1. Spirit Fanfics >
  2. Efeito Kalimann >
  3. Capítulo 12

História Efeito Kalimann - Capítulo 13


Escrita por:


Capítulo 13 - Capítulo 12



Eu não conseguia parar de olhar o celular conferindo se havia alguma mensagem da Rafa, mas já fazia um dia e meio que ela não dava sinal de vida.


E podem até me chamar de Joe — da série You — por acessar a internet em busca de algum evento da revista Work It. Descobri que estavam fazendo uma espécie de reality em uma ilha onde famosos, junto a alguns jovens empresários parassariam uma semana. No canal da revista estavam postando vídeos sobre o dia-a-dia dos convidados até quando o evento seria encerrado no sábado com uma premiação para jovens empreendedores.


Claro que corri no YouTube para ver os vídeos e lá estava ela, Rafa Kalimann aparecendo em meio as pessoas, sorrindo, conversando, dando depoimentos, parecendo bem familiarizada.


— Ainda aqui? — falou Mari aproximando-se e rapidamente fechei a página. — Quer uma carona? — Ela sorriu balançando a chave do carro. — Você será a primeira convidada a entrar em meu bebê novinho.


— Nã... Vamos! — Após pensar melhor me apressei em aceitar.


Não era que eu quisesse ficar íntima de Mari, mas em minha cabeça a idéia de que, quem sabe estando próxima a ela a tal pessoa que tirou fotos nossa voltaria a atacar. Podia ser que não, mas eu queria pagar pra ver.


Apesar de que ainda precisava de uma explicação da Rafa, afinal as fotos não surgiram no celular dela do nada. De algum aparelho elas foram enviadas.


O percurso até minha casa foi rápido e chegou a ser um alívio não ter que pegar ônibus. Era suportável passar aqueles minutos em um carro com ar condicionado ao lado de Mari.


Chegando, encontrei minha mãe jogada no sofá comendo morangos e assistindo TV, claramente nem se deu ao trabalho de tirar a roupa do trabalho ou guardar a bolsa. Ela sorriu me oferecendo os morangos e aceitei, sentando ao lado tentando prestar atenção na televisão enquanto comia antes de ir tomar um banho e procurar o que jantar.


Até que um pensamento surgiu em minha mente, junto a uma idéia louca.


— Mãe, onde era aquela ilha que o papai comprou uma casa? — perguntei e ela pensou um pouco antes de responder.


— Não lembro bem, só lembro que ele gastou rios de dinheiro porque era um lugar onde pessoas famosas tinham mansões e costumavam frequentar os resorts. Aquela franguinha com quem ele casou deve estar se esbaldando por lá todo final de semana — concluiu com desdém.


— Isso, era uma ilha famosíssima! — Levantei rapidamente e quase corri para o quarto.


— O que deu em você para lembrar daquele traste? — Ouvi ela dizer.


Assim que entrei fui logo ligando para meu pai, mas após chamar diversas vezes a ligação foi para a caixa postal, algo bem comum sempre que eu ligava. Decidi que depois tentaria novamente, afinal não era possível que ele passaria a noite inteira tão ocupado gastando dinheiro.


Quando saí do banheiro notei que havia notificação no celular e para minha surpresa era a Rafa. Involuntariamente sorri antes de abrir a conversa, mas logo em seguida fiquei um pouco tensa lembrando da última vez que nos falamos.




"Já em casa?"


"Finalmente deu sinal de vida pensei que só ia falar comigo quando voltasse de viagem."


"Óbvio que não faria isso, Gizelly! Estive ocupada, ontem acabei dormindo cedo."


"Tudo bem. Então, vai me falar quem mandou aquelas fotos?"


"Não faço idéia de quem foi. É um número desconhecido e quando ligo está sempre desligado."


"Estranho... Quando enviarem mais me avisa."


"Como assim, mais?"


"Quero saber quem é essa pessoa e se tiver que me manter por perto da Mari, vou fazer isso!"





Mal enviei a mensagem e o telefone tocou, era ela ligando.


Tive que respirar fundo três vezes antes de atender.

— O quê está aprontando? — indagou, antes mesmo que eu pudesse dizer alguma coisa.

— Não estou aprontando nada — refutei, tentando ao máximo não sorrir ao ouvir aquela voz.

— Não acho uma boa idéia ficar se encontrando com a Mari no intuito de saber quem mandou as fotos...

— Rafa, era algo que não dizia respeito a ninguém, nem mesmo a você como ex dela e alguém com quem estou tendo um lance. Mari é irmã da minha amiga e minha chefe, me convidou para conversar, saiu embriagada e ajudei ela, pronto! Essas fotos foram tiradas sem o meu consentimento e enviadas a você na tentativa de causar algum problema, não sei se para mim ou para ela, mas foi por pura maldade e eu não posso apenas fechar os olhos até que alguém tente novamente. — Minha boca ficou até seca de tanto que falei.

— Tudo bem, não vou te impedir de fazer algo a respeito. Só peço que tome cuidado a Mari não é alguém fácil...

— Eu sei. — Deitei na cama e enquanto olhava o teto tentando imaginar como ela estava naquele exato momento. — Então, como está aí?

— Divertido. — Seu tom dizia ao contrário. — Todos os dias tem algo novo para fazer. É um lugar lindo, ótimo para passar um fim de semana relaxante ao invés de gravando vídeos. — Sorri imaginando a expressão que ela fazia enquanto dizia aquilo. — No sábado terá uma premiação, me deseje sorte.

— Te desejo toda a sorte do mundo — falei baixinho. — Mas tenho certeza que o prêmio já é seu.

— Como pode ter tanta certeza? — questionou e enquanto isso ouvi o barulho de algo caindo, logo depois veio um palavrão baixinho me fazendo rir. — Desculpa, deixei meu demaquilante cair.

— Vi na internet que você já ganhou alguns prêmios, é muito elogiada...

— Andou me procurando no Google? Pra quê se pode colher as informações direto da fonte?

— A fonte está meio longe e ainda não tive tempo o suficiente para abrir um questionário sobre toda a sua vida. — Ambas sorrimos e após uns segundos de silêncio ouvi ela suspirar.

— É estranho que eu sinta sua falta nesse momento? Deve ser por estar ouvindo sua voz, ou por estar mal acostumada a sempre durante o dia te ver de longe na agência.

— Como assim sempre, Rafaela Kalimann? — inquiri não escondendo a surpresa em minha voz e ela riu. — Eu mal te vejo durante a semana... Espera aí, você tem me espionado?

— Que forma mais estranha de dizer — reclamou. — Eu diria, apreciando... — Ambas rimos em tom bem alto.

— Boa noite Rafa! — gritou minha mãe me assustando e com um sorriso no rosto ela voltou a fechar a porta.

— Caramba mãe! E se eu estivesse falando com outra pessoa? — reclamei em tom de brincadeira.

Um absurdo que ela concluísse que eu estava falando com a Rafa, não era possível estar assim tão na cara que aquela mulher tinha meu interesse todinho para si.

— Que outra pessoa? — Ouvi Rafa questionar e gargalhei em resposta. — Diga a sua mãe que desejei boa noite a ela também.

Nossa conversa se estendeu tanto que eu até esqueci de vestir uma roupa e meu cabelo secou. Só paramos de falar porque minha barriga já não mais roncava, mas sim gritava por comida.

Por mim ficaria falando com ela até adormecer feito uma adolescente apaixonada.

Depois do jantar eu tinha ainda mais certeza de que desejava falar com meu pai, então mais uma vez liguei. Dessa vez ele atendeu no segundo toque e nem precisei entrar no assunto que queria, o convite veio antes mesmo.

— Por que não vem nos visitar na casa de praia, nesse fim de semana? — convidou ele em seu tom alto de sempre, quase me deixando surda. — Viemos passar uns dias aqui aproveitando que a ilha está bombando de turistas famosos. A Laura quer descolar uns trabalhos na TV.

— Só vou porque faz quase um ano que não nos vemos. — Menti descaradamente.

Faziam seis meses que nos encontramos, lembrava-me muito bem que foi no dia do aniversário de vinte anos da Laura. Exatamente isso, meu pai casou com uma garota que na época tinha dezoito anos. Ele só faltava dar o mundo a ela, mas como não era possível gastava toda a herança de meus avós com presentes caríssimos.

Passei o resto da semana uma pilha de tão ansiosa estava. Falei com a Rafa durante todas as noites daquela semana e acompanhei todos os vídeos do canal da revista aproveitando cada oportunidade que tinha para ver ela.

Quando o sábado chegou minha mãe nem acreditou que eu estava me arrumando para ir correndo ver meu pai. Claro que ela sabia que alguma coisa estava errada, afinal eu não era a pessoa mais próxima ao pai que você possa imaginar.

Eu havia visitado a tal casa de praia apenas uma vez na vida e na época tive que voltar às pressas porque minha mãe brigou com o namorado dela e estava arrasada. Esse era o meu drama familiar, um pai que gastava tudo com uma jovenzinha que adorava extorquir cada centavo dele e uma mãe que costumava entrar em relacionamentos com caras errados.

Seria pedir muito, um dia ao menos eu ter um relacionamento saudável?

O pior de tudo na viagem foi ter que, após um rápido vôo, ir de barco até a ilha. Eu sempre ficava enjoada, o mar definitivamente não era para mim, mas sejamos sinceros a vista era maravilhosa.

A ilha era deslumbrante, claramente tudo alí era feito para acolher pessoas ricas, não havia sinal de que uma pobre coitada feito eu conseguiria ir para lá a menos que fosse para trabalhar. A viagem em si não era tão cara, mas a estádia nos resorts custava diárias com valores absurdos e as mansões dos famosos então né, nem se fala.

Claro que a casa que meu pai comprou era a mais modesta, afinal ele iria quebrar se não fizesse esse favor de controlar ao menos um pouco, mas o modesto deles era algo pra lá de exagerado. Ele estava me esperando assim que o barco atracou, todo sorridente para me receber em um abraço demorado demais.

— Como você está bonita! — Aquela frase dele era de lei, não havia uma vez sequer que nos encontrássemos que eu não ouvisse aquilo.

Seguimos de carro pelas ruas calmas, com a vegetação me dando boas-vindas. Era um colírio para os olhos e um bom remédio para os pulmões poder respirar ar fresco e ver a natureza.

O lugar parecia mais lindo do que eu lembrava, a casa estava impecável, afinal deixavam aos cuidados de uma companhia de limpeza que atuava na região. Além disso, ele e a esposa sempre levavam a tira colo uma empregada nas viagens que faziam praticamente todo fim de semana.

Daquela vez pelo visto estavam mais desocupados que nunca. Quem passa uma semana toda sem fazer nada numa ilha porque a esposa está correndo atrás de gente rica e famosa na tentativa de consegui trabalho na TV?

— Cadê a Laura? — perguntei enquanto ele me levava até o quarto que eu ficaria.

— Provavelmente na piscina. Aqui... — Ele abriu a porta. — Você está em casa, então fique a vontade.

Depois de deixar minha mochila de lado, fui até a varanda onde me deparei com uma vista maravilhosa e lá de cima pude ver a garota nadando de um lado para o outro na piscina. Bom, era hora de incluir ela em meus planos.

— Ah, oi Gizelly! — Acenou com um sorriso ao notar minha aproximação. — Você chegou cedo.

— Tudo bem Laura? Vai na festa da revista Work It, hoje? — Fui direto ao ponto, pois não tinha tempo a perder.

— Como você sabe? — Ela riu toda se achando, aproximando-se da mesa onde havia um copo de suco a sua espera. — Vou sim, consegui o convite com uma amiga que trabalha na revista.

— Precisa de convite? — Como eu pude esquecer esse detalhe? Estava achando que era só chegar no resort e entrar como quem não quer nada.

— Claro! Quer vir comigo?

Laura saiu melhor que a encomenda porque além de ser meu passe de entrada na festa ainda me emprestou um vestido lindo de cor vermelha com um caimento divino. Foi como se os anjos estivessem me agraciando com vários milagres naqueles últimos dias.

Quais as chances de uma garota com corpo franzino como Laura ter um vestido que veio no tamanho errado, ficando frouxo nela e perfeito em mim?

Pois bem, depois da tarde toda aguentando a jovem madrasta contar sobre seus possíveis contatos profissionais quando a noite finalmente caiu eu estava uma pilha.

Desde o início queria muito ver de perto aquela premiação e poder ser a primeira pessoa a parabenizar a Rafa. Tinha certeza de que ela ganharia aquele prêmio, mas mesmo que não chegasse a ganhar eu queria estar lá de qualquer jeito.

Coloquei meu vestido e um salto que levei de casa mesmo, me maquiei tentando ficar o mais apresentável possível e quando Laura bateu na porta do quarto anunciando que o carro que nos levaria já estava a nossa espera, senti um frio na barriga.

— Minhas meninas estão deslumbrantes! — esbravejou meu pai, de braços abertos no meio da sala. — Divirtam-se e cuidado.

— Eu cuido dela, meu popô — falou Laura com voz infantil antes de dar uma bitoquinha em meu pai e eu tive que virar o rosto desejando não ter presenciado aquela cena tosca.

O percurso da casa até resort não era muito longo, chegamos em pouco tempo. Ao colocar os pés na área ao ar livre onde ocorria o evento foi que minha ansiedade atacou mesmo, causando dor de barriga desconfortável. Laura foi logo me arrastando para uma roda de pessoas mais velhas onde ela forçou simpatia a todo custo, mas de fininho me afastei deles passando por entre a área onde haviam mesas, meus olhos passeando pelo lugar até que finalmente avistei ela.

Rafa se possível estava ainda mais linda, sentada em uma mesa próximo ao palco sorrindo enquanto conversava com outras pessoas. Sentei em um lugar que dava para ver perfeitamente ela, mas que provavelmente não era tão fácil me ver, afinal por ser asfaltada a iluminação não favorecia. Preferi não me aproximar logo para que ela pudesse aproveitar a noite como faria caso eu não estivesse alí. Bebi um espumante oferecido por um garçom e comi alguns petiscos, tudo isso sozinha antes de Laura me encontrar toda animada por ter recebido uma proposta que tanto desejava.

— Você escolheu a pior mesa — reclamou ela.

Mais tarde, eu não estava mais prestando atenção em nada além da mulher que falava ao microfone anunciando os ganhadores do terceiro e segundo lugar, até que ao anunciar o primeiro ganhador do prêmio jovem empreendedor o nome de Rafa foi pronunciado e eu quase gritei pulando da cadeira, mas me controlei e só levantei mesmo, tentando conter o grito, aplaudindo assim como todos alí.

Rafa abriu um sorriso lindo, daqueles que deixa seus olhos apertadinhos e seguiu para o palco onde pôde receber o prêmio e enquanto fazia alguns agradecimentos deixei Laura falando sozinha.

O lugar explodiu em palmas quando ela finalizou o discurso e ao virar para sair do palco seu olhar encontrou o meu que esperava lá embaixo e naquele breve momento vi o quão surpresa ela estava.




Notas Finais


Desculpa o sumiço gente! Vou tentar postar o máximo de capítulos possíveis em um curto espaço de tempo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...