1. Spirit Fanfics >
  2. Ela é Como o Vento. >
  3. Um passeio no Parque.

História Ela é Como o Vento. - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - Um passeio no Parque.


Fanfic / Fanfiction Ela é Como o Vento. - Capítulo 3 - Um passeio no Parque.





David se acomodara no antigo apartamento da amiga Kate, que fizera questão de lhe ceder o espaço para que ele estivesse confortável durante sua estada em Nova York. Coincidência ou não, seu apartamento ficava no Queens. 


Após passar o dia revisitando lugares familiares à ele, a noite avançou rapidamente, e voltando ao apartamento silencioso, David tomou um banho e se aqueceu nas cobertas da cama queen-size. Ainda assim, seus pensamentos inquietos não o fizeram relaxar. Estar de volta ali era agridoce, estranhamente reconfortante e ao mesmo tempo doloroso. Fitando o teto, David observava o ventilador acima de sua cabeça parado. Virando-se na cama, ele tentou adormecer. Agora, entre o primeiro estágio de sono, o homem se pegou sonhando com a figura fantasmagórica de Ana, surgindo sorrateiramente entre as cobertas, afagando seu corpo e encaixando-se nele como em vida inúmeras vezes fizera. Suspirando em sonho, ele sentiu-se amado novamente, sonhar com ela era a única coisa capaz de lhe trazer alguma paz. 

De repente, um estrondo no andar de cima, algo como um móvel pesado caindo o fez despertar e encontrar-se desolado no mesmo instante em que abrira os olhos encarando a solitária realidade. 

David praguejou silenciosamente pelo seu despertar abrupto. Sentando-se na cama, ele passou a mão pelo rosto, inquieto e irritado. Levantando-se, ele caminhou até a janela, esquadrinhando as calçadas ainda agitadas no começo daquela madrugada fria. Um pensamento incomum lhe passou pela mente; que tal dar uma volta? Ele pensou. Escutando seu próprio pensamento, o loiro decidiu caminhar, talvez assim se cansasse o suficiente para voltar a dormir e aos braços de Ana, ainda que em sonhos. David vestiu-se com o sobretudo e as luvas, agasalhado-se bem, e antes de sair, seu olhar fitou a velha câmera ainda na mala semi aberta e não desfeita em cima da poltrona. Apanhando-a e pondo-a numa pequena bolsa de mão, ele bateu a porta em direção a noite nova-iorquina e toda a inspiração que ela poderia oferecer à um poeta sem uma musa a quem prestar tributo. 


Ao sair do prédio, o barulho das vozes altas nos bares das calçadas eram alegres e vivos. Bem diferentes de seu estado de espírito. O loiro caminhou sem pressa, deixando que seus passos o levassem sem rumo certo à qualquer lugar. A noite estava úmida e fria. E com um olhar disperso e passos vacilantes, David se viu adentrando ao Central Park. Não era surpresa que ele acabara ali, não depois de tantas histórias vividas naquele lugar. 


Haviam alguns jovens barulhentos ouvindo música e bebendo como se a vida fosse uma eterna festa, David parou, à distância suficiente para não fosse notado, retirando sua câmera da bolsa, ele apontou seu olhar artístico para cena a sua frente,  fotografando-os de longe. O grupo sequer notou o flash em sua direção, continuavam imersos em sua diversão sem fim. David sorriu sozinho, apreciando secretamente a inocência daqueles ali presentes. Provavelmente nunca tinham experimentado a dor da vida adulta, e se tivessem, eram mais fortes nessa idade. 


Voltando a caminhar, ele circulou pelo caminho, mirando seu olhar à qualquer coisa que o encantasse. E foi então que ele a viu, sentada num banco fumando um cigarro. A mesma jovem hispânica que ele havia visto mais cedo pela janela da livraria. David sorriu com a coincidência daquilo, permanecendo imóvel alguns segundos,  apenas admirando a beleza da moça. 


Ela tinha os olhos baixos, quase entristecidos, os cabelos caindo pelos ombros encolhidos dentro do sobretudo precário. O vento parecia cortá-la vagarosamente. E ela era a coisa mais bela que o loiro havia visto desde a sua chegada. Intrigante, misteriosa, magnética. Era impossível não ser atraído até ela, à toda melancolia envolta em sua figura, quieta, silenciosa, absurdamente atraente. David não conteve a si mesmo, apanhando a câmera e enquadrando-a para uma foto perfeita. Acreditava que ela não o notaria ali, tal como os adolescentes, a bela deveria estar imersa em sua própria existência, sem poder notar a dele. Com este pensamento, ele bateu a foto, sendo surpreendido pelo olhar imediato que ela lançou em sua direção. Um par de olhos ferozes, castanhos escuros, acertou em cheio o verde dos seus, e por um segundo, David sentiu o ar lhe ser roubado dos pulmões. 



— O que diabos está fazendo? — esbravejou a jovem, ficando de pé e caminhando apressada em sua direção. 

— Você é algum tarado ou o quê? — indagou, agora parando a sua frente com as mãos na cintura. David perdeu os olhos na latina, ela era baixa e franzina, talvez fosse o sobretudo largo que a tornava ainda menor, ele pensou. Seus traços hispânicos eram perfeitamente desenhados em um rosto de beleza exótica, seu olhar ligeiramente assustado cobria seu semblante. O homem sorriu, completamente sem jeito. 


— Me perdoe, não quis assustar você. — disse ele, guardando a câmera na bolsa. A mulher o encarava, agora de braços cruzados e cenho franzido. 

— Sou fotógrafo. — completou ele. E foi a vez de Olivia analisá-lo meticulosamente, encarando-o nos olhos, a jovem mordeu o lábio inferior, uma mania que a atacava sempre que sentia-se nervosa ou encurralada. Guiando os olhos por seu rosto,  analisando suas expressões, ela pôde notar que o homem havia corado. Estranhamente, Olivia sentiu-se encantada por seus traços únicos. David tinha um rosto que inspirava confiança. Talvez fosse o ar angelical de seus cabelos loiros e lábios rosados, ou dos cílios claros cobrindo o verde de seus olhos amargurados. Fosse o que fosse, Olivia sentiu sua ira diminuir gradativamente nos segundos em que o olhara de perto. 


— Você é bizarro. — disse, baixando a guarda e virando-se de costas para o loiro, estava disposta a partir dali e encerrar o estranho incidente, quando ouviu a voz grave e vacilante surgir por trás de seus ombros. 


— Como se chama? — perguntou David, vendo-a virar para olhá-lo novamente. 


— Por que quer saber? — replicou a moça, arisca e desconfiada.  David riu, enterrando as mãos nos bolsos do sobretudo e dando de ombros, vendo-a bater o queixo. 

— Está congelando aqui. Se sente bem? — mudou ele de assunto. Olivia permaneceu em silêncio um segundo, antes de respondê-lo. 

— Não… Quer dizer, sim. Só estou um pouco cansada. — respondeu a moça, puxando o sobretudo para frente, tentando mantê-lo fechado. David aproximou-se devagar, como que para não assustá-la, fitando seus olhos demoradamente. 


— Posso te oferecer meu casaco? — disse, a voz agora baixa e calma, genuinamente interessada no bem estar da jovem trêmula à sua frente. Olivia baixou os olhos como se pensasse a respeito da oferta. 

— Você não é nenhum maluco, é? — indagou ela, ainda arredia feito um animalzinho ferido. David baixou os olhos sorrindo, antes de mira-los ao rosto dela novamente. 

— Não, eu prometo que não. — assegurou ele, sério. Retirando imediatamente o sobretudo, o homem o estendeu até ela, a jovem permaneceu parada alguns segundos, olhando-o com o lábio inferior entre os dentes outra vez, denunciando um certo nervosismo antes de finalmente vestir-se com a peça. 

— Obrigada. — disse ela, a voz agora soando baixa e arfante. 

— De nada. — respondeu David. Ambos se entreolharam profundamente. Olivia acabou por sorrir de canto, mostrando apenas o esboço da covinha do lado esquerdo do rosto. 

— Mora longe daqui? — perguntou ela, começando a caminhar, um convite silencioso para que David a seguisse. 

— Há umas três quadras. — respondeu ele, caminhando com ela. Olivia o encarou por cima dos ombros. O olhar atento em seus movimentos. 

— Costuma vir no parque e tirar fotos de mulheres desconhecidas? — perguntou ela, o tom zombeteiro cobria sua voz. David riu alto, atraindo o olhar dela ao seu sorriso simétrico e ardente. Olivia suspirou involuntariamente. 

— Na verdade, não. Eu meio que estava aposentado até esta semana. — revelou o loiro. A moça riu, assentindo com a cabeça. 

— E o que o fez voltar a ativa, senhor ex  fotógrafo aposentado? — zombou com um sorriso de canto. 

— Não sei, esta cidade, talvez. — respondeu ele, como se divagasse sobre a própria resposta. 


Ambos se deram conta de que caminhavam para fora do parque, voltando às calçadas barulhentas. Olivia parou, olhando-o, começando a retirar seu sobretudo do corpo. 


— Não, não. — disse David, impedindo-a de continuar. 

— Fique com ele, você parece estar com muito frio. — completou. 

— Não posso aceitar. — disse ela.

— Por favor, fique. Você realmente estava se contorcendo de frio lá atrás. — disse ele, rindo. Olivia acabou por rir, passando a mão pelos cabelos, colocando uma mecha atrás da orelha. 

— É por que eu estou meio doente, talvez eu até passe isso pra você, sei lá. — disse ela sem pensar muito no que dizia. David franziu o cenho, avançando um passo em sua direção e retrocedendo o mesmo com receio de assustá-la. 

— O que você… O que você tem? — gaguejou ele, preocupado em saber. 

— Eu não sei, só um mal estar. Mas não ligue para isso, eu vou esperar um ônibus. — respondeu ela, finalmente retirando a peça do corpo e passando para ele. David a encarou, o olhar repreensivo. Estava estranhamente afeiçoado à aquela jovem, de forma que algo quase paternal lhe tomava o coração. Sentia certa e inusitada necessidade de protegê-la. 

— Tudo bem, onde é o seu ponto de ônibus? — perguntou ele, voltando a estender o sobretudo sobre os ombros dela. Olivia o olhou, rindo, aceitando que ele não a deixaria em paz se não a ajudasse. 

— Logo ali, na esquina. — apontou ela. E ambos retomaram a caminhada até o ponto. O silêncio instalou-se entre seus passos, Olivia mantinha-se aquecida com o agasalho dele, as mangas enormes cobrindo centímetros a mais de seus braços. David mantivera as mãos nos bolsos da calça, a cabeça semi baixa. Olivia parou no ponto de ônibus e sentou-se no banco, David a acompanhou, sentando-se ao seu lado, virando-se em sua direção para olhá-la diretamente. 

— Não é perigoso andar sozinha até em casa uma hora dessas? — perguntou. Olivia deu de ombros. 

— Mais ou menos. — respondeu ela. Ambos se olharam em silêncio mais uma vez. 

— Não se preocupe, cara. Eu estou acostumada. — disse ela com a voz despreocupada. 

— Você vai ficar bem? — perguntou o loiro, com um olhar terno sobre seu rosto. Olivia o olhou de volta, notando o brilho verde de seus olhos à luz do poste da esquina, respirando fundo um segundo antes de respondê-lo. 

— Vou, sim. — garantiu, vendo o ônibus apontar na esquina. Ficando de pé, a moça acenou com a mão, David levantou-se, ficando ao lado dela. Olivia virou-se para ele, retirando o sobretudo e devolvendo-o. 

— Obrigada. — agradeceu, aproximando-se inesperadamente para deixar um beijo em sua bochecha, pegando-o de surpresa. Um rápido e suave roçar de seus lábios em sua pele trouxe um arrepio até sua nuca. David riu, sem jeito. O ônibus parou à frente deles e a jovem subiu os primeiros degraus, dando uma olhadela para o loiro por cima dos ombros. 

— Não me disse seu nome. — gritou ele, quando ela já havia entrado e as portas se fecharam. Olivia atravessou a pequena roleta, colocando seu rosto para fora de uma janela. 

— Olivia. — disse alto.  David  a assistiu sumir com a partida do ônibus, ela tinha um sorriso largo nos lábios. 


— Olivia. — repetiu ele baixinho, um sorriso formando-se em seu rosto. Girando nos calcanhares, David vestiu-se novamente com seu sobretudo, agora impregnado com o perfume da jovem. O homem suspirou para o ar, observando as estrelas no céu, voltando a caminhar até o seu apartamento. Uma estranha sensação dominava seu coração e seu pensamento. Acreditava que jamais voltaria a ver a estranha novamente, mas quisera Deus que voltasse. Olivia era, para um artista como ele, fonte de inspiração viva. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...