nada- diz sem graça

Katsuki: Pensei que fosse sair com o pavê- ele cora e me encara

Eijiro: ‘Nah! – me encara- eu não saio com pessoas que não gosto- sorrio com suas palavras, merda! Eu não mando mais nessa caralha desse corpo?! 

Katsuki: Então se eu te chamasse pra sair- o que estou fazendo?! – você aceitaria? – o encaro e ele cora abaixando o olhar, tão fofo. Ah foda-se! Eu gosto dele porra! Estou com ciúmes sim, e acho ele fofo pra caralho! 

Eijiro: Ta-talvez- um sorriso convencido surge nos meus lábios, se fodeu pavê de merda.

Eijiro On 

Meu Deus! Por que eu disse isso?!!! Eu deveria ter negado! Agora ele vai me chamar pra sair, coro e viro o rosto pra longe do alcance de sua visão, não seria algo ruim mas, isso só iria dificultar as coisas! Como vou esquecê-lo se ele fica cada vez mais próximo de mim?! Merda! O que estou fazendo? Suspiro, o que vou fazer? Cada vez mais sinto esse sentimento aumentar por ele, mas eu não posso deixar isso acontecer, não quero me machucar de novo. A moça fala as horas, e meu pai, são 9:30! Hoje o treino durou bastante, mas é compreensível, o campeonato está chegando, então temos que ficar prontos até lá. Depois de mais uns 15 minutos chego na minha estação. 

Eijiro: Bom até mais ‘Broh- me levanto e sou acompanhado por ele- A-aonde você vai? – o encaro confuso 

Katsuki: Vou te levar até em casa- fico surpreso

Eijiro: Que?! Por que?! 

Katsuki: Anda logo- me puxa pra fora do vagão antes que as portas fechem

Eijiro: Bakugou por que fez isso? Se você me levar em casa só vai chegar tarde em sua casa! – o repreendo e ele dá de ombros 

Katsuki: Esse horário é perigoso- ele está preocupado- então acho melhor te levar até em casa. 

Eijiro: É você tem razão esse horário perigoso! – o encaro irritado- E ai você vai voltar sozinho pra casa em um horário mais perigoso ainda! 

Katsuki: Não se preocupe comigo Espeto- sorri convencido- eu sei me cuidar

Eijiro: Eu também sei me cuidar! – cruzo os braços irritado e ele sorri

Katsuki: Bom de qualquer jeito aquele era o último trem, vou ter que ir embora de ônibus mesmo- o homem teimoso! – Vamos? – assinto e saímos da estação

Seguimos até o ponto mais próximo, e sentamos no banco gelado e enferrujado, um vento forte passa por nós, que merda! Por que fui esquecer meu casaco?! Começo a tremer no banco, será que o ônibus vai demorar muito? O loiro joga seu casaco na minha cara

Eijiro: Que isso?! – pega seu casaco marrom nas mãos 

Katsuki: Um casaco, não tá vendo? Porra! – gentil como sempre

Eijiro: Mas pra que? – ele revira os olhos e bufa

Katsuki: Pra você enfiar no cu! – solto uma risadinha, eu adoro ver o Bakugou puto- É pra você usar né caralho! – coro

Eijiro: Na-não precisa- tento devolver mas ele segura na minha mão, meu deus eu devo estar muito corado, ainda bem que está escuro

Katsuki: Coloca essa merda! – solta minha mão- Tá frio- cruza os braços- você vai ficar doente.

Eijiro: E você não? – estou começando a ficar puto! Ele acha que sou de cristal?! 

Katsuki: Minha imunidade é alta, dificilmente fico doente- diz indiferente, reviro os olhos e coloco seu casaco quentinho

Seu cheiro invade meu nariz, o perfume dele é muito gostoso, é meio amadeirado, bem rustico, sorrio com meu pensamento, para com isso Eijiro! Você está virando um pervertido!  Balanço minha cabeça espantando meus pensamentos pra longe. Encaro o loiro, ele é muito bonito, seu queixo fino, olhos escuros, seu cabelo loiro claro, tudo nele é lindo, seus olhos se viram pra mim e eu desvio o olhar, que vergonha! Escuto uma risadinha.

Katsuki: Levanta- obedeço- O ‘busão tá chegando- ele dá sinal e a condução para pra subirmos.

O local está vazio, então pegamos um lugar perto da porta dos fundos, ele sentou na janela e eu ao seu lado, o caminho foi bem calmo e silencioso, eu fiquei distraído com meus pensamentos e Katsuki com a paisagem, a noite está linda, o céu está limpo dando pra ver perfeitamente as estrelas, a luz da lua ilumina o ônibus e um vento entra pela fresta da janela bagunçando nossos cabelos, sinto um peso no meu ombro e quando olho para o lado vejo o loiro com os olhos fechados encostado em mim, ele...dormiu? Coitado, suspiro, ele deve estar bem cansado, sua respiração está pesada e batendo contra meu pescoço me trazendo alguns arrepios, sua expressão está serena, nem parece o loiro explosivo que jura todo mundo de morte, acho que esse momento merece uma foto. Pego cuidadosamente minha Polaroid na bolsa e tiro uma foto do outro, agora mais do que nunca estou ansioso para revelar essas fotos. Apoio minha cabeça na sua e fecho meus olhos me permitindo relaxar um pouco.

~~~~~Um tempo depois~~~~~ 

     

Sinto um chacoalhar, e abro meus olhos lentamente, avistando os olhos quase escarlates do loiro fixados em mim 

Katsuki: É o nosso ponto- fala rouco- assinto meio sonolento e descemos- Bom está entregue- sorri. 

Eijiro: Obrigado Baku- bocejo sonolento 

Katsuki: Então até mais- se vira indo em direção do seu ponto, eu não quero que ele vá agora

Eijiro: Es-espera! – ele para de andar e me encara- E-eu...- quero que você fique- e-eu- ele volta e fica cara a cara comigo- tenho que devolver suas roupas- obrigado cérebro! 

Katsuki: Tinha até esquecido disso- coça a nuca

Ambos nos dirigimos até a meu apartamento, assim que entramos no prédio Aizawa nos encara 

Aizawa: Boa noite rapazes- sorri 

Eijiro: Boa noite Sr.Aizawa- aceno pra ele 

Katsuki: Oi- diz seco

Aizawa: Chegou tarde hoje.

Eijiro: Pois é- ele encara o loiro e sorri maldoso, o que ele está pensando?! 

Aizawa: Bom não vou atrapalhá-los mais- pega sua caneca em mãos- podem subir e aproveitar a noite- sorri sugestivo 

Sinto minhas bochechas queimarem, meu pai! Por que o mundo insiste em me deixar envergonhado na frente do Katsuki?! 

Eijiro: A-a-a gente na-não va-vai fazer nada- nego desesperado- e-e-ele só me trouxe até em casa! 

Aizawa: Eijiro não se preocupe- sorri- Você sabe que não sou preconceituoso- meu deus! Por que vida?! 

Katsuki: Vamos logo espeto- me puxa em direção do elevador 

Aizawa: Usem preservativo! – grita do saguão, se eu não o respeitasse tanto, com certeza teria lhe tacado meu tênis! 

Entramos no elevador e eu me afasto do Bakugou, eu estou tão constrangido! Devo estar mais vermelho que um pimentão! O elevador para no meu andar e ambos descemos e andamos até meu apartamento, por favor que não esteja badernado! Pego a chave na bolsa e abro o local, e pra minha sorte ele parece em ordem.

Eijiro: Na-não repara na bagunça, entro e ele faz o mesmo- Quer alguma coisa? Uma água, um café, um chá- sou interrompido 

Katsuki: Não, obrigado- se encosta na porta

Eijiro: Certo- forço um sorriso- vou pegar suas roupas- ele assente e eu vou para meu quarto

Aonde foi que eu as deixei mesmo? Começo a procura-las e acabo as encontrando no meu guarda-roupa, as coloco em uma sacola e volta para a sala.

Eijiro: Aqui estão- entrego-lhe as roupas- Mu-muito obrigado- digo corado e sem graça 

Katsuki: Imagina- vamos em direção a porta- Tchau cabelo de merda.

Eijiro: Me avisa quando chegar- digo preocupado e ele ri 

Katsuki: Pode deixar mãe- reviro os olhos- Obrigado- fico confuso.

Eijiro: Por que? 

Katsuki: Por ir ao treino- ambos sorrimos

Eijiro: Promessa é promessa né- me encosto na porta

Katsuki: É você tem razão- o mesmo se aproxima de mim e beija minha testa- Até amanhã Kirishima- se vira e vai embora me deixando travado na porta. 

Meu coração começa a acelerar, aquela sensação boa volta, e um sorriso se forma em meus lábios, ele foi tão atencioso hoje, levo minhas mãos até o local do beijo. Droga, não sei se ainda tenho capacidade de esquecê-lo.   



Notas Finais


❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...