História Ela Vai Ser Minha - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Ally Brooke, Camila Cabello, Demi Lovato, Dinah Jane, Lauren Jauregui, Normani, Shawn Mendes
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Shawn Mendes
Visualizações 17
Palavras 2.190
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 22 - 22


Narrador.

- Lembrou que tem casa? - Camila se equilibrou para não cair da escada com o susto que Karen deu nela.

- Oi para você também, Ka. - Desceu de volta, ficando de frente para Karen. - Eles já foram?

- Ainda não, estão lá no meu quarto.

- Então eu vou direto pro meu quarto. - Voltou a subir mais rápido.

- Não adianta fugir, Camila. Uma hora ou outra vocês irão dar de cara. Vocês estão na mesma casa.

- Camila? - Arqueou suas sobrancelhas surpresa.

- Não, minha menina. - Mentiu e Camila percebeu.

- Parece. Vou dormir, estou cansada. - Terminou de subir sem olhar para Karen.

- Você vai sofrer, minha menina. E o Shawn vai junto.

Karen se lamentou, mas Camila já estava em seu quarto pronta para pular na cama quando seu celular tocou.

Era Lauren.

- Alô. - Atendeu com um sorriso bobo no rosto.

- Alô, Camila?

- Já cheguei em casa. Já estava indo dormir.

- Que você chegou eu já sei. Eu vi sua mensagem falando isso.

- Que foi? Que voz de brava é essa?

- Não poderia ter me acordado?

- Fala sério, Lauren. Eu te chamei. Até chamei para tomar banho comigo. - Tirou o sorriso do rosto. Só poderia ser brincadeira dela.

- Eu não me lembro disso.

- Eu me lembro bem, afinal eu estava bem acordada. Mas você me ligou para brigar comigo?

- Não, desculpa. É que acordar sem você do meu lado é estranho. E eu já estou com saudade.

- Eu também já estou com saudade. Mas eu tinha que dar as caras aqui em casa ou a Karen iria atrás de mim.

- Olhando por esse lado, eu aceito que não acordei com você do meu lado. Vai descansar um pouco.

- Vou mesmo, você não me deixa dormir.

- Você não tem vergonha na cara? Se deixar você dorme o dia todo, Camila.

- Eu que não tenho vergonha na cara? Quem estava dormindo até agora, hein?

- Só foi hoje. Sempre acordo cedo.

- Claro que sim. A senhorita é das que deixa uma cama maravilhosa para ir correr ou fazer alguma coisa.

- Não gosto de ficar muito tempo na cama se for para ficar sozinha.

- Boba.

- Vai descansar, amor. Depois a gente se fala.

- O que você falou?

- Que depois a gente se fala. - Camila revirou os olhos.

- Ok, já vou ir dormir. Boa noite, Laur. Beijo.

- Boa noite, Camz. Beijos.

Camila desligou sem acreditar no que Lauren tinha lhe chamado, sorriu ao lembrar e quando estava prestes a deitar outra vez, ouviu batidas na porta.

- Camila? - Dinah abriu a porta, mas esperou por uma autorização.

- Pode entrar. - Soltou seu celular na cama.

- A gente pode conversar?

- Claro, Dinah.

- É rápido. - Fechou a porta antes de se aproximar de Camila. - Eu queria pedir desculpa.

- Pelo que?

- Você sabe, eu me afastei de você e tudo mais. Eu precisava de um tempo e acabei te deixando de lado.

- Está tudo bem, Dinah. Esquece isso.

- Você sabe que não está, Camila. Não somos assim uma com a outra.

- Posso fingir que nada daquilo existiu, assim como você fez comigo todos esses dias.

- Eu estou pedindo desculpa, poderia aceitar?

- Desculpas aceitas.

- Posso te dar um abraço então?

- Pode sim. - Camila não iria negar um simples abraço, até porque iria prolongar a visita de Dinah ao seu quarto. - Boa viagem.

- Obrigada. - Dinah soltou Camila para olhar em seus olhos.

- Dinah? - Sussurrou.

- Camila? - Fez o mesmo.

- Acho melhor você ir. Daqui a pouco vão subir para te chamar.

- Eu também acho melhor eu ir. - Chegou mais perto de Camila.

- Não faz isso, Dinah. Por favor...

- Eu... - Se afastou como se tivesse levado um susto. - Eu não vou fazer nada.

- Boa viagem

- Desculpa, Camila.

Dinah saiu do quarto feito um foguete. Parou no topo da escada ouvindo Karen conversando com Shawn, uma conversa que ela não fez questão de ouvir, deixou os dois e foi até o banheiro lavar seu rosto.

- Toma cuidado na estrada, Shawn.

- Eu sempre tomo, mãe. Não precisa ficar preocupada com a gente.

- Toda mãe se preocupa com seu filho. Isso vem de mãe. E você sabe que essa sua história com a Dinah pode acabar rápido, não sabe?

- Eu sei, mãe. Por isso mesmo eu vou aproveitar bastante com ela bem longe daqui.

- Segura esse coração, meu filho.

- Está tudo bem, relaxa. Seu filhão vai aproveitar cada instante dessa viagem, pode acreditar.

- Vamos? - Dinah apareceu atrás deles.

- Vamos sim. Eu ligo quando chegar lá, mãe.

- De olhos abertos na estrada, Shawn Peter.

- Pode deixar, Ka. Eu vou manter os olhos dele abertos até chegar na cabana.

- Obrigada, menina Dinah. Alguém tem que ter juízo na cabeça.

- Então já vamos. Tchau, mãe. - Abraçou sua mãe de um lado e Dinah do outro.

- Tchau, Ka.

- Tchau, meus meninos.

Karen subiu até seu quarto com a certeza que Shawn tinha feito a maior das bagunça. Ela estava certa. Arrumou tudo como estava antes e desceu outra vez.

Estranhou a casa silenciosa demais. Aquilo queria dizer que Camila estava dormindo. A menina vivia cantando pela casa, também era de resmungar muito quando estava triste ou estressada. A casa nunca ficava em silêncio.

O silêncio de Karen estava no fim uma hora e meia depois. Camila acordou assustada por causa de um pesadelo, preferiu não dormir outra vez, pegou sua coberta e desceu.

- Ka? - Karen a olhou e não deixou de sorrir. Desde quando havia conhecido Camila, ela sempre deixava seu quarto pela sala atrás de um pouco de atenção.

- Hoje é só você e eu?

- Só você e eu. - Sorriu com seus lábios fechados.

- O que quer fazer, minha menina?

- Quer sair para algum lugar?

- Não, vamos pedir alguma coisa pra comer e assistir algum filme que você ainda não assistiu, que tal?

- Perfeito, Ka. - Se jogou no sofá ao lado da mulher mais velha.

- Procura um filme bom, eu vou pedir nossa comida.

- Qualquer um?

- Qualquer um. Já volto.

Karen saiu rumo a cozinha só para pegar o telefone que tinha ficado lá e voltou para o lado de Camila.

Camila olhava com tédio para sua televisão, não tinha quase nada que ela já não tinha assistido. Karen fazia o pedido da pizza rindo dela. Ficou séria logo em seguida quando ela pediu mais uma coisa para comer.

O tempo que Camila levou para escolher um filme, foi o tempo do primeiro entregador chegar em sua casa.

- Obrigada, moço. Pode ficar com o troco. - Fechou a porta indo até a mesa de jantar.

- O que chegou?

- A pizza, agora só falta a macarronada delicia chegar.

- Ainda não sei como vai comer tudo isso, acho bom não jogar nada fora.

- Não vou jogar nada fora, vai ver. - Falou já sentada com a caixa de pizza entre elas.

- Não sei pra onde vai tudo isso, mas sei quem te deu essa fome toda.

- Não me mata de vergonha, Ka. - Sentiu suas bochechas pegarem fogo de vergonha.

- Coloca o filme aí. Quando a macarronada chegar, você coloca pausa e eu pego ela.

- Até a macarronada chegar, a pizza já acabou. - Deu os ombros.

- Isso é gulodice, sabia?

- Não é não.

- Claro que é. Quem come pizza e macarrão um atrás do outro?

- Eu como. Eu só sou boa de garfo, é diferente.

- Sei, coloca logo esse filme.

- Antes eu posso fazer uma pergunta?

- Acabou de fazer. - Riu ao ver Camila revirando os olhos rindo também.

- Outra então.

- Pode sim. Qual é a sua pergunta?

- O namoro do Shawn e da Dinah é sério? - Perguntou com receio.

- Não sei te responder isso. - Ficou séria.

- Fala, Ka. Eu sei que você sabe sim.

- Eu não sei, você deveria perguntar para eles.

- Não, deixa pra lá. - Não é como se eles quisessem falar comigo. Completou em sua cabeça. Pegou seu celular para ver se tinha alguma mensagem, até tinha, mas nenhum de quem ela queria.

- Então coloca logo esse filme e para de conversa fiada.

- Quem ta de conversa fiada aqui? Eu hein.

- Você, você e só você.

- Como eu te amo, Ka.

- Ama? - Cruzou os braços.

- Amo sim.

- Prova esse amor largando esse celular e coloca logo esse filme que eu já mandei você colocar várias vezes e nada.

- Ta bom, ta bom, já vou colocar... - Soltou o filme de comédia que tinha escolhido. - Pronto, pronto.

- Ótimo, agora fica shiu. Quero prestar atenção do começo até o fim.

- Sabia que você é a melhor, né? - Karen a olha sem falar nada. - Já shiei.  
[...]

- Laur? - A chamou logo após soltar suas chaves na mesa.

- Aqui na cozinha. - Caminhou em passos lentos até encontrar sua irmã de costas.

- Você perdeu a melhor festa do ano. Caramba, bebi muito. - Se virou para olhar bem em seu rosto, tendo a certeza que sua irmã tinha bebido mesmo.

- Deixa o Ruan ficar sabendo que a noiva dele anda indo para festas sem ele.

- Ele não vai saber e se saber, eu não ligo. Não fiz nada de errado.

- Louca. - Negou com a cabeça.

- Cadê a Mila? Ta dormindo? Acabou com a menina, Lauren?

- Não, ela já foi pra casa e me deixou aqui dormindo. E ninguém acabou com ninguém. - Allyson segurou a vontade de rir, mas preferiu mudar de assunto.

- Mas me fala. Ela vai com você?

- Vai sim. - Disse contente.

- Você sabe que isso tudo pode acabar péssimo pra vocês duas, não sabe?

- Sei sim, mas nós estamos tomando alguns cuidados para nada disso acontecer. Sei bem o que estava em jogo quando deixei tudo isso acontecer. Só que puta que pariu, com ela é tudo diferente e logo ela faz dezoito.

- Vocês duas ficam tão fofinhas juntas. Tenho vontade de tirar uma foto e colocar bem no meio da sala de tão fofo que é.

- É que você não viu ela dormindo, parece um bebê.

- Vishi, já era.

- O que foi? Esqueceu alguma coisa na festa?

- Você cometeu o pior erro de todos, Lauren.

- O que eu fiz? Eu contei tudo certinho e ainda nem coloquei tudo na panela.

- Que panela, meu Deus? Ninguém quer saber de panela aqui. Você se apaixonou pela sua aluna, Lauren. Esse foi seu erro.

- Não me lembra disso, Ally. Foi tudo tão rápido, até me assustou de pensar em como foi rápido.

- Relaxa, é o último ano dela e daqui uns meses ela fica de maior como você mesma disse. Vocês vão poder sair por aí se beijando igual duas bobas apaixonadas.

- Eu não vejo a hora disso acontecer, mas até lá a gente toma cuidado para ninguém pegar nada sobre isso.

- Posso contar como foi a festa agora?

- Claro que pode, se não contar eu sei que não vou dormir hoje.

Lauren puxou uma cadeira quando sua irmã se sentou na mesa. Allyson normal já falava pelos cotovelos, bebida era o dobro.

Enquanto ela falava, Lauren foi terminar de fazer o que estava fazendo para comer. Comeu minutos depois de ficar pronto e Allyson ainda falava. Era hoje de cortar aquela história ou passariam a noite ali.

- Agora acabou? - Desligou a torneira já sem paciência.

- Como você é chata, mas eu já acabei sim. - Fingiu estar brava.

- Eu queria te contar uma coisa, mas você não cala a boca.

- Se for das suas intimidades com a Mila, eu não quero saber. Até já pensei em algumas coisas, mas não quero saber.

- Eu não vou te contar isso, eu quero te falar o que a amiga dela me contou.

- E deu para fazer fofoca agora? Que feio.

- Posso falar?

- Pode. - Jogou um beijo para ela.

- Que coisa. Você não deveria beber.

- Fala logo, Lauren.

- A Camila tinha uma irmã gêmea.

- Isso eu sei, ela me contou.

- Contou pra você e não contou pra mim?

- Isso foi aquele dia da chuva.

- Mas não é só isso...

- A mãe dela não fala mais com ela.

- Que? Que porra.

- Que foi?

- Eu vou pro meu quarto e vou me perguntando como você sabe mais coisas dela do que eu. - Saiu andando para fora da cozinha.

- Volta aqui.

- Pra que? Você já sabe tudo da vida dela.

- Eu não sei como a irmã dela morreu.

- Vai perguntar pra ela. - Saiu batendo os pés igual uma criança birrenta.

- Essa grosseria toda é ciúmes. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...