História Dynasty - Capítulo 32


Escrita por: e jauresunn

Visualizações 55
Palavras 3.567
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Ficção, LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Segurem as emoções para este capítulo! Vou deixar uma música nas notas finais, para vocês ouvirem, se preferirem, lendo o capítulo.

E sim, este é o famoso Mark... Boa leitura.

Capítulo 32 - Reached the end of line.


Fanfic / Fanfiction Dynasty - Capítulo 32 - Reached the end of line.

                         Meghan's Pov


Por mais que a minha visita tenha sido breve, eu vi que Elizabeth estava feliz e aliviada, passar por todo esse tormento com o Mark, não é algo fácil, mas admirei a sua postura firme e convicção em suas palavras ao dizer que era inocente, no fundo eu sabia da sua inocência, mas me deixei levar pela raiva e nem questionei no momento em que tudo aconteceu, porém agora eu sei do que ela é capaz de fazer para provar à todos o seu caráter digno. 

Sorri ao sair do prédio e olhar em direção à cobertura que a ruiva mora, com certeza ela deve estar planejando o que fazer na volta para a empresa, como vai renovar o conselho e fazer grandes mudanças, mas como eu não pretendo voltar para o meu antigo cargo, eu não poderei ajudar nisso. Neguei abaixando a cabeça e voltei a caminhar pela rua, que agora estava pouco movimentada, entrei em uma rua que infelizmente estava deserta, mas era um ótimo atalho para ir ao meu apartamento. E tudo aconteceu tão rápido, que eu não tive tempo de reagir, em fração de segundos vi Peter com um sorriso diabólico no rosto e então senti uma pancada em minha cabeça, logo minha visão ficou turva, mas pude ver que estava sendo levada para um carro preto, logo desmaiei. 

Pulsos ardendo, cabeça doendo, estômago embrulhado e olhos queimando devido a luz direta que estava em meu rosto, tentei levantar, mas meus pulsos estavam presos na cadeira, então pisquei algumas vezes e olhei para os lados e percebi que estava em uma espécie de galpão abandonado, tentei me desvencilhar daquela cadeira ao girar os pulsos, mas foi em vão, apenas me machuquei mais. 

– Droga Peter! Cadê você seu covarde? Me amarrar nessa cadeira é fácil, não é? — Falei alto olhando para os lados e só pude ver escuridão em volta. – APARECE! — Gritei. 

– Se você quer o Peter, ele não está aqui. — Um homem alto apareceu no meu campo de visão, seu semblante me causou um certo arrepio e incômodo. – Mandei ele ir lanchar, ir para casa, tanto faz, mas não quero ele aqui.

– Mark. — Falei para o homem que sorriu debochado. – Você perdeu, sabe disso, não sabe? 

– Claro que eu sei, mas a sua Elizabeth também perdeu, bom quer dizer, vai perder. — Riu me olhando. – Mas se ela cooperar, você pode sair viva dessa. 

– Se eu sair viva daqui, pode ter certeza que eu vou atrás de você e te... — Fui impedida de terminar de falar por causa do forte soco que o homem me deu no canto da boca, me fazendo cuspir o sangue em seguida. 

– CALA A BOCA! CHEGA! Você fala demais e isso atrapalha, sabia? — Passou a mão em seu cabelo ao respirar fundo. 

– Elizabeth vai acabar com você, não me importo se você me matar, mas se você a conhece, sabe do que ela é capaz. — Sorri com deboche para o homem, que riu negando e se abaixou até a minha altura. 

– Porém ela não sabe do que eu sou capaz, Meghan. — Se levantou pegando o celular. – Mas vai saber. — Saiu pela escuridão daquele lugar. 

– É melhor se preparar Mark! — Falei alto tentando me soltar da cadeira, mas machuquei mais os meus pulsos. – Desculpa, Liz. — Falei baixo deixando uma lágrima descer por meu rosto. 


                       Narrador Pov

Quanto tempo dura um momento de paz? Um minuto, uma hora, um dia? Bom, isso depende do ponto de vista de cada um, se uma pessoa resolver tudo o que tem que resolver e viajar por uns dias, ela vai ter paz, sossego e tranquilidade, mas se uma pessoa optar por ter paz por breves minutos, então ela não vai ter tanta paz assim. Entretanto no caso de Elizabeth Sloane, ela não escolheu ter paz, ela achou que já estava em paz com tudo e com a sua amada Meghan, mas não é bem assim, ela é uma mulher de referência, de poder e paz é algo que não combina com ela, pelo menos no momento. Após sair da janela de sua cobertura, pois cansou de olhar para baixo, na tentativa idiota de ver Meghan, voltou com sua atenção para Lara, Chloe e Daniel, que estavam em uma conversa descontraída na sala, Larry já havia ido embora a essa altura, Elizabeth sorriu leve para eles, mas ao escutar o seu celular tocando na bancada da cozinha, pediu licença para eles e foi atender, estranhou ser um número desconhecido, com certeza era algum jornalista querendo marcar alguma entrevista, pensou. 

– Alô? — Falou serena.

Elizabeth Sloane. — A voz fria do homem lhe atingiu em cheio. – Gostou de ganhar? Confesso que fiquei surpreso com essa reviravolta, foi incompetência do meu subordinado, é claro, mas não tem problema, eu sempre tenho uma carta na manga. — Riu do outro lado da linha. 

– O que você quer? — A voz irritada e um pouco alterada, chamou atenção de Chloe e Lara, que decidiram disfarçar voltando a conversar com Daniel, que estava um pouco inerte. 

– O que eu quero? Bom, você me deve dez milhões de dólares, lembra? Mas no entanto eu sei que a sua resposta vai ser que não vai me dar. — Seu deboche era nítido.

– Acertou, nada e nem ninguém vai me fazer te dar esse dinheiro. — Respirou fundo.

– Tem certeza? — Riu de Elizabeth, que bateu a mão com força no balcão, agora chamando a atenção dos três. – Eu avisei para você que sua namoradinha ia sofrer as consequências, o vídeo foi só o começo, mas digamos que ela esteja aqui comigo.

– Seu filho da p...

– Shh… — Interrompeu a mulher. – Você disse que ninguém vai te fazer me dar esse dinheiro, bom, quer salvar a sua namorada? Me traga os dez milhões de dólares amanhã! — Falou com a voz um pouco alterada. – Aguarde instruções. — Desligou a ligação, fazendo Elizabeth olhar desesperada para os três na sala, logo a mesma saiu correndo do apartamento e decidiu descer até o saguão. 

Assim que chegou no saguão, foi andando até a rua na tentativa falha de ver se encontrava Meghan, o que foi em vão, seu desespero foi tanto, que ela soltou um grito de raiva com um misto de dor, pois ela nunca iria imaginar que o Mark seria capaz de tal feito. Seus olhos ardiam devido as lágrimas e ao ódio que ela estava sentindo naquele momento. Após subir em modo automático para a sua cobertura, foi amparada por Lara e Chloe, que a carregaram até o sofá. Seu olhar estava perdido, suas mãos tremiam e sua respiração pesava. 

– O que houve, Elizabeth? — Lara sentou ao seu lado a olhando preocupada. 

– Ele... — Direcionou seu olhar perdido para Lara. – Ele a levou... O Mark levou a Meghan. 

– O quê? — Chloe falou alto se aproximando, junto do advogado de Elizabeth. 

– O Mark levou a Meghan! — Falou irritada ao olhar para a loira. – E eu não pude fazer nada! Droga! — Pegou um copo que estava na mesinha de centro e jogou longe. 

– Calma, Elizabeth! Calma. — Lara colocou suas mãos nos ombros de Elizabeth, e a olhou. – Ele disse mais alguma coisa? 

– Disse que só vai libertar a Meghan, se eu levar os dez milhões. — Sorriu sem humor enxugando as lágrimas. – Ele quer acabar comigo de qualquer jeito, mas ele não vai conseguir! 

– Certo, temos que pensar em uma forma de salvar a Meghan. — Chloe falou pensativa, o que chamou a atenção de Lara. 

– Eu sei como. — A morena falou decidida, desviando seu olhar para Elizabeth. – Confie em mim. 

A noite foi de puro caos e cansaço para as mulheres, menos para Daniel, que foi embora algumas horas depois, pois o mesmo ia até seu escritório para dar entrada nos papéis para liberar a licença de Elizabeth na empresa. E com esse caos, as horas foram se passando e assim amanheceu com as três mulheres dormindo na sala, era evidente que Elizabeth mal conseguiu pregar o olho, pois estava esperando a ligação de Mark, que parecia demorar uma eternidade para chegar. Andou de um lado para o outro com o celular na mão enquanto pensava em Meghan, de como ela devia estar machucada, frágil e assustada, tamanha foi sua raiva ao imaginar isso, que pegou um vaso de planta qualquer e arremessou no chão, acordando Lara e Chloe, que estavam dormindo no sofá. 

– O que houve? — Chloe levantou o rosto com apenas um olho aberto e cabelo bagunçado.

– Esse projeto de ser humano mal amado não liga. — Falou impaciente. 

– Calma Elizabeth, ele vai ligar e... 

Lara mal havia terminado de falar, e o telefone da mulher começou a tocar, Elizabeth nem esperou e atendeu a ligação. 

– Bom dia ruivinha! — Mark falou debochado ao telefone. – Desculpa a demora, mas é que a sua namorada é bem brava pela manhã.

– Você não ouse encostar nela, ou eu...

– Não vai fazer nada, então fica calada e escuta a porra das instruções. — Falou impaciente. – Sabe onde fica o galpão abandonado perto das docas? Onde a M.Sloane ia comprar, mas a negociação não rolou? Então, estamos aqui, traga o dinheiro e venha sozinha! Se eu souber que veio com alguém, ela morre, se trouxer menos do que o combinado, ela morre e se você demorar a chegar, adivinha? Ela morre. — Riu debochado. – Você tem duas horas, Elizabeth, aproveita que estou sendo legal com você. — Desligou a ligação mais uma vez, deixando Elizabeth mais irritada que antes.

– Desgraçado! — Falou alto olhando para as meninas e suspirou. – Ele me passou as instruções e eu tenho apenas duas horas

– Certo, hora de agir. — Lara pegou o celular e olhou para Elizabeth. – Vai dar certo! 

Mark decidiu soltar Meghan, sim, ele queria deixar ela à vontade, porém o mesmo estava com uma arma em sua cintura, única forma de intimidar a morena, que o olhava com raiva por tudo aquilo estar acontecendo. Ao ver a mulher colocar a mão na barriga, lhe ofereceu alguns donuts e café, a mesma hesitou por uns segundos, mas ao ver que ele fez sinal para que ela comesse, não pensou duas vezes e comeu aquilo como se fosse a sua última refeição. 

– Aproveite, pois uma bondade dessas não acontece mais de uma vez, ainda mais vindo de mim. — Sorriu para a mulher, que parou de beber o café. 

– Você nem encostou no seu café. — Olhou para o copo em sua mão e depositou o mesmo sobre a mesa, escutando as risadas do homem. 

– Você acha que eu te mataria dessa forma? Mesmo? — Se levantou rodeando a mulher. – Não, você vai morrer, se a sua namoradinha não cooperar, é claro, assistindo ela sofrendo. — Segurou o queixo da mulher, que o olhou nos olhos. – E ela vai ver você sofrendo até a morte, mas se ela cooperar, quem sabe eu dê uma chance de vida para vocês duas. — Soltou o rosto da mais nova e sorriu. 

– Por quê? Qual o motivo que te levou a fazer isso? 

– O motivo? Sloane, as duas são o meu motivo, mas como uma faleceu, tive que me vingar na mais nova. — Ficou pensativo. – Que teve sua parcela de culpa também. 

– Você fez de propósito. — Constatou a mulher. – Esse plano, o desvio de dinheiro, você calculou tudo, para mexer com a cabeça da Elizabeth. 

– Sim e não. — Pegou uma faca enquanto olhava para Meghan e se aproximou da mesma, que engoliu a seco, logo pegou uma maçã. – Eu apenas quis partir ela ao meio. — Cortou a fruta de uma forma tão brusca, que fez Meghan fechar os olhos e as mãos em punhos. 

– E agora o jogo depende de mim. — Sorriu negando com a cabeça. 

– Inteligente. — Piscou para a mulher. – Viu? Por isso eu penso se mato você ou não, o mundo precisa de gente como você, Meghan. 

– Mas eu nunca serei como você, Mark, então me poupe desse seu discurso! — Falou irritada para o homem, que pegou a faca e fincou próximo a mão da mais nova, que se assustou. 

– Você é igual a mim, tem ambições, sede de vitória, gosta de comandar e por causa disso, se aproximou da Elizabeth. 

– Mas a diferença, é que eu ganhei. - Sorriu do homem que a olhou sem entender. – Eu tenho mãe, lugar para morar, um boa quantia em dinheiro, ficha limpa pela polícia e sim, eu tenho a Elizabeth, porque eu a amo, então se eu morrer, vou com a consciência tranquila de que você vai se afundar mais e mais e não vai ter ninguém para te ajudar, sabe por quê? Porque você é e sempre foi um fracassado, que não aguentou perder para uma mulher como Elizabeth Sloane, então ninguém vai te ajudar Mark, ninguém! — Esbravejou as palavras para o homem, que na raiva lhe socou o rosto mais uma vez. 

– Chega! Sua vida está com hora marcada, então comece a trabalhar essa sua consciência. — A empurrou no chão e saiu a passos largos, fazendo Meghan sorrir satisfeita por ter mexido com a cabeça dele. 

As duas horas passaram, e Elizabeth estava na entrada do galpão acompanhada de Larry, que assim que desligou o carro, se virou para a mesma e percebeu o semblante triste da mulher e o seu coração quebrado, decidiu não falar nada, apenas sorriu cúmplice para a ruiva, que retribuiu antes de pegar o seu celular e ligar para Lara. 

– Acabei de chegar, essa pessoa de confiança vai estar aqui? 

– Já deve estar aí, confie em mim Elizabeth, vai dar tudo certo. — A amiga falou firme mais uma vez antes de desligar a ligação. 

Deu uma última olhada para Larry e desceu do carro com a bolsa em mãos, caminhou até a entrada do local e olhou para os lados antes de entrar. O cheiro de mofo se fazia presente naquele lugar e Elizabeth engoliu a seco enquanto caminhava pelo local que agora estava iluminado com a luz que vinha pelas grandes janelas de vidro, porém como um imã, sua visão foi parar em Meghan, que estava parada em pé em sua direção com um olhar cansado e triste, a sua boca um pouco inchada, cabelos bagunçados e manchas de sangue na gola da sua blusa, fizeram Elizabeth apertar o passo, mas ao ver o homem se aproximando com uma arma na mão, logo a morena estendeu a mão pedindo para que a ruiva parasse de se aproximar. 

– Você veio. — Aplaudiu com ironia. – Pontualidade britânica. 

– Sentiu saudades? — Sorriu com deboche para Mark, que sorriu de volta. – Vamos, solte a garota. 

– O dinheiro primeiro. — Falou sério ao se aproximar de Meghan, encostando a arma em sua cabeça. – Ou ela morre.

– Pelo amor de Deus, Mark. — Riu debochada. – Você não mata nem uma mosca, anda, solta a garota e eu te dou o dinheiro. 

– Que droga Elizabeth! — Gritou atirando para cima, assustando a morena, que fechou os olhos respirando fundo. – Você está com a faca e o queijo na mão, não seja burra. 

– Elizabeth, faz o que ele diz, por favor. — Meghan a olhou nos olhos. – Se você me ama, faça, se eu morrer mesmo assim, pelo menos eu sei que fui feliz com você. — Mark soltou uma risada debochada.

– Você acha mesmo que ela te ama? Você acha que ela amava a mãe dela? — O homem olhou para Elizabeth, que agora estava com fúria no olhar, mencionar sua mãe era algo que a tirava do sério. 

– Deixa a minha mãe de fora disso! — Esbravejou irritada dando mais um passo, mas parou ao ver Mark puxando o gatilho mais uma vez. – Solte ela logo!

– Você não consegue perceber que tudo isso é culpa sua? O sequestro, a morte da sua mãe, tudo isso é culpa sua! — Sorriu triunfante para a ruiva, que estava com os olhos marejados. 

– Culpa minha? Você ficou maluco? — Jogou a bolsa no chão e se aproximou novamente. 

– Sim Elizabeth! Culpa sua! Se você não tivesse sido nomeada CEO por privilégio apenas por ser a filha bastarda da Madeleine, eu não a teria matado. 

E então uma pontada na cabeça de Elizabeth e um embrulho estômago atingiu a ruiva em cheio. Por todo esse tempo, ela achou que sua mãe havia morrido por uma doença que até então não havia sido explicada, mas agora foi tudo esclarecido pelo homem a sua frente. Meghan percebeu a dor no olhar da ruiva, que deixou as lágrimas descerem por seu rosto, enquanto a mesma respirava fundo. 

– Você... — Tentou falar algo, mas sua voz não saía direito. – Assassinada... Ela sofreu?

– Ela pediu para ser rápido, mas decidi dar uma torturada. — Fingiu tristeza fazendo bico. – E depois a matei, simples. 

Em uma sala ao fundo, havia uma pessoa escondida, Porter, confiança de Lara que escutava tudo com cuidado, também sentia tudo o que Elizabeth estava sentindo, queria agir, mas não era o momento, então decidiu esperar. 

Meghan olhou de relance para Mark e percebeu que o mesmo estava relaxando a arma em sua cabeça, olhou para Elizabeth novamente e viu a mesma chorando, claro que ela também estava com raiva de ter escutado como o rapaz foi cruel ao assassinar a mãe da ruiva, mas se ela tentasse algo, colocaria sua vida em risco. 

– Você matou a minha mãe pelo simples fato dela ter me dado o cargo de CEO da nossa empresa? E ainda forjou a certidão de óbito dela? — Falou alto novamente. – VOCÊ É UM DOENTE! 

– CALA A BOCA! — Apontou a arma para Elizabeth, que engoliu a seco. – Você quem deveria morrer, mas ia ser muito fácil, então eu quero ver você sofrendo primeiro. – Gargalhou se aproximando da mulher. 

Devido a raiva acumulada de ter sido sequestrada e por ver o homem apontando a arma para a ruiva, Meghan partiu para cima de Mark, tentando tirar a arma de sua mão, mas o homem era muito mais forte que a morena, então eles travaram uma luta, onde Meghan conseguiu abaixar a mão de Mark no meio dos dois, mas o que ambos não esperavam, é que um disparo iria acontecer. Meghan e Mark se entreolharam, e a morena se afastou colocando a mão na lateral do seu abdômen, sangue em suas mãos fizeram com que Elizabeth entrasse em pânico. Mark se aproximou de Meghan, que estava ajoelhada com uma expressão agoniada de dor, e ao sentir o cano da pistola em sua testa, fechou os olhos novamente. 

– Diga adeus. – Mark sorriu para a morena e desviou o olhar para Elizabeth. 

E então mais um disparo foi feito, o último suspiro foi dado e Elizabeth estava sem reação de como tudo aconteceu rápido demais.

Mark estava caído no chão com um tiro certeiro no seu pulmão esquerdo, sua arma estava caída em frente a Meghan, que ainda permanecia de joelhos e com a mão na sua ferida, mas com o olhar perdido no corpo de Mark. Elizabeth ainda olhava para tudo aquilo atordoada e não estava acreditando que finalmente aquilo havia acabado. Porter abaixou sua arma, guardando a mesma no coldre lateral da perna direita e se aproximou de Meghan para olhar o ferimento. 

– Fica tranquila, foi de raspão. — Sorriu para a morena, que sorriu de volta, porém com surpresa no olhar.

– Natalie? — Olhou para a loira, que sorriu enquanto ajudava a morena a se levantar. – Como você...?

– Então você é a pessoa de confiança da Lara? — Elizabeth falou surpresa. – Interessante, bom saber. 

– Oficial Porter, mas pode me chamar de Natalie. – Estendeu a mão para a ruiva, que apertou. 

– Isso só pode ser brincadeira. — Sorriu enquanto pegava a bolsa do chão. – Você ser policial? Por essa eu não esperava. 

– Nem eu! — Meghan falou risonha. 

– Tem muito sobre mim que vocês não sabem. — Piscou para as duas mulheres. Meghan andava apoiada no ombro de Elizabeth com cuidado. – Eu fiquei sabendo do caso do roubo e fui mandada para cá. Não podia estragar todo meu disfarce, por mais que envolvesse Maggie nessa história toda. — Elizabeth olhou para a loira fingindo ciúmes e a loira entendeu o recado. – Quis dizer Meghan. 

Por um lado Elizabeth estava feliz por tudo ter acabado bem, mas por outro lado estava triste por saber a verdade da morte de sua mãe, olhou para Meghan, que estava sendo atendida na ambulância e recebeu um olhar e um sorriso se volta. Se aproximou da morena e abraçou com cuidado.

– Estou feliz que esteja tudo bem. Não me perdoaria se algo pior te acontecesse. — Elizabeth falou para que só a morena pudesse ouvir. Do outro lado Natalie contava todo o ocorrido para a polícia. 

– Eu sinto muito pela sua mãe. — Meghan disse abraçando Elizabeth uma vez mais. 

– Se importa se eu…

– Não, pode ir. Eu ficarei bem, Natalie pode me levar para casa. — Meghan disse percebendo o quanto Elizabeth estava em estado de choque. Saber que sua mãe havia sido assassinada não era algo fácil de engolir. A morena pegou na mão da ruiva e depositou um pequeno beijo.

Elizabeth não queria conversar com mais ninguém no momento, entrou no carro ordenando que Larry a levasse para o mais longe possível daquele cenário. Meghan sorriu com tristeza negando com a cabeça, mas entendeu, ela daria todo o tempo que fosse possível.


Notas Finais


Música para o capitulo: https://open.spotify.com/track/7r9kOxiNDnkAg5QKqtyjVk?si=9oKfF5i0T2W5p_v03kyOaw | Playlist da fanfic no spotify: https://open.spotify.com/user/12151994700/playlist/0T9x6zsZTyTWMzmuyik6NI?si=Z26fe701T62cawuz3CO0Pw

Aguenta coração... Tem (muito) drama ainda por vir, mas vai ficar tudo bem. (acho)

até mais <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...