História Elastic Heart - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias The 100
Personagens Anya, Bellamy Blake, Clarke Griffin, Jasper Jordan, John Murphy, Marcus Kane, Octavia Blake, Personagens Originais, Raven Reyes
Tags Bellamy Blake
Visualizações 18
Palavras 1.401
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Continuando!

Capítulo 8 - Kiss Me


Fanfic / Fanfiction Elastic Heart - Capítulo 8 - Kiss Me

Oh, kiss me beneath the milky twilight(Beije-me sobre o crepúsculo)

Lead me out on the moonlit floor(Leve-me pra fora, no chão iluminado pela lua)

Lift your open hand(Levante sua mão aberta)

Strike up the band and make the fireflies dance,(Faça a banda tocar e faça os vagalumes dançarem)

Silver moon's sparkling(A lua prateada está brilhando)

So kiss me(Então, me beije)

 

Kiss Me - Sixpence None The Richer

 

-Qual é o problema dessa vez? - Anneliese perguntou, aproximando de Bellamy, Clarke, Raven e Finn que pareciam discutir algo.

-Você não consegue ficar cinco minutos deitada? - Raven perguntou.

-Eu estou ótima, Raven - a ruiva retrucou - Pronta pra outra - brincou.

-Nem brinca - Clarke resmungou - Precisamos de pessoas para irem buscar mantimentos para o inverno - contou.

-Beleza, vem comigo, Conquistador? - ela perguntou a Bellamy.

-Você está louca? Você foi esfaqueada e envenenada ontem - ele disse como se fosse óbvio.

-E estou prestes a sair dando piruetas - ela respondeu - Vou pegar minha mochila, pega algumas rações pra gente - pediu e foi em direção a barraca.

-Vocês não vão falar nada? - Bellamy perguntou.

-Não vai adiantar - Clarke encolheu os ombros.

 

[...]

 

-São muitas rações - a ruiva comentou - É uma viagem de apenas um dia.

-Pode acontecer muito em um dia - Bellamy respondeu e fechou a mochila. Os dois saíram do acampamento e começaram a caminhar em direção ao Bunker.

Anneliese e Bellamy caminharam por algumas horas até chegarem as ruínas de uma antiga cidade.

-O posto deveria estar aqui - Anneliese resmungou, olhando em volta.

-Deve ter uma porta - Bellamy respondeu.

-Talvez ele possa te perdoar - ela comentou de repente.

-Eu atirei nele, Anne. Ele não vai perdoar e esquecer - o mesmo retrucou - Vamos nos separar para cobrir uma área maior - ele disse e se afastou - Mas vamos ficar a vista.

-Bellamy - ele ouviu a voz da ruiva alguns minutos depois - Encontrei uma porta - avisou e ele seguiu o som - Acho que está enferrujada - comentou.

-É - Bellamy concordou - Tira o pé - pediu e a ruiva se afastou, dando espaço para o mesmo golpear a porta com o machado. Os dois puxaram e conseguiram abri-la.

Anneliese foi a primeira a descer as escadas, acendendo as duas lanternas que havia trazido e entregando uma a Bellamy.

-Acha que isso está intacto desde a guerra? - Bellamy perguntou.

-Posso sonhar - Anneliese encolheu os ombros.

-Péssimo lugar pra morrer - Bellamy comentou após acharem um esqueleto humano após alguns minutos de caminhada.

-E pra viver também -Anneliese completou - Esse lugar é nojento - resmungou enquanto tentava soltar uma teia de aranha da sua mão.

-O que existia aqui já se perdeu - o mesmo observou.

-Devem ter distribuído os suprimentos antes das últimas bombas explodirem - disse e abriu uma caixa - Pelo menos temos cobertores.

-Ficou emocionada com alguns cobertores? - Bellamy debochou.

-Já é alguma coisa - encolheu os ombros, fechando a caixa novamente.

-Que tal um cantil? Um kit médico? Ou uma tenda decente? - disse e chutou um barril, que fez um barulho ao atingir o chão - Meu Deus!

-O que foi? - Anneliese perguntou, se aproximando e ele lhe mostrou uma das armas.

-Isso muda tudo - Bellamy suspirou - Não temos mais que fugir das lanças. Pronta pra ser durona? - perguntou e lhe ofereceu um pouco das castanhas que havia trazido, mas ela negou.

-Eu não vou brigar com você sobre levar armas para o acampamento, nós precisamos delas, por mais que eu não goste disso - comentou, analisando o pente com a munição.

-Sorte os rifles estarem imersos em graxa. O fato de terem resistido significa que não somos alvos fáceis. Precisa aprender a usar isso - apontou.

-Você sabe que eu prefiro facas - a ruiva resmungou.

-Anne, sua mira é implacável, você nunca erra - Bellamy comentou - Precisamos de você como atiradora.

-Olha, é a primeira vez que você me elogia - a ruiva debochou e Bellamy rolou os olhos - Como eu uso isso? - perguntou.

-Apoia isso no ombro - apontou - Ok, agora um pouco mais pra cima e acerte ali - apontou e Anneliese puxou o gatilho, acertando exatamente onde ele havia mandado.

-Satisfeito, conquistador? - ela perguntou bem humorada - Ainda acho que preciso treinar? - debochou e Bellamy rolou os olhos - Enfim, precisamos pensar em como lidaremos com isso no campo, onde vamos mantê-las e quem terá acesso - comentou, mas Bellamy não disse nada, atirando no alvo que havia criado - Bellamy, o que está acontecendo? - ela perguntou, empurrando a arma para baixo e atraindo a atenção dele - Você está estranho, o dia todo - comentou e encarou a mochila dele - As rações que você pegou, você vai fugir - afirmou.

-Eu não tenho escolha. A Arca virá logo - ele respondeu.

-E você vai deixar a Octavia? - perguntou, cruzando os braços.

-Ela me odeia. Ela ficará bem - Bellamy retrucou.

-Você não sabe… - Bellamy a interrompeu.

-Eu atirei no chanceler! Vão me matar, Anne. No mínimo vão me pôr na cadeia com o terrestre pelo resto da vida. E não adianta, eu não vou dar essa satisfação ao Jaha. Eu preciso de ar - disse e se afastou.

Anneliese sentou-se sobre um amontoado de caixas e esperou, mas Bellamy não voltava. Ela pegou um rifle e saiu silenciosamente do bunker, procurando-o pelos arredores.

Ouviu uma movimentação estranha e viu Bellamy lutando com outro garoto do acampamento, que estava armado com um dos rifles. 

-Solta isso, Dax - Anneliese rosnou, também apontando o rifle para ele.

-Você não deveria estar aqui, Barclay - Dax respondeu, virando-se e apontando o rifle para ela - Eu não queria te matar, mas aí está você. E Shumway disse: Sem testemunhas.

-Do que é que ele está falando? - a ruiva perguntou a Bellamy.

-Shumway armou tudo - o mesmo respondeu - Ele me deu a arma para matar o chanceler.

-Vá embora, e eu não mato você - Dax prometeu.

-Solta. A. Arma - Anneliese disse pausadamente, engatilhando o rifle em sua mão.

-A escolha é sua - Dax resmungou e atirou, mas Anneliese foi rápida e conseguiu desviar, atirando também escondida atrás de uma árvore.

-Não! - Bellamy rosnou e avançou contra Dax, o jogando contra o chão e fazendo sua arma ser jogada para longe. Vendo que Bellamy estava em desvantagem, Anneliese correu e se jogou sobre Dax, o tirando de cima de Bellamy. O garoto conseguiu atingi-la algumas vezes com socos no rosto, antes da ruiva conseguir virar e prender as mãos do mesmo com seus joelhos contra o chão.

-Você não me mataria - Dax debochou e Anneliese retirou uma faca da bota, cravando-a no ombro do garoto e tirando logo em seguida.

-10 segundos, é o tempo de você fugir ou esse machado será cravado no seu crânio. E nem pense em retornar para o acampamento - rosnou e Dax assentiu apavorado. Anneliese se afastou e o garoto levantou, saindo correndo. Anneliese respirou fundo e tentou limpar o sangue que escorria do seu lábio. Viu Bellamy sentado contra uma árvore, respirando pesadamente e foi até ali, sentando-se ao seu lado - Você está bem? - Anneliese perguntou.

-Não… Não estou - ele negou e Anneliese conseguiu perceber a voz dele começando a embargar - Minha mãe… Se ela soubesse o que eu fiz… Quem eu sou… Ela me criou para ser melhor, para ser bom.

-Bellamy… 

-Mas tudo o que faço é magoar os outros… Eu sou um monstro - fungou.

-Escuta, você salvou minha vida ontem, mais de uma vez - Anneliese começou - E por mais que quase sempre seja um imbecil, mas… Eu preciso de você - Bellamy a encarou - Todos precisamos. Nenhum de nós teria sobrevivido se não fosse por você… Você quer ser perdoado, beleza, eu te perdoo. Eu faço isso, ok? - Anneliese disse - Mas não fuja, Bellamy - segurou a mão dele - Você precisa voltar comigo. Você tem que enfrentá-lo.

-Jaha vai me matar quando ele descer - Bellamy encolheu os ombros.

-Vamos dar um jeito, confia em mim - pediu e Bellamy encarou os olhos verdes dela. Segurou o rosto dela e uniu seu lábios em um beijo lento.

 


Notas Finais


Continua...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...