1. Spirit Fanfics >
  2. Dystopia or Utopia? >
  3. Fui atingida?

História Dystopia or Utopia? - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oie caro leitor bom, desde o início quero ir avisando que... essa é minha primeira fanfic da vida, não tenho muita experiência com fics nem mesmo leio muito, mas eu estava sem absolutamente nada para fazer e me veio a idéia dessa fic e eu pensei "por que não? né" e está aíkkk espero que gostem aceito ajuda e opiniões construtivas 💚

Capítulo 1 - Fui atingida?


     - Hana preciso que vá ao mercado comprar macarrão diz a senhora jung revirando a dispensa -- seu tio esqueceu de comprar

   - Tá louca mulher? está um caos lá fora o exército do tal taeyong está botando o terror em todo mundo  diz o senhor jung sentado em uma poltrona lendo o jornal do dia -- ridículo esse cara acrescenta

  - Como vou fazer macarronada sem macarrão?.. ah e nosso presidente está tentando achar a cura para esse vírus ela usa a faca que cortava o bacon para apontar para o tio jung -- se a tal garota se entregasse não estaríamos todos passando por isso

  - A menina deve estar assustada e tem mais não é obrigada a se sacrificar isso se ela sabe que é a cura, dizem que os ditadores estão usando aparelhos e armas super tecnológicas para identificá-la e também né... tem grandes chances disso ser um mito... só porque um mestre maluco fez uma profecia tô te falando esse taeyong é maluco 

  - Mas o mestre moon falou que seríamos aterrorizados por um vírus terrível e aí está, e tbm previu a garota ser a cura essa garota é nossa única esperança

  - Hum, não acredito nisso parece coisa de filme da tarde e mesmo que fosse verdade. o senhor jung vira a folha do jornal -- mesmo que fosse verdade achar essa menina seria como procurar uma agulha em um palheiro

-  Adoro isso me intrometo

- O que querida? senhora jung se vira para mim que estava sentada atrás dela em uma das carteiras da mesa

- O jeito que os dois tem opiniões diferentes mas conversam normalmente

- Eu tive que aprender a ser sensato s/n querida pq sua tia não é nem um pouco

   Tia jung mostra língua para tio jung e se vira para mim com um lindo sorriso

   - Vou comprar o macarrão

     ela me dá a sacola de compras e -- compre também cebola e coentro, e por favor tome muito cuidado ela beija o topo da minha cabeça

   - Okay tia vou tomar dou um beijo na testa dela e ela me dá outro lindo sorriso dessa vez com os olhos

     Passo pela sala deslizando como gostava de andar por ali por causa do piso liso de porcelanato

   -  até logo tio

   - volte logo querida tome cuidado

   - não se preocupe tio

   -... Essa menina é uma eterna criança tio jung fala antes que a porta se feche

 a porta da sala tinha sensor digital como as do shopping os jung gastaram uma grana com aquilo por culpa minha inclusive quebrei a cara na porta de madeira havia ali várias vezes usando o porcelanato como pista de patinação quando era criança

- Bom dia senhor kim falo para o jardineiro

- Bom dia criança
 
   Senhor kim é o jardineiro dos jung desde que jaehyun e eu éramos crianças, ouvia falar que ele tinha um filho rico que não ligava para ele, bom ele que está perdendo eu adoraria ter um pai como o senhor kim.

Antes que eu chegue no portão jaehyun entra de carro eu aceno e mando um beijo,ele estaciona o carro em frente a mansão e vem correndo em minha direção

- AMOR AMOR urf chega até mim ofegante

eu acaricio seus cabelos sedosos

- onde você vai? pergunta ofegante

- no mercado comprar umas coisas pra sua mãe

- hm quer carona?

- ah jae eu gosto de ir andando

- pulando como um coelho você quer dizer

- você me respeita

ele ri

- você quer vir comigo?

--ah não amor vim deixar umas coisas aqui e já vou para a academia

- hm okay então

- não fica zangada? ele faz um biquinho

balanço a cabeça que não e ele me dá um beijo estralado nos lábios - se cuida bebê

   Jaehyun corre para a mansão pela passarela acenando e mandando beijos eu correspondo e saio pelo portão.

   Sim nos namoramos se você pensar na gente como irmãos parece errado mas a verdade é que jaehyun e eu nunca tivemos esse amor fraterno as coisas só melhoraram entre nós na adolescênciaele me tratava como uma bastarda na infância, os tios jung sempre foram muito carinhosos mas sempre deixaram claro que eu tinha sido deixada na porta da mansão em um cesto com uma gargantilha enrolada no edredom inclusive estava com ela não a tirava por nada o coração abria e dentro dele tinha a foto de um lindo girassol.

      Bom eu tinha ficado sim chateada com jaehyun ele sempre estava na academia e a desculpa para não sair comigo era sempre a mesma.

      Chegando no centro da cidade que não era muito longe da mansão dos jungs, estava realmente um caos homens fortemente armados prendendo pessoas que aparentemente estavam infectadas em camisa de força os doentes perambulavam pelas ruas sem medo de ser atropelados sem ter consciência de nada do que estavam fazendo, também havia pessoas desinformadas com medo de pegar o vírus pelo ar bom eu sabia que isso não podia acontecer pois meu tio disse ser um vírus que afetava o psicológico isso para os cientistas e para o mestre moon que previu a doença, diziam que o vírus afetava pessoas emocionalmente vulneráveis e tristes acabando de vez com sua consciência era como se seu consciente estivesse literalmente no mundo da lua e seus corpos vazios na terra só sabia essas coisas porque tio jung lia muito o jornal mas ele não acreditava nisso dizia que nem existia um vírus que era um surto coletivo eu não sei o que pensar sobre, mas acho que concordava com meu tio.

     Passei enfrente a casa do presidente que ficava duas quadras antes do mercado, muitas pessoas na sua calçada carregavam cartazes escritos "fora Taeyong" até mesmo ameaças, concordava com tio jung sobre o vírus mas não sobre o presidente, ele não era assim tão ditador afinal não havia absolutamente ninguém contendo os manifestantes os homens armados só usavam as armas para assustar os infectados e os colocarem dentro de uma van tia jung disse que estavam os levando para um campo de concentração e seriam cuidados até acharem a cura na verdade a pobre menina, eu que não queria estar na pele dela, tio jung disse que um único médico estudava uma cura que não custasse a vida dessa garota seja lá quem for tem que se apressar, além dos caras armados havia uns caras com uns aparelhos estranhos mirando em pessoas aleatórias sempre mulheres, tentei não me impressionar com toda a tensão a minha volta e seguir até o mercado calma, entrei no mercado peguei uma cesta fui na sessão de massas pegar o espaguete toda aquela situação estava afetando o mercado estava vazio e com prateleiras muito pobres faltando produtos fui a sessão de verduras procurar o coentro que tia jung pediu mas não tinha nada só consegui comprar o espaguete e a cebola sai do mercado dessa vez andando mais apressada reparei que fui muito lerda no caminho até o mercado observando tudo que estava acontecendo deviam estar preocupados comigo.

    Caminho com pressa os manifestantes tinham diminuído, as ruas estavam mais vazias quando escuto um barulho de tiro e sinto algo escorrer na minha pele era sangue eu havia sido atingida?

Notas Finais


é isso pessoal aaa eu fiquei tão ansiosa para postar que não revisei muito bem, mas do jeito que eu sou ficaria revisando a vida inteira e não postaria nunca, então tai joguei e sai correndokkkk peço perdão pelos erros prometo concertar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...