1. Spirit Fanfics >
  2. Education (Jeon Jungkook - BTS) >
  3. Superando o Inesperado;

História Education (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, pessoas! Finalmente consegui arrumar um tempinho para atualizar minhas criações, então, sem mais, vambora pro capítulo!

(Surpresinha no parágrafo final em forma de pedido de desculpas pelo atraso 👀♡)

Capítulo 16 - Superando o Inesperado;


Fanfic / Fanfiction Education (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 16 - Superando o Inesperado;

"O tempo é tão cruel. Quanto mais terei de esperar? (BTS - Spring Day)

Busan, 03h45

Lee S/n

Quando Jeon confrontou o desumano do Taehyung, eu já esperava que eles brigassem por mim, ali mesmo, naquela linda suíte de um resort em Busan. Contudo, como eu estava chateada e me sentindo usada pela segunda vez, eu mesma gostaria de socar a cara de ambos por serem dois idiotas enchendo minha paciência;

— Saiam vocês dois daqui e me deixem em paz antes que eu mesma dê na cara de vocês! — Impaciênte, eu ordenei com autoridade; eles então pararam de se peitar e me olharam confusos.

— Não, eu não vou te deixar aqui sozinha. Mande esse babaca sair, não eu. — Jeon apontou para Taehyung, que o olhou com a maior expressão de deboche possível.

— Você — me referi a Taehyung —, saia daqui e faça o favor de nunca mais voltar ou sequer falar comigo. — ordenei para Taehyung, que implorou para se explicar, entretanto, eu o ignorei — E você, Jeon, saia daqui também, e tratem de me deixarem em paz os dois! — então eu comecei a empurrar eles para fora do quarto usando toda a força que eu tinha; mas aqueles dois eram três vezes mais forte que eu, assim desisti de tentar.

— Mas, S/n... — eles me olharam como um chachorrinho faminto olharia para uma pessoa com comida em mãos, e eu me exaltei pela terceira vez:

— Não existe "mas"! Vão embora antes que eu chame o segurança do resort e diga que vocês estão me molestando! — sendo assim, eles saíram cabisbaixos e eu, com raiva, bati a porta em suas caras. — Bando de babacas! Um quer me usar na cara dura, e outro quer ser a mãe que não tenho! Desocupados, cretinos! — eu resmunguei aos berros, ciente de que mais tarde alguém bateria na porta pedindo para que eu calasse a boca. No final de tudo, eu acabei por cochilar, e logo já estava em um sono profundo.

Quando acordei pela manhã, eu me senti péssima. Minha cabeça estava girando, e a ressaca batia profundamente em meu subconsciente, mas nada que um banho demorado não ajudasse. Naquele dia eu não estava a fim de sair do quarto; simplesmente por motivos de preguiça, indisposição e cansaço emocional. Eu só queria ficar sozinha e refletir um pouco sobre cada pedacinho de desgraça injetada propositalmente em minha vida. Entretanto, a fome bateu, e naquele lugar — infelizmente — não existia serviço de quarto para simplesmente trazer o café da manhã para mim.

Então, sem disposição alguma para ao menos trocar de roupa, eu saí descalça e apenas vestindo aquela maldita camiseta que Jeon havia me dado, até o quiosque onde serviam o café.

Ignorei todos quando cheguei —Incluindo Jeon e Taehyung, que sentavam há metros de distância um do outro — , e apenas dei bom dia para as cozinheiras do bufê, o que havia diversas variedades de alimentos, desde pães quentinhos e lindos bolos à mariscos cozinhados no vapor e saladas de vários tipos.

Eu franzi o cenho, então ignorando o mosariscos e apenas enchendo um copo com suco de laranja e passando um pouco de compota de framboesa em uma torrada quentinha; assim peguei minha refeição e me sentei isolada em um quiosque, longe de todos. Comi devagar e com desânimo, quando terminei, retornei o copo e o prato usado às cozinheiras, elogiei a compota e voltei para a suíte.

Eram trilhões de pensamentos, um atrás do outro quando me joguei na cama e fiquei a perder a maior do tempo trancada na suíte do resort. De repente, a minha mente fez eu refletir sobre ficar presa dentro um quarto lamentando os novos chifres na cabeça. Eu não podia ficar assim, eu não era de ficar assim. Eu tinha mesmo, era que erguer a cabeça e seguir em frente. Naquele dia, eu apenas queria chamar a maior atenção possível; então coloquei o biquíni mais seduzente que tinha e amarrei um pano fino transparente por cima em minha cintura. Quando tive a certeza se que estava irresistível, tomei coragem e segui até a direção das piscinas, onde os meus amigos que, aparentemente, não lembravam de existência, estavam:

— Apareceu! — assim que me direcionei até a piscina, os garotos me olharam de forma animada, como se eu tivesse desaparecido durante muito tempo. Yuta fez questão de falar comigo como se nunca tivesse me visto na vida, então eu sorri.

— Pois é. — assim que respondi, me sentei na borda da piscina e mergulhei meus pés na água que estava trincando de fresca, o que fez-me relaxar.

— Onde esteve? — eu então olhei para Lay, que estava apoiado ao meu lado na borda da piscina tomando um gole de sua batida de romã com limão.

— Por aí... — passei a encarar o céu, após responder, tentando livrar todos aqueles problemas que me pareciam que não teriam um fim.

— Não vai ao menos entrar? — Jongin me perguntou, e foi apenas neste momento eu havia parado para notar o quão bonito ele era.

— Não, estou muito bem aqui. — o respondi, assim apanhando a taça da mão de Lay e tomando-a por completo; o resultado foi uma careta causada pelo sal nas bordas, então Lay ficou sem graça por ter bebido seu drink sem permissão.

— Se você não entrar, nós iremos lhe puxar para dentro, é simples. — avisou Jongin, com um sorriso.

Eu senti meu rosto queimar.

— Tentem para vocês verem. — ameacei, achando que iria os impedir de me puxar para dentro da água, o que não adiantou de nada, pois num jato, eu já me via sendo jogada dentro na piscina. Então logo reclamei para os meninos, que apenas riam de minha cara, no entando, depois disso, eu passei o resto da tarde com eles e fora divertido.

Mais tarde naquele dia, foi anunciado que no quiosque principal onde ficam os bufês, iria ter um rodízio de pizza às 20h, assim nos alegramos e combinamos de comparecer-mos juntos.

Me sentia uma gata, naquele vestido verde desbotado de cano curto, ainda por cima, com aquele charme que o All-Star preto me dava.

Eu estava inevitável.

Estava terminando de injetar os últimos detalhes em meu visual, de repente ouvi batidas na porta. Eu estranhei e corri para abri-lá o mais rápido possível e fiquei confusa quando vi que era Chanyeol, todo arrumadinho para o rodízio.

— Você? — perguntei ao abrir.

— Esperava quem? Um príncipe encantado? — sarcasteou ele.

— Na verdade, eu não esperava ninguém. Muito menos você, Chanyeol. — disse eu, sinceramente.

— É, pois é, eu estava passando por aqui e decidi te acompanhar. — disse Park, mas me dei o luxo de pensar sobre sua fala.

— Mas aqui é a ala feminina — Informei, desconfiada, pois parecia apenas uma desculpinha boba pra me acompanhar até o rodízio. — Mas, enfim, eu já estou pronta. Acho que já podemos ir. — informei trancando a porta calmamente.

— Tudo bem, vamos lá. — assentiu calmamente — Ah, e à propósito, você está linda. — elogiou ele e eu fiquei surpresa e envergonhada, assim sorrindo e lhe dando um soquinho no braço.

— Poxa, obrigada, Chany! — agradeci — Você também está muito atraente! — elogiei o mesmo na cara dura, mas ele não pareceu se importar.

— Disso eu sei, nanica. — de forma convencional, ele respondeu.

— Nossa, desculpa aí, senhor convencido. — Brinquei o fazendo soltar um sorriso torto e, em menos de 5 minutos haviamos chegado ao quiosque, onde estava tudo muito bem decorado com aquelas luzes de estilo retro. Avistamos então os meninos e caminhamos até eles, logo os cumprimentei, recebendo elogios de todos, mas minha preocupação era outra: Onde Jeon Jungkook estava.

Entretanto, sacudi a cabeça, e voltei minha atenção para os meninos, assim, em instantes o rodízio começara, e a noite foi mais do que espetacular.

Uma parte de minha mente estava ali, prestando atenção na conversa dos meninos, mas a outra, estava pensando em onde Jeon estaria. Será que ele estava bem? Será que algo havia acontecido?

Logo decidi que já estava tarde, então me despedi dos meninos e falei que iria voltar para o quarto, pois estava cansada. Embora fosse mentira, eles entenderam e assentiram, mas, Chanyeol havia percebido que algo estava errado, então pedira para me acompanhar novamente, mas eu disse que não precisava; então ele logo assentiu, ainda me parecendo desconfiado com algo. Num jato eu corri até a ala masculina e procurei pelo quarto do Jeon, entretanto, finalmente havia o encontrado. Eu bati algumas vezes, mas ninguém atendia a porta.

Comecei a ficar preocupada, então não pensei duas vezes antes de abrir, só que, meu coração deu um aperto quando vi Jeon sentado na cama de braços cruzados, me encarando seriamente, como soubesse que eu estaria ali.

— Ops! Uh... Quarto errado, perdão! — estava tão tensa pela expressão sexy do homem, que tive de improvisar rapidamente para que ele não percebesse que estava preocupada com ele.

Mas algo estava errado. Algo de muito estranho estava acontecendo ali entre nós, e não havia como explicar, muito menos demonstrar o quanto meu coração bateu quando Jeon se levantou da cama e veio até meu encontro, me puxando com uma certa força contra si, assim me pressionando contra a porta que se fechou brutamente ao ser chocada contra meu corpo e de Jungkook que estava colado contra mim; seus olhos pareciam tentar desvendar algo, seu olhar era extremamente impossível de não se olhar e eu podia sentir seu hálito ir e voltar em meu rosto.

Eu nunca tinha o visto assim, pelo menos não no ambiente escolar onde ele sempre sera tão certinho e passivo.

— O que está fazendo, Jeon? — a cada palavra que dava, era mais uma palpitada acelerada de meu coração bem ali, ds frente para Jeon que me encarava feito um predador faminto.

Ele formou um sorriso torto.

— Não era isto que você sempre quis? Me ter somente para você, senhorita Lee? — eu engoli em seco, já me sentindo excitada com aquela situação toda, principalmente por conta de Jeon ter mudado seu jeito de um dia para o outro.

— Quem disse isto? — eu perguntei, já me sentindo o mais nervosa possível.

Ele gargalhou de forma arfada, de repente.

— Você não precisa nem dizer. Esta sua expressão de quem já está constantemente excitada apenas por uma fala já é o suficiente, senhorita Lee. — Jeon sorriu, vitorioso — Você me quer? Então você me terá!

Num jato, eu fui lançada sobre a cama e Jeon se jogou por cima de mim, assim atacando meus lábios, sem mais nem menos.

Eu apenas ansiava que aquilo não fosse minha imaginação, seria uma pura sacanagem.

Continua.


Notas Finais


Ai ai kakaka esses dois não se decidem, né? Kakakak
Enfim, espero que tenham gostado e, desde já, agradeço por fazerem minha fic bater 180 favoritos! Estou quase em minha meta de 200, então muito obrigada desde já! ^-^
*Não tenho prévia para o próximo capítulo, mas tentarei não o atrasar como sempre faço ;)

Agora, segue aqui minha divulgação cotidiana do perfil:

• Undercover (Park Jimin)
https://www.spiritfanfiction.com/historia/undercover-park-jimin--bts-21615779

• Endless Nightmare (Taehyung)
https://www.spiritfanfiction.com/historia/endless-nightmare--kim-taehyung-bts-21352982

• Artificial Love (Baekhyun)
https://www.spiritfanfiction.com/historia/artificial-love--byun-baekhyun--exo-21457620

• O Palestrante (Namjoon)
https://www.spiritfanfiction.com/historia/o-palestrante--namjoon--bts-20865531

• Luz e Escuridão (Chanyeol)
https://www.spiritfanfiction.com/historia/luz-e-escuridao--park-chanyeol--exo-21342621

Ficarei realmente agradecida se vocês derem uma chances para elas!^^
.
.
.
• Grupo no whatsapp:
https://chat.whatsapp.com/CDU9KP8hsTxGAKVrsi9hlq
.
.
.
Meu perfil: @The_Deep_Six
Perfil secundário: @Space_Pyromaniacs
Perfil da capista: @EmillyYuk

Beijos! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...