História Eclipse - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Sehun, Suho
Tags Kadi, Kaisoo, Sookai
Visualizações 60
Palavras 1.651
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eai gente cheguei com mais um capítulo.
é pequeno pq eu tenho preguiça de escrever capítulo grande, desculpem :(
galera eu já deixo logo avisado aqui que quem gosta de romance muito rápido, vai ter que esperar mais uns capítulos pois o romance kaisoo é um pouco lento.
boa leitura!

Capítulo 5 - IV. Treinamento


Riu, riu como se não acreditasse em tudo aquilo que lhe foi dito.

Bruxos? Aquilo não existia. Aquilo era apenas uma crença estranha que o povo criara e apenas mais um fruto de imaginação para livros e histórias de magia.

Com lágrimas nos olhos e com a barriga já dolorida, olhou para os homens que lhe observavam impassíveis. A expressão de cada um parecia ter mudado para mais séria ainda.

— Isso não é brincadeira? — estava ansioso e ao mesmo tempo com medo da resposta que receberia.

Quando Kyungsoo olhou intensamente em seus olhos, pôde ver o cinza vivo na íris do mais velho. Quase caiu de sua cadeira ao ver aquilo, assustando-se. Logo em seguida, todos já estavam com a mesma coloração acinzentada em seus olhos.

— Nós somos chamados de “Bruxos Lunares”. As características mais fortes de bruxos deste Coven são os cabelos cinza e a mudança do castanho para o cinza em seus olhos. — explicou Junmyeon.

Tudo estava confuso demais; aquilo era extremamente novo para si.

— Sei que deve estar extremamente confuso, mas sei que conseguirá compreender, mesmo que demore. — o Do disse, em seu tom de voz baixo.

— Ok, ok. Deixe-me entender… — gesticulou com as mãos, respirando fundo antes de começar as perguntas. — Se eu for mesmo um Eclipse, como estão dizendo, o que isso quer dizer? Que eu sou a “ponte” para a união e a paz dos dois Covens?

— Ser um Eclipse não significa necessariamente isso. — Baekhyun começara. — Sei que é totalmente ignorante nessa questão de magia, etc. Já que, tudo é muito novo para você e isso foi escondido por anos.

Jongin engoliu em seco.

— Ser um Eclipse, significa que você é possuidor de um poder imenso, inimaginável. Tão imenso, que cientistas e até mesmo o rei ou rainha, lhe matariam apenas para descobrir o que se passa no corpo de uma espécie de bruxo tão poderosa. Foi por isso que Kyungsoo resolveu guardar segredo por tanto tempo.

Estava começando a assimilar aos poucos, mesmo que ainda fosse complicado.

— Se existem vocês, Lunares, então existem os Solares também, certo? — assentiram em resposta. — Qual é a coloração de seus olhos?

— Normalmente é o castanho mais claro, mas quando usam magia ou querem apenas ameaçar companheiros ou até mesmo inimigos, a cor laranja prevalece. — Sehun respondeu.

— Então se eu sou um Eclipse, resultado da mistura da magia de ambos, eu possuo os dois poderes?

— Sim, isso significa que seus olhos possuem as cores dos dois. Laranja e cinza. — Kyungsoo sorriu ao falar aquilo.

— Espera… então, minha mãe era uma bruxa? E meu pai? — os questionamentos aumentavam e a dificuldade de respondê-los também.

— Não temos muita informações de seus pais. Quer dizer, apenas de sua mãe, já que esta era uma das nossas. Desapareceu da cidade assim que o deixou na floresta. — o Do falou rapidamente. — Seu pai era um solar, tivemos pouco contato com ele. Não sabemos nem se está vivo.

Agora tudo começava a se encaixar…

— Então, aquele dia em que eu fui deixado na floresta foi proposital? — a respiração do moreno já começava a ficar descompassada e suas mãos já estavam trêmulas.

— O intuito de sua mãe, provavelmente, era o de proteger a si mesma. Aqueles que guardam tamanho poder e o escondem de todos, podem ter consequências severas. — o mais velho de todos ali explicou.

— Como você me encontrou? Como sabia que eu estaria ali, naquela noite? Como?! — começava a exaltar-se.

— Jongin, por favor, se acalme. — pediu Chanyeol.

Pedindo desculpas e consertando a postura, esperou por respostas.

— Cada bruxo, possui uma habilidade específica. Por exemplo, Baekhyun é ótimo em feitiços de localização, Sehun; ilusão, Chanyeol; feitiços que envolvem natureza, além de ser ótimo curandeiro, Junmyeon em feitiços mais leves e eu, sou vidente e sensitivo. Naquele dia, eu tive uma das piores dor de cabeça que já senti em anos. E tive uma visão, nela, estava você, chorando e clamando por sua mãe. — sentenciou.

Minutos, que pareceram durar uma eternidade, seguiram-se em silêncio.

— O que vocês pensam em fazer comigo? — fora a o último questionamento que fez.

— Vamos treiná-lo. Desejamos treiná-lo para que possa controlar o poder que existe em você, descobrir suas habilidades. Mas isso só depende da sua decisão de querer ou não. E mesmo se quiser um tempo nós — Kyungsoo fora interrompido pelo moreno, que logo já estava expondo a sua decisão.

— Eu quero. Eu… ainda estou um pouco confuso perante a isso, mas eu quero. Acho que é o certo a se fazer. — concluiu.

— Quero que saiba que cada um de nós vai treiná-lo. Eu o treinarei todas as noites, começando por amanhã, se sentir-se confortável com isso. — o Do apenas ganhou um aceno de cabeça em resposta.

— Agora, depois de tudo isso, eu preciso de um tempo para pensar em tudo o que me foi dito e revelado. — disse Jongin, levantando-se da cadeira. — Se me dão licença.

Jongin só conseguiu adormecer na manhã do dia seguinte. Os pensamentos não o deixaram dormir.

Kyungsoo acompanhou cada suspiro do maior até que ele conseguisse cair no sono profundo.

Estava preocupado, era claro. Tudo aquilo ser jogado nas costas de Jongin de uma hora para outra era algo o deixaria abalado de qualquer forma.

Ao contrário dos outros, não conseguiu dormir. Fez o café e já deixou tudo pronto para que quando acordassem não tivessem o trabalho de fazer.

Após fazer tudo e tomar um longo banho, resolveu sair. Não deixou bilhetes ou aviso algum, apenas saiu.

 

Os raios do Sol batiam contra sua face, o despertando.

A dor de cabeça era enorme, por isso, resolveu levantar-se o mais rápido possível para lavar o rosto.

Urinou primeiro, em seguida ligando a torneira e deixando que a água fosse liberada.

Pegou um pouco da água em suas mãos limpou o seu rosto, repetiu o ato mais algumas poucas vezes, pegando a toalha e por fim, secando-se.

Ao olhar-se no espelho, espantou-se. Havia um pequeno detalhe em seus olhos que provocou toda aquela reação.

Duas cores incomuns se faziam presentes naquele momento. Os olhos originalmente castanhos, haviam sumido dando lugar a duas cores… atípicas.

Puxou uma das bochechas para baixo, fazendo o mesmo com a outra, analisando os seus olhos.

A boca formava um “o” perfeito, e as  mãos estavam trêmulas.

— É a primeira vez que os vê dessa forma? — ouviu a voz de Chanyeol, deu um pequeno pulo. Estava levando sustos demais.

Assentiu com um movimento de cabeça, ainda um pouco em choque.

— Eu me impressiono a cada vez mais com o fato de que em toda a sua vida, essa é a primeira vez que você consegue ver. — comentou. — Bom, agora, quero que vá tomar café o quanto antes. Pelo visto, serei o primeiro a treiná-lo.

— Tudo bem…

Terminou sua refeição, achando estranho que Kyungsoo não estava ali juntos deles, mas deixou passar, seguindo o mais alto até a parte frontal da casa, saindo desta.

— O que iremos fazer? — não houve resposta. Odiava aqueles silêncios repentinos do rapaz.

Chanyeol pegou um tronco de árvore que estava por ali. Alguns humanos sempre cortavam as pobres coitadas e mesmo que odiasse aquilo, não fazia nada.

— Sente-se aqui e feche os olhos.

— Só isso?!

— Não é tão fácil quanto se imagina, você vai perceber isso quando fizer o que eu disser.

Levantou os braços em sinal de rendição, sentando-se no tronco.

Chanyeol teve que testar e ver se ele realmente não via nada. Murmurou um “Ok” para si mesmo e começou a falar.

— Quero que esvazie a sua mente. Tente deixá-la completamente sem nada.

— Acho que será um pouco, ou talvez, muito difícil. — falou. — Depois do que me revelaram noite passada, creio que terei bastante dificuldade.

Respirou fundo, tentando deixar tudo de lado. Sua mãe, seus únicos amigos, sua família, sua história.

— Imagine-se em um lugar calmo, sem ninguém e que você esteja fazendo alguma coisa que sempre quis.

Montou a cena em sua cabeça e tudo parecia tão bonito e simples, naquele campo verde com o vento batendo em seus fios.

— Está conseguindo? — ao não receber nenhuma resposta, Chanyeol sabia que estava dando certo. — Ótimo, agora tente sentir tudo ao seu redor. O vento gelado da manhã, os pássaros a cantar e os barulhos simples da floresta que está ao nosso redor.

Tentou sentir e depois de algum tempo, conseguiu. Era incrível. Tudo se conectava, era algo harmonioso.

— Tente se fundir com a natureza. Pegue os pequenos pássaros em sua mão e deixe-os voar. Sinta o perfume das flores, sinta a areia fofa e gelada, junta de folhas, em seus pés.

Tudo aquilo era estranho. Se fundir com a natureza? O que aquilo tinha a ver com a magia?

O Park conseguia ver o corpo esguio mais relaxado, mais leve.

— Você está sentindo algo novo? Como algo grande circulando por seu corpo, algo diferente e que nunca havia presenciado em sua vida? — perguntou.

— Acho que… — concentrou-se mais um pouco. — Sim! Consigo! — disse, animado.

— Certo. Pegue essa nova sensação e transforme-a em um objeto. E pegue o objeto. — se perguntava se estava sendo um bom professor, já que as coisas que ele estava falando, não conseguia compreender quase nenhuma. — Pegou?

— Sim. — respondeu.

— Pode abrir os olhos.

— Certo, e agora? O que vamos fazer?

— Você vai fazer. Não nós. — disse simplista.

Viu a expressão de Jongin mudar para uma completamente infantil.

— E o que eu acabei de fazer? — questionou.

— Você fez esse exercício para controlar a sua magia. Não vou perder muito do meu tempo explicando, mas agora, — pegou alguns livros velhos e os colocou nas coxas de Jongin. — você escolherá cinco desses vários feitiços e terá que pô-los em prática pelo menos quatro deles. Você tem até o final do dia. Estarei lá dentro, lhe observando de longe. Boa sorte. — finalizou, dando tapinhas nos ombros alheios.

Jongin olhou incrédulo de Chanyeol andando para dentro da residência e para os livros em suas pernas.

— M-mas, Chanyeol… — sussurrou, mas não foi escutado.

Teria um longo dia pela frente.

 


Notas Finais


é isto, xeros em vcs.
até próxima quarta <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...