História Dyed Storm - Dois amores impossíveis. - Capítulo 131


Escrita por:

Visualizações 51
Palavras 3.030
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


A maratona deveria contar com esse cap, divido ao meio. Aí sim ela iria acabar, mas acabei ficando sem internet o bom disso, é que acabei acumulando algum conteúdo, então em breve (Mas não tão breve assim HAUSHAS) Teremos mais uma maratona aí.

Capítulo 131 - Impacto


Fanfic / Fanfiction Dyed Storm - Dois amores impossíveis. - Capítulo 131 - Impacto

 

Fui até os meus amigos, Gylla veio ao meu encontro.

- Onde você estava? - Ela indagou enquanto me abraçava de forma abrupta.

- Calma. - Falei.

- Calma? - Ela disse. - Está louca, o que eu faria se algo acontecesse com você?

Retribui o abraço, depois me afastei para olhar para ela, ela estava lacrimejando.

- Eu estou bem, calma. - Disse sorrindo para tranquilizá-la. - O que foi?

- Gylla disse que falou para você ir até a praça. Imaginamos que estivesse no seu quarto. - Christian disse. - Mas quando ela chegou no quarto, você não estava.

- E ignorou meus telefonemas. - Joey disse.

- Ligou para ela? - Moon perguntou.

- Também te liguei. - Gylla disse. - Pensei que algo pudesse ter acontecido, quando não me atendeu...

- Não recebi mensagem alguma. - Falei pegando meu celular, mas ele estava desligado.

- Porque será? - Gylla disse tomando meu celular. - Se alguma coisa tivesse acontecido com você, seria culpa minha, eu não me perdoaria. Lucca já foi culpa minha e…

- Hey. - Disse. - Não foi culpa sua, sabe disso. Pare de pensar assim.

- Mas você sozinha a noite por aí. - Ela disse. - Estava preocupada...

- Até porque você estava doente. - Joey falou.

- Me prometeu que não iria contar. - Falei olhando para ele.

- Contou para ele que estava mal e não para mim? - Moon disse indignado.

- Não foi só isso que ela me disse. -Joey provocou Moon.

- Não queria preocupá-los. - Falei. - Mas o Joey eu não ligo de deixá-lo preocupado.

- Por quê na verdade, você sabe que eu não me preocupo com você. - Ele disse. - Ou porque talvez tenha mais confiança em mim do que nos demais?

- Você deveria estar aqui! - Moon disse ignorando Joey. - Mas afinal, o que estava fazendo?

- Fui atrás de vocês, mas não achei a praça… - Contei. - No caminho encontrei o grêmio e o professor Meeth indo para o alojamento.

- Pelo menos estava com o professor Meeth, menos mal. - Gylla disse.

Pelo contrário, pensei ao me lembrar da nossa briga.

- O jantar já começou. - Falou Christian.

- Vamos. - Joey disse estendo o braço para mim.

Gylla o empurrou, ele abriu um sorriso sínico para ela.

Seguimos para a cantina. Moon estava muito a frente, corri até ele usando a energia que eu não tinha.

- Está bravo? - Disse assim que cheguei ao lado dele, arfando.

- O que você acha? - Ele perguntou olhando para mim. - Perguntei se queria se apoiar em mim, lhe ofereci ajuda e você foi pedir a dele? Qual o seu problema?

- Não queria preocupar você, ou a Gylla. E eu não estava tão mal assim.

- Juro que eu tento, mas simplesmente não entendo você. - Ele disse. - Não é ciúmes, é porque realmente não entendo. Está claro que nem são amigos, então porque iria preferir ele a mim?

Era ciúmes sim.

- Não queria que se preocupasse átoa.

- Imaginei que o nosso relacionamento fosse para isso, para quando um precisar do outro. - Ele disse. - Se você não conta comigo, como espera que eu conte com você? Se eu precisar de ajuda com algo, não irei lhe procurar.

- Desculpa, não farei mais isso. - Falei entendo a dimensão da situação. - Moon, não foi por mal, na verdade foi pelo o contrário.

- Não tem desculpas! É do seu bem estar que estamos falando. - Ele explicou. - Não estou bravo apenas porque não contou comigo, mas porque achou que eu não tinha direito de saber do seu estado. Se estiver mal, é claro que eu vou querer saber e lhe ajudar com o que for possível.

- Não foi algo tão grande assim, foi só um mal estar. Mas se é tão importante para você, não farei mais isso.

Ele permaneceu quieto, olhando para frente.

- Tudo bem? - Falei. - Estamos de bem?

- Tá… - Ele disse sem vontade. - Lhe perdôo. Mas que isso não se repita.

Abri um sorriso e levei o dedo na bochecha dele, onde haveria uma covinha se ele sorrisse.

- Que bom, não gosto de brigar com você. - Falei de forma descontraída.

- Na verdade é o que você mais gosta. - Ele disse sorrindo, e a covinha apareceu.

Ele tirou minha mão do rosto dele, tive um impulso de enganchar no braço dele. Mas Gylla estava perto e depois da conversa com Meeth ficou claro que eu não poderia fazer coisas assim.

- Falando nisso, precisamos conversar. - Disse séria.

- Achei que não iria querer falar. - Ele disse. - E então, vamos oficializar?

- I need talk to you. - Repeti para tirar o foco do que ele havia acabado de falar, não sabia como deveria responder a isso.

- I know. - Ele respondeu. - Porque virou americana de repente?

- Não sei. - Disse.

- Se precisamos conversar, então fale.

- Não aqui. - Disse.

Quando chegamos na cantina, Megan e Jenny acenaram para nós, nos sentamos perto delas, assim que os outros chegaram, se sentaram conosco. Começamos a comer em paz, até que Steve chegou e se sentou ao lado de Gylla

- Que refeição agradável entre amigos. - Ele disse. - E Christian.

- O que foi Steve? - Christian disse parando de comer. - Quer dizer algo?

- Além da surpresa que estou vendo nesse jantar. - Ele disse olhando para Moon. - Nenhuma.

- Oi, Steve. - Jenny disse.

- Olá, Jenny. - Steve respondeu sorrindo. - Viu, parece que ainda sou desejado por alguém; ainda sou bem vindo na turma.

- A única. - Gylla disse.

- Quando a velha turma se reúne, não irá estar completa se eu não estiver junto.

- Ninguém está reunido aqui por este motivo. - Megan disse. - Por favor não confunda as coisas.

Ele deu de ombros.

- Pelo que eu vi, ela realmente entrou na turma. - Ele me indicou. - Primeiro estava com Joey e depois com Gylla e todos vocês. A última que tentou não foi tão bem sucedida com a Gylla…

- E agora a Lili quer seguir pelo mesmo caminho. - Megan disse. - Já avisei ela para que se afast...

Christian soltou os talheres, fazendo um barulho que chamou a atenção dos que estavam na mesa.

- Gylla pode ter mudado, ainda não entendi ao certo os motivos que levaram a isso. - Ele disse. - Mas eu certamente não mudei, acho que se lembram do que eu sou capaz.

- O Christian que eu me lembro não vivia só de ameaças. - Joey provocou. - Nem precisava, apenas fazia. Quanto mais sem aviso, melhor.

- Não fiz nada ainda por respeito a Gylla.

- Você não fez nada ainda, porque aqui não tem ninguém com você, além dela. - Megan apontou para Gylla.

- Eu estou com eles. - Moon disse concentrado na comida.

Ouvi Steve rir, e Megan ficou perplexa.

- Quem iria imaginar esse desfecho?! - Steve disse se recuperando dos risos.- Está feliz Gylla?

- O que você quer? - Gylla perguntou olhando para ele.

- Quero voltar. - Ele disse a encarando. - Quero servir você novamente. Se o grupo voltou, precisam de mim.

- Nada voltou, Steve. - Megan disse. - Eu nunca mais irei fazer nada por ela.

- E eu nunca iria querer ter algo feito por você, percebi que não serve nem para ser escrava.

Megan pareceu ficar sem palavras, ficou indignada perante o sorriso debochado da Gylla.

- Só para constar. - Christian apontou para trás de nós. - E havia um grupo de estudantes em uma das mesas nos olhando. - São da escola de vocês, mas ainda sim meus… amigos.

- Hmm… pelo visto será eu e Megan contra, você. - Steve disse saindo da mesa. - Mas assim que dizer que irá voltar a ser a Gylla que eu conheço, eu volto para você.

- Como um vira-lata. - Megan disse.

- O que você quiser. - Ele respondeu a Gylla, dando um beijo no rosto dela e saindo.

Ela limpou o beijo dele com um movimento brusco.

- Porque estamos sentamos em tão má companhia mesmo? - Christian indagou olhando para Megan.

- Eu havia guardado lugar para a Lili e Moon. - Megan disse. - Não para vocês.

- E eu havia falado com qualquer um nessa mesa, menos você. - Ele respondeu.

- Okay. - Moon disse, olhando para Megan e Gylla. - Porque estão brigando? Essa situação está irritante o suficiente para que eu não consiga ignorar.

- Tem muita coisa envolvida. - Falou Joey. - Se quiser eu posso começar a falar agora.

Chutei Joey por baixo da mesa, ele me chutou de volta, porém com mais força.

- Aí. - Resmunguei.

Ele arqueou as sobrancelhas.

- É que a Gylla, sempre foi uma pessoa ruim. - Megan disse.

- Não vejo ela dessa forma. - Moon disse. - Assim como não vejo você, mas essa situação está insuportável! Se querem fazer isso, que seja longe de mim.

- Você está errado, Moon! - Megan disse. - Ela era apaixonada por você, mas ficava com o Joey. Nunca assumia o relacionamento deles porque não queria que você soubesse.

Todos fizeram silêncio, a expressão de Moon era confusa.

- Quer que eu acredite nisso? - Ele disse a Megan.

- Não estou mentindo. - Megan respondeu séria.

- Isso é verdade? - Moon disse olhando para Gylla surpreso.

Tive vontade, de apertar o pescoço da Megan com as duas mãos, até que ela desfalece. Gylla pareceu muito surpresa para que pudesse dizer algo, na verdade ela tentou, mas não disse nada com muito nexo, na verdade nem sequer uma palavra completa conseguiu dizer, então ela apenas assentiu com a cabeça.

- Como? - Moon indagou. - Começamos conversar apenas agora…

- Uma vez… - Ela disse tomando sua postura de costume, a decidida. - É claro que não se lembra, mas você me ajudou com uma certa situação. Eu estava perdida, não sabia o que fazer, ninguém me ajudaria. Mas como um milagre você apareceu e foi tão bom comigo.

- Eu me lembro, éramos crianças. - Ele disse. - Então você gosta de mim desde aquela época? Mas faz muito tempo, como pode gostar de mim se nem me conhece?

Moon não parecia bravo ou indignado com a revelação da Megan, mas de um modo estranho até parecia feliz. Aquilo me incomodou tremendamente.

- Minha gratidão a você despertou uma curiosidade, e quanto mais eu sabia de você mais eu queria saber. - Ela disse. - Quando percebi, só pensava em você e em como você era legal e bom. Já não conseguia mais viver sem pensar em você…

Ele ficou boquiaberto, assim como a maioria dos que estavam ali. Como ela conseguia dizer tudo isso? Ela segurou essa confissão por tanto tempo, mas agora parecia tão calma.

- E Megan, bem ela só se aproximou de você, porque Gylla gosta de você. - Joey contou com um sorriso nos lábios. - E só se aproximou da Jenny, porque sabia que eram amigos. Ela inclusive incentivou Jenny a voltar a falar com você…

Agora foi vez de Megan ficar sem palavras, pedi incontáveis vezes para Joey se manter calado, mas ele fez o certo abrindo a boca agora. Moon olhou para Jenny.

- Jenny, ele está certo? - Moon indagou, bravo desta vez.

- Megan, você não me incentivou a voltar a falar com ele… - Jenny indicou Moon com o dedo, enquanto olhava Megan nos olhos. - Apenas para se aproximar dele? Não foi?

- É claro que não. - Ela negou. - Sabia que sentia falta de falar com ele, foram melhores amigos por tanto tempo.

Christian cruzou os braços com um sorriso nos lábios. Ele estava adorando aquilo. Assim como Joey e claro, eu.

- Ela está mentindo. - Gylla disse. - Ela queria me atingir, isso esteve bem caro e muitos momentos.

- E aquela confissão? - Moon disse a Megan. - Você realmente gostava de mim? Sempre achei estranho sua aproximação repentina. Nossa mães se conhecem desde que quando éramos crianças, e antigamente você não me dava nem: oi.

- Eu gosto de você. - Ela falou como se estivesse desesperada.

- Olha só, aí está. - Joey disse sorrindo. - O talento dela.

- Eu, Joey e Steve. - Gylla olhou para Christian. - E até o Chris, quando precisávamos, pedíamos para ela enganar um professor ou alguém, com essa expressão de choro, as pessoas sempre acreditavam.

- Ela é mentirosa. - Megan disse apontando para Gylla.

- Claro, a mentirosa aqui é ela… - Disse. - É sobre ela que estamos revelando várias mentiras…

- Não sou obrigada a ficar aqui ouvindo isso. - Ela disse. - Mas acho que deveriam se lembrar do que aconteceu com a Christy. Principalmente você, Lilian.

Joey bateu com força na mesa e se levantou.

- Não fale como se não tivesse culpa alguma! Você, assim como todos vocês. - Joey gritou com raiva olhando para os que estavam na mesa. - Acabaram com ela, com a vida dela. E eu vou acabar com vocês!

- Você também teve culpa! - Megan respondeu no mesmo tom.

- Essa é a minha redenção. - Joey continuou. - Acabar com vocês. Comecei com você Megan, espere quando chegar a sua vez Gylla, não será nenhum pouco agradável.

- Pois tente fazer algo, eu… - Christian começou a dizer.

- Não vou tentar, vou fazer. E quando acontecer vai ficar bem claro que foi eu. - Ele interrompeu Christian. - E vocês não terão nem forças, para revidar depois disso.

Megan não pareceu abalada com as coisas que ele disse, na verdade pude perceber um início de um sorriso nos lábios dela, até que ela deu de costas e saiu. A maioria dos estudantes já tinham jantado e haviam desocupado várias mesas, mas os que estavam ali, estavam com a atenção voltada a nossa mesa. Me levantei.

- Jenny e Christian. - Chamei. - Preciso de ajuda com algo. Podem me acompanhar?

- Claro. - Christian respondeu se levantando.

- Desculpa eu não estou bem, vou para a cama. - Jenny disse saindo da mesa.

- Claro, querida. - Joey disse. - Quer que eu vá junto?

- Sério, Joey? - Disse arqueando as sobrancelhas.

Ele mostrou aquele típico e irônico sorriso, parecia bem satisfeito consigo mesmo depois da declaração de guerra.

Fomos para uma mesa distante, ao lado da cantina. Joey pegou um copo e colocou suco para mim.

- Que isso? - Disse achando estranha a situação. - Está cuidando de mim?

- Não quero servir de apoio para você amanhã. - Ele disse.

- Não estou com fome. - Falei.

- Você não comeu no almoço. - Lembrou Christian se sentando ao meu lado.

- Se eu fosse você, eu me alimentava. - Joey disse. - Quem sabe o que pode acontecer com você, se estiver tão fraca que não poderá nem se defender, ou correr...

- Que horror! - Falei. - Parece uma ameaça.

Ele empurrou o suco para mim, peguei o copo e bebi um pouco do suco.

- Você sabe quem está por trás do bullying com a Gylla? - Christian perguntou para Joey, mas soou como uma acusação.

- Você ainda não foi capaz de entender, Chris? Mesmo que tudo já esteja tão claro?

- Megan… - Falei.

- É uma suposição, quero provas. - Christian disse.

- Achei que queria vingança. - Joey falou.

- Não posso acabar com a vida dela sem ter certeza.

- Não está sendo muito exagerado? - Indaguei.

- Exagerado? Olha o que ela fez para a Gylla. - Ele disse. - Ela merece… todos que tocarem nela merecem…

Christian e Joey pareciam estar travando uma guerra fria com os seus olhares.

- Só não faça a vida dela tão ruim quanto a da Gylla ou Christy. - Disse. - Ninguém merece isso.

- Não sou obrigado a lhe ouvir. - Christian deu de ombros.

- Gylla não vai gostar disso… - Falei.

- Quem disse que eu me importo?

- Mas se está fazendo isso por ela. - Continuei. - Não faz sentido não querer fazer a vontade dela.

- Faço isso por mim, considero isso um insulto pessoal. Como ela tem coragem de fazer algo com a Gylla, sabendo que ela é minha parente. Megan não deve me ver como uma ameaça, mas está errada.

- Como sempre Chris sendo assustador. - Falou Joey. - Mas no caso aqui Christian, não deve se preocupar com Gylla, das preocupações dela, ela mesma cuida. Porque farei você ter as mesmas preocupações, talvez pior… portanto preocupe-se consigo mesmo.

- Cansei de ameaças vazias, portando como uma peça ainda branca, que não fez nenhum movimento. Deixarei que faça o primeiro, afinal é uma regra. - Christian empurrou o mesmo suco, que antes Joey havia colocado a minha frente. - Beba.

- Então é bom que eu comece meu movimento, logo com as duas casas. - Joey disse sorrindo.

Referências ao xadrez?

- Não vai me assustar me obrigado a beber. - Disse sorrindo, tentando trocar de assunto.

- Anorexia? - Joey indagou.

- Certeza. - Christian disse.

- Apenas estou doente. - Falei.

- Você é doente. - Joey disse.

- Assim como vocês. - Falei.

- Eu? - Christian disse.

- Você. - Falei.

- Mas Lili, me fala. - Joey disse. - Não está preocupada com a conversa dos dois.

- Porque estaria?

- Porque se tiver algo com ele, Moon vai dizer. - Christian disse.

- A Gylla vai te odiar. - Joey falou com uma animação que não podia conter.

- Eu não tenho nada com ele. - Falei.

- Mas já teve? - Christian indagou com um sorriso.

- Eu lhe disse, eu namoro.

- Essa não é minha pergunta. - Christian disse.

- Não tive nada com ele. - Menti.

 


Notas Finais


Demorou, mas saiu. Comentários monas? 'u'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...