1. Spirit Fanfics >
  2. Efeito do Destino >
  3. Capítulo VII

História Efeito do Destino - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura ^-^

Capítulo 7 - Capítulo VII


Fanfic / Fanfiction Efeito do Destino - Capítulo 7 - Capítulo VII

✬ Changbin ✬

Ir para a escola? Eu? Não, não, só não, simplesmente não. Comecei o assunto para tentar manter uma conversa, mas se soubesse as consequências acho que me manteria nas frases de no máximo 5 palavras.

Há muitos fatores para decidir me manter distante desse estabelecimento de ensino, como: humanos, vários num mesmo lugar e eu sem saber como me portar na presença deles (o primeiro em décadas descobre sobre mim logo no primeiro dia, o histórico não é favorável para o meu lado); não sou muito sociável, prefiro me manter no meu canto e não é muito fácil ao redor de pessoas; Hyunjin e sua trupe estariam lá e gostaria de me manter longe de problemas para não ter dores de cabeça depois. Se bem que ao analisar o último fator, até que seria interessante ver qual a reação que teria com a minha presença, mesmo assim irei negar, zoá-lo não vale o esforço.

- Realmente creio que vou ter que passar essa oferta, não é algo que me sentiria confortável fazendo – tento soar calmo para não o magoar. Não sei o quanto negar as coisas pode machucar alguém, por isso tinha a tendência de aceitar tudo com muita facilidade.

- Hm, tudo bem – ele fica meio cabisbaixo, mas parece aceitar. – Se isso não lhe faz bem, não te forçarei, você deve sempre fazer o que gosta e lhe deixe confortável.

Logo a conversa tomou outro rumo e o tempo foi passando. Felix me levou ainda em dois lugares antes de falar que precisaria voltar para casa, então o acompanho até lá.

Se me perguntassem o que faria no dia de hoje, nunca que responderia “andar por aí com um humano”, mas foi exatamente o que aconteceu. Mesmo estando fora dos meus planos, a comida estava boa e Felix é uma companhia agradável, em relação a isso não poderia reclamar.

Voltando para a minha quitinete, permanecia martelando a ideia sem cabimentos do humano. Acreditava que poderia tê-lo magoado e ele foi o único em tanto tempo a me tratar bem sem ter nenhuma intenção por trás.

Busquei formas de distração, mas estava num lugar desconhecido e nem entendia direito todas as invenções humanas do novo século. Se ao menos estivesse com minhas coisas aqui, teria com o que me concentrar.

Observava a vida mundana da janela. A simplicidade dela me encantava e era provável que fosse taxado como louco por meus semelhantes se confessasse isso em voz alta. Viver cada dia como se fosse o último, enfrentar as incertezas do futuro e seus desafios, ou apenas existir tolamente seguindo as ganancias mais profundas. Seres tão a parte dos outros, que mesmo tentando ainda não conseguem controlar a existência de outros.

Entretanto, nem isso bastou para me afastar de meus pensamentos, visto que foi questão de tempo até avistar jovens com uniformes escolares e novamente pensar que possa realmente ter deixado Felix triste. E se ele não quisesse mais conversar comigo? Não me lembro quando foi a última vez que falei das coisas mais bobas e triviais sem peso político e diplomático, sem me preocupar em manter a pose que minha hierarquia exige, mas agora eu poderia ter estragado essa oportunidade.

Não faço ideia do que me levou a tomar tal ação, mas apareci naquela escola no dia seguinte.

Talvez pudesse culpar meu bom senso de direção por lembrar a direção que ficava, ou então minhas paranoias sem fim, mas lá estava eu onde estava tentado evitar.

Para não ser descoberto, escondi minha presença de todos, incluindo dos vampiros e do feiticeiro, e fiz o que fazia de melhor, observei.

Analisei como era o lugar por dentro, como as pessoas agiam e, principalmente, como estava Felix. Ele parecia se dá muito bem com o trio, penso se caso estivesse ali, era possível que o afastaria do grupo, seria o motivo da discórdia entre eles e eu não queria isso. Todos pareciam se completar, enquanto o pedaço errado do quebra-cabeça seria eu.

Não lembro qual foi a última vez que vi Hyunjin assim, genuinamente feliz. Não me lembro como seu rosto ficava melhor com um sorriso estampado nele do que com olhos de decepção. Conhecer Felix foi uma ótima coisa para ele, o humano consegue transformar todo o ambiente ao redor.

Até Minho aparentava está muito melhor em comparação a última vez que o vi. Se minhas memórias não estiverem me enganando, ele demostrava menos emoções do que agora, até era um mistério saber o que estava pensando. Não conheço o feiticeiro, mas por ter feito tal proeza, então deve ser uma boa pessoa.

Saio de lá da mesma forma sorrateira que cheguei e resolvo andar por um mini parque no caminho.

Deitado no meio da grama, olhando o céu e com a trilha sonora de patos argumentando entre si o que fazia ali, faço a decisão final. Jogarei uma moeda no ar e dependendo do lado que caísse eu escolheria entre a razão e minhas emoções.

Voltar ao local em que nem deveria ter saído ou tentar uma nova coisa.

Respiro fundo e lanço. Olho o resultado e aparentemente permanecerei por mais algum tempo entre os mortais.

Minha sorte sempre foi meio duvidosa assim mesmo.

 

☽ Hyunjin ☾

Desde os últimos acontecimentos, passei a fazer parte da segurança de Felix o levando e trazendo da escola para sua casa. Espero que não tenha se incomodado com a súbita mudança, dessa vez foram apenas alguns humanos, mas nem sempre poderia ser assim.

 Também estou ficando mais próximo dele, tanto eu quanto Minho e Jisung. Fico mais calmo ao ver como as coisas estão se desenrolando, às vezes parece que nos conhecemos a tanto tempo e não por apenas algumas semanas.

No momento, eu estava novamente levando os três, mas parecia que estavam indo para um passeio escolar de tanta bagunça que faziam. Os assuntos nunca acabavam quando você lida com Han Jisung, ainda mais com ele arrastando o humano nisso.

Geralmente eu e Minho acompanhamos os dois até a sala deles e hoje não foi diferente. Foi só chegar na porta que nós três, menos o Felix que estava mais distraído, paramos perplexos.

- Changbin!? – Felix exclama surpreso a notar a presença a mais dentro daquela sala.

O que ele está fazendo aqui!?” penso raivoso. Iria perguntar pessoalmente a Seo, mas Minho me para antes que falasse qualquer coisa apontando para Felix, ele provavelmente estranharia se eu o conhecesse e não sei até que ponto ambos já tinham conversado.

Sem outras opções, fico de braços cruzados e apoiado na porta apenas observando os dois interagindo. Changbin frequentemente olhava para mim, será que estava rindo internamente por conseguir me atingir? Não posso o deixar vencer.

- Você realmente veio – Felix parecia... feliz? Eles já ficaram tão amigos assim? – Mas na minha turma, hm, não fez isso de propósito, né? Ou fez? – sussurra para ninguém ouvir, mas eu consegui ouvir plenamente por sinal.

- Não sabia qual era a sua, nem especifiquei alguma turma – responde no mesmo tom.

- Vem cá – Felix o puxa o trazendo até a gente que ainda permanecia parado na porta sem saber muito o que fazer. – Gente, esse é o Changbin, um amigo meu. Binnie, esses são o Hyunjin, o Minho, o dono dos gatos que eu falei, e o Jisung.

ELE O CHAMOU DE BINNIE??? É hoje que cometo um crime de ódio. Será que foi lavagem cerebral? Hipnose? Ele ainda nem me deu um apelido, mas para esse ser já. E se eles tiverem se unido contra mim?

- Olá – estendo minha mão fingido que era a primeira vez que o vi. Ao apertar minha mão, começamos uma disputa unanime de força enquanto que quase saia faíscas dos nossos olhares.

- Hyunjin, certo? É um prazer conhecer algum conhecido do Felix – ele sorri com um ar de desafio.

Felix continuava a par do que acontecia na frente dele, acreditando meramente que estava nos conhecendo e se dando bem, enquanto que Minha parecia tão surpreso quanto eu e Jisung ria da piada do destino.

- Então, Binnie, bem-vindo a nossa turma – Han sinceramente está sem medo do perigo ou eu já perdi perdido toda a moral que achava ter.

Decido sair de lá para esfriar a cabeça e não fazer nada por impulso. Minho me segue em seguida.

- Changbin não fará nada contra Felix, ele não é desses, Hyunjin.

- Eu sei, não estou preocupado por causa disso, só acho que ele pode se vingar de outras formas, como o afastando de mim. Eu estou apreensivo, Minho, e incrivelmente até com um pouco de medo.

- Ei, vai dar tudo certo, depois converse com eles, ou pelos menos tente – me aconselha. – E quando você conhece seu predestinado, os sentimentos são intensos assim mesmo, nos fazem até sentir coisas que nunca tivemos, como o medo de perder alguém. Agora vamos parar de pensar nisso, pode ser?

Eu não parei de pensar nesse assunto.

Tudo me levava a pensar nos dois e no que deveriam estar fazendo. Esse conflito de emoções em relação a eles persistiu durante todo o período de aulas e às vezes contava alguma das minhas teorias para Minho. Vezes o suficiente para ser chamado atenção por um professor, mas nada do que um sorrisinho sem graça não resolvesse.

Durante o intervalo foi a mesma coisa e agora com a companhia do Jisung para ouvir todos meus pensamentos sobre o que Changbin estaria planejando. Felix o levou para conhecer a escola e o tempo que demoraram foi suficiente para atualizar Han com minhas hipóteses feitas durante a aula e até para formular mais.

- Olha, acho tudo muito incrível, para uma fantasia, já pensou em escrever fanfic? Você leva jeito para criar histórias. Agora vamos trocar de assunto que eles estão chegando – Jisung avisa e automaticamente olho para a entrada do refeitório.

Os dois se aproximaram de nós conversando, Felix falava sobre os clubes da escola e tudo mais que Changbin poderia fazer enquanto que ele escutava tudo prestando atenção. Desvio meus olhos deles e fico focado no meu prato intacto na minha frente.

- E aí, como foi o passeio? – Jisung pergunta certamente rindo internamente da situação, principalmente de mim.

- Bem, agora ninguém vai se perder por aqui – responde Felix orgulhoso por ser um bom guia.

- Sim, esperamos que isso não ocorra ao menos – Changbin brinca enquanto senta na minha frente, sem desviar a atenção de mim em nenhum instante.

Hollywood estava perdendo tamanha recriação da Guerra Fria durante o período que se estendeu o intervalo. A paz parecia persistir na conversa que foi mantida, mas no fundo dava para sentir a tempestade se aproximando.

Enquanto cada bloquinho seguia para sua respectiva sala, entrego um papel para que Changbin me encontrasse quando a aula terminasse. De filme histórico consigo transformar num clichê de colegial ao espaço de poucas linhas, mas precisava conversar pessoalmente com Seo e tinha que ser o mais rápido possível, queria entender o que estava acontecendo.

Após vários minutos da última aula, fico posicionado num local estratégico do corredor esperando Changbin aparecer, ao passo que todo mundo ia embora. Ao vê-lo, apenas digo para me seguir e ando em direção a área mais deserta aos fundos da escola, onde tinha certeza que ninguém iria surgir para nos atrapalhar.

- Agora só tem nós dois aqui, vamos direto ao assunto. O que está fazendo aqui? Qual o seu plano? – começo falando decidido.

- Não tem plano nenhum, apenas fui convidado e resolvi entrar para essa festa. Você está vendo coisas inexistente, não eras o realista? Então vamos falar da realidade. Por que acha que eu iria fazer algo contra Felix? Pode ter se passado muito tempo, mas não irei rebaixar meu nível e nem ir contra meus princípios, ainda deveria saber disso.

-  Mas, você voltando exatamente quando o encontro e essa aproximação toda que tiveram não é minimamente normal, não pode me culpa por acusá-lo quando todas as provas se voltam contra você.

- Ai, Hyunjin – ele ri. – É raro lhe ver sendo tão analisador, como será que seriam as coisas se tivesse sido assim antes? 

- Eu estou te alertando, Changbin, se não...

- Vai fazer o que? – me interrompe. – Já não confia em mim mesmo, nem importa as ações que eu for tomar se elas serão em vão.

- Changbin? Hyunjin? O que estão fazendo aqui?

Uma terceira voz nos pega de surpresos. Distraídos discutindo, não havíamos notado a aproximação de quem menos esperávamos no momento: Felix.

- Ah, nada, dando as boas vindas e um passeio com Changbin, certo? – soo alegre e com uma tentativa de sorriso simpático no rosto. Sem perder tempo, Seo entra na mesma atuação:

- Isso, Hyunjin está sendo muito... caloroso, digamos assim.

Felix nos analisa minuciosamente sem perder nenhum detalhe. Sentia como se estivesse num interrogatório pela frieza no olhar de quem está ameaçando outrem a dizer a verdade e por pouco eu não estava me submetendo a revelar tudo.

- Entendo – fala por fim, fazendo com que eu e Changbin suspirássemos aliviados.

- Mas o que você está fazendo aqui? Pensei que já tinha ido embora – indaga Seo.

- Tive que entregar uns papeis para o professor e vi vocês dois conversando, então vim aqui saber sobre o que era.

- Não teve nada demais na conversa, apenas assuntos triviais de quem acabou de se conhecer – explico para sanar todas as dúvidas e evitar perguntas a longo prazo, tudo devidamente calculado.

- Sério? Não parece que vocês acabaram de se conhecer.

Congelo no lugar sem saber como agir no meio de tal afirmativa, não esperava que tivesse chegado nessa conclusão tão facilmente assim. Changbin parecia não ter se surpreendido tanto quanto eu, porém sua expressão de choque ainda não passava despercebida.

 - Então, quem vai começar a falar o que realmente está acontecendo aqui, hm?

Com essa fala, notei como Lee Felix ainda iria me impressionar muito.


Notas Finais


PARA TUDO QUE FINALMENTE O POVO SE ENCONTROU E A CASA CAIU

Olá meus amores, como estão? Espero que bem.
Dessa vez não demorei 3 meses para voltar k k k, mas também esperava ter demorado menos. Tentarei não demorar muito, só não garanto com total certeza visto que dependo de nenhum bloqueio criativo pelo caminho.

Não sei o que acharam desse capítulo, mas espero que tenha sido proveitoso, ainda sinto que as coisas estão meio paradas, mas creio que a partir de agora vai ser fogo no parquinho com esses três finalmente respirando o mesmo ar.

Até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...