História Eccentric (Excêntrica) - Castiel - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Iris, Leigh, Lysandre, Nathaniel, Rosalya
Tags Amor Doce, Castiel, Drama, Lysandre
Visualizações 78
Palavras 3.711
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo mas antes alguns avisos:
Primeiro recado é que deixei um link de uma música nas notas finais, é importante que a ouçam para entrarem no clima rs
E o outro recado é principalmente para quem veio da outra fic, não sei se comentei no primeiro capítulo mas essa história é bem diferente da outra, para escrever não foco tanto nos detalhes e nos diálogos e sim no enredo e nos lances psicológicos da história, além disso essa é bem mais tensa e pesada do que a outra, estou avisando pois sei que nem todo mundo gosta de tanto drama e assuntos tensos!
No mais espero que gostem e aproveitem a fic <3

Capítulo 5 - Strong (Forte)


Fanfic / Fanfiction Eccentric (Excêntrica) - Castiel - Capítulo 5 - Strong (Forte)

- Canta “Greenleeves”, Lynn! - Castiel sugeriu sorridente. - Se quiser fico do seu lado. - Ele completou pegando em minha mão, eu olhei para os outros alunos e para a professora, eram todos tão gentis e amigáveis mas mesmo assim eu não conseguia descongelar.

- Lynn, você não precisa se não quiser… - Lysandre falou calmo.

Eu queria muito ser forte e agir como as outras pessoas mas o meu medo, como sempre, fôra mais forte do que eu. O pânico e a ansiedade me dominaram e eu sai correndo da sala, após me afastar um pouco me ajoelhei no corredor e comecei a respirar fundo, Lysandre e Castiel vieram logo atrás de mim e tentavam conversar comigo mas eu não respondia, a voz não saía e eu sentia que estava ficando sem ar, fui respirando cada vez mais forte tentando puxar o ar que me faltava.

- Lynn, por favor, vem comigo… - Castiel falou abaixando-se do meu lado e estendeu a mão para mim.

- Deixa ela respirar. - Lysandre falou preocupado.

- Confia em mim, vou te levar para um lugar mais tranquilo e você poderá respirar tranquila! - Castiel falou ignorando Lysandre, ainda estendendo a mão para mim, peguei a mão dele e deixei ele me levar, Lysandre tentou nos seguir mas o Castiel pediu educadamente para que ele confiasse no que ele faria e Lysandre concordou um pouco contrariado. 

Castiel me levou até o fim do corredor, abriu uma portinha com uma chave que guardava no bolso e me subiu por uma escada apertada que dava para uma sacado no teto da escola. 

- Feche os olhos e sinta o vento, vai te ajudar a respirar melhor. - Castiel falou em tom suave me levando até perto da borda, eu soltei a mão dele, cruzei os braços em busca de confiança e fiz o que ele sugeriu, senti a brisa leve e fria batendo em meu rosto, aos poucos eu sentia o ar que fôra roubado pelo meu pavor voltando aos meus pulmões. Fiquei assim por um tempo, respirando profundamente e de olhos fechados. Castiel tocou meus braços lentamente e com muita delicadeza, mesmo assim me assustei e e dei uma leve recuada.

- Não se assuste, só quero te dar apoio… - Castiel falou calmo e acariciou meu braço com delicadeza. - Não sei quem te machucou tanto mas eu não farei o mesmo, confia em mim e confie em si mesma. - Ele falou docemente enquanto corria os dedos pelo meu braço e mesmo eu estando com uma blusa de tecido grosso senti seu calor aconchegante me acalmar aos poucos. - Lá embaixo só tem pessoas boas e ninguém pretende te julgar, não deixa seu medo te derrotar, volta naquela sala e canta. - Ele falou obstinado - Usa a música para aliviar o que você sente… - Ele sugeriu ainda acariciando meu braço.

- Você tem razão, eu quero tentar… - Virei para ele com um sorriso de alívio e ele sorriu de volta.

Descemos até a sala de música de mãos dadas, a professora e os alunos continuavam sorridentes e não fizeram perguntas, provavelmente Lysandre havia conversado com eles. 

- Desculpem, eu tive uma crise de falta de ar. - Falei tímida. - Ainda posso cantar? - Perguntei olhando para a professora que me respondeu com um “claro” me encarando docemente. - Eu vou cantar uma música própria… - Falei já no piano e comecei a tocar a melodia e depois a cantar uma música que eu havia escrito para o meu irmão mais novo.

I see your pain, I see it grow

(Eu vejo sua dor e a vejo crescer)

slowly inside you

(Devagar dentro de você)

You cannot control it

(Você não pode controlá-la)

The hurting's ruthless, you cannot win

(A crueldade dolorosa, você não pode vencer)

 

I see every smile you fake

(Eu vejo cada sorriso que você finge)

Strong emotion, strong devotion to ignore the pain

(Forte emoção, forte devoção para ignorar a dor)

to stand strong

(Para cotinuar forte)

 

Day after day

(Dia após dia)

To be there for us, always

(Para estar lá por nós, sempre)

To pretend there's nothing wrong

(Para fingir que não há nada de errado)

How you feel or how it feels

(Como você sente ou como isso sente)

No words describe it

(Nenhuma palavra descreve isso)

Your body feels like a stranger

(Seu corpo se sente como um estranho)

We cannot stop it, we cannot win

(Você não pode parar isso, você não pode vencer)

 

I see every smile you fake

(Eu vejo cada sorriso que você finge)

Strong emotion, strong devotion to ignore the pain

(Forte emoção, forte devoção para ignorar a dor)

to stand strong

(Para cotinuar forte)

 

Every painful day

(Cada dia doloroso)

I'll be there for you, always

(Eu estarei lá por você, sempre)

And together we will stand strong

(E juntos nós continuaremos fortes))

Cantei cada estrofe sentindo uma imensa dor mas Castiel tinha razão, a música aliviava a mágoa que me feria tanto. Ao final acabei não aguentando e chorei mas não meu choro silencioso e contido de sempre, chorei desesperada e copiosamente, soltei a dor que guardara desde a partida de Daniel há exatos 1 ano e 3 meses.

- Vem, Lynn, vamos embora. - Lysandre falou triste e me amparando.

- Eu estou bem Lys, eu precisava disso. - Falei soluçando e tentando parar de chorar. 

- Ele ficaria orgulhoso de você! - Lysandre falou baixinho e com a voz embargada e eu abracei ele. Depois de nos acalmarmos nos desculpamos com a professora e deixamos a reunião continuar, algumas pessoas me olhavam curiosas e outras com compaixão mas nenhuma parecia me julgar, de alguma forma me senti acolhida, principalmente por Castiel que não saiu do meu lado.

A professora elogiou minha voz e explicou para os alunos a diferença entre timbre e afinação.

- Gente, antes de terminar quero dar um aviso. Como alguns sabem, também sou responsável pelo clube de teatro e decidi unir as duas turmas para fazer um músical que será apresentado antes do baile de Halloween. - A professora explicou sorridente. - Peço que todos ensaiem alguma música do musical “Os Miseráveis” que, para quem não conhece, é um musical inspirado no livro do nosso conterrâneo Victor Hugo e conta uma parte da história do nosso país. - Ela contava enquanto distribuía pendrives para todos os alunos. - Nesses pendrives tem um vídeo de uma apresentação completa desse musical apresentado na Opera de Paris, além de um pdf com a letra de cada música e um resumo da história dos personagens. Quero que cada um de vocês escolha uma das músicas para cantar para nós na próxima quinta. Não busco a voz perfeita mas sim a interpretação perfeita, quem não quiser participar não é obrigado - Ela completou sorridente e encerrou a aula, saí rapidamente sem me despedir de ninguém e esperei o Lysandre na saída da escola. 

- Está mais calma? - Castiel que se aproximara sem eu perceber perguntou me olhando sorridente.

- Sim, obrigada por sua ajuda, foi muito importante para mim. - Agradeci com um sorriso leve. - Você sabe onde o Lys está? - Perguntei estranhando a demora do meu tio.

- Ele foi resolver um problema na diretoria e me pediu para ficar com você até ele chegar. - Castiel respondeu ainda sorrindo. 

- Ele pensa que sou uma criança, não preciso de tanto cuidado. - Falei irritada e Castiel riu.

- Foi muito bonito o que você cantou hoje, pelo jeito você herdou o talento de escrever do seu tio. - Castiel falou em tom gentil.

- Na verdade ele herdou de mim né? Sou mais velha que ele! - Afirmei rindo e ele riu junto.

- A árvore genealógica de vocês buga o meu cérebro! - Castiel falou divertidamente.

- Você participará do teste para o musical, né? - Castiel perguntou animado.

- De jeito nenhum, eu não teria coragem. - Respondi sem ânimo. 

- Pelo menos ensaia essa semana, eu te ajudo e você me ajuda e se na próxima quinta-feira você se sentir preparada canta, o que acha? - Castiel sugeriu com empolgação.

- Pode ser… - Respondi sem muita vontade, eu sabia que não conseguiria me apresentar para a classe e muito menos participar de um musical mas ensaiar com o meu possível novo e primeiro amigo poderia ajudar eu me distrair dos pensamentos ruins que habitavam a minha mente. 

Castiel comemorou minha resposta positiva e combinamos de ensaiar durante os intervalos no porão e no parque após as aulas. Após alguns minutos Lysandre chegou e fomos embora, no caminho conversamos um pouco sobre Daniel, pela primeira vez desde sua morte eu consegui falar sobre ele e me fez muito bem lembrar do meu amado, doce e protetor irmão. Quando cheguei em casa assisti o musical disponibilizado pela professora, eu já conhecia a história, afinal era o meu livro favorito mas mesmo assim assisti empolgada pois sempre fôra louca para conhecer Paris e um dos meus sonhos era assistir “Os Miseráveis” na grande opera. 

No dia seguinte comecei a ensaiar com o Castiel e escolhi a música “I Dreamed a Dream" e ele “Valjean's Soliloquy”, Castiel tinha um tímbro rouco bem bonito mas não era muito afinado. No final da aula ele sugeriu de assistirmos ao musical na casa dele, não sei o que deu em mim mas fingi que ainda não tinha assistido e aceitei o convite, Lysandre foi com a gente e parecia mais relaxado com a aproximação de Castiel.

- Não é o tipo de música que me agrada, essa lirismo todo me dá sono! - Castiel falou quando terminamos de ver o vídeo na tv de sua sala. - Mas a história é bem interessante, confesso que nunca tive paciência de ler o livro. - Ele completou sorridente.

- O músical é baseado no livro mas não chega nem aos pés da história escrita, tem uma minissérie ótima de 4 episódios que retrata o romance fielmente, é maravilhoso! Fora que o Gérard Depardieu interpreta o Jean Valjean e o John Malkovich o Javert, na minha opinião eles são os melhores atores de todos os tempos! - Contei empolgada.

- Vou procurar na internet para baixar! - Castiel comentou animado.

- Eu tenho os dvds, posso te emprestar se quiser. - Sugeri docemente.

- Podemos assistir amanhã, o que você acha? - Castiel falou sorridente.

- Boa ideia, já assisti dezenas de vezes mas nunca canso e vai ser bom para você conhecer melhor o personagem da música que você escolheu! - Falei com animação, uma animação que já não sentia há anos.

- Na minha casa ou na sua? - Castiel perguntou me encarando.

- Melhor na nossa, fica mais fácil para a Lynn. - Lysandre, que até então estava em silêncio, sugeriu calmo e combinamos que ele iría em casa no dia seguinte para assistirmos o seriado e ele fez como combinado. Leigh, Lys e Rosalya que também estavam em casa assistiram conosco.

Eu não assistia a minissérie desde que Daniel me deixara e era bom fazer o nosso programa favorito de novo, mesmo que fosse sem ele, eu me sentia forte novamente, mas estava enganada! A cena do suicídio de Javert me fez relembrar o dia em que entrei em casa e encontrei meu irmão enforcado em seu quarto, comecei a chorar e a arranhar meu rosto compulsivamente. Leigh e Lysandre me seguraram para eu não me machucar mas eu me debatia e gritava por Daniel histericamente, com uma força sobre-humana me soltei dos meus tios e voltei a estapear meu rosto e a puxar meus cabelos.

- Lynn, não se machuque por favor. - Castiel falou me abraçando por trás para conter meus braços, ele fazia muita força para mantê-los inertes. - Calma, me desculpa por ter insistido com a história do musical e por ter dado a ideia de ver o seriado, eu não sabia que te faria tão mal, eu faço tudo errado… - Ele falou com a voz desesperada ainda me segurando, o remorso injusto dele fez com que eu me acalmasse. - Não é culpa sua, eu pensei que estava preparada para ver novamente. - Falei virando-me para ele. - Obrigada pela ajuda, eu preciso subir… - Falei após ele me soltar.

- Me deixa ir com você! - Castiel me pediu preocupado, eu não entendia o motivo de tanta preocupação da parte dele e também não entendia como ele conseguia me acalmar tão facilmente, pensei um pouco e fiz um aceno positivo com a cabeça, subimos para o meu quarto e eu deitei na cama em posição fetal, Castiel sentou ao lado dos meus pés.

- Você quer me falar sobre o que está sentido? Talvez ajude… - Castiel falou um pouco receoso, eu fiquei em silêncio. - Você perdeu alguém importante? - Ele perguntou sentando mais perto de mim.

- Meu irmão. - Respondi seca.

- Foi suicídio? - Castiel perguntou com dificuldade.

- Foi… - Respondi voltando a chorar, ele deitou do meu lado e me colocou em seu colo.

- Eu não imagino a sua dor e não sei muito o que te falar mas acho que te ajudaria se você me contasse sobre ele, não sobre o que aconteceu com ele e nem sobre os motivos que o levaram a tal ato. Me conte sobre a personalidade dele, sobre os lugares favoritos de vocês, essas coisas... - Castiel sugeriu em tom doce. - Dizem que ninguém morre enquanto permanecer vivo na lembrança de alguém, reviva o seu irmão dentro de você. - Ele concluiu enquanto dedilhava os meus cabelos, eu resolvi tentar sua sugestão, respirei fundo e contei sobre o meu irmão.

- Daniel era incrível! Ele era tudo o que eu não sou... - Comecei gaguejando. - Bonito, seguro, confiante, amável e muito forte, ele sempre foi forte por nós dois. Ele enchia de vida qualquer lugar que ele entrasse, seu sorriso me acalmava e me dava forças para levantar todos os dias. Nós éramos muito unidos, só tínhamos um ao outro na maior parte do tempo, ele era quase dois anos mais novo que eu mas eu costumava dizer que ele era mais velho pois ele pensava e agia como um adulto. - Contei emocionada. - Não conhecemos muitos lugares além das cidades próximas da que morávamos e da cidade dos meus avós mas um dia assistimos à um documentário sobre a Espanha e ele enfiou na cabeça que iria morar lá, ele começou a estudar espanhol por conta própria e guardava o dinheiro que recebíamos de presente todo mês dos nossos avós dizendo que era para mudarmos para a Espanha assim que ele fizesse 18 anos. - Contei soltando um risinho. - Assim era o Daniel sonhador, encantador e sempre sorrindo. - Concluí sem conter as lágrimas. 

- Não sei o que te dizer... Eu não acho que o Daniel seja diferente de você, pelo o que você me contou vocês são bem parecidos e eu te acho muito forte! Eu guardei uma frase da sua canção: “Eu estarei lá por você, sempre… E juntos nós continuaremos fortes”. - Ele falou com a voz triste e citando o trecho da minha música pensativo. - Continue sendo forte por ele, de alguma forma ele continuará vivo dentro de você então viva por vocês dois. - Castiel falou enquanto acariciava minha cabeça, eu não disse nada mas suas palavras me tocaram profundamente. “Daniel sempre foi mais forte do que eu, ele sempre foi tão cheio de vida e feliz, eu sei que se ele tivesse outra chance não teria feito o que fez, sei que foi um ato de desespero e de hoje em diante viverei por nós dois”, eu pensava enquanto deixava algumas lágrimas rolarem e acabei adormecendo no colo do Castiel, quando acordei ele ainda estava ao meu lado acariciando meu rosto.

- Quanto tempo eu dormi? - Perguntei confusa.

- Não muito, acho que uma meia hora. - Castiel respondeu com um sorriso doce.

- Será que a Rosalya ainda está lá embaixo? - Perguntei pensativa.

- Não sei, quer ir ver? - Castiel falou estranhando minha pergunta, respondi que sim e descemos.

- Rosalya, estou precisando comprar algumas roupas novas mas não sei por onde começar, você pode me ajudar? - Perguntei encarando a garota que estava sentada no sofá ao lado dos meus tios, todos me olharam assustados. - Claro, Lynn! Será um prazer.

- Na minha loja tenho mais roupas para festas e ocasiões especiais mas você pode ir lá e escolher o que quiser, Lynn! - Leigh falou gentilmente. - Amanhã eu não abro mas levarei vocês lá, é até melhor você olhar tudo com a loja vazia, ficará mais à vontade. Depois posso deixar vocês no shopping para comprarem roupas para o dia a dia. - Ele completou sorrindo.

- Para mim você não faz isso! - Rosalya falou fazendo biquinho.

- Não quero ficar sem estoque na loja e nem terminar falido! - Leigh falou em tom divertido e todos riram.

Castiel elogiou minha decisão depois se despediu e foi embora, conversei mais um pouco com a Rosalya sobre as comprar, ela sugeriu de chamarmos o Alexy também e eu gostei da ideia, com certeza ele ficaria feliz em ajudar. Depois subi, tomei um banho e passei o resto da noite jogando e ajudando alguns novos membros do clã a subirem de nível.

No dia seguinte fizemos como o combinado, fomos primeiro na loja do Leigh e depois para o shopping, Rosa e Alexy perguntaram sobre o meu estilo e eu expliquei que não tinha um gosto definido para roupas, que sempre vesti o que meus pais obrigaram, minha única condição é que fossem roupas confortáveis e que não mostrassem muito o corpo, eu ainda não me sentia segura para mostrar as sardas que além do meu rosto, cobriam meu corpo todo. Eles me pediram para contar os meus gostos pessoais, contei que gostava de rock, desenhos animados, jogos, símbolos pagãos, entre outras coisas. Depois eles perguntaram minhas cores favoritas e eu contei que era verde, preto e tons pastéis. Eles separaram alguns vestidos e macacões da loja do Leigh, que por sinal era linda e tinha uma roupa mais maravilhosa que a outra. Experimentei várias peças e terminei levando 4 vestidos e dois macacões, depois Leigh nos levou ao shopping e me deu seu cartão de crédito me autorizando a usar para o que eu quisesse, Rosalya e Alexy pareciam ter ganhado na loteria de tão felizes mas eu avisei que não queria abusar.

Fomos em duas lojas com roupas bem modernas e para todos os estilos, passei umas três horas provando várias peças, o que  foi bom para distrair a cabeça. Acabei levando várias, a maioria em um estilo que Rosa e Alexy chamavam de “Pastel Goth”, que pelo o que eu entendi era uma mistúria de elementos sombrios e “pesados” com outros fofos e delicados, além de algumas outras com estampas de desenhos e games que eles chamavam de "geek", eu não entendia bem as nomenclaturas mas as roupas combinavam muito comigo.

Fui para a casa cansada e satisfeita, agradeci Leigh centenas de vezes, meus tios pareciam mais felizes do que eu com a compra. Dormi logo após o jantar e fui para a escola animada para exibir meu novo estilo, Iris, Prya e Kim correram para me elogiarem assim que entrei na sala de aula e Viollette apenas me deu um sorriso tímido. 

Como combinado, no intervalo fui para o porão ensaiar com o Castiel.

- Você tem certeza que está bem para encarar “Os Miseráveis” novamente? - Castiel perguntou sério assim que chegamos no porão.

- Estou sim, suas palavras me ajudaram muito, obrigada. - Falei com um sorriso doce.

- Por nada, fico feliz por te ver bem. - Castiel respondeu sorridente. - E adorei seu novo estilo, combina com você! - Ele completou me fitando. Agradeci com um sorriso e começamos a ensaiar.

Consegui ir para aula de espanhol, que para a minha supresa Castiel também fazia parte, fiquei ainda mais encantada com o nosso professor que era uma espanhol já bem idoso e muito simpático, além de ensinar muito bem. Fiquei satisfeita por começar a aprender o idioma favorito do meu irmão, me sentia um pouquinho mais perto dele.

Castiel e eu nsaiamos todos os dias no intervalo e também após as aulas, entre os ensaios conversávamos sobre músicas e filmes, percebemos que tínhamos muito gostos em comum, eu me sentia cada vez mais à vontade com ele. Com os outros também estava mais tranquila, não tivera mais nenhuma crise de ansiedade e até levantava a mão para responder as perguntas dos professores durante as aulas. Castiel me ajudara encontrar gatilhos e músicas que me acalmassem e que aliviassem minhas crises e isso estava dando muito certo. A semana parecia ter voado, já estávamos novamente na quinta-feira e eu me sentia preparada e sem medo de me apresentar e nem de cantar na frente de todos.

Estávamos na reunião do clube, a professora avisou que nos apresentaríamos na sala de teatro e que os alunos que participavam do clube de teatro também fariam o teste, só que somente atuando. Após ela nos explicar tais detalhes nos pediu para descermos até o a sala que ficava ao lado da quadra da escola. Senti uma certa tensão por ter que me apresentar para pessoas diferentes, avisei o Lys e o Castiel que eu precisava ir no porão ouvir uma música para me acalmar um pouco, Castiel se ofereceu para ir junto mas eu preferi ir sozinha ele também participaria do teste e eu já abusara muito da sua boa vontade.

Assim que entrei e desci alguns degraus ouvi a porta batendo e alguns risinhos, voltei e tentei abrir a porta mas a mesma estava trancada, comecei a bater e a gritar desesperada.

- Não adianta, ninguém vai abrir! - Uma voz feminina debochada falou do outro lado da porta, logo reconheci de quem era. - Fique tranquila, após os testes volto para te soltar… Esse é o meu presentinho por você não desgrudar do Castiel! - Ambre falou gargalhando e depois tudo ficou silencioso.


Notas Finais


A música "escrita" pela Lynn é do After Forever e chama Strong, imaginem que ela foi cantada exatamente como no link https://www.youtube.com/watch?v=musM7YrwApU
Desculpem qualquer erro e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...