1. Spirit Fanfics >
  2. Dwyer >
  3. Ameaças Silenciosas

História Dwyer - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


a gente some e aparece mas a vida é assim.
o aviso é o mesmo de sempre,mínima revisão,erros são possíveis!!
Espero que gostem e boa leitura!!

Capítulo 4 - Ameaças Silenciosas


Fanfic / Fanfiction Dwyer - Capítulo 4 - Ameaças Silenciosas

A delegacia de Dwyer estava agitada de uma maneira que eu nunca vi e provavelmente nunca veria novamente. Oficiais e detetives correndo para todos os lados,provavelmente algo havia sido descoberto:

-Okay,eu quero que vocês tomem muito cuidado,não sejam reconhecidos. Levem em conta as informações que eu lhes dei,eu acredito no potencial de vocês nesse trabalho!!-Ouvi a voz de Dwyer de uma sala

-A delegacia parece mais agitada do que o comum,espero que não tenham descoberto algo importante sem mim!!-Ri,entrando na sala enquanto outros oficiais sairam

-Na verdade,descobrimos sim.-Dwyer respondeu de modo seco

Suas bochechas estavam mais avermelhadas do que o normal,parecia envergonhada ao mesmo tempo que parecia querer me esganar:

-...Eu fiz algo??

Dwyer colocou em minhas mãos um pacote,o mesmo que eu havia mandado para a mesma na noite passada:

-Isso foi desnecessário e extremamente irresponsável.-Ela disse,sem sequer olhar em meus olhos

-I-Isso foi só uma...

-Eu te conheço bem,Wilde. Faça isso outra vez e eu vou enfiar isso na sua garganta...Kala te agradeceu pelos presentes.-Ela soltou

-Ela gostou??

-Quase não quis dormir querendo brincar com todos de uma vez!!

-Isso é bom.

-Apesar de eu achar que não deveria gastar tanto com uma garotinha cuja pele você foi ensinado a...

-Pare de dizer isso. Isso era o antigo Wilde.

-E desde quando existe um novo??

-Desde a noite do sermão do pastor Frank.

-...não posso negar,realmente andam muito chegados. Bem...também não posso negar que está diferente. Isso é bom...-Ela quase sussurrou

-O que disse?? Desculpe,acho que não ouvi.

-Então não irá ouvir.

-...O que descobriram??

-Ontem,ao mesmo tempo que seus "presentes natalinos" chegaram-Elizabeth gesticulou-Uma caixa sem identificação chegou,era uma ameaça. Uma "ameaça silenciosa".

-Acha que é de...??

-Eu não posso confirmar nada,por isso mandei minha equipe questionar a todos os vizinhos e a Mrs. Smith sobre as últimas vezes que viram Edmund.

-Acha que terá algum progresso??

-Estou confiante de que sim,Wilde.

-Precisa de alguma ajuda?? Sabe,é...

-Muito delicada. Já entendi. Quero que você fique longe de fazer besteiras,e que faça um relatório dos últimos dias de trabalho.

-O que?? Eu não fiz isso até agora!! Estamos trabalhando juntos a quase 1 semana!!

-E ainda não fez um relatório de progresso do trabalho??...então acho melhor se apressar Wilde,tem 1 semana agitada para pôr em dia.-Elizabeth disse, dando um tapinha nas minhas costas e saindo da sala

[...]

O pastor Frank quase não conseguia se controlar de tanto que ria,e eu apenas queria um lugar para esconder meu rosto de tão envergonhado que estava:

-Uma lingerie,Sam??-Ele disse,em meio as gargalhadas

-Não tem graça.

-Ah,tem sim.-Ele continuou,tentando se recompor

Demorou apenas mais alguns segundos para que Frank conseguisse recuperar o fôlego e ficasse sério o suficiente para continuar com a conversa de uma maneira mais civilizada:

-Um de seus grandes problemas ainda,Sam,é achar que todas as mulheres são iguais.

-...Não entendi.

-Exatamente o ponto. Você acha que Elizabeth é igual a todas as outras mulheres que já conheceu. Me diga,o que deu para elas no primeiro encontro??

-...Eu preciso mesmo falar??

-...Me diga que você não fez o mesmo vexame que fez com Elizabeth.

-...Talvez sim.

E logo,mais algumas gargalhadas ecoaram pelo salão da igreja:

-Viu só,Sam?? Acha que todas são iguais. As mulheres não foram criadas apenas para esse tipo de coisa,sr.Wilde. Elas foram criadas para serem companheiras,para ajudarem nos dias difíceis,serem uma parte sábia junto com os homens. As mulheres são sim uma parte delicada,porém,são as que mais suportam as dores. As mulheres tem a dádiva de dar a vida,Wilde,acha que alguém com uma dádiva dessas deve ser tratada apenas como um objeto para o seu prazer??

-...Não.

-Então,precisa colocar isso na sua cabeça. E como está com a pequena Dwyer??

-Eu nunca percebi o quão babaca parecia com a pequena,ela é tão inocente que pediu a Elizabeth que perguntasse para mim se eu gosto dela,por causa das minhas falas anteriores...

-Já lhe disse,todos temos momentos de choque,mas fico feliz de ver que estão começando agora um relacionamento amigável e saudável. E quanto a "grande Dwyer"??

-...parece me suportar um pouco mais.

-Vai ser difícil conquistar a confiança dela,mas seja persistente. A persistência é essencial. Mas por favor,sem mais presentes constrangedores!!

-Vai me lembrar disso até quando??

-Vou te lembrar disto até a eternidade,filho.-Ele riu,enquanto observava eu me levantar

-Com certeza vai.

[...]

A casa dos Smith parecia pacata,não parecia sequer haver motivos explícitos para que os oficiais precisassem da minha ajuda:

-Algo de errado??-Continuei,saindo do carro e andando em direção aos oficiais

-Sr. Smith parece ter percebido um movimento estranho ao redor da casa,temos ordem para intervir??

-...voltem a delegacia,façam um relatório,eu vou lidar com isso a partir desde ponto. Quero o relatório na minha mesa amanhã,as 8 se possível.

-Sim,detetive Dwyer.-Ambos disseram,saindo

Era possível ver que Edmund observava discretamente a movimentação na rua,era observador,qualquer diferença no seu bairro era um motivo para que suas suspeitas aumentassem:

-Vamos ver se você é o lobo em pele de cordeiro que estamos procurando,Smith.-Disse para mim mesma,ajeitando novamente meu vestido

Quando apertei a campainha da porta principal,Madalena a abriu como se já estivesse pronta para sair correndo assim que tivesse a primeira oportunidade:

-D-Detetive Dwyer??

-Mrs. Smith,tem um minuto?? Preciso conversar com você e seu marido.

-P-Por favor,vá embora!! Não é um bom momento!!-Ela quase implorou,com um medo aparente em seu olhar

-Mrs. Smith,infelizmente eu não posso sair daqui enquanto não conversar com a senhora.

-Será que n-não entende?? Quer ver meu cadáver jogado no meio de uma estrada?!-Ela quase gritou,mas para Madalena,gritar era algo que nunca se encaixou em sua personalidade ao que sempre aparentava

-...Mrs. Smith,estou tentando fazer do jeito fácil.

-O que está acontecendo aqui?! Ah,eu achei que teriam me deixado em paz depois daquele dia!! Isso o que vocês fizeram é invasão de privacidade!! Posso abrir um B.O contra vocês!!-Edmund continuou,aparecendo na porta,estressado como sempre

-Deveria saber que estaria sobre nossos olhares,já que você é o principal suspeito deste caso.

-Até quando vão me importunar?! Até quando vão importunar minha mulher?! Ela está grávida,não deve se estressar!!

-...Está grávida,Mrs. Smith??

Edmund quase fuzilou Madalena com o olhar,e caso isso fosse possível,Madalena já estaria mais do que morta a muito tempo. Eu tinha a suspeita de que Edmund estava mentindo,mas dar a mão à palmatória nunca foi o meu forte:

-...estou.

-Viu?? Não quero que minha esposa se estresse enquanto espera nosso herdeiro,nosso primeiro filho!! Agora me deixem em paz.

-Sr. Smith,eu não queria chegar a este ponto.-Continuei,observando rapidamente Madalena

-O que quer dizer,sua irresponsável??

-Sr. Smith,o senhor está sendo preso por violência doméstica.-Continuei,puxando algumas algemas de minha bolsa-Tudo o que o senhor disser poderá e será usado contra o senhor caso vá ao juiz.-Disse

-Não pode fazer isso comigo!! Sabe quem eu sou?! Sabe o que posso fazer com a sua delegacia e sua família?!

-Sim,eu sei quem o senhor é. O senhor é o suspeito principal de assassinato deste caso e alguém que está sendo preso por espancar sua mulher.

-Isso não vai ficar assim!! Isso nunca vai ficar assim!! Eu vou te matar,Madalena!! Vai se arrepender de ter me conhecido,sua vagab...

-Okay,okay. Não queira piorar seu caso.

[...]

Ao chegar na delegacia,mal entro nos corredores e já me deparo com aquele ser,Edmund Smith,numa cela,parecia possesso:

-O que raios faz aqui,sr.Smith??

-Sua "amiguinha" me botou nesta jaula. Patético,um homem recebendo ordens de uma mulher...esse mundo está de cabeça para baixo.

-Ela é minha chefe. O que espera que eu faça??-Disse,tentando entrar em seu assunto

-Coloque ela em seu lugar. Ela não tem e nunca terá capacidade de ser alguém numa carreira como essa. Ela só presta para estar descalça em casa,grávida,cuidando das roupas.

-...é uma pessoa realmente desprezível,sr. Smith. Sinto pena de Madalena por ser casada com um homem tão irritante quanto o senhor.

Dwyer estava sentada em sua sala,debruçada sobre a mesa com alguns arquivos em suas mãos:

-Violência doméstica...novamente. Madalena tentou disfarçar com a porta,mas suas pernas estavam cobertas de sangue,o sangue chegava a escorrer sobre elas de tanto. Seu pescoço tinha marcas de queimado de cigarro e seu olho estava levemente roxo,deve ter acontecido minutos antes de eu intervir.

-O que vai fazer com ele agora??

-Vou interrogá-lo,mas primeiro,temos um trabalho mais delicado para fazer.

-E qual seria esse trabalho??

-Interrogar Mrs. Smith.



Notas Finais


Me perdoem por quaisquer erros ortográficos!!
Espero que tenham gostado e obrigado por terem lido!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...