1. Spirit Fanfics >
  2. Easy - taekook >
  3. Capítulo 8

História Easy - taekook - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - Capítulo 8


Fanfic / Fanfiction Easy - taekook - Capítulo 8 - Capítulo 8

Jimin: Yoongi e eu estamos saindo em breve. Você vai ficar bem neste fim de semana? Você está indo para SB esta tarde, CERTO? Se ele pedir para sair, vá com ele. Redefina o seu paladar! Não esqueça que você vai ter o espaço para si mesmo no fim de semana. WINK WINK.

Eu: Vocês se divirtam. Eu vou ficar bem! Eu mandarei notícias.

Jimin: É melhor! Eu estarei de volta domingo à tarde. Ou à noite, dependendo do nível de ressaca no domingo de manhã. Heh heh. Mando um SMS mais tarde.

Eu tinha esquecido que a viagem de Jimin com Yoongi era nesse fim de semana.

— Uma hospedagem domiciliar? — Maggie arqueou uma sobrancelha. — Qual é o próximo, toalhas monografadas?

Jimin fez uma careta.

— É romântico!

— Exatamente! — Maggie riu. — E você está indo com Yoongi. Como você mesmo fala Sr Estatísticas em que afinal?

Os lábios cheios de Jimin curvaram-se um pouco afetadamente e ele penteava o cabelo com a mão, tão vermelho que eu poderia dizer a sua cor, mesmo em pé neste campo escuro em nos arredores da cidade.

— Eu disse a ele que a hospedagem domiciliar tem uma banheira de hidromassagem enorme, e que eu estaria disposto a fazer coisas pecaminosas indescritíveis para ele nela.

Um som estrangulado veio de um dos dois caras nerds atrás de nós na fila, ambos com expressões torturadas e olhando para Jimin. Nós sufocamos o riso. Maggie suspirou.

— Pobre Yoongi.

O cheiro de café invadiu meus sentidos, à frente o Starbucks ficou à vista. Dobrando a esquina, meus olhos foram para o balcão, onde dois funcionários estavam conversando. Quando eu não vi Jungkook, eu perguntei se ele tinha trocado de turno e esqueceu-se de me mandar um SMS.

Havia apenas um punhado de clientes, um dos quais era o Dr. Namjoon, lendo o jornal no canto. Eu não tinha nada contra o meu professor, mas eu não quero que ele exatamente fosse testemunha das minhas tentativas de namoro com o cara que pulou o teste e foi chamado para fora por ele ainda esta manhã. Eu estava logo atrás de uma vitrine de canecas e copos de viagem.

Assim como ele tinha feito segunda-feira, Jungkook empurrou a porta para trás, os meus olhos o examinavam. Meus dedos das mãos e pés formigavam com a visão dele. Debaixo do avental verde, usava uma leve camiseta azul bem aderente, de mangas compridas, não o moletom da faculdade com a marca que ele tinha usado esta manhã em sala de aula. As mangas da camiseta foram empurradas até os cotovelos novamente, deixando as tatuagens visíveis. Fui para o balcão, meus olhos deslizaram de seus antebraços para seu rosto. Ele não tinha me visto ainda.

Uma das garotas na registradora endireitou.

— Posso ajudar? — Sua voz tinha uma nota de aborrecimento, como se ela estivesse estalando os dedos para chamar minha atenção.

— Eu vou atendê-lo, Eve. — Jungkook disse, e ela deu de ombros e voltou para a sua conversa com a sua colega de trabalho, mas ambas me

olharam com ainda mais hostilidade do que um momento antes. — Hey, Taehyung!

— Oi!

Ele olhou para o canto onde o Dr. Namjoon estava sentado.

— O que eu posso fazer por você?

Seu tom não era o tom de um cara que tinha especificamente me pedido para vir. Talvez ele estivesse se comportando prudentemente para o benefício de seus colegas de trabalho.

— Hum, um grande Americano, eu acho.

Ele pegou o copo da pilha e fez a bebida. Eu tentei lhe entregar meu cartão, mas ele balançou a cabeça uma vez.

— Tudo bem. É por minha conta.

Suas colegas de trabalho trocaram um olhar que eu fingia não ver.

Agradeci e me retirei para o lado oposto da loja onde o Dr. Namjoon estava, configurando meu notebook para trabalhar no meu projeto de economia. Eu tinha que recolher informações de várias fontes para defender a posição que meu trabalho de pesquisa foi tomando.Depois de uma hora, eu tinha uma dúzia de fontes salvas nos meus favoritos sobre os atuais acontecimentos econômicos internacionais, meu café se foi, e Jungkook não tinha vindo mais uma vez. Eu era esperado no colégio para as minhas semanais aulas de baixo de sexta-feira à tarde em meia hora. Desliguei meu notebook, me virando para desconectar o cabo de energia da parede.

— Srt. Kim — Na saudação inesperada do Dr. Namjoon, eu pulei, derrubando meu copo felizmente vazio.

— Oh! Sinto muito ter assustado você!

— Ah, tudo bem. Eu estou um pouco nervoso de, uh, o café. — E de pensar por um segundo que você era Jungkook.

— Eu só queria que você soubesse que o Sr. Jeon me disse que você está quase alcançando, e fazendo progresso no projeto. Fico feliz em ouvir isso. — Ele baixou a voz e olhou em volta conspirando. — Meus colegas e eu realmente não queremos deixar ninguém falhar, você sabe. Nosso objetivo é assustar, quero dizer incentivar os menos, er,

estudantes sérios a produzir. Não que eu acredite que você é um desses.

Eu devolvi o sorriso.

— Eu entendo.

Ele se endireitou e limpou a garganta.

— Bom, muito bom. Bem, neste ponto, tenha um fim de semana produtivo. — Ele riu de sua piada e eu consegui evitar revirar os olhos.

— Obrigada, Dr. Namjoon!

Ele caminhou até o balcão e falou com Jungkook quando tirei o cabo de energia e arrumei o notebook na mochila. A conversa entre eles foi sincera, e eu estava preocupado, quando o Dr. Namjoon gesticulou em minha direção, pelo menos uma vez. Gostaria de saber se o nosso professor acreditava que Jungkook era um desses alunos menos sérios que poderia intimidar a se tornar mais dedicado. Se for assim, eu não queria ser usado como uma espécie de exemplo.

Assim que saí, olhei por cima do meu ombro, mas Jungkook não moveu seu olhar do meu caminho em tudo, e sua expressão era tensa. Seu colega de trabalho, limpando um contador a poucos metros de distância, sorriu para mim.

Quando saí do colégio, duas horas depois, eu liguei meu telefone, esforçando-me para olhar para frente para um fim de semana sozinho enquanto o ligava. Claramente, a ida para a Starbucks foi um fracasso. Jungkook tinha sido, se possível, ainda mais intrigante e cauteloso do que era antes.

Enquanto trabalhava no projeto, eu tinha enviado um e-mail para Jeon lhe agradecendo o envio da planilha de quarta-feira, e por insistir que eu fizesse isso. Não querendo provocar um possível complexo de culpa, não me referi diretamente à dica que ele conscientemente me deu, no caso dele ser o tipo de cara rigorosamente honesto que ele parecia ser. Eu não tinha ouvido falar dele desde quarta-feira, mas talvez ele fosse me mandar um e-mail esta tarde ou esta noite. Talvez ele estivesse livre nesse fim de semana, e nós poderíamos finalmente nos encontrar.

Quando cheguei ao meu quarto, eu vi que o Jungkook tinha mandado um SMS enquanto eu estava voltando.

Jungkook: Desculpe, eu não disse adeus.

Eu: Foi estranho com o Dr. Namjoon lá eu acho.

Jungkook: É.

Jungkook: Então, eu gostaria de esboçar você.

Eu: Ah?

Jungkook: Sim

Eu: Ok. Não, como, sem roupas ou qualquer coisa né?

Jungkook: Haha não. A menos que você esteja pronto para isso.

Jungkook:Esta noite está ok? Ou amanhã à noite? 

Eu: Hoje à noite está bom.

Jungkook: Legal. Eu posso estar aí em algumas horas. 

Eu: Ok.

Jungkook: Qual é o seu número do quarto?

Eu: 362. Eu vou ter que deixá-lo entrar no prédio.

Jungkook: Eu provavelmente posso entrar. Eu te mando um SMS se não puder.

A batida de Jungkook era leve. Eu estava tão nervoso que estava tremendo quando me levantei para atender a porta.

Ele disse que queria me esboçar, mas eu não tinha certeza se isso era tudo o que ele queria fazer, ou se era um código para mais.Jimin nunca iria escutar o fim de tudo se eu o tivesse em nosso quarto e pelo menos não o beijasse, mas Jungkook não me parecia o tipo de cara que geralmente parava no beijo. Muitas pessoas viam a faculdade como uma espécie de período exploratório, e muitas estariam mais do que felizes em explorar Jungkook. Mas tinha me levado mais de um ano para trabalhar até o sexo com Bogum, e ele era o único cara que eu já tinha dormido. 

Eu respirei.

Ele bateu de novo, um pouco mais forte, e eu parei de pensar e abri a porta.

Franjas do cabelo escuro fora de seu gorro cinza escuro. Ele encolheu os ombros, as mãos nos bolsos da frente, o caderno de desenho debaixo um braço.

— Hey! — Ele disse.

Dei um passo atrás para o quarto, segurando a porta aberta. Eu o deixei entrar e bati a porta quando Jungkook jogou seu caderno de desenho na minha cama e pôs-se no centro do quarto, que parecia encolher com ele lá. Sem se mexer, ele examinou o lado de Jimin do quarto, as paredes sobre a sua cama coberta de fotos, as letras Gregas de sua irmandade acima das letras brilhantes de seu nome. Aproveitando- se de sua distração, estudei-o: botas de motoqueiro, arranhadas no inferno, jeans desgastados, moletom cinza com capuz. Ele virou a cabeça para examinar o meu lado do quarto, e eu olhava para o perfil de sua mandíbula, lábios entreabertos, cílios escuros.

De frente para mim, seus olhos se moveram sobre mim e depois para o notebook na minha mesa, que eu tinha ligado a um pequeno conjunto de alto-falantes. Eu configurei uma playlist da minha coleção para tocar tranquilamente. Outra das sugestões de Jimin. Ele intitulou a lista de OBBP, e eu esperava que ele tardiamente não inspecionasse a lista e perguntasse o que isso significava. Eu não diria a ele, claro, mas o meu propenso rubor iria provavelmente incinerar.

— Eu gosto desta banda. Você os viu no mês passado? — Ele perguntou.

Bogum e eu os tínhamos visto, na noite da verdade, antes que terminamos. Eles foram uma das nossas bandas locais favoritas. Ele tinha estado estranho naquela noite. Distante. Nos shows, ele normalmente aconchegava minhas costas em seu peito, as pernas abertas apenas o suficiente para acomodar os meus pés entre os seus, seu braço em volta bloqueando o meu. Em vez disso, ele estava ao meu lado, como se fôssemos amigos. Depois que terminamos, eu percebi que ele decidiu antes da noite que sua reserva foi a evidência do muro entre nós, eu só não tinha visto ainda.

Eu balancei a cabeça, vencendo Bogum dos meus pensamentos.

— Você viu?

— Sim. Não me lembro de ver você lá, mas estava escuro, e eu talvez tivesse tomado uma ou duas cervejas. — Ele sorriu, dentes brancos, apenas imperfeito o suficiente para indicar que ele não tinha sofrido com a ortodontia como eu tinha. Tirou o gorro e o deixou cair na minha cama, ele colocou o lápis em seu caderno de desenho e deslizou as mãos pelo seu cabelo achatado, e em seguida o sacudiu, resultando em uma aparência desarrumada pelo sono. Bom Deus! Quando ele puxou o capuz sobre a sua cabeça, sua camiseta branca levantou um pouco com isso, e eu tive a minha resposta sobre o quão longe as tatuagens se estendiam. Quatro linhas escritas, pequenas demais para ler, serpenteavam em torno de seu lado esquerdo. Algum tipo de desenho Celta equilibrando-se nele na direita. Bônus: eu já sabia o que Jimin queria dizer com abdominal digno de lamber.

O moletom se juntou ao gorro, e sua camiseta caiu de volta no lugar. Pegando o caderno de desenho e o lápis, ele se virou para mim e notei que a tinta em seus antebraços continuava ao longo de seus bíceps e sob as mangas curtas de sua camiseta. 

— Onde você me quer? — Mais fôlego do que eu pretendia, a minha pergunta parecia uma proposta. Uau. Eu poderia ser mais óbvio? 

Minhas entranhas ficaram líquidas com o seu fantasma de um sorriso, o que foi se tornando mais e mais familiar.

— Na cama. — Ele disse, sua voz rouca. Oh, Deus!

— Tudo bem. — Eu me movi para empoleirar na beira do colchão enquanto ele varreu o moletom e o gorro para o chão. Meu coração disparou à espera.

Ele olhou para mim, inclinando a cabeça para o lado.

— Hum. Você está muito preocupado. Nós não temos de fazer isso se você não quiser.

Nós não temos que fazer o que? Eu pensei, desejando que eu pudesse perguntar-lhe se me usar como modelo foi um pretexto, e lhe dizer que se fosse assim, era uma pretensão que ele não tinha necessidade de manter. Eu olhei nos olhos dele.

— Eu quero.

Ele enfiou o lápis sobre sua orelha, olhando não convencido.

— Mmm. Em que posição seria a mais confortável para você?

Eu não podia dizer em voz alta às respostas que surgiram em minha cabeça a essa pergunta, mas o rubor que se espalhou pelo meu rosto como um incêndio falou por mim. Ele pegou o lábio inferior entre os dentes, e eu tinha certeza que era para conter uma risada. A mais confortável posição? Que tal com a minha cabeça presa debaixo de um travesseiro?

Ele olhou em volta do meu quarto e foi sentar-se no chão, contra a parede, de frente para o pé da minha cama.

Joelhos para cima, o caderno de desenho em suas coxas, ele estava exatamente como eu imaginei na aula no outro dia. Só que ele estava no meu quarto, não no seu.

— Deite-se de barriga para baixo e descanse sua cabeça em seus braços, de frente para mim.

Fiz o que ele me disse.

— Gostou?

Ele acenou com a cabeça, olhando para mim como se absorvendo detalhes ou em busca de falhas. Vindo de joelhos, ele se aproximou o suficiente para passar seus dedos através do meu cabelo e deixa-lo bagunçados.

— Perfeito! — Ele murmurou, correndo de volta para a sua posição contra a parede, alguns metros de distância.

Eu olhei para ele conforme ele esboçava, seus olhos se moviam para trás e para frente do meu rosto para o caderno de desenho. Em algum momento, seu olhar começou a se mover sobre meu corpo. Como se seus dedos deslizassem sobre meus ombros e nas minhas costas, minha respiração ficou presa na minha garganta e eu fechei os olhos.

— Caindo no sono? — Sua voz era suave. Próxima.

Abri os olhos para encontrá-lo de joelhos ao meu lado, sentado sobre os calcanhares. Meu coração acelerou novamente em sua proximidade.

— Não.

Ele deixou o caderno de desenho e o lápis no chão atrás dele.

— Você já... Fez?

Ele balançou a cabeça ligeiramente.

— Não. Eu gostaria de fazer outro, se você não se importa. — No meu aceno, ele disse: — Vire de costas.

Rolei lentamente, com medo de que ele seria capaz de ver o meu coração batendo através da minha camisa fina. Ele pegou o caderno de desenho e o lápis no chão e se levantou. Olhando para baixo, ele deixou seus olhos vaguearem sobre mim, e eu me sentia vulnerável, mas não em perigo. Eu sabia muito pouco sobre ele, mas havia uma coisa que eu sentia inequivocamente: seguro.

— Eu vou arrumar você, tudo bem? Eu engoli.

— Uh... claro. — Minhas mãos estavam agarradas a minha caixa torácica, meus ombros curvados quase aos meus ouvidos. O que, não é assim que você me quer posicionado? Eu mal contive o riso nervoso que borbulhava com o pensamento.

Seus dedos cercaram o meu pulso mais próximo dele, e ele trouxe o meu braço sobre a minha cabeça, inclinou-o como se tivesse sido jogado para trás. Tomando a mão oposta, ele espalmou meus dedos sobre meu abdômen, sentou-se, olhou para mim um momento, e depois se moveu, também, sobre a minha cabeça, cruzando meus pulsos, como se eu estivesse preso. Eu lutava para respirar normalmente. Impossível!

— Eu vou mover sua perna. — Ele disse, seus olhos nos meus, me esperando assentir. Suas mãos em meu joelho, ele inclinou-o, deixando- o nivelado contra o colchão. — Ele pegou o caderno de desenho e virou a página. — Agora, incline o seu rosto em minha direção o queixo um pouco para baixo, está bom. E feche os olhos.

Eu lutei para permanecer relaxado, sabendo que, enquanto eu ouvia o risco do lápis através da página, ele não ia me tocar. Eu estava imóvel, os olhos fechados, ouvi o raspar do lápis no papel, interrompido pelo passar suave de seu dedo manchando uma linha ou uma sombra.

Do notebook na minha mesa, minha caixa de entrada fez um som, e meus olhos brilharam aberto. Sem pensar, me levantei sobre os meus cotovelos. Jeon? Mas não havia maneira que eu pudesse verificar.

Lucas estava me observando de perto.

— Você precisa verificar isso?

Jeon ignorou meu e-mail toda à tarde, quando no passado ele tinha respondido tão prontamente que eu provavelmente estava mimado. Mas Jungkook estava sentado no meu quarto. Na minha cama. Deitei-me, voltei meus braços à sua posição anterior, e eu balancei a cabeça. Eu não fechei os olhos desta vez, e ele não pediu para que fechasse.

Ele voltou a esboçar, concentrando-se em minhas mãos por um longo tempo, e depois no meu rosto. Ele olhou nos meus olhos, e de volta para o exame intenso de seu desenho. Quando ele olhou para minha boca por longos momentos e desenhou, olhando, desenhando, olhando, eu queria chegar, pegar sua camiseta, e puxá-lo para mim. Minhas mãos apertaram involuntariamente e seu olhar varreu para lá e voltou.

Com os olhos brilhando, ele olhou para mim.

— Taehyung? Eu pisquei.

— Sim?

— A noite que nos conhecemos... Eu não sou como aquele cara. —

Sua mandíbula estava rígida.

— Eu sei que... — Ele colocou um dedo sobre meus lábios, sua expressão se suavizando.

— Então eu não quero que você se sinta pressionado. Ou subjugado. Mas eu, com certeza, quero te beijar agora. Desesperadamente. — Ele arrastou seu dedo sobre a minha mandíbula e na minha garganta, e sobre a pele que ficava exposta da minha camisa aberta pela metade.

Eu olhei para ele. Finalmente compreendendo que ele estava esperando por uma resposta, eu disse:

— Ok.

Ele deixou cair o caderno de desenho no chão e o lápis o seguiu, seu olhar nunca saiu do meu. Quando ele se inclinou sobre mim, senti uma intensa consciência de cada parte do meu corpo que tocou uma parte do seu, a beira de seu quadril pressionando o meu, seu peito deslizando contra o meu, seus dedos passando dos pulsos para antebraços e emoldurando meu rosto. Ele me segurou no lugar, os lábios perto do meu ouvido. Quando ele beijou o ponto sensível, minha respiração estremeceu.

— Você é tão bonito! — Ele sussurrou, movendo sua boca para a minha.

Seus lábios eram quentes e firmes, pressionando contra os meus, e quando sua língua começou um ataque contra a linha suave dos meus lábios, eu os abri. Sua língua se aprofundando em minha boca, as mãos viajavam em direções opostas, uma foi para os meus pulsos ainda cruzados, pressionando-os no colchão acima da minha cabeça, a outra deslizava pelo meu lado, cavando em minha cintura. Ele me beijou mais forte, reivindicando as respostas que ele persuadiu de mim. Minha cabeça girava, e eu estava puxando rajadas curtas de ar como se eu estivesse surgindo a cada poucos segundos antes do mais profundo mergulho. Apenas quando eu pensei que não poderia tomar a intensidade, ele diminuiu a pressão e chupou meu lábio inferior suavemente, roçou sua língua sobre ele, e então ele repetiu o movimento. Eu mexia abaixo dele e sua língua escorregou entre meus lábios novamente e repetiu o seu exame mais detalhado acariciando minha língua, os dentes, o céu da minha boca.

Se alguém tivesse perguntado, Como isso se compara a beijar Bogum? Eu teria respondido: ―Quem?

As mãos de Jungkook agarraram meus pulsos e colocou meus braços em volta de seu pescoço. Respondendo fazendo algo que eu tinha sonhado em fazer mais do que uma vez, eu passei minhas mãos em seu cabelo, despenteando-o ainda mais. Ele me puxou para ele, me pegando em seu colo quando ele deslizou de costas contra a minha pilha de travesseiros na cabeceira da cama estreita, um pé calçado ainda no chão, o outro movendo sob mim. Inclinando-me para trás, com a mão segurando a minha cabeça, ele beijou um caminho no meu pescoço até o V da minha camisa. Minha cabeça caiu para trás enquanto eu ofegava tentando formar um pensamento racional.

Sua mão à deriva sob minha camisa deslizando ao longo de minhas costelas, vagueando sobre a minha pele, seus dedos roçando a pele acima, as curvas da carne, a fenda da minha camisa aumentada pela minha posição Empurrando a barra da camisa acima dos meus braços, ele moveu os lábios para os lugares onde seus dedos tinham estado e passou a língua ao longo da minha pele perto dos mamilos.

Minhas mãos apertaram em seu cabelo enquanto seus dedos deslizaram pelas minhas costas e cintura. Meu corpo queria, mas a minha mente protestou no primeiro beijo, me envergonhando, de quê?

A voz de Jimin na minha cabeça disse: ―Chute o inferno fora dele! E eu bloqueei uma risada inoportuna.

Jungkook levantou a cabeça e levantou uma sobrancelha para mim.

— Cócegas? — Ele perguntou incrédulo.

Eu estava completamente horrorizado, e não poderia imaginar uma tragédia maior nesse momento do que ter cócegas, a menos que ele estivesse tendo o senso de humor mais estúpido do planeta. Mordi o lábio, tentando não rir de novo, pensando, Oh meu Deus! Eu balancei a cabeça.

Seu olhar moveu para meus dentes prendendo meu lábio inferior.

— Você tem certeza? Porque ou é isso... Ou você achou minhas técnicas de sedução... Engraçadas.

Eu grunhi e ri incapaz de me conter, e ele balançou a cabeça enquanto me sentei no colo dele, metade da minha pele exposta, fiquei fortificado. Eu tirei minha mão do seu cabelo e bati com ela na minha boca imprudente.

Então, ele sorriu. Atrás da minha mão, eu sorri de volta, implorando silenciosamente para não me fazer rir de novo, porque apenas sob a superfície, a histeria reprimida estava se preparando para um motim.

— Talvez eu deva apenas fazer cócegas em você e acabar com isso.

— Ele pareceu meditar sobre a ideia.

— Por favor, não! — Eu disse, alarmado. Como a maioria das pessoas, eu não era uma visão atraente quando faziam cócegas em mim. Eu sabia disso, porque minha tia tinha filmado o idiota do meu primo mais velho me fazendo cócegas e eu me contorcendo, implorando bagunça no meu décimo primeiro aniversário. Meu rosto virou um escarlate manchado, cuspe à direita do canto da minha boca, e os sons de protesto que eu proferi eram quase desumanos.

— Não?

— Não. Por favor, não!

Suspirando, ele pegou a minha mão na frente do meu rosto e apertou-a contra seu peito, inclinando-se rapidamente e me beijando. Eu notei que ele tinha cuidadosamente puxado minha camisa de volta, embora isso não o impedisse de acariciar com a ponta dos dedos em toda a minha barriga por baixo, ou seu polegar acariciando um mamilo enquanto sua boca se movia com a minha, me deixando tonto. Contra a minha mão, seu coração batia no mesmo ritmo que o meu.

Eu esqueci de rir.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...