História El otro lado del oceano - Clace - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Dominic Sherwood, Emeraude Toubia, Harry Shum Jr., Katherine McNamara, Matthew Daddario, Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Magnus Bane, Personagens Originais, Sebastian Morgstren
Tags Clace, Clary, Jace
Visualizações 104
Palavras 1.971
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


GENTE

Desculpa pela demora
Eu n consigo fazer capítulos maiores (e bons) em pouco tempo

Mas cá estamos

Capítulo 3 - Desconhecido


Fanfic / Fanfiction El otro lado del oceano - Clace - Capítulo 3 - Desconhecido

- Posso chorar agora? - a garota de cabelos anelados dizia enquanto se secava.

- Não, Loi. - Clary devia ter deixado - sei que fiz uma coisa errada. Perdón.

- Você tem ideias tão, tão malucas! Sabe que podemos ser acusadas de...

- Eloise López Lightwood-Bane!! Para de achar que Julie tem razão de alguma coisa. Ela é maníaca.

- Meu rosto dói tanto...

O rosto inocente e brincalhão de Loi estava todo vermelho e cortado. Seus braços também estão com arranhões. Clary poderia confessar que Julie se empenhou bastante para desfigurar a garota.

Eloise começa a chorar. Lágrimas caem pelas bochechas, e a menina sequer consegue abrir a boca, tem cortes em seus lábios e, qualquer movimento, provoca um sangramento novo.

Clary abraça a menina com cuidado, enquanto ela segura inutilmente a toalha contra o corpo. Elas nunca tiveram vergonha uma da outra, então isso não era um problema.

- Onde seus pais estão?

- Eles foram falar com Julie. Papai Alec está muito, muito bravo. Acho que tenho que agradecer a Dios por ele não estar armado na hora da festa.

Clary assentiu e pensou em Alec, saindo de um dos quartos todo descabelado e marcado, pronto para resolver uma denúncia.

- Mas eu fiquei sabendo de uma coisa, muito séria.

- O quê? - Clary ficou tensa.

- Seu querido ídolo Jace.

- O que tem ele?

- Escutei ele e papai Alec conversando. Ele está fazendo um processo contra um fotógrafo que está invadindo seu espaço pessoal. - Eloise fica nervosa. - Ou pode ser eu por ter batido naquela put.. Julie, ou você.

- A situação esta cabrón! - "tá foda". Clary respira fundo e tenta se acalmar - Não é nada demais! Jace tem muitos fotógrafos.

- Nós - Eloise aponta pra ela mesma e para Clary - somos as fotógrafas oficiais dele. A porcentagem de ser a gente é muito maior!

- Ok. Desesperada!

Clary e Eloise se olham por um longo momento. A garota ruiva sentiu a tristeza no olhar de Loi e, estranhamente, um nervosismo imenso que nunca tinha acontecido entre elas antes. Eloise estava tensa ao ter Clary por perto?

A ruiva com os cabelos bagunçados e a garota de cabelos anelados e nua. Uma na frente da outra, se encarando, assustadas com todas essas teorias. Tudo isso fazia sentido?


Xxxxxxxx________Xxxxxxxx


Os pais de Eloise ainda não deixaram a menina fazer qualquer coisa junta da garota ruiva. A menina se estressou ao máximo, e tinha motivos para isso, pois desde muito tempo as duas sempre trabalhavam juntas.

Eloise fica remoendo esses pensamentos o dia inteiro, com medo de quê sua melhor amiga não confia mais nela, que só não quer trabalhar porque é uma pessoa preguiçosa e que Clary está trabalhando o dobro só para sustentar uma menina de 17 anos.

Ela falaria tudo isso para a melhor amiga? Certamente que não! Eloise sempre foi uma menina muito teimosa.

Ela se lembra de quando trabalhava na loja de doces. Do quanto se esforçava para ganhar o mínimo.

Talvez seria coisa da cabeça dela, ela pensou. Mas isso não deixava de ficar perturbando seus pensamentos e impedindo de fazer qualquer coisa útil ou importante da sua vida.

Cidade do México
Depois de uma semana da festa na casa de Izzy...

Uma mensagem cai no celular de Clary, que olha rapidamente.

É um e-mail.

Para: Clarissa Adele Fairchild
Assunto: reunião

Boa tarde, Clary.
Como o combinado, preciso marcar uma reunião com a senhorita. É urgente.
Hoje, às 19h. Na minha casa (Você sabe onde é).
Pedirei para que te busquem às 17h.

Jace Herondale.



- Qué chingada - "que merda".

- Ei - Eloise olha para a amiga, preocupada.

Seus machucados estão parcialmente curados. Infelizmente, ela ficou de castigo. Magnus tem sido um pai muito severo, por incrível que pareça. A garota ficará sem trabalhar por uma semana e, como está começando a nova temporada de competições, ela ficará no prejuízo.

Clary disse que ajudará a garota e precisa se esforçar o máximo para conseguir sustentar as duas. Magnus e Alec são caras ricos, talvez até mais que Jace, mas eles sempre ensinaram para a garota que nada daquilo caiu do céu. Claro, eles ajudam quando a pena cai sobre eles, mas, depois da briga na festa da irmã de Alec, Isabelle, os dois não pensarão duas vezes antes de recusar a ajudar Eloise.

- Jace me chamou para uma reunião!

- ¡Dios mio! - Eloise vai até a ruiva e coloca uma mecha do cabelo dela atrás da orelha - vai ficar tudo bem.

Esta última frase parecia mais um consolo para ela mesma do que para Clary. Mesmo assim, a ruiva assentiu e agradeceu.

- Eu preciso te contar mais uma coisa.

- Mais problemas?

- ... Em partes. Escutei Jace e Julie conversando no dia da festa. Jace disse que já estava planejando marcar uma reunião com você antes daquela briga toda acontecer.

Clary arregala os olhos. Mais essa?

- Então antes de toda a briga...

- Sim, ele já queria conversar com você.

Seria uma ponta de esperança?

Depois da conversa que os dois tiveram no dia da festa, Clary poderia ficar mais calma, certo?

XXXXXX------XXXXXX


Clary já estava na casa de Jace. Uma bem grande, por sinal. Era bem decorada e sofisticada.

A viagem da cidade do México para Cancún foi cansativa e Clary estava preocupada com Loi, pois ela estava sozinha na casa da ruiva e, além de não saber o horário em que a reunião acabava, Eloise era menor de idade, então se caso acontecer alguma coisa, Clary poderia ser processada por abandono de incapaz. Isso a deixou tensa.

Um homem havia dito que Jace estaria esperando-a em seu escritório.

Ela estava esperançosa. Tudo se passava de uma coincidência. Era só mais uma reunião geral, não tinha nada que temer.
O ar condicionado gelava sua pele. Por estar com um vestido, Clary se arrepende profunda e imediatamente dessa decisão.

- Então... - Clary diz entrando e se sentando em uma cadeira, cruzando as pernas elegantemente e olhando para os lados - Sobre o que você quer conversar comigo?

- Boa noite, também, Clary. - os olhos dourados de Jace brilham e ele dá uma piscadela. - Como foi de viagem?

- Emocionante. Nunca me senti tão entediada na minha vida!

O homem ri e se senta em uma cadeira na frente da garota.

- Eu aprecio muito o seu trabalho - diz - Tanto de guia turística como fotógrafa.

- ¡Oh, gracias!

- MAS...- Jace disse em tom alto o bastante para Clary se encolher na cadeira - Sinto muito em lhe dizer isso, mas você está demitida!

Clary respirou fundo e encarou os olhos dourados de Jace.

- Ciúmes, senhor Herondale? Qual é o real motivo dessa demissão inútil?

Seus olhos pareceram mais escuros do que nunca. E de repente, o adorável Jace Herondale se tornou uma pessoa completamente diferente daquele surfista carismático.

- Não precisa de explicações para uma demissão, senhorita Fairchild.

- Senhorita Fairchild? - Clary cruzou os braços - isso é ridículo!

- Você não pode falar assim com o seu superior...

- Superior? - Clary debochou - Como você mesmo disse, eu fui demitida, não fui?

- Sim você foi! - Jace encara ela de cima a baixo - convido a senhorita a se retirar da minha casa.

- E eu aceitarei de bom grado!

Clary levanta-se da cadeira, olha para Jace uma última vez e diz bem baixinho.

- Saiba que está tomando uma atitude muito imatura, senhor Herondale. Espero que sua putinha faça muitas fotos para você!

Saindo da sala e contendo ao máximo para não chorar, a garota bate a porta com toda a força que consegue.

Jace não ficou nada bem com isso. Depois de beber duas xícaras de café sem açúcar e pensar nas piores teorias possíveis, resolve que sair um pouco vai lhe fazer bem. Coincidentemente, seu celular cai uma nova mensagem.

Julie: Estou precisando desestressar! ¿Ayudame?

Subitamente, Jace confirmou e saiu de casa.

X.X.X.X.X.X.X.X.X.

Clary, andando pelas ruas, estava desesperada por consolo. Pensou em ligar para Loi encontrá-la. Mas se lembrou: estava muito longe de casa. E as coisas não estavam boas entre elas. Não depois de Clary ter usado a amiga na festa de Izzy. Ela disse que não estava magoada, mas a tristeza estava estampada em seu rosto. Então se sentou na areia da praia e ficou vendo a vista. As ondas indo e voltando. O reflexo da lua na água. O azul do...

Azul.

Os olhos de Julie.

A camisola apertada e decotada de Julie.

Merda, pensou e olhou para a areia, onde uma abelha lutava contra a areia. Aquela abelha era da mesma cor que os olhos de Jace. Ela não esquecera tão cedo.

Demitida.

Jude e Jace.

Esses nomes faziam seu estômago revirar. Ao pensar na briga, na sua melhor amiga toda machucada, no beijo...

Tudo aquilo era sua culpa.

Absolutamente tudo.

- ¡Buenas noches, señorita! - um homem de cabelos pretos e olhos verdes se senta ao lado de Clary - o que faz na praia de noite? Parece meio solitária.

- Estou pensando. - ela não tira os olhos das ondas - Prazer, Clary Fairchild.

O homem ri baixo.

- Claro que é. Todos conhecem você. Inclusive eu.

Só depois de um tempo, Clary percebe que ele está fumando um cigarro. Segurando-o entre os dedos depois de dar um longo trago e olhando pensativo para o mar.

- Ei. Me dá um pouco?

O homem olha para Clary e ergue uma sobrancelha e sorri.

- Eu não gostaria de desandar uma pessoa famosa e... - o sorriso não deixa os lábios do homem - Esse cigarro é muito forte para uma pessoa que nunca fumou.

- Ah, pare de falar besteiras. A vida é para os fortes. Me dá isso! - Clary pega o cigarro da mão do homem e o coloca na boca, puxando todo o ar que conseguia. Depois tosse com força, engasgando.

- É, eu avisei - o homem deu uma gargalhada alta e depois ajuda a ruiva, batendo inutilmente nas suas costas.

- Calma, calma - Clary tragou mais uma vez, prestando atenção em cada movimento que fazia. Sentiu algo em seus pulmões, algo parecido com gentis cócegas. Mal reparou que estava respirando pesadamente e sorrindo como boba, olhando para a imensidão de água azulada.

O homem pegou o cigarro de volta e olhou para a garota.

- Você precisará de mais - do bolso da calça, eltira mais dois cigarros e entrega para ela, que pega-os rapidamente.

- ¡Gracias! - ela se levanta e limpa a areia de seu vestido. O homem acena e fica no mesmo lugar.

Clary não tem certeza de como vai voltar para a Cidade do México, se Jace providenciará a carona de volta.

A garota guarda os dois cigarros e procura algum lugar em que tenha acesso ao Wifi.

Duas novas notificações de Loi no WhatsApp:

Estou preocupada. A sanduicheira não para de apitar.

Clary! Você cria esquilos? Por que tem um na sala?


Clary ri e responde

Já estou chegando. Vou pegar carona logo logo.

Eloise responde rapidamente:

E aí o que aconteceu?

É... demitida.


A garota não responde mais nada.
Mais tarde, Clary recebe um e-mail de Jace, dizendo que os motoristas levariam ela de volta para casa.

Ela entra no carro, em silêncio. A ruiva ainda tinha uma ponta de esperança que tudo ficaria bem. Mas tudo aconteceu tão depressa, de uma forma tão rápida...

Ela olhava pela janela do carro, as coisas passando em um borrão diante de seus olhos.

Depois de belos 50 minutos, a garota ruiva abre a porta de casa encontra a mesma em uma repleta bagunça. E onde está Loi?


Notas Finais


Pra quem não conhece minha outra fanfic, Últimos Segundos, dêem uma olhadinha e ficarei feliz

O que a Clary tá arrumando? SOS

Até o próximo capítulo de EOLDO🌊🏜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...