1. Spirit Fanfics >
  2. .durma >
  3. Capítulo Único

História .durma - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


nem vou falar que eu estou postando outra fanfic pra não piorar a minha situação

Boa Leitura

Capítulo 1 - Capítulo Único


O esverdeado acordou no meio da madrugada graças a luz ligada do abajur que ficava ao lado da escrivaninha, era Hitoshi, seu amigo de infância.

Tinham histórias era engraçadas juntos, mas o momento era meio preocupante para pensar sobre isso. Shinsou estava acordado às 6 da manhã, e isso preocupava Izuku.

Tinha motivo para se preocupar, sua saúde estava em jogo.

O belo garoto de olheiras maiores que o normal parecia aflito por alguma razão que Midoriya tinha certeza que não fora informado antes, mas tinha certeza que não era sobre sua insônia.

O esverdeado notou tudo, até os ombros tensos ao olhar fixo nos papéis em sua mesa de trabalho, que era perto da escrivaninha ao lado de Izuku, onde o abajur estava ligado.

Possivelmente eram coisas do seu colégio, mas não teria motivo para esconder isso de Izuku. Na verdade, Shinsou usaria isso como uma desculpa para dormir mais tarde, e tomar mais café do que permitido pelo esverdeado.

Era algo mais profundo, tinha certeza disso. Queria explicações sobre isso, agora.

– Hito, o que está acontecendo?... – Izuku sentou na cama para olhar Shinsou melhor.

O arroxeado arregalou seus olhos ao escutar Izuku. – Eu te acordei? Me desculpe.

– Não mude de assunto –, Izuku cerrou os olhos, e Shinsou engoliu em seco.

– Nad-

– Não minta para mim. –, Midoriya mandou olhares mortais pro amigo de infância. – O que está acontecendo?

São só trabalhos da escola, Zuku, volte a dormir –, Hitoshi abriu um sorriso cansado, fazendo o peito de Izuku doer ao ver. Mas não fez o mais baixo se convencer.

– Apenas se você voltar comigo.

Antes de Hitoshi conseguir negar, Midoriya se levantou para o puxar pra cama.

– I-Izuku, eu vou dormir no colchão –, Hitoshi tentou o lembrar, ganhando apenas um bufo do outro.

– Não confio que você vai realmemte dormir, agora deite –, o esverdeado mandou com um olhar duro, foi impossível desobedecer o esverdeado. – Poxa, Hito! Você me preocupa assim, descanse um pouco.

– Posso tentar –, Hitoshi evitou olhar para o garoto que tinha um par de esmeraldas, escolhendo ficar perto da parede.

– Não, você vai me prometer –, sussurrou Izuku, abraçando o braço do amigo fazendo Hitoshi o olhar. – De dedinho.

Shinsou achou graça sua infantilidade pois riu baixo. – De dedinho.

Os dois ergueram suas mãos, especificamente o mendinho, e torceram no outro, sorridentes. – Fale.

– Eu prometo descansar um pouco.

– Pelo menos sua insônia não impediu seu cérebro de lembrar algo básico –, zombou Izuku com um sorriso atrevido.

– Você é tãããão engraçado, Izuku –, Shinsou revirou seus olhos, segurando a risada para não dar satisfação pro esverdeado. – Vamos dormir logo, não quero mais suas broncas por hoje.

– Você me deu motivos para fazer isso, com certeza quando acordarmos irei dar dando puxões de orelha em você –, Izuku riu baixinho, se ajeitou melhor na cama para apoiar sua cabeça no peito de Shinsou.

Sentiu seu coração acelerar, corou ao notar a velocidade de seu batimento; esperançoso que fosse por sua causa.

– Por favor, não machuque minhas orelhas –, sua voz falhou, mas Hitoshi pareceu forçar ela a continuar funcionando normalmente.

– Eu... vou pensar sobre –, Izuku mordeu seu lábio inferior.

O problema clichê de sua vida era essa; estava apaixonado por seu melhor amigo e seu mais velho amigo. Sabia que era quase impossível visto que Hitoshi parece interessado em outro, Kaminari Denki, esse que não era nenhum pouco parecido consigo então não deveria nem ser o 'tipo' de Hitoshi. Izuku ainda não sabia se era algo bom ou não saber que não tinha chance, por um lado, suas esperanças seriam esmagadas, algo ótimo, mas, por outro lado, doía tanto.

Seu peito apertava apenas em pensar sobre isso, seus olhos ficavam turvos pelas lágrimas. Não era bom.

– Você está bem? – Shinsou chamou a atenção de Izuku, o fazendo quebrar a linha de pensamentos.

– Que? – com uma sombrancelha erguida, Izuku esqueceu do quão aleatório foi a pergunta. –Eu estou com sono, mas vou ficar bem.

– Não assim, quero dizer, isso é importante e tals, mas... –, hesitou em continuar, não sabendo se seria o certo ou não. No final, ligou o 'fodasse'. – Seus sentimentos, é isso que eu quero dizer.

– Meus...? Eu deveria estar te perguntando isso, tonto! –, Izuku reclamou, dando socos fracos em seu peito. – Não sabe nem explicar os seus pensamentos, e quer entender os dois outros.

– Ei! Eu sei explicar meus pensamentos!.

– Estou esperando a resposta ainda, se quiser explicar... –, Izuku segurou a risada ao ver que estava dando certo seu "plano".

– Seu merda esperto pra caralho... –, Hitoshi sussurrou de maneira que Izuku pudesse escutar. – Tá bom! Eu falo se prometer me escutar e não falar nada!

Tudo que Midoriya conseguiu pensar foi: – De dedinho?

– De dedinho, claro – Shinsou riu da brincadeira, mesmo sabendo que deveria ser mais tenso.

– Eu prometo apenas escutar você, sem dizer uma palavra! –, os dois ergueram os mindinhos, em um tipo de pacto.

Shinsou ficou em silêncio, hesitando de realmente dizer.

– Tudo bem! Eu recentemente descobri algo um pouco... Chocante –, Midoriya não viu, mas conseguiu sentir a tensão do arroxeado. – Foi difícil no começo por que... Era sobre alguém próximo de mim, beeem próximo...

O esverdeado pensou em dizer algo, mas conseguiu se manter quieto o momento todo. Esperou Hitoshi.

– Eu meio que posso ter me apaixonado por alguém que não deveria –, os olhos de Izuku pesaram ao escutar a voz fraca de Shinsou, claro que deveria ser isso; era a única coisa que Hitoshi nunca falava consigo, amor. – Isso me deixa meio ansioso e nervoso, não consigo dormir direito com pensamentos sufocantes.

Ainda em silêncio, Izuku se obrigou a não se lamentar. Deveria saber que não tinha nenhuma chance. Hitoshi iria ficar feliz com Kaminari, sim, Midoriya tinha certeza disso.

– Eu dúvido que ele me ame de volta, ele sempre esteve rodeado de tantas pessoas interessantes, provavelmente não se importa muito comigo –, admitiu seus pensamentos apenas pro no final levar um dos socos mais forte de Izuku em seu peito. – Aiii! 'Tá louco? Eu quase morri.

Balançou sua cabeça como se falasse "dramático...".

– Você pode falar, sabe né? Eu sei que você acha promessa de mindinho importante, mas eu estava brincando –, em um tom zombeiro, Shinsou falou.

– Idiota! –, Midoriya deu um tapa meio fraco meio forte em sua cabeça. – Você não é desinteressante! Você é uma das pessoas mais incríveis e legais que eu já conheci! Não seja duro consigo mesmo, relaxe um pouco.

Shinsou ficou alguns segundos em silêncio para depois soltar uma risada baixa. – Okay, isso foi muito importante e ajudou muito, obrigado.

– Você... Você foi irônico? – lançou um olhar frio pro amigo de infância, que não sabia se ria ou chorava.

– Não! Eu falei isso por que... bem –, o garoto de olheiras enormes pensou bastante antes de continuar. – Pode parecer estranho, mas é que ele é você.

Izuku parou de racionar nesse momento, não sabendo como organizar seus pensamentos. A batalha que estava acontecendo em sua mente era o verdadeiro caos.

Shinsou notou sua travada, mostrou um sorriso deprimente e soltou risadas irônicas. – Eu falei que dúvidava que ele gostava de mim de volta.

Sem conseguir aguentar a dor que sentiu ao ver Hitoshi triste, e nem a felicidade explodindo em si; em um ato de total impulso, o beijou. Midoriya beijou Hitoshi, o garoto que amava desde quando tinha 11 anos, o seu mais antigo amigo, a única pessoa que conseguia ver consigo no futuro em uma casa com provavelmente quatro ou mais gatos e uma aliança no dedo.

O beijo não tinha segundas intenções, era um beijo apaixonante e calmo que Izuku tentou passar tudo que sentia em relação a Shinsou. Seu relaxante amor quente.

– Eu não diria isso, acho que ele gosta mais de você do que pensa –, Izuku sorriu provocante após se separarem. – Talvez ele não queira que seja só um "caso", mas sim um casamento.

– Oh.

– Muito rápido? – Izuku queria rir dessa situação, tinham se declarado, mas ainda sim conseguiram quebrar totalmente o clima.

– Um pouco, mas eu achei fofo –, foi a vez de Hitoshi puxar Izuku para um beijo rápido.

– Acho que está um contra um, quero ver quem vai ganhar até a próxima semana –, Izuku riu da sua brincadeira.

– 13 anos –, tudo que Shinsou ganhou foi um olhar confuso. –Eu me apaixonei por você quando tinha 13 anos.

Hitoshi revelou com um sorriso traveso, por algum motivo, Izuku esperava por isso, e devolveu o mesmo sorriso. – 11 anos.

– Uau, você ganhou essa –, Shinsou fez uma expressão exagerada de surpresa. – Me lembre de não te desafiar depois, por favor, não quero ser esfaqueado pelo fracasso.

– Mas é tão divertido –, Izuku falou fazendo uma voz manhosa.

– Psicopata anão a solta, alerta, alerta –, Shinsou riu de sua propría piada, recebendo uma cotovelada em seu rim. – Ele me pegou! Ele me pegou! Socorro!.

– Vai dormir, idiota! Não quero ninguém dormindo até as duas da tarde hoje –, Midoriya se ajeitou nos braços do... Amigo? – Eu vou te acordar meio dia e meia, nem mais, nem menos.

– Porra, Zuku! Você sabe que horas são por acaso? – desesperadamente Shinsou perguntou, desejando apenas parar o tempo. –... Uma e meia.

– Sem negócios, você não tem opção –, Izuku sentiu Hitoshi segurar sua cintura, puxando-o para mais perto de si.

– Então acho melhor dormir –, sussurou em seu ouvido, criando um arrepio em todo seu corpo.

– Você p-prometeu de qualquer forma –, gaguejou, tentando esconder seu nervosismo.

– De dedinho.

– De dedinho –, Izuku concordou rindo.

– Bons sonhos, Izu.

Midoriya o olhou com sua expressão emtediada. – Apenas durma logo.

.

.

.

.

.

.


Notas Finais


MANO EU NÃO ACREDITOKKKKKKKK EU TO ESCREVENDO UMA FANFIC SOBRE DORMIR NA MADRUGADA PÔ ASSIM FICA DIFÍCIL PRA MIM
pelo menos to postando a tarde, pegaria mal pra mim postar as quatro da manhã


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...