História Ela nas passarelas - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug)
Tags Adrien, Adrinette, Desfile, Ladynoir, Marinette, Miraculous, Moda
Visualizações 24
Palavras 1.803
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha só quem retornou dos mortos 😀 EU MESMA kkkk

Sem maiores enrolações vamos para o capítulo e me perdoem os erros, mas, infelizmente, não vou mais ficar revisando os capítulos. E é isso.

Enjoying

Capítulo 5 - Coletiva


Fanfic / Fanfiction Ela nas passarelas - Capítulo 5 - Coletiva

Só tô querendo sua confiança

Mas tô entendendo essa sua insegurança

Eu não tenho culpa do que já passou

Eu só tô buscando ser seu novo amor


Tenta confiar um pouco mais em mim

Deixa eu provar que eu não sou assim

Se desfaz de tanta mágoa

Isso não te leva a nada


Baixa essa guarda e tenta ser feliz

Diz aí pro coração que eu tô a fim

Andar na orla de mãos dadas

Quer ser minha namorada?

Mumuzinho -  Confiança


A mente de Marinette estava límpida, depois do choque que tinha passados há alguns dias ela achava que nada de ruim poderia acontecer, afinal, o que seria pior do que isso? Ter todo seu talento, todo seu esforço, anos de dedicação sendo jogados no lixo. E tudo porque havia se deixado levar por essa atração louca que sentiu por Adrien Agreste. Se tinha alguma coisa que ela não queria nesse momento era se envolver romanticamente com alguém, principalmente pelo que tinha acontecido com Nathaniel ser algo tão recente, apesar da Alya sempre ficar falando que ela tinha que seguir sua vida da forma que ela se sentisse melhor. Estar com Adrien não era ruim, muito pelo contrário, ela se sentia bem quanto estava junto com o modelo e tinha parado de negar para si mesma que entre eles havia uma ligação.

“Essa confusão vai se resolver agora, Marinette. E é melhor se afastar do Adrien depois disso”. Ela pensava enquanto rumava para o local onde seria a coletiva, entretanto, antes que conseguisse concluir mais algum pensamento notou que o loiro caminhava freneticamente em sua direção.

— A gente precisa conversar. – O jovem falou apressado, enquanto passava por ela e a carregava junto para algum outro lugar do prédio.

Quando finalmente chegaram a uma porta cinza, tão igual a todas as outras que tinham por ali, Adrien abriu e entrou sendo seguido pela mestiça.

— Marinette, eu nem sei como começar... – andou nervosamente pelo cômodo, quase tropeçando pelas cadeiras que estavam dispostas ao redor da única mesa que havia ali. Sentou-se encarando a mulher a sua frente com os olhos suplicantes, enquanto passava sofregamente os dedos pelo cabelo dourado. — Acho melhor você sentar também. – continuou.

Marinette sentou ao lado dele com o semblante preocupado, imaginando o que poderia ter acontecido para que Adrien Agreste, o cara que sempre parecia tranquilo e descolado, se encontrasse nesse estado de calamidade.

— Eu vou logo ao ponto. Eu preciso da sua ajuda e eu espero do fundo do coração que você me entenda, pois essa é minha última esperança. – A cada frase de Adrien, Marinette ficava mais apreensiva. — Eu sei que a coletiva que a gente marcou hoje era pra dizer que nós não estamos juntos, mas o que eu preciso no momento é dizer exatamente o contrário.

Marinette esbugalhou os olhos enquanto ouvia tais palavras e chegou a engasgar com a própria saliva, como assim ele precisava dizer o contrário? Não deu muito tempo para processar as ideias direito, nem de falar qualquer coisa que fosse, pois logo em seguida o celular de Adrien começou a tocar.

— Oi, Natalie. – O modelo ouviu o que sua assistente tinha a dizer e prosseguiu. — Certo, nós já estamos a caminho. – Adrien virou novamente para fitar a garota ao seu lado e tudo que ele podia ver era que ela estava em pânico e não tinha a menor ideia de como poderia melhorar o clima entre eles agora. — Olha, nós temos que ir, vou resumir tudo até a sala de conferências, mas não acho que as coisas vão ficar menos piores do que estão.

Adrien saiu novamente carregando Marinette para outro local, enquanto ela permanecia catatônica e sem saber o que deveria fazer naquele momento.

— Adrien... – chamou. — Eu não posso fazer isso. – concluiu a mestiça com as únicas palavras que conseguiu.

— O negócio é o seguinte, Marinette. – começou o rapaz. — Meu pai, como você sabe, a gente não tem lá um relacionamento muito bom, mas ele agora inventou que eu tenho que ter um casamento arranjado. – Adrien cuspia as palavras rispidamente. — E eu realmente não estou a fim de me tornar um fantoche na mão dele novamente. – Um longo suspiro pairou no ar e Adrien continuava andando em passos largos fazendo com que Marinette tivesse que, praticamente, correr para acompanhá-lo. — Por Deus! Eu já tenho praticamente trinta anos e ele ainda continua me tratando como uma criança. – Quando chegou nessa parte a sua companheira de caminhada percebeu o quanto ele estava exaltado com toda essa história. — Olha, eu conheço a garota há um bom tempo. A Kagami é legal e tudo mais, mas eu, definitivamente, não quero me casar com ela. A única forma de me livrar disso é confirmando nosso relacionamento, pelo menos assim eu posso, ao menos, ganhar um pouco mais de tempo.

A mente de Marinette que a pouco tempo estava nublada com tudo o que ele já vinha dizendo desde que se encontraram naquele prédio, agora parecia um turbilhão e nos segundos que se seguiram até que os dois chegasse a sala de conferência algumas palavras não paravam de ecoar em sua cabeça e a sequência infinita era: casamento arranjado, eu conheço a garota e a Kagami é legal. A mestiça sentiu-se um pouco enjoada com as palavras repetidas em sua mente, logo veio um aperto no coração e uma pontada de raiva. Não houve muitos momentos em que ela tinha se sentido de tal maneira e logo ela reconheceu aquele sentimento: Ciúme. Marinette se assustou com a sua própria constatação. Tudo bem que ela admitia que entre eles rolava uma química, mas daí a ela começar a sentir ciúmes apenas porque o pai dele quer que ele se case com outra já era pedir demais dos seus próprios limites. E quando, mais uma vez, ela tentava colocar todos os pensamentos em ordem foi interrompida.

– Então, Mari... – Os olhos de Kryptonita encararam a jovem com profundidade. — Posso contar por você? – E se em algum momento antes desse ela pensou que não fosse Clark Kent, agora ela tinha certeza que ela era o Super-Homem e que dessa vez estava totalmente vulnerável ao olhar esverdeado em sua direção. As pontadas que sentia em seu peito, como se um buraco negro de angustia estivesse engolindo seu coração e as palavras que não paravam de se repetir dentro do seu ser a faziam ter certeza de que essa batalha estava perdida, mesmo que a guerra a ser travada fosse contra seus próprios sentimentos. 

— Pode... – respondeu reticente e assim que a resposta foi dada o casal entrou na sala de conferência onde vários reportes da cidade esperavam sedentos por uma nova matéria bombástica.

Marinette estava cega e não era apenas pelos inúmeros flashes que reluziam diante de sua face, ela não conseguia ver nem ouvir enquanto o loiro do seu lado respondia as várias perguntas feitas pelas pessoas que estavam à sua frente, pois ela ainda tentava internalizar tudo que havia acontecido nos últimos minutos. A sino-franca pode apenas concordar com movimentos de cabeça enquanto sorria amarelo para tentar disfarçar a sua cara agoniada. Ela se quer conseguia entender com o que estava concordando ou deixando de concordar.

Assim que acabou a entrevista coletiva a jovem pode respirar um pouco mais aliviada, mas apenas pelo termino das perguntas insistentes e não porque não estava nervosa por ser oficialmente a “nova namorada” de Adrien Agreste. E para não dizer que ela não havia compreendido tudo o que aconteceu naquela sala, ela tinha escutado Adrien falando que eles já se conheciam há algum tempo e que ela havia o ajudado a retomar a sua carreira de top model, já que com a influência de seu pai e a briga que eles tiveram ele não conseguiria colocação em nenhum desfile de Paris.

 Os repórteres pareciam satisfeitos com toda aquela historinha inventada e caminhavam para a uma das saídas existentes na sala e eles iam para o lado oposto.

— Adrien...

— Marinette, me desculpa. – interrompeu o modelo. — Eu sei que isso pode acabar atrapalhando a sua carreia, mas de qualquer forma eu queria agradecer, então, muito obrigado. – concluiu enquanto encarrava profundamente a jovem a sua frente. — Ah, e se eu poder ser útil em alguma coisa, seria um imenso prazer te ajudar.

— Adrien... – Marinette repediu o nome dele enquanto tentava pensar em como diria tudo o que estava sentindo. — Olha, eu não sei bem como dizer isso, mas... – Adrien estava compenetrado nas palavras que saiam da boca dela. Mas eu preciso de um tempo para poder pensar em tudo isso e eu gostaria que a gente se afastasse um pouco ou eu acho que eu vou pirar completamente. – O semblante de Adrien parecia abatido com o seu desabafo e isso foi o suficiente para fazer seu coração se contorcer. — Você é um cara legal e nenhum de nós tem culpa disso tudo, mas eu realmente preciso colocar a cabeça no lugar, está tudo muito bagunçado agora. – Adrien acenou positivamente ainda fazendo cara de gato abandonado. 

O silencio pairou entre os dois e não foi possível evitar que o constrangimento surgisse naquele momento. Adrien se sentia devastado, isso não era bem o que ele tinha planejado desde o início, entretanto compreendia como Marinette se sentia e não gostaria de pressioná-la mais do que já tinha acabado de fazer, não era justo com ela e ele já havia pedido demais dela até o presente momento.

— Certo. – disse por fim. — Acho que você tem todo direito de querer preservar o seu espaço. – Era impossível não perceber o quanto o modelo estava desanimado com a situação. — Eu vou respeitar o seu desejo, mas eu queria saber se você precisa de uma carona pra casa. – falou com um sorriso triste nos lábios.

— É melhor eu ir sozinha, uma caminhada vai me fazer bem agora. – Marinette negou a carona, mas tudo que seu coração queria era poder passar mais alguns minutos ao lado do modelo, só que sabia que, quanto mais tempo ficassem juntos, seria mais difícil na hora de dizer adeus. — Então, tchau, Adrien...

— Tchau, Marinette. – repetiu a contragosto.

A mulher que balançava seu coração como um terremoto de 9,5 na escala Richter andava para longe de si e talvez tomasse um rumo completamente diferente do seu e ele não sabia se conseguiria contornar mais uma vez esse golpe que o destino acabava de lhe dar. Um sabor amargo pairava em sua boca, enquanto o rancor pelo pai apenas aumentava. Uma vez ele renunciou ao seu amor pela moda apenas para que conseguisse um pouco de liberdade, mas, dessa vez, ele não ia mais ser um fantoche nas mãos de Gabriel Agreste, ele não ia, mais uma vez, deixar de lado algo que tanto almejava. Ele não deixaria que Marinette saísse de sua vida.




Notas Finais


Espero que tenham gostado e se gostou acerta o 💜 e compartilhem o seu amor pela história.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...